Heliconius

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Se procura pela planta, veja Helicônia.
Como ler uma infocaixa de taxonomiaHeliconius
H. melpomene ssp. aglaope, vista superior.

H. melpomene ssp. aglaope, vista superior.
Ilustração de H. hermathena, uma espécie da Venezuela e Brasil amazônico, vista superior.
Classificação científica
Reino: Animalia
Filo: Arthropoda
Classe: Insecta
Ordem: Lepidoptera
Família: Nymphalidae
Rafinesque, 1815
Subfamília: Heliconiinae[1]
Tribo: Heliconiini[2]
Gênero: Heliconius
Kluk, 1780[1]
Espécies
ver texto
A borboleta H. charithonia, espécie-tipo do gênero, é um Heliconiini que pode ser encontrado na região sul dos Estados Unidos, incluindo os Everglades, na Flórida.[3]
Sinónimos
Heliconius Latreille, 1804
Migonitis Hübner, 1816
Sunias Hübner, 1816
Sicyonia Hübner, 1816
Ajantis Hübner, 1816
Apostraphia Hübner, 1816
Heliconia Latreille, 1818
Phlogris Hübner, [1825]
Podalirius Gistel, 1848
Blanchardia Buchecker, 1880
(Markku Savela)[1]

Heliconius (denominados popularmente, em inglês, Passion vine butterflies ou Longwings; cujo significado, em português, é Borboletas da flor-da-paixão ou Asas longas)[4] é um gênero de insetos neotropicais da ordem Lepidoptera, família Nymphalidae e subfamília Heliconiinae, proposto por Jan Krzysztof Kluk em 1780. Sua espécie-tipo, Heliconius charithonia, foi nomeada por Carolus Linnaeus em 1767, com a denominação de Papilio charithonia[1], sendo uma das poucas espécies de borboletas do gênero a atingir a região sul dos Estados Unidos[3] e chegando até a América Central e cordilheira dos Andes[5]; com a maioria das espécies distribuídas da Guatemala ao noroeste da América do Sul e bacia do rio Amazonas.[6] As lagartas de Heliconius se alimentam de plantas do gênero Passiflora (família Passifloraceae).[7][8] Os tecidos de Passiflora apresentam níveis mais ou menos elevados de compostos glicosídeos cianogênicos[9] que são transferidos para os adultos após a metamorfose, os tornando impalatáveis para seus predadores.[4] Heliconius significa habitantes do Monte Hélicon (de acordo com Turner, 1976), uma montanha no sul da Grécia, mais precisamente na Beócia, considerada na Grécia antiga como fonte de poesia e inspiração.[10][11]

Características principais de borboletas Heliconius[editar | editar código-fonte]

São borboletas dotadas de olhos grandes, antenas longas[10], asas longas e estreitas, geralmente com suas margens arredondadas e apresentando uma diversidade de combinações de cores em negro, branco, amarelo, laranja, abóbora, vermelho e azul.[3][5] Neste caso, sua aparência externa está tão intimamente ligada à sobrevivência e à reprodução, que é alvo de intensa seleção natural e sexual. A combinação dessas duas forças evolutivas gera, rotineiramente, uma grande diversidade em padrões aposemáticos de pigmentos.[12] Por sua impalatabilidade, as espécies de Heliconius estão em frequentes relações de mimetismo batesiano com borboletas[13] e mariposas, ou traças[14], palatáveis de outros gêneros e famílias[13] e em relações de mimetismo mülleriano entre si[10] e entre borboletas da tribo Ithomiini (Nymphalidae; Danainae).[15] Os motivos dessa extrema diversidade são múltiplos, porque o padrão de coloração de asas desempenha seu papel em uma variedade de processos biológicos, desde a termorregulação até a evasão de predadores e a atração para a cópula.[12] Um dos mais conhecidos casos de espécies co-miméticas ocorre entre Heliconius erato e Heliconius melpomene, que evoluíram em uma diversidade de raças geográficas, ou subespécies, parecendo idênticas em qualquer localidade em que convivam; porém seus padrões particulares mudam em cada região de sua área geográfica.[13][16] Para piorar sua complexa identificação[3], espécies que convivem em diferentes habitats e que utilizam diferentes plantas-alimento, com asas de diferentes padrões de coloração, ainda podem gerar híbridos férteis ou inférteis.[13]

