Helena Roque Gameiro

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Helena Roque Gameiro
Nascimento 2 de agosto de 1895
Morte 26 de abril de 1986 (90 anos)
Cidadania Portugal
Ocupação pintora

Helena Roque Gameiro Leitão de Barros OIP (Lisboa, Lapa, 2 de Agosto de 1895 - Lisboa, São Mamede, 26 de Abril de 1986) foi uma pintora aguarelista portuguesa.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Filha de Alfredo Roque Gameiro e de Maria da Assunção de Carvalho Forte, irmã de Emília, Raquel e Manuel Roque Gameiro, cresceu numa família de artistas. Com apenas 14 anos, Helena dava aulas de desenho e pintura, no atelier do pai na Rua D. Pedro V em Lisboa. As alunas eram todas mais velhas do que ela.[1]

Foi professora de Artes Decorativas na Escola Secundária António Arroio durante 25 anos, tendo sido distinguida por essa actividade como Oficial da Ordem da Instrução Pública a 14 de Junho de 1940.[2]

Casou em Oeiras, Oeiras e São Julião da Barra, a 17 de Agosto de 1923 com o realizador José Leitão de Barros, com descendência, incluindo a ilustre jurista Dra. Rita Leitão de Barros Niny de Castro.

Conjuntamente com os seus irmãos Raquel Gameiro e Manuel Roque Gameiro, participou, em 1911, numa exposição realizada no atelier da rua D. Pedro V. Figurou com aguarelas em diversas exposições da Sociedade Nacional de Belas Artes (1913, 1915, 1924, 1925). Na Décima Exposição, em 1913, recebeu menção honrosa na Secção de Aguarela. Participou na primeira Exposição de Aguarela da S.N.B.A., em 1914. Em 1917, obteve a primeira medalha na Secção de Aguarela na Terceira Exposição de Aguarela, Desenho e Miniatura. Acompanhou o seu pai ao Rio de Janeiro e a São Paulo, em 1920, obtendo assinalável êxito. Em Maio de 1922, Helena Roque Gameiro organizou uma exposição de Arte Aplicada e, em Janeiro de 1923, apresentou-se de novo ao público. Participou na Exposição de Arte, organizada em Junho de 1925, em honra do Congresso para o Progresso das Ciências. Em 1933 expôs, no Porto, com Alfredo e Raquel Gameiro.

Após a morte de seu pai e mestre, ocorrida em 1935, esteve longos anos sem expor, sabendo-se que realizou uma mostra de aguarelas, em Fevereiro de 1947, no estúdio do Secretariado Nacional de Informação[3].

Vários museus nacionais e internacionais possuem obras de sua autoria, entre os quais o Museu do Chiado, o Museu de José Malhoa, o Museu Grão Vasco e o Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro.

Referências e Notas

  1. «Cópia arquivada». Consultado em 22 de novembro de 2011. Arquivado do original em 28 de novembro de 2011 
  2. «Cidadãos Nacionais Agraciados com Ordens Portuguesas». Resultado da busca de "Helena Roque Gameiro". Presidência da República Portuguesa. Consultado em 23 de fevereiro de 2015 
  3. Fernando de Pamplona: DICIONÁRIO DE PINTORES E ESCULTORES Portugueses ou que trabalharam em Portugal, Vol. IV 2ª Edição (actualizada) - Livraria Civilização Editora

Ligações externas[editar | editar código-fonte]