Heloisa André Pontes

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Heloísa André Pontes (Belo Horizonte, 27 de abril de 1959) é uma antropóloga brasileira.

Heloísa Pontes graduou-se em Ciências Sociais pela Universidade Estadual de Campinas em 1980. Possui mestrado em Antropologia Social também pela Universidade Estadual de Campinas (1986), e doutorado em Sociologia pela Universidade de São Paulo (1996). Pós-Doutorado pela Stanford University (2002) e Livre-Docência pela Unicamp (2008).

É professora do Departamento de Antropologia do Instituto de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade Estadual de Campinas, pesquisadora do Pagu - Núcleo de Estudos de Gênero da Unicamp e bolsista de produtividade em pesquisa do CNPQ (Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico). Membro do comitê acadêmico da Anpocs (Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Ciências Sociais)[1] (biênio 2009-2010), integrou o comitê editorial da Revista Brasileira de Ciências Sociais e foi editora da seção de resenhas dos Cadernos Pagu.

É autora, entre outras publicações, de Destinos Mistos: Os Críticos do Grupo Clima em São Paulo (ganhador do prêmio CNPQ-Anpocs de melhor obra científica em Ciências Sociais editada no ano de 1998)[2] e Intérpretes da Metrópole: História Social e Relações de Gênero no Teatro e no Campo Intelectual (Edusp/Fapesp, 2010)[3].

Suas pesquisas estão voltadas para a antropologia urbana, a sociologia e a etnografia da vida intelectual, a história social do teatro brasileiro, e as relações entre gênero e corporalidade. Já orientou 4 doutorados, 12 mestrados (um deles premiado pela Anpocs), 6 monografias de graduação, 13 projetos de iniciação científica. Desde 2010 é pesquisadora ID do CNPQ. Também é pesquisadora do IDESão Paulo (Instituto de Estudos Econômicos e Sociais de São Paulo).[4]

Em março de 2011 lançou o livro Intérpretes da Metrópole, publicação que resulta da tese de livre-docência defendida por ela em 2008. Na obra, a autora procura apreender as relações entre a cidade, no caso São Paulo, e a vida intelectual, a universidade e o teatro, sob a ótica da história da cultura e das relações de gênero.[5]

É casada com o sociólogo Sergio Miceli.

Referências