Henri Ellenberger

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Henri Frédéric Ellenberger
Nascimento 6 de novembro de 1905
Nalolo, Barotseland, Rodésia Britânica
Morte 1 de maio de 1993 (87 anos)
Quebec, Canadá
Ocupação psiquiatra, historiador médico

Henri Frédéric Ellenberger (Nalolo, Barotseland, Rodésia, 6 de novembro de 1905 – Quebec, 1º de maio de 1993) foi um psiquiatra, historiador médico e criminologista canadense, às vezes considerado o fundador da historiografia da psiquiatria.[1][2] Ellenberger é lembrado principalmente por A Descoberta do Inconsciente, um estudo enciclopédico da história da psiquiatria dinâmica publicado em 1970.

Vida[editar | editar código-fonte]

Henri F. Ellenberger nasceu na Rodésia Britânica de pais suíços e passou a infância na colônia. Mais tarde, naturalizou-se como cidadão francês e formou-se em Estrasburgo, na França, em 1924.

Ele estudou medicina e psiquiatria em Paris.[3] Aluno do professor Henri Baruk, obteve seu doutorado em 1934,[4] enquanto trabalhava no famoso Hôpital Sainte-Anne, ao lado de contemporâneos conhecidos como Jacques Lacan (cujo talento para a autopublicidade ele notou anteriormente).[5]

Após o surgimento do governo de Vichy, Ellenberger emigrou para a Suíça em 1941. Lá, ele ensinou algumas vezes em Zurique, onde frequentou Carl Gustav Jung e Ludwig Binswanger, e passou por uma análise de treinamento com Oskar Pfister entre 1949 e 1952, antes de se tornar membro da Sociedade Psicanalítica Suíça (SSP), fundada justamente por Oskar Pfister e também por Hermann Rorschach, o inventor do famoso teste projetivo.[6] Ele recolhe informações para escrever uma biografia sobre Hermann Rorschach, que publicará em inglês em 1954. Ele é então médico-chefe do asilo cantonal de lunáticos de Breitenau, perto de Schaffhausen. No entanto, ele colaborou com a revista francesa L´Évolution psychiatrique, editada na época por Henri Ey, que encomendaria três artigos para seu grande tratado sobre psiquiatria clínica e terapêutica.[7]

Em 1953, em uma grande mudança de carreira, Ellenberger tornou-se professor na Clínica Menninger em Topeka (Kansas). No final de 1958, Ellenberger deixou Topeka. Ele obteve um compromisso de pesquisa na Divisão de Psiquiatria Social e Transcultural da Universidade McGill em Montreal.[8] Mais tarde (1962), tornou-se professor de criminologia na Université de Montréal, no Canadá. Lá ele faria um trabalho pioneiro em vitimologia, explorando a psicodinâmica entre agressor e vítima.[9]

Publicações e prêmios[editar | editar código-fonte]

Ellenberger é lembrado principalmente por The Discovery of the Unconscious (A Descoberta do Inconsciente), um estudo enciclopédico da história da psiquiatria dinâmica publicado em 1970. Este trabalho traçou as origens da psicanálise e da psicoterapia desde a pré-história do século XVIII nas tentativas de curar doenças através do exorcismo, como praticado pelo padre católico Johann Joseph Gassner, e a partir dele passando pelos pesquisadores do hipnotismo, Franz Mesmer e marquês de Puységur, ao neurologista do século XIX Jean-Martin Charcot e as principais figuras da psicanálise do século XX, Sigmund Freud, Alfred Adler e Carl Gustav Jung.

Robin Skynner elogiou a clareza de sua apresentação das ideias das grandes figuras do século XX em seus contextos sócio-históricos.[10] O relato de Ellenberger sobre Pierre Janet também foi destacado para menção especial;[11] enquanto Anthony Stevens fez uso de seu conceito de "doença criativa" em seu relato de Jung.[12]

Peter Gay também destacou a menção ao artigo de Ellenberger, de 1972, sobre Anna O, a qual Gay considerou que "corrige persuasivamente as interpretações errôneas de Jones e de Freud ao relembrar o caso".[13] No entanto, esse foi apenas um dos 35 artigos históricos que Ellenberger publicou antes e depois de sua grande sinopse.[14]

O Centro de Recursos Henri Ellenberger em Paris foi nomeado em sua homenagem.[15] Durante sua vida ele recebeu muitos prêmios, incluindo a Medalha de Ouro do Prêmio Beccaria, em 1970,[16] e a Medalha Jason A. Hannah, da Sociedade Real do Canadá.[2]

