Henriqueta de França

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Henriqueta Ana
Princesa de França
Retrato póstumo por Jean-Marc Nattier, 1754
Nascimento 14 de agosto de 1727
  Palácio de Versalhes, Versalhes, França
Morte 10 de fevereiro de 1752 (24 anos)
  Palácio de Versalhes, Versalhes, França
Sepultado em Basílica de Saint-Denis,
Seine-Saint-Denis, França
Nome completo  
Henriqueta Ana[nota 1]
Casa Bourbon
Pai Luís XV de França
Mãe Maria Leszczyńska
Religião Catolicismo
Assinatura Assinatura de Henriqueta Ana

Henriqueta Ana de França[1][2] (Henriette Anne; 14 de agosto de 172710 de fevereiro de 1752), por vezes chamada de Ana Henriqueta (Anne-Henriette), foi uma princesa francesa[nota 2] e irmã gêmea de Luísa Isabel da França. Era a segunda filha do rei Luís XV de França e sua esposa Maria Leszczyńska.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Nascida minutos depois da sua irmã gêmea Luísa Isabel a 14 de agosto de 1727 no Palácio de Versalhes, Henriqueta Ana de frança era filha do rei Luís XV de França e sua esposa Maria Leszczyńska. Henriqueta e Luísa Isabel foram criadas em Versalhes, juntamente com o irmão Luís e a irmã Adelaide.[3]

Em 1739, sua irmã Luísa Isabel deixou a França para se casar com o infante Filipe, filho mais novo do rei Filipe V da Espanha. Henriqueta teria sofrido descontentamento com a separação de sua irmã, refugiando-se na música.[4]

Vida na corte[editar | editar código-fonte]

Henriqueta como uma virgem vestal
Por Jean-Marc Nattier, c. 1749

As crianças da realeza francesa podiam participar da vida da corte, bem como organizar suas próprias festividades, mesmo na infância; aqueles mantidos na corte participaram da vida da corte a partir dos doze anos de idade.[4] A partir de 1744, Henriqueta e a irmã Adelaide acompanhavam seu pai à Ópera de Paris e, a partir de 1746, caçavam com ele cinco dias por semana.[4] Em 1744, Henriqueta e Adelaide foram oficialmente transferidas do berçário real e o rei as concedeu uma própria comitiva compartilhada, com uma própria dama de honra.[5]

Henriqueta como - O Fogo,
Por Jean-Marc Nattier, 1751. No Palácio de Versalhes

Henriqueta era considerada uma beldade e mais bonita que sua gêmea mais velha. Ela foi descrita como gentil e melancólica, reservada, mas intensamente leal e talentosa na música.[4] Ela era evidentemente a filha favorita de seu pai, e dizia-se que ela não tinha inimizades na corte.[4]

Henriqueta como Flora, por Jean-Marc Nattier

Apesar de sua beleza, nenhuma negociação séria de casamento foi feita para Henriqueta. Em 1740, Luís Francisco, Príncipe de Conti sugeriu um casamento entre ele e Henriqueta ao pai dela; quando ele ficou sozinho com o rei durante uma caçada, explicando que acreditava que poderia fazer Henriqueta feliz, e que tal casamento significaria que ela nunca teria que deixar seu pai e a França; mas o rei não reagiu favoravelmente à proposta.[6] Paralelamente, Henriqueta se apaixonou, mutuamente, por seu primo, Luís Filipe I, Duque de Orleães, e desejou se casar com ele. O rei inicialmente aprovou o projeto, mas mudou de ideia, não querendo a família Orleães muito perto do trono.[6]

Sua gêmea, que foi descrita como ambiciosa, não estava satisfeita como esposa de um príncipe sem trono; ela manteve contato com a corte francesa e já em 1740 estabeleceu uma rede de contatos para ajudá-la em suas ambições; Henriqueta foi uma de suas defensoras mais fervorosas nesta matéria.[4] De outra forma considerada como habitualmente apática em relação à política, Henriqueta teria se dedicado apaixonadamente a trabalhar para as ambições políticas de sua irmã gêmea, assim como sua irmã mais nova Adelaide e sua cunhada Maria Teresa.[4]