Dimorfismo sexual[editar | editar código-fonte]

O dimorfismo sexual aparente pouco ocorre no gênero Heliconius[4], com exceção da rara Heliconius nattereri, da região sudeste do Brasil, em que machos e fêmeas apresentam diferentes colorações em suas asas.[5][6][23] Dentre os fatores pouco perceptíveis, foi descoberto que o olho composto de Heliconius erato é sexualmente dimórfico. Fêmeas apresentam três fotorreceptores sensíveis ao comprimento de ondas de luz, enquanto os machos têm apenas dois.[24]

Hábitos, habitat e alimentação do adulto[editar | editar código-fonte]

Estas borboletas voam lentamente, pairando no ar, em áreas de floresta tropical e subtropical úmida; flutuando frequentemente em trilhas, clareiras e lugares de floresta secundária, onde são mais propensas a encontrar as flores[4] (Psychotria, Psiguria, Gurania. Lantana)[26] e as plantas hospedeiras de suas lagartas.[4] Os adultos destas borboletas, e também de Laparus doris (ex Heliconius doris)[27], coletam ativamente o pólen das flores com sua espirotromba, extraindo nutrientes que lhes capacitem para uma existência mais longa do que as de outras borboletas[26], chegando até nove meses[28], e afetando a sua produção de ovos[26]; o que faz fêmeas coletarem significativamente mais pólen do que os machos.[29] De um breve período de dispersão, após sua eclosão, adultos de Heliconius logo estabelecem-se em áreas onde permanecem para o resto de suas vidas; com populações organizadas em unidades moderadamente sedentárias, com pouco movimento de indivíduos[30], ocupando gregariamente[31], durante a noite, galhos de arbustos ou árvores baixas e retornando aos mesmos locais na noite seguinte[3], alojando-se em locais mais ou menos protegidos do vento e da chuva.[31] Parece que as plantas e seu pólen são mais significativos para seu estabelecimento do que a planta-alimento das lagartas na determinação da avaliação de uma fêmea sobre seu habitat.[10] Elas desenvolveram um corpora pedunculata maior do que o habitual. Esta é uma região do cérebro dos insetos que se pensa estar envolvida com a memória. Sendo eficazes em aprender a localização de plantas de alimentação e hospedagem de suas lagartas, em seu habitat, e verificando-as durante os meses de sua existência.[8] Para acasalar-se, os machos de certas espécies procuram as pupas das fêmeas, assentando-se nelas um dia antes do surgimento de suas parceiras. A cópula ocorre na manhã seguinte, antes que a fêmea tenha se desvencilhado completamente de sua crisálida.[10]

Ovo, lagarta e crisálida[editar | editar código-fonte]

Os ovos são em forma peculiar de fuso ou em forma de garrafa e são colocados isoladamente[3] ou em grupos.[6] As lagartas são espinescentes e as crisálidas ficam suspensas, com a cabeça para baixo, nos caules de sua planta-alimento.[3] Às vezes elas são dotadas de compridos cornos, como as crisálidas de Heliconius erato e Heliconius hecalesia.[6] Suas lagartas podem ser gregárias, como ocorre com Laparus doris, ou solitárias e canibais. Curiosamente, neste último caso, as plantas de Passiflora, sua alimentação, desenvolveram um sistema de defesa de ovos falsos. As borboletas fêmeas vêem o que parece ser um ovo em um caule novo[8], onde geralmente são depositados os ovos, por conter maiores níveis de glicosídeos cianogênicos[9], e evitam colocar o seu ovo solitário nele, sendo que tal estratagema da planta é basicamente uma intumescência de tecido vegetal amarelado. Elas também desenvolveram folhas de formas muito variáveis, como se fossem disfarces para enganar seus herbívoros; além de apresentar glândulas dispersoras de néctar que incentivam formigas a residir em suas folhas e a repelir os intrusos.[8]

Heliconius Latreille, 1804[editar | editar código-fonte]

De acordo com o Museu de História Natural de Londres, Pierre André Latreille, em seu trabalho Heliconius - publicado no Nouveau Dictionnaire D'histoire Naturelle - deu seu diagnóstico para este gênero em sua página 185, não citando nenhuma espécie nominal (espécie baseada em um espécime tipo). Na página 199, no entanto, Latreille comparou o seu sistema com o de Johan Christian Fabricius e cita Papilio ricini Linnaeus e Papilio charithonia Linnaeus (atribuídos por ele a Fabricius). Deve se notar, aqui, que Latreille observou (na página 95) que este era um novo gênero.

