Heinrich Ignaz Franz von Biber

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Retrato do compositor.
Gravura de Paulus Seel, 1681

Heinrich Ignaz Franz von Biber (Wartenberg, Boêmia, atual Stráž pod Ralskem, República Checa, 12 de agosto de 16443 de maio de 1704) foi um compositor e violinista virtuose barroco.

Pouco se sabe de sua educação, além de que pode ter estudado num colégio jesuíta em Opava, na Boêmia, e que possivelmente recebeu alguma educação musical de um organista local. Antes de 1668, Biber trabalhou na corte do Príncipe Johann Seyfried von Eggenberg, em Graz, e depois foi empregado pelo príncipe-bispo de Olomouc, Karl II von Liechtenstein-Kastelkorn , em Kroměříž. Aparentemente Biber tinha boa reputação, e suas habilidades no violino eram altamente apreciadas .[1]

No verão de 1670 Karl II enviou Biber a Absam, perto de Innsbruck, para adquirir novos violinos, feitos pelo luthier Jacob Stainer, para a Kapelle,[2] porém Biber nunca retornou e, em vez disso, começou a trabalhar para o Arcebispo de Salzburg], Maximilian Gandolph von Kuenburg. Como Karl e Maximilian eram amigos, o antigo empregador não tomou nenhuma atitude. Biber permaneceu em Salzburg pelo resto de sua vida.

Em 1684, foi nomeado Kapellmeister (mestre de capela) em Salzburg. Sua vasta produção musical foi recuperada e é interpretada até hoje. Biber serviu à nobreza com afinco, provavelmente sem participar de turnês por outros países. Foi inovador, trazendo para o repertório de violinos, inovações técnicas e estéticas. São relevantes as pitorescas e virtuosísticas Sonatas de Biber, com destaque para a Mystery (Rosary) Sonatas, que inclui novas técnicas e tonalidades incomuns.[3] [4]

Heinrich Ignaz Franz von Biber é pai de Carl Heinrich Biber.

Composições[editar | editar código-fonte]

"Reconfiguração simbólica" do violino para a sonata Ressurreição

Instrumental[editar | editar código-fonte]

  • Sonata a 3 (para 2 violinos e trombone) (Questionável atribuição a Biber no início da carreira como compositor novato)
  • Sonata para 6 trompetes, tímpanos e órgão (1668)
  • Sonata representativa (para violino e continuo) (1669)
  • Sonata La battalia (para 3 violinos, 4 violas, 2 violone, e contínuo) (1673)
  • Sonatas Rosário (para violino in scordatura e baixo contínuo e a passacaglia para violino solo) (também conhecida como Sonatas Mistério) (1676)
  • Sonatae tam aris quam aulis servientes (12 sonatas para 5-8 instrumentos [trompetes, cordas, e contínuo] em diversas combinações) (1676)
  • Mensa sonora (6 suites para violino, duas violas, e contínuo) (1680)
  • Sonatae violino solo (8 sonatas para violino e contínuo) (1681)
  • Fidicinium sacroprofanum (12 sonatas para 1 ou 2 violinos, 2 violas, e contínuo) (1683)
  • Harmonia artificioso-ariosa: diversi mode accordata (7 partitas para 1 ou 2 violinos, 2 violas, 2 violas d'amore, e baixo contínuo em diversas combinações) (1696)

Vocal[editar | editar código-fonte]

  • Missa Christi resurgentis (c.1674)
  • Missa Salisburgensis (atrib.; para 53 partes independentes instrumentais e vocais) (1682)
  • Plaudite tympana (motet) (atrib.; para 53 partes independentes instrumentais e vocais) (1682)
  • Applausi festivi di Giove (cantata) (1687)
  • Li trofei della fede cattolica (cantata) (1687)
  • Alessandro in Pietra (ópera) (1689)
  • Chi la dura la vince (ópera) (c.1690)
  • Requiem em lá (c.1690)
  • Requiem em fá menor (c.1692)
  • Missa Bruxellensis (para 23 partes independentes instrumentais e vocais) (c.1696)
  • Missa Sancti Henrici (1697)
  • Trattenimento musicale del'ossequio di Salisburgo (cantata) (1699)

Referências

  1. Heinrich Ignaz Franz Biber, encyclopedia.com. Retrieved 21 February 2015
  2. (em inglês) StainerQuartett: Jacob Stainer, stainerquartett.ch
  3. Alta Capela
  4. (em inglês) Heinrich Biber (dados biográficos)

Ligações externas[editar | editar código-fonte]


Ícone de esboço Este artigo sobre música é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.