Herança ligada ao sexo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Herança ligada ao sexo é a designação da herança genética relacionada a genes presentes na parte não-homóloga dos cromossomos sexuais, ou seja, no caso da espécie humana, os genes presentes no cromossomo X sem correspondentes no cromossomo Y.[1] A herança ligada ao sexo responde por diversas enfermidades encontradas em humanos, como o daltonismo, hemofilia ou glaucoma juvenil.[2]

Histórico[editar | editar código-fonte]

A herança ligada ao sexo também pode ser identificada em diversas outras espécies[3] e foi percebida inicialmente a partir das observações de Thomas Hunt Morgan, em 1909, estudando a mosca-da-fruta, Drosophila melanogaster. Morgan observou a cor dos olhos neste inseto e descobriu freqüências diferentes para machos e fêmeas que evidenciaram a presença de uma herança ligada aos cromossomos sexuais[4]

Evidências de ligação ao sexo também foram observadas por L. Doncaster e G. H. Raynor, ao estudarem cruzamentos entre mariposas magpie (asas escuras x asas claras) dentro das condições mendelianas. Eles notaram os seguintes cruzamentos recíprocos:

Fêmeas asas claras X Machos asas escuras = Toda a prole com asas escuras.

Fêmeas asas escuras X Macho de asas claras = Toda a prole feminina com asas claras/ Toda prole masculina com asas escuras.

Associando tais freqüências fenotípica a herança sexual. William Bateson desenvolveu o mesmo estudo, porém com galinhas.

Herança influenciada pelo sexo[editar | editar código-fonte]

A herança autossômica influenciada pelo sexo diz respeito a características determinadas por genes autossômicos, cuja expressão é afetada pelo sexo do indivíduo. Dentro desta classificação encontra-se a modalidade "Dominância influenciada pelo sexo", em que a dominância de um gene varia de acordo com o sexo do portador. Um exemplo é a calvície.

Outras modalidades de herança autossomica ligada ao sexo são a "Penetrância influenciada pelo sexo" e a "Expressividade influenciada pelo sexo".[5]

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • SUZUKI, D.T., GRIFFITHS, A.J.F., MILLER, J.H. & LEWONTIN, R.C. (2002). Introdução à Genética. Ed. Guanabara Koogan.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Referências