Hexapoda

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém fontes no fim do texto, mas que não são citadas no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações. (desde junho de 2016)
Por favor, melhore este artigo introduzindo notas de rodapé citando as fontes, inserindo-as no corpo do texto quando necessário.
Wikitext.svg
Esta página ou seção precisa ser wikificada (desde junho de 2016).
Por favor ajude a formatar esta página de acordo com as diretrizes estabelecidas.


Como ler uma caixa taxonómicaHexápodes
Haft.jpg

Classificação científica
Reino: Animalia
Filo: Arthropoda
Superclasse: Hexapoda
Classes e Ordens
Classe Insecta - Insetos: moscas etc.
Ordens

Classe Entognatha

Ordens
Wikispecies
O Wikispecies tem informações sobre: Hexapoda

Hexapoda é um subfilo de Arthropoda e compreende as classes Insecta e outros três grupos relacionados, porém menores: Collembola, Protura e Diplura, que são animais sem asas, porém com características semelhantes aos dos insetos.

Os Hexapoda compartilham diversas características em comum: um plano corpóreo distinto constituído por cabeça, tórax e abdômen, três pares de pernas torácicas, um par de antenas, três conjuntos de “peças bucais” (mandíbulas, maxilas e lábio). Os sistema de trocas gasosas é composto por traqueias e espiráculos, túbulos de Malpighi formados por evaginações do proctodeu (ou seja, de origem ectodérmica), e, entre os Pterygota, asas.

A sinapomorfia exclusiva dos Hexapoda é a presença de um tórax fixo a três segmentos, com um par de pernas locomotoras em cada um dos segmentos.

Hexapoda são fundamentalmente artrópodes terrestres, mas existem também grupos que habitam ambientes aquáticos, só que em menor quantidade. Esses grupos só conseguiram invadir secundariamente esses ambientes graças às modificações em seus sistemas de trocas gasosas com o ar.

Os registros fósseis datam o aparecimento dos Hexapoda no Devoniano Inferior, há aproximadamente 390 milhões de anos atrás, e esses fósseis eram de animais sem asas, que lembravam os Collembola ou as traças-saltadoras (Archaeognatha). Os insetos com asas apareceram um pouco mais tarde no período Devoniano. Porém ainda há algumas divergências com relação à este surgimento, pois existem fósseis de insetos que datam serem do período Siluriano.

Os insetos habitam quase todos os habitats possíveis: terra, água doce, superfície dos oceanos e regiões litorâneas marinhas; e até mesmo poços de petróleo, lagos de óleo, nascentes sulfúricas, riachos glaciais e lagoas salgadas. Os insetos, sem dúvida, governam a Terra. A diversidade destes animais e a capacidade de adaptação são as responsáveis pelo sucesso deste grupo.

As adaptações vantajosas dos Hexapoda incluem: exploração evolutiva de genes relacionados às características dos corpos segmentados e compartimentalizados, a coevolução com as plantas (principalmente aquelas com flores), a presença de um corpo pequeno, bem como a invenção do voo.

A importância desses animais é infinita, visto que são itens chaves na alimentação de outros animais, além de serem organismos redutores de nível em teias alimentares.

A vida na Terra seria difícil sem os insetos, já que são importantes polinizadores de plantas nativas e selvagens, e também de plantas utilizadas para a agricultura.

Insetos também podem causar doenças, e, na maioria das vezes, são vetores delas, como por exemplo: Dengue, Malária, Doença de Chagas, Filariose linfática (“elefantíase"), dentre outras.

CARACTERÍSTICAS DO SUBFILO HEXAPODA:

1.      Corpo composto por 19 somitos verdadeiros (mais o ácron), uma cabeça formada por cinco somitos, tórax formado por três somitos e abdômen formado por 11 somitos. Como os somitos são fundidos, muitas vezes as divisões entre os segmentos não são vistas externamente.

2.      Os segmentos que formam a cabeça possuem: ocelos, olhos compostos, antenas; clipeolabro; mandíbulas; maxilas, lábio (segundas maxilas fundidas entre si). Com a exceção de que em alguns grupos os olhos compostos e ocelos foram perdidos.

3.      As pernas são unirremes e estão presente exclusivamente nos três segmentos torácicos dos adultos, e são formadas por seis artículos: coxa, trocanter, fêmur, tíbia, tarso geralmente dividido, pós-tarso com garras;

4.      Fazem trocas gasosas através de espiráculos e traqueias;

5.      O trato digestivo contém cecos gástricos (digestivos);

6.      Na cabeça, o exoesqueleto é fundido e forma um tentório interno exclusivo;

7.      Possuem túbulos de Malpighi derivados da ectoderme;

8.      Os gonóporos abrem-se na região terminal ou subterminal, nos segmentos abdominais 7, 8 ou 9.

9.      São dioicos, poucos são hermafroditas;

10.  O desenvolvimento pode ser direto ou indireto, dependendo do grupo.

SUBFILO HEXAPODA

CLASSE ENTOGNATHA, formada pelas ordens: COLLEMBOLA (Colêmbolos), PROTURA (Proturos) e DIPLURA (Dipluros):

Os apêndices bucais são entognatos, ou seja, as bases das peças bucais estão envolvidas por prolongamentos do exoesqueleