Helépolis

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Estrutura de uma helépolis.

Helépolis (em grego: ἑλέπολις) foi um tipo de arma de cerco utilizada por Demétrio, filho de Antígono Monoftalmo, nos ataques contra Salamina do Chipre e no cerco de Rodes em 306 a.C..[1] O termo, em grego ἐλέπολις, significa capturador de cidades.[1]

Demétrio ficou famoso pela arte de capturar cidades em cerco (Poliorcética) e recebeu, por isto, o apelido de Poliórceta.[2]

Helépolis empregadas por Demétrio[editar | editar código-fonte]

Há registros de duas máquinas chamadas helépolis.[1]

A empregada no cerco de Salamina era uma torre blindada com cerca de 45 metros de altura, e a metade de largura, movida por quatro rodas de cerca de quatro metros de altura, com nove andares, contendo máquinas para atirar pedras pesadas, lanças e pedras menores, e operada por duzentos soldados.[1]

No cerco a Rodes, Demétrio empregou uma helépolis ainda maior, construída pelo ateniense Epímaco. Esta era piramidal, e podia se mover também para os lados, era coberta por placas de ferro para se proteger do fogo e foi o maior engenho do tipo jamais construído.[1]

Helépolis nos anos seguintes[editar | editar código-fonte]

O termo helépolis passou a designar a qualquer torre que possuía baterias para derrubar muros, ou máquinas para arremessar lanças e pedras. Uma torre com estas características foi empregada pelos romanos, na captura de Jerusalém.[1]

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b c d e f «Helepolis, Dictionary of Greek and Roman Antiquities, ed. William Smith, John Murray, London, 1875.» 🔗 (em inglês) 
  2. Rafael Bluteau, Supplemento ao vocabulario portuguez e latino que acbou de sahir a luz anno de MDCCXXI (1728), Poliorcética [google books]

Veja também[editar | editar código-fonte]