Hermann Balck

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Hermann Balck
Alemanha Nazi
Nascimento 7 de dezembro de 1893
Danzig-Langfuhr
Morte 29 de novembro de 1982 (88 anos)
Erbenbach-Rockenau
Nacionalidade alemão
Cargo Comandante do 4º Exército Panzer
Serviço militar
Patente General der Panzertruppe

Hermann Balck (Danzig-Langfuhr, 7 de Dezembro de 1893 - Erbenbach-Rockenau, 29 de Novembro de 1982) foi um general da Alemanha.[1]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Hermann Balck procedia de uma família militar. O seu avô pertencera à King's German Legion ao serviço britânico. O seu pai era um teórico militar que combateu na Primeira Guerra Mundial enquanto general de divisão. O jovem Balck entrou para o Exército em 1913 e serviu como oficial em várias unidades. Foi ferido em combate sete vezes e indicado para receber a máxima condecoração alemã, a Pour le Mérite, mas a guerra terminou antes de a receber.

Durante o período entre-guerras Balck continuou a sua carreira militar numa unidade de cavalaria, recuando convites para integrar o estado maior alemão. No início da Segunda Guerra Mundial comandou o 1º regimento de infantaria mecanizada. Ele subiu rapidamente por entre as patentes: Promovido para Oberst em 1 de Julho de 1940, tornou-se general de 1 estrela (Generalmajor) em 1 de Agosto de 1942, Generalleutnant (general de duas estrelas) a 21 de Janeiro de 1943 e General der Panzertruppe a 12 de Novembro daquele mesmo ano.[1]

Durante este período, assumiu vários comandos importantes: o 3º Regimento Panzer (15 de Dezembro de 1940), a 2ª Brigada Panzer (15 de Maio de 1941). A 1 de Novembro de 1941 substituiu Heinz Guderian como Inspetor Geral das Tropas Blindadas mas pediu para ser colocado num posto de combate. Liderou a 11ª Divisão Panzer a partir de 16 de Maio de 1942. Foi neste comando que mais se distinguiu sobretudo, numa série de batalhas nas margens do rio Chir derrotou os dois corpos blindados que constituíam o 5º Exército Blindado russo. No último dia à frente da unidade, a 11ª Divisão Panzer destruiu o seu milésimo blindado desde que Balck assumira comando. Liderou ainda a Divisão de Infantaria Motorizada "Grossdeutschland" (3 de Abril de 1943) e o XIV Corpo Panzer (2 de Setembro de 1943), o XXXX Corpo Panzer e o XXXXVIII Corpo Panzer (12 e 15 de Novembro de 1943).[1] Comandou o 4º Exército Panzer (5 de Agosto de 1944), assumiu o comando do Grupo de Exércitos G (21 de Setembro de 1944) e em seguida o 6º Exército (23 de Dezembro de 1944) e o 2º Exército Hungaro (23 de Dezembro de 1944).[1]

Rendeu-se ao general McBride, comandante do XX Corpo americano, a 8 de Maio de 1945 e foi libertado em 1947. Pouco depois de ser solto, foi sentenciado a três anos de prisão por ter executado um oficial de artilharia do Grupo de Exército G por se ter apresentado bêbado ao serviço. Em 1948, para sustentar a sua família, trabalhou num armazém. Nas décadas que se seguiram à guerra, optou por não participar nos encontros de debriefing com as altas patentes americanos. Só venceu esta relutância na década de 1970. Faleceu em Erbenbach-Rockenau em 29 de Novembro de 1982.[1]

Condecorações[editar | editar código-fonte]

Hermann Balck recebeu a Cruz de Cavaleiro da Curz de Ferro (3 de Junho de 1940), com Folhas de Carvalho (20 de Dezembro de 1942, n° 155), Espadas (4 de Março de 1943, n" 25) e Diamantes (31 de Agosto de 1944, n° 19).[1]

Referências

  1. a b c d e f Lannoy 2001, p. 23

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Lannoy, François de; Josef Charita (2001). Panzertruppen: German armored troops 1935-1945 (em inglês e francês) (Bayeux: Heimdal). p. 280. ISBN 978-2840481515.