Henri Béraud

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Henri Béraud
Nascimento 21 de setembro de 1885
Lyon
Morte 24 de outubro de 1958 (73 anos)
Saint-Clément-des-Baleines
Sepultamento Saint-Clément-des-Baleines
Cidadania França
Ocupação jornalista, escritor, romancista, Antiquário, lojista
Prêmios
Empregador Le Canard enchaîné, Le Crapouillot, Le Petit Parisien, Paris-Soir, Gringoire, L'Œuvre

Henri Béraud, (Lyon, 21 de setembro de 1885 - Saint-Clément-des-Baleines, 28 de outubro de 1958), também conhecido como Tristan Audebert, era um escritor e jornalista francês. Ele foi condenado à morte - mais tarde comutado para prisão perpétua - por colaboração com os alemães, em 1945.

Vida[editar | editar código-fonte]

Henri Béraud era filho de um padeiro. Em 1903 iniciou seu trabalho no jornalismo.[1] Ele se juntou ao semanário satírico Le Canard enchaîné em fevereiro de 1917, recomendado por Paul Vaillant-Couturier e Roland Dorgeles. Ele renovou sua antiga amizade com Albert Londres. Ele publicou histórias, uma curta série (L'angoisse du mercanti ou le compte du tonneau em 1918), um estudo sobre o humor Lyonnais e, especialmente, artigos polêmicos.

Mais tarde, ele se tornou conhecido como um dos romancistas e repórteres mais vendidos da França, e ganhou o Prix Goncourt em 1922. Ele era virulentamente anglofóbico e, em menor grau, anti-semita. Esses fatores o levaram a apoiar França de Vichy.[2]

Sua ajuda do governo de Vichy fez com que fosse condenado à morte em 1945, mas vários escritores, incluindo François Mauriac, intervieram em seu nome. A sentença foi comutada por Charles de Gaulle para prisão perpétua. Em 1950, ele foi libertado por motivos de saúde. Ele morreu oito anos depois.[3]

Trabalhos[editar | editar código-fonte]

  • L'École moderne de peinture lyonnaise (1912)
  • Le Vitriol de Lune (1921, prix Goncourt 1922)
  • Le Martyre de l'obèse, (prix Goncourt 1922)
  • Lazarus, Albin Michel, 1924 (republicado em 2006 pela Hippocampus Press junto com An Exchange of Souls de Barry Pain , ed. ST Joshi)
  • Ce que j'ai vu à Moscou, Les Éditions de France 1925
  • Le Bois du templier pendu, Les Éditions de France, 1926
  • Ce que j'ai vu à Berlin, Les Éditions de France, 1926
  • La Gerbe d'or, Les Éditions de France, 1928
  • Ce que j'ai vu à Rome, Les Éditions de France, 1929
  • Qu’as-tu fait de ta jeunesse? (1941)
  • Les Lurons de Sabolas (1932)
  • Ciel de suie (1933)
  • Faut-il réduire l'Angleterre en esclavage (1935)
  • Les raisons d'un silence, Inter-France, 1944
  • Les derniers beaux jours, Plon, 1953
  • Portraits de contemporains
  • Retour sentimental vers Alphonse Daudet, 2001
  • Écrits dans Gringoire (1928–1937), 2003
  • Au Capucin Gourmand
  • Le Flâneur salarié
  • "Rendez-vous européens, Les Éditions de France, 1928

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. «Biography.com». Consultado em 6 de abril de 2008. Cópia arquivada em 8 de agosto de 2007 
  2. The Collaborator: The Trial & Execution of Robert Brasillach by Alice Yaeger Kaplan: page 204
  3. Time Magazine obituary

Links externos[editar | editar código-fonte]

Wikiquote
O Wikiquote possui citações de ou sobre: Henri Béraud
Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço relacionado ao Projeto Biografias. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.