Helena de Adiabena

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Helena de Adiabena
'Rainha de Adiabena e Edessa'
Antecessor(a) Monobas I
Marido Monobas I
Descendência Izates I
Monobas II
Religião Judaísmo

Helena de Adiabena (hebraico:הלני המלכה, morreu ca. 50-56 CE) foi rainha de Adiabena e Edessa, e a mulher de Monobaz I, seu irmão, e Abgarus V. Com seu marido, Monobaz I, ela foi a mãe de Izates II e Monobaz II. Helena se converteu ao Judaísmo cerca do ano 30 CE. Os nomes de alguns membros de sua família e o fato de que ela era casada com seu irmão[1] indicam uma origem Iraniana, Zoroastriana ou Maga.

Fontes de informação[editar | editar código-fonte]

O que é conhecido da Helena é baseado nos escritos de Flávio Josefo, Moisés de Corene, Kirakos Ganjakets, e o Talmude. Josefo, embora mais jovem, foi quase contemporâneo com Helena, vivendo em Jerusalém no momento em que ela viveu e foi sepultada lá, e ele escreveu uma parte substancial da sua obra a partir de conhecimento em primeira mão. As primeiras partes do Talmude, embora baseados em fontes mais antigas, foram compiladas e editadas a partir de cerca do ano 200 em diante.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Helena de Adiabene era conhecido por sua generosidade; durante um período de fome em Jerusalém, ela ordenou para ser trazido de Alexandria milho (em grão) e figos secos de Chipre para distribuição entre aqueles com fome.[2] No Talmude, no entanto (Bava Batra 11a), este é creditado para Monobaz I; e, apesar de que Brüll[3] fala da referência para Monobaz I como indicando a dinastia, ainda Rashi mantém a explicação mais simple—que é efetivamente Monobaz I. O Talmude fala também de importantes presentes que a rainha deu para o Templo em Jerusalém.[4] "Helena tinha um candelabro de ouro feito sobre a porta do Templo," para que quando o sol se levantava seus raios refletiam-se do candelabro e todos sabiam que era o momento para a leitura do Shemá.[5] Ela também fez uma placa dourada em que foi escrita a passagem da Torá,[6] a qual é lida pelo sacerdote quando uma mulher suspeita de infidelidade foi trazida perante ele.[7] O rigor com o qual ela observou a lei Judaica é, portanto, mencionado no Talmud: "Seu filho [Izates] ao ir para a guerra, Helena fez um voto de que se ele voltar saudável, ela iria se tornar uma Nazirita pelo espaço de sete anos. Ela cumpriu o seu voto, e, ao fim de sete anos foi para Judá. Os alunos do Hilel dissem a ela que deve respeitar o seu voto de novo, e por isso, ela viveou como uma Nazirita por outros sete anos. No final do segundos sete anos, ela tornou-se ritualmente impuro, e ela teve que repetir seu voto, assim, foi Nazirita vinte e um anos. Judá bar Ilai, no entanto, disse que ela foi uma Nazirita quatorze anos."[8] "o Rabino Judá disse: 'A sucá [erguida durante a Festa de Sucot o dos Tabernáculos] da Rainha Helena em Lida era mais alta que vinte cúbitos. Os rabinos entraram e não fizeram nenhum comentário sobre isso'."[9]

Helena mudou-se para Jerusalém, onde ela está enterrada na tumba piramidal que ela tinha construído durante sua vida, três estádios ao norte de Jerusalém.[10] As catacumbas são conhecidos como "os Túmulos dos Reis." Um sarcófago com a inscrição Tzara Malchata, em hebraico e em Siríaco, foi encontrado no século XIX por Louis Felicien de Saulcy, é acredita-se que é de Helena.[11]

Palácio de Jerusalém[editar | editar código-fonte]

O palácio real daRainha Helena acredita-se ter sido descoberto pelo arqueólogo Doron Ben-Ami , durante escavações na Cidade de David, no ano 2007.[12][13] O palácio foi um monumental edifício situado na Cidade de David, ao sul do Monte do Templo e foi destruído pelos Romanos no ano 70 DC. As ruínas tinham contidas moedas, vasos de pedra e cerâmica, assim como remanescentes de antigos afrescos. O nível do porão continha uma Mikvá.[14]


Referências[editar | editar código-fonte]

  1. Flávio josefo, "Ant." xx. 2, § 1.
  2. Flávio josefo, l.c. § 5.
  3. "Jahrb." eu. 76.
  4. Yoma 37a.
  5. Yoma 37b; Tosefta Yoma 82
  6. Números v. 19-22
  7. Yoma l.c.
  8. Nazir 19b.
  9. Suk. 2b.
  10. comp.
  11. Corpus Inscriptionum Semiticarum, ii. 156.[esclarecimentos necessários]
  12. Arqueólogos israelenses descobrir 2.000 anos mansão 06/12/2007 [1]
  13. Foto do palácio
  14. Segundo Templo, palácio descoberto.Jerusalem Post