Caracterização[editar | editar código-fonte]

Ellenberger foi caracterizado como um dos acadêmicos independentes interdisciplinares de meados do século no pensamento psiquiátrico.[17] Sua trajetória profissional única e o revisionismo freudiano independente, embora moderado, fizeram dele, às vezes, uma figura isolada, especialmente com a virada biológica da psiquiatria no final do século XX.[18] Sua própria crença na importância central da realidade do inconsciente nunca vacilou, mesmo com o desaparecimento de seu sonho de uma síntese que "faria justiça às exigências rigorosas da psicologia experimental e às realidades psíquicas experimentadas pelos exploradores de o inconsciente".[19]

De 1956 a 1959, Ellenberger começou a ensinar história da psiquiatria na Menninger Foundation (onde George Devereux já havia dado uma palestra sobre psicanálise e antropologia).[20] A experiência de exílio teve um papel fundamental na explicação do interesse de Ellenberger pela história.[21]

Crítica[editar | editar código-fonte]

Ellenberger foi criticado por modelar sua imagem das origens da psiquiatria no conflito iluminista com a demonologia - no triunfo da razão iluminada sobre a cegueira da fé.[22]

Obras[editar | editar código-fonte]

  • The Discovery of the Unconscious: The History and Evolution of Dynamic Psychiatry. New York: Basic Books. Hardcover edition: 1970, ISBN 0-465-01672-3. Paperback edition: 1981, ISBN 0-465-01673-1. The complete text is available online from Questia.
  • Beyond the Unconscious: Essays of Henri F. Ellenberger in the History of Psychiatry (Princeton 1993) ed. Mark S. Micale
  • Doctors of the Soul (1995), ed. Elisabeth Roudinesco
  • Rollo May, Ernest Angel, and Henri F. Ellenberger eds., Existence: A New Dimension in Psychiatry and Psychology (1958)
  • Henri Ellenberger, "Dynamic Psychiatry: An Introduction. Lecture at the Menninger School of Psychiatry on August 22, 1956, Topeka, Kansas", ed. Emmanuel Delille, Zinbun (Kyoto University 2016), 47, p. 125-128.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «Seite nicht gefunden». HLS-DHS-DSS.CH. Cópia arquivada em 24 de setembro de 2015 
  2. a b «Archived copy». Cópia arquivada em 14 de fevereiro de 2006 
  3. Elisabeth Roudinesco, Jacques Lacan (2005) p. 17
  4. Mark S. Micale, 'Henri F. Ellenberger', in Discovering the History of Psychiatry (1994) p. 114
  5. Roudinesco, p. 17 and p. 25
  6. Delille, Emmanuel (2006). «Henri Ellenberger, Henri Ey et le Traité de psychiatrie de L’Encyclopédie médico-chirurgicale : Une carrière américaine sous le patronage de l’Évolution psychiatrique», Gesnerus, 63,‎ p. 259-279 (arquivo)
  7. Delille, Emmanuel (2008). «Un voyage d’observation des psychothérapies aux États-Unis : Henri ELLENBERGER entre psychiatrie transculturelle et héritage janetien (1952)», Les Presses universitaires de Caen (arquivo)
  8. Emmanuel Delille, "On the History of Cultural Psychiatry: Georges Devereux, Henri Ellenberger, and the Psychological Treatment of Native Americans in the 1950s", Transcultural Psychiatry, 53 (3), 2016, p. 392-411.
  9. Ann W. Burgess et al, Victimology (2009) p. 40
  10. Robin Skynner/John Cleese, Families and how to survive them (1994) p. 301
  11. Reed, Graham F. (2007). Gregory, Richard L., ed. The Oxford Companion to the Mind, Second edition. Oxford University Press. Oxford: [s.n.] ISBN 0-19-866224-6 
  12. Stevens, Anthony (1991). On Jung. Penguin Books. London: [s.n.] pp. 178. ISBN 0-14-012494-2 
  13. Gay, p. 751
  14. Micale, p. 112
  15. «Classical Rorschach has moved». www.phil.gu.se 
  16. «Encyclopédie de L'Agora - Ellenberger Henri» 
  17. Micale, p. 113-4
  18. Micale, p. 113
  19. Ellenberger, p. 897
  20. Emmanuel Delille, "Teaching the History of Psychiatry in the 1950s: Henri Ellenberger’s Lectures at the Menninger Foundation", Zinbun, 47, 2016, 109-124.
  21. Delille, p. 120-2
  22. Micale, p. 227

Ligações externas[editar | editar código-fonte]