Henri-Frédéric Amiel

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Henri-Frédéric Amiel
Nascimento 27 de setembro de 1821
Genebra
Morte 11 de maio de 1881
Genebra
Cidadania Suíça
Ocupação poeta, filósofo, diarista, escritor, professor catedrático, crítico literário, tradutor
Assinatura
Signature Henri Frédéric Amiel.jpg

Henri-Frédéric Amiel (Genebra, 27 de setembro de 1821 – Genebra, 11 de maio de 1881) foi um filósofo, poeta e crítico da Suíça.[1] Filho de família Huguenote, forçados a se mudar para a Suíça, devido a revogação do Édito de Nantes.

Depois de perder seus pais ainda muito jovem, Amiel se encontrou na necessidade de constantemente se mudar, devido à isso, se viu íntimo dos principais líderes intelectuais da Europa de sua época, o que o incentivou a desenvolver seus estudos em filosofia Alemã em Berlim. Em 1849, foi indicado como professor de estética na Academia de Genebra, culminando na sua posse da cadeira de filosofia moral em 1854.

As nomeações conferidas pelo Partido Democrático de usa época, o privaram do apoio do Partido Aristocrata, que dominavam toda a cultura da cidade. Esse isolamento, inspirou-o a escrever sua Magnum opus, Diário Íntimo, publicado postumamente, dando-lhe ótima reputação por toda a Europa

É mencionado no poema "Não sei dançar", do Livro Libertinagem, de Manuel Bandeira.[2] Em 2013, lança-se no Brasil o livro "Diário Íntimo", com tradução de Mário Ferreira dos Santos

Obras[editar | editar código-fonte]

  • Berlin au printemps de l’année 1848 (1849)
  • Du mouvement littéraire dans la Suisse romane et de son avenir (1849)
  • Grains de mil (1854)
  • Il penseroso (1858)
  • La Cloche (1860)
  • La Part du rêve (1863)
  • L’Escalade de MDCII (1875)
  • Charles le Téméraire (1876)
  • Les Étrangères (1876)
  • L’Enseignement supérieur à Genève depuis la fondation de l’Académie depuis le 5 juin 1559 (1878)
  • Jean-Jacques Rousseau jugé par les Genevois d’aujourd’hui (1879)
  • Jour à jour (1880)
  • Fragments d’un journal intime (1884, 1887, 1923, 1927)
  • Philine (1927)
  • Lettres de jeunesse (1904)
  • Essais, critiques (1931)

Referências

  1. Amiel, Henri Frédéric (2008). The private journal of Henri Frédéric Amiel (em inglês). [S.l.]: Macmillan Co. p. 582, 673, 675 
  2. Barbosa, Frederico. Modernismo Na Literatura Brasileira (em inglês). [S.l.]: Iesde Brasil. p. 76. ISBN 9788538707417 
Wikiquote
O Wikiquote possui citações de ou sobre: Henri-Frédéric Amiel
Portal A Wikipédia possui o:
Portal de Filosofia
Ícone de esboço Este artigo sobre filosofia/um(a) filósofo(a) é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.