Heinz Forthmann

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Heinz Förtmann)
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Ambox rewrite.svg
Esta página precisa ser reciclada de acordo com o livro de estilo (desde janeiro de 2015).
Sinta-se livre para editá-la para que esta possa atingir um nível de qualidade superior.
Question book-4.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo, o que compromete a verificabilidade (desde janeiro de 2015). Por favor, insira mais referências no texto. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Heinz Forthmann
Nascimento 30 de agosto de 1915 (102 anos)
Hannover, Alemanha
Morte 19 de março de 1978 (62 anos)
Brasília
Nacionalidade alemão
brasileiro (naturalizado)
Causa da morte Ataque cardíaco
Campo(s) Cinematografia e fotografia

Heinz Forthmann (Hanôver, 30 de agosto de 1915Brasília, 19 de março de 1978) foi um cinematógrafo, professor, e fotógrafo brasileiro.

A família, mesmo não sendo de origem judia, veio para o Brasil em 1932, face à crise econômica e ascensão nazista na Alemanha.

Ganhou sua primeira câmera, uma pequena Ikonete de fole, aos 13 anos de idade. Já no Brasil, em Porto Alegre, cursou dois anos de desenho e trabalhou como desenhista da revista literária Guahyba. Forthmann tornou-se cidadão brasileiro no dia 22 de novembro de 1940.

Estudo e especialização[editar | editar código-fonte]

Muda-se para o Rio de janeiro e , junto com Hans Stefan Wertheimer, entrosa texto-desenho e faz propagandas publicitárias para várias empresas. Recebe aulas e um estágio com o reconhecido retratista Stefan Rosenbauer. Förtmann aprende com ele a arte do Portrait-Clássico (foto-realismo) e o jogo de luz e sombra. A arte de Rosenbauer, solidificou a formação do jovem fotógrafo que se especializou na fotografia étnica (Fotógrafo-etnólogo).

Carreira[editar | editar código-fonte]

Em 1942, trabalha no Serviço de Proteção aos Índios, já como Diretor artístico de cinematografia e sonografia da equipe de expedição do serviço etnográfico. Viaja e documenta os índios Terena e Kadiwéu em Mato Grosso. Realiza várias expedições com Darcy Ribeiro e, além do documentário fotográfico faz inúmeros filmes etnográficos sobre os Índios Urubu-Kaapor e o "Funeral Bororo". Inúmeras de suas fotografias se encontram no Museu do Ìndio do Rio de Janeiro, Botafogo. O próprio Darcy Ribeiro dizia que muitas das fotografias que lhe eram atribuidas eram de Foerthmann. Depois, trabalha como autônomo em várias produções nacionais e internacionais.

Finalmente, em seus últimos 15 anos de vida, é professor da Universidade de Brasília, onde implanta, no Departamento de Comunicação, o curso de cinema e fotografia, dando continuidade ao trabalho de Stefan Rosenbauer, ensinando e influenciando gerações de novos fotógrafos.

Falecimento[editar | editar código-fonte]

Falece em 19 de março de 1978 em Brasília, aos 62 anos de idade.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Diários Indios. Os Urubus-Kaapor de Darcy Ribeiro pela Companhia das Letras 1996
  • Filme: documentário sobre a vida do Professor Heinz Foertmann da Universidade de Brasília: Heinz Forthmann e Darcy Ribeiro no Serviço de Proteção aos Índios,SPI, 1949 - 1959 com PDF-Online:http://www.doc.ubi.pt/02/teses_marcos_mendes.pdf

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre um cineasta é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.