Hecateu de Mileto

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde dezembro de 2009). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Hecateu de Mileto
Nascimento 550 a.C.
Mileto
Morte 476 a.C. (74 anos)
Cidadania Mileto
Etnia gregos
Ocupação geógrafo, historiador, escritor, mitógrafo
mapa do mundo na concepção de Hecateu

Hecateu de Mileto (Mileto, ca. 546 a.C. — ca. 480 a.C.) foi um historiador, geógrafo, mitógrafo, e viajante grego que levava consigo a tradição racionalista de Tales de Mileto, particularmente aplicada à superfície da Terra.

Viajou extensamente pelo Império Aquemênida (Ásia menor, Pérsia, Mesopotâmia e Egito) e escreveu um livro sobre o Egito e Ásia que, contudo, não sobreviveu à viagem. Continuou o trabalho, começado por Anaximandro, de desenhar um mapa do mundo. Dividiu a superfície terrestre em uma metade norte (Europa) e uma metade sul (Ásia), tomando como estrutura divisória a linha leste-oeste do Mar Mediterrâneo e as montanhas do Cáucaso. Desenhou dois continente em forma de semicírculo e rodeados pelo oceano. No entanto, os gregos não eram os viajantes mais destacados e exploradores da época. Tal honra ostentam os fenícios, muito menos letrados (e portanto menos específicos), entre os quais Hanão.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Praticamente todas as informações disponíveis a seu respeito provêm de Heródoto, que foi seu continuador e de Diodoro da Sicília.

De família aristocrática, parece ter passado a primeira parte da vida viajando pela Europa, Ásia e Egito. É provável que tenha exercido papel importante na revolta da Jônia contra a Pérsia (500/494 a.C.). Para Hecateu, a única maneira de derrotar a supremacia persa seria ter o controle dos mares através da construção de uma frota (que deveria ser construída com somas do tesouro do templo de Apolo)[1]. Os jônios, contudo, não aceitaram o projeto, achando-o sacrílego. Ao fim da guerra, Mileto foi incendiada pelos persas e Hecateu foi escolhido como delegado para negociar a paz.

É considerado um dos maiores prosadores que, a partir do século VI a.C., escreveram crônicas mitológicas, históricas, etnográficas e geográficas, que continuaram a tradição oral. Tratava com desprezo as obras dos antecessores e também dos contemporâneos que, segundo ele, escreviam narrativas contraditórias. A obra Descrição da Terra resumia os conhecimentos geográficos dos gregos da época. Sua Genealogias passava em revista os dados históricos da época, corrigindo as imprecisões.

A maior importância de Hecateu foi ter assimilado o clima de renovação cultural que se manifestava na Jônia e que fora iniciado com os primeiros filósofos. Nesta assimilação, transpôs para o campo da história a atitude intelectual dos físicos e matemáticos. Com isso, se iniciou o processo de racionalização dos fatos históricos que preparou o caminho para Heródoto e Tucídides. Testemunhando o que viu e ouviu nas viagens, Hecateu procurou traçar a história das diferentes regiões, mas sobretudo buscando separar o crível do incrível a partir do bom senso e da razão. Já na antigüidade, foi cognominado de Logógrafo.

Referências

  1. História Heródoto

Projetos relacionados[editar | editar código-fonte]

Wikiquote
O Wikiquote possui citações de ou sobre: Hecateu de Mileto