Henriqueta, assim como seus irmãos, não gostavam das ligações extraconjugais de seu pai porque faziam com que seu pai negligenciasse sua mãe. Seu descontentamento com o adultério de seu pai foi direcionado para suas amantes, principalmente Madame de Pompadour, que de 1745 em diante foi a influente maîtresse-en-titre. Juntamente com o irmão Luís e irmã Adelaide apelidou a amante Pompadour de Maman Putain ("Mamãe Puta").[7]

Morte[editar | editar código-fonte]

Henriqueta morreu de varíola em 1752, aos 24 anos. Em fevereiro daquele ano, ela se sentiu um pouco mal e cansada, mas quando o rei lhe pediu para acompanhá-lo em um passeio de trenó, ela não deu sinais de desconforto e aceitou o convite mesmo assim. Ela foi gravemente afetada pelo clima frio e morreu após apenas três dias de doença. Foi relatado que sua família ficou estupefata com a rapidez da doença".[4]

Luís XV reagiu com desespero "violento" à sua morte de sua filha e deu ordens para as mais altas honras em torno de seu funeral; para aumentar o luto público, seus restos mortais foram colocados nas Tulherias em vez de Versalhes antes do funeral, vestida com um de seus melhores vestidos e maquiada para parecer viva.[4] Todavia, a recepção fúnebre pública não foi do gosto do rei, pois o povo "bebeu, riu e se divertiu", o que foi tomado como um sinal da diminuição da reputação da monarquia.[4]

Seu coração foi enterrado na Abadia de Val-de-Grace, enquanto seus restos foram enterrados na Basílica de Saint-Denis. Seu túmulo, como outros túmulos reais em Saint-Denis, foi profanado durante a Revolução Francesa.[8]

Madame Campan escreveu mais tarde: "Madame Henriqueta, irmã gêmea da duquesa de Parma, foi muito lamentável, pois ela teve uma influência considerável sobre a mente do rei, e observou-se que se ela tivesse vivido, ela teria sido assídua em encontrar diversões para ele em no seio de sua família, o teria seguido em suas curtas excursões, e teria feito as honras dos 'petits soupers' que ele tanto gostava de dar em seus aposentos particulares."[9]

Ancestrais[editar | editar código-fonte]

Notas e referências

Notas

  1. Por vezes referida como Ana Henriqueta
  2. As filhas dos reis franceses ostentavam o título de Fille de France (Filha de França).

Referências

  1. Achaintre, Nicolas Louis, Histoire généalogique et chronologique de la maison royale de Bourbon, Vol. 2, (Publisher Mansut Fils, 4 Rue de l'École de Médecine, Paris, 1825), 154.
  2. Antoine, Michel, Louis XV, Fayard, Paris, 1989, p. 467, ISBN 2-213-02277-1
  3. Madame Campan, Memoirs of the Court of Marie Antoinette, Queen of France, Project Gutenberg
  4. a b c d e f g h i j Latour, Louis Therese (1927). Princesses Ladies and Salonnières of the Reign of Louis XV. Traduzido por Clegg, Ivy E. [S.l.]: Kegan Paul, Trench, Trubner & Co. 
  5. Luynes (Charles-Philippe d’Albert, duc de), Mémoires du duc de Luynes sur la cour de Louis XV (1735-1758), Paris, Firmin Didot, 1860-1865, 17 vol.
  6. a b Jules Soury: Les six Filles de Louis XV. Revue des Deux Mondes, 3e période, tome 3, 1874 (pp. 750-98).
  7. Lever, Evelynne (2003). Madame de Pompadour: A Life. Macmillan. p. 85. ISBN 0-312-31050-1.
  8. Francine Demichel (1993). Saint-Denis ou le Jugement dernier des rois. Éditions PSD, p. 243
  9. Madame Campan, Memoirs of the Court of Marie Antoinette, Queen of France, Projeto Gutenberg. Consultado em 2 de maio de 17.
  10. Frederic Guillaume Birnstiel, ed. (1768). Genealogie ascendante jusqu'au quatrieme degre inclusivement de tous les Rois et Princes de maisons souveraines de l'Europe actuellement vivans (em francês). Bourdeaux: [s.n.] p. 12 
  11. Żychliński, Teodor (1882). Jarosław Leitgeber, ed. Złota księga szlachty polskiéj: Rocznik IVty (em polaco). [S.l.: s.n.] p. 1 
O Commons possui uma categoria com imagens e outros ficheiros sobre Henriqueta de França