A história subsequente deste nome, do ponto de vista da classificação científica foi, por cento e trinta anos, um dos pontos de mal-entendido contínuo. Várias tentativas foram feitas para selecionar uma espécie-tipo para este gênero, mas todas elas falharam; até que, em 1933, foi selecionado Papilio charithonia (Linnaeus, 1767), a segunda das duas espécies citadas por Latreille em 1804.

O nome Heliconius Latreille 1804 (no parecer 382 do Índice Oficial de Nomes Genéricos Rejeitados e Inválidos em Zoologia, publicado em 1956), foi considerado inválido como um homônimo júnior do nome Heliconius Kluk; sendo inválido também como um sinônimo júnior deste nome.[32][33]; até que, em 2014, a Comissão Internacional de Nomenclatura Zoológica corrigisse a data de publicação dos nomes Danaus, Heliconius, Nymphalis e Plebejus para Kluk (1780), em vez de Kluk (1802).[34]

Nomenclatura vernácula em português[editar | editar código-fonte]

De acordo com os livros Borboletas do Brasil / Butterflies of Brazil, volume 2, de Haroldo Palo Jr.[35], e Borboletas: Livro do Naturalista, de Luiz Soledade Otero[36], as Heliconius podem receber as denominações vernáculas de Gravata (Heliconius besckei), Maria-boba (Heliconius erato[35] ou Heliconius ethilla narcaea)[36], Mariquita (Heliconius ethilla) e Castanha amarela (Heliconius sara).[35] O biólogo Eurico Santos ainda cita, em seu livro Zoologia Brasílica, vol. 10: Os Insetos, as denominações Alemã (Heliconius erato phyllis) e Crista-de-galo para espécies que ele não determinou, no Rio de Janeiro, com asas "de cores vivas, sobre fundo negro ou negro-azulado"; dentre elas, com toda a probabilidade, Heliconius sara apseudes.[37]

Gêneros Eueides e Neruda[editar | editar código-fonte]

Na tribo Heliconiini, outros dois gêneros parecidos com Heliconius são Eueides e Neruda, este último em homenagem ao poeta chileno Pablo Neruda[11] e caracterizado por áreas androconiais expandidas na margem costal das asas traseiras em machos adultos.[38] Apresentam borboletas de menores dimensões, algumas lembrando Acraeini do gênero Actinote, como Eueides pavana; outras lembrando espécies de Heliconius, como Eueides isabella e Neruda aoede.[39]

Galeria de imagens retiradas de Illustrations of new species of exotic Butterflies (século XIX)[editar | editar código-fonte]

Por William Chapman Hewitson.

Espécies e área de distribuição[editar | editar código-fonte]

De acordo com Markku Savela[1], TOLWEB,[10], Palo Jr. e GBIF.

H. hecale
  • Heliconius antiochus (Linnaeus, 1767) - Bacia amazônica e região andina (Peru).
  • Heliconius astraea Staudinger, 1897 - Bacia amazônica.
  • Heliconius atthis (Doubleday, [1847]) - Noroeste da América do Sul (região andina).
  • Heliconius besckei (Ménétriés, 1857) - Brasil central[35] e Mata Atlântica do Brasil.
  • Heliconius burneyi (Hübner, [1831]) - Bacia amazônica e região andina.
  • Heliconius charithonia (Linnaeus, 1767) - Espécie-tipo: sul da América do Norte, América Central e região andina.
  • Heliconius clysonymus Latreille, [1817] - América Central, norte da bacia amazônica e região andina.
  • Heliconius congener Weymer, 1890 - Noroeste da América do Sul.
  • Heliconius cydno Doubleday, 1847 - Sul da América do Norte, América Central e norte da América do Sul.
  • Heliconius demeter Staudinger, [1897] - Noroeste da América do Sul (bacia amazônica e região andina).
  • Heliconius doris (Linnaeus, 1771) = Laparus doris (Linnaeus, 1771)[27][42]
  • Heliconius egeria (Cramer, 1775) - Norte da América do Sul e bacia amazônica.
  • Heliconius eleuchia Hewitson, 1854 - América Central e noroeste da América do Sul.
  • Heliconius elevatus Nöldner, 1901 - Bacia amazônica e região andina.
  • Heliconius erato (Linnaeus, 1758) - Sul da América do Norte, América Central e América do Sul.
  • Heliconius ethilla (Godart, 1819) - América Central e América do Sul.
  • Heliconius hecale (Fabricius, 1776) - América do Norte, América Central e bacia amazônica.
    H. atthis
  • Heliconius hecalesia (Hewitson, 1854) - Sul da América do Norte, América Central e norte da América do Sul.
  • Heliconius hecuba (Hewitson, [1858]) - Noroeste da América do Sul (Equador e Colômbia).
  • Heliconius hermathena (Hewitson, 1854) - Bacia amazônica.
  • Heliconius heurippa (Hewitson, 1854) - Norte da América do Sul.
  • Heliconius hewitsoni Staudinger, 1875 - América Central.[43]
  • Heliconius hierax (Hewitson, 1869) - Equador.
  • Heliconius himera (Hewitson, 1867) - Equador.
  • Heliconius hortense (Guérin-Méneville, [1844]) - Sul da América do Norte, América Central e noroeste da América do Sul.
  • Heliconius ismenius Latreille, [1817] - Sul da América do Norte, América Central e norte da América do Sul.
  • Heliconius lalitae Brévignon, 1996 - Guianas.
  • Heliconius leucadia Bates, 1862 - Noroeste da América do Sul (bacia amazônica e região andina).
  • Heliconius luciana Lichy, 1960 - Norte da Venezuela.
  • Heliconius melpomene (Linnaeus, 1758) - América Central e América do Sul (bacia amazônica, região andina, Brasil central e Mata Atlântica do sudeste e nordeste).
  • Heliconius nattereri C. Felder & R. Felder, [1865] - Mata Atlântica do Brasil.
  • Heliconius numata (Cramer, [1780]) - Noroeste da América do Sul (bacia amazônica, região andina e Brasil central), Espírito Santo.
  • Heliconius pachinus Salvin, 1871 - América Central.[44]
  • Heliconius pardalinus (Bates, 1862) - Noroeste da América do Sul (bacia amazônica e região andina).
  • Heliconius peruvianus (C. Felder & R. Felder, 1859) - Peru.
  • Heliconius ricini (Linnaeus, 1758) - Suriname e Trinidad.
  • Heliconius sapho (Drury, 1782) - Sul da América do Norte, América Central e noroeste da América do Sul.
  • Heliconius sara (Fabricius, 1793) - Sul da América do Norte, América Central e América do Sul.[1][35]
  • Heliconius telesiphe (Doubleday, 1847) - Região andina.
    H. numata
  • Heliconius timareta (Hewitson, 1867) - Região andina.
  • Heliconius tristero Brower, 1996 - Colômbia.
  • Heliconius wallacei Reakirt, 1866 - Noroeste da América do Sul (bacia amazônica, região andina e Brasil central).
  • Heliconius xanthocles Bates, 1862 - Noroeste da América do Sul (bacia amazônica, região andina e Brasil central).

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b c d e f Savela, Markku. «Heliconius» (em inglês). Lepidoptera and some other life forms. 1 páginas. Consultado em 20 de fevereiro de 2018 
  2. Savela, Markku. «Heliconiinae» (em inglês). Lepidoptera and some other life forms. 1 páginas. Consultado em 20 de fevereiro de 2018 
  3. a b c d e f g SMART, Paul (1975). The Illustrated Encyclopaedia of the Butterfly World, In Colour. Over 2.000 species reproduced life size (em inglês). London: Salamander Books Ltd. p. 180-187. 274 páginas. ISBN 0-86101-101-5 
  4. a b c d e MURAWSKI, Darlyne A. (dezembro de 1993). Passion Vine Butterflies: A Taste for Poison (em inglês). National Geographic. Vol. 184, Nº 6. p. 122-137. 142 páginas.
  5. a b c d e D'ABRERA, Bernard (1984). Butterflies of South America (em inglês). Australia: Hill House. p. 95-106. 255 páginas. ISBN 0-9593639-2-0 
  6. a b c d e JIGGINS, Chris D. (2017). The Ecology and Evolution of Heliconius Butterflies (em inglês). Reino Unido: Oxford University Press - Google Books. 288 páginas. ISBN 978-0-19-956657-0. Consultado em 20 de fevereiro de 2018 
  7. Estrada, Catalina; Gilbert, Lawrence E. (1 de junho de 2010). «Host plants and immatures as mate-searching cues in Heliconius butterflies» (PDF) (em inglês). Animal Behaviour. Elsevier. (Smithsonian Institution). pp. 231–239. Consultado em 20 de fevereiro de 2018 
  8. a b c d e Wade, Nicholas (1 de agosto de 2000). «In Death-Defying Act, Butterfly Thrives on Poison Vine» (em inglês). The New York Times. Consultado em 20 de fevereiro de 2018 
  9. a b Hay-Roe, Mirian Medina; Nation, James (fevereiro de 2007). «Spectrum of Cyanide Toxicity and Allocation in Heliconius erato and Passiflora Host Plants» (em inglês). Journal of Chemical Ecology. Volume 33. (Springer). pp. 319–329. Consultado em 20 de fevereiro de 2018 
  10. a b c d e f Beltrán, Margarita; Brower, Andrew V. Z.; Jiggins, Chris (21 de julho de 2010). «Heliconius Kluk 1780» (em inglês). Tree of Life Web Project. 1 páginas. Consultado em 20 de fevereiro de 2018 
  11. a b Turner, John R. G. (junho de 1976). «Adaptive radiation and convergence in subdivisions of the butterfly genus Heliconius (Lepidoptera: Nymphalidae (em inglês). Zoological Journal of the Linnean Society, 58 (Wiley Online Library). pp. 297–308. Consultado em 25 de fevereiro de 2018 
  12. a b Kronforst, Marcus R.; Papa, Riccardo (1 de maio de 2015). «The Functional Basis of Wing Patterning in Heliconius Butterflies: The Molecules Behind Mimicry» (em inglês). Genetics 200(1). (NCBI). pp. 1–19. Consultado em 20 de fevereiro de 2018 
  13. a b c d «Mimicry» (em inglês). Heliconius Homepage. 1 páginas. Consultado em 20 de fevereiro de 2018 
  14. SMART, Paul (Op. cit., p.78-79.).
  15. a b Elias, Marianne; Joron, Mathieu (2015). «Mimicry in Heliconius and Ithomiini butterflies: The profound consequences of an adaptation» (em inglês). BIO Web of Conferences 4, 00008 (CiteSeerX). 1 páginas. Consultado em 20 de fevereiro de 2018 
  16. MURAWSKI, Darlyne A. (Op. cit., p.135.).
  17. Heliconius wallacei (fonte)
  18. Heliconius sapho (fonte)
  19. Heliconius cyndo (fonte)
  20. Beltrán, Margarita; Brower, Andrew V. Z. (21 de julho de 2010). «Heliconius charithonia (Linnaeus 1767)» (em inglês). Tree of Life Web Project. 1 páginas. Consultado em 20 de fevereiro de 2018 
  21. Ilustração com a relação de mimetismo mülleriano entre as borboletas Heliconius ismenius telchinia (à esquerda) e Lycorea halia (à direita). (fonte).
  22. Savela, Markku. «Lycorea halia» (em inglês). Lepidoptera and some other life forms. 1 páginas. Consultado em 20 de fevereiro de 2018 
  23. Beltrán, Margarita; Brower, Andrew V. Z. (21 de junho de 2010). «Heliconius nattereri C. Felder & R. Felder 1865» (em inglês). Tree of Life Web Project. 1 páginas. Consultado em 20 de fevereiro de 2018 
  24. McCulloch, Kyle J.; Osorio, Daniel; Briscoe, Adriana D. (2016). «Sexual dimorphism in the compound eye of Heliconius erato: a nymphalid butterfly with at least five spectral classes of photoreceptor» (em inglês). Journal of Experimental Biology. pp. 2377–2387. Consultado em 20 de fevereiro de 2018 
  25. Mugrabi, Elna (5 de outubro de 2004). «Borboletas de Vitória - H. nattereri (fêmea)». Flickr. 1 páginas. Consultado em 20 de fevereiro de 2018 
  26. a b c Krenn, Harald W.; Eberhard, Monika J. B.; Eberhard, Stefan H.; Hikl, Anna-Laetitia; Huber, Werner;Gilbert, Lawrence E. (1 de dezembro de 2009). «Mechanical damage to pollen aids nutrient acquisition in Heliconius butterflies (Nymphalidae (em inglês). Arthropod Plant Interact 3(4). (NCBI). pp. 203–208. Consultado em 20 de fevereiro de 2018 
  27. a b Laparus doris (fonte)
  28. Hoskins, Adrian. «Tiger Mimic Longwing - Heliconius numata (Cramer, 1780)» (em inglês). Learn about butterflies. 1 páginas. Consultado em 20 de fevereiro de 2018 
  29. Boggs, C. L.; Smiley, J. T.; Gilbert, L. E. (março de 1981). «Patterns of pollen exploitation by Heliconius butterflies» (em inglês). Oecologia 48(2). (NCBI). pp. 284–289. Consultado em 20 de fevereiro de 2018 
  30. Moura, Priscila Albuquerque de; Quek, Swee-Peck ; Cardoso, Márcio Z.; Kronforst, Marcus R. (20 de janeiro de 2011). «Comparative population genetics of mimetic Heliconius butterflies in an endangered habitat; Brazil's Atlantic Forest» (em inglês). BMC Genet 12: 9. (NCBI). 1 páginas. Consultado em 20 de fevereiro de 2018 
  31. a b Endringer, Fabíola B.; Silva, Péricles R.; Lutz, Leonardo V. (2004). «Hipóteses evolutivas sobre a origem e manutenção dos dormitórios comunais de Heliconius erato (Lepidoptera, Nymphalidae (PDF). Natureza on line 2(1). (ESFA). pp. :1–9. Consultado em 20 de fevereiro de 2018 
  32. «Heliconius Latreille, 1804» (em inglês). Museu de História Natural de Londres. 1 páginas. Consultado em 23 de fevereiro de 2018 
  33. «Heliconius Kluk, 1780» (em inglês). Museu de História Natural de Londres. 1 páginas. Consultado em 23 de fevereiro de 2018 
  34. «The Bulletin of Zoological Nomenclature» (em inglês). ICZN. Setembro de 2014. 1 páginas. Consultado em 23 de fevereiro de 2018 
  35. a b c d e PALO JR., Haroldo (2017). Butterflies of Brazil / Borboletas do Brasil, volume 2. Nymphalidae 1ª ed. São Carlos, Brasil: Vento Verde. p. 924-963. 1.728 páginas. ISBN 978-85-64060-10-4 
  36. a b OTERO, Luiz Soledade (1986). Borboletas. Livro do Naturalista (21 X 28cm) 1ª ed. Rio de Janeiro: Ministério da Educação - FAE. p. 71. 112 páginas. ISBN 85-222-0195-1 
  37. SANTOS, Eurico (1985). Zoologia Brasílica, vol. 10. Os Insetos 2ª ed. [S.l.]: Itatiaia. p. 35-43. 244 páginas 
  38. Brower, Andrew V. Z. «Neruda J. R. G. Turner 1976» (em inglês). Tree of Life Web Project. 1 páginas. Consultado em 25 de fevereiro de 2018 
  39. D'ABRERA, Bernard (Op. cit., p.94.).
  40. Savela, Markku. «Tithorea tarricina» (em inglês). Lepidoptera and some other life forms. 1 páginas. Consultado em 20 de fevereiro de 2018 
  41. Savela, Markku. «Elzunia humboldt» (em inglês). Lepidoptera and some other life forms. 1 páginas. Consultado em 20 de fevereiro de 2018 
  42. Savela, Markku. «Laparus doris» (em inglês). Lepidoptera and some other life forms. 1 páginas. Consultado em 20 de fevereiro de 2018 
  43. «Heliconius hewitsoni» (em inglês). GBIF. 1 páginas. Consultado em 20 de fevereiro de 2018 
  44. «Heliconius pachinus» (em inglês). GBIF. 1 páginas. Consultado em 20 de fevereiro de 2018 
Ícone de esboço Este artigo sobre lepidópteros, integrado no Projeto Artrópodes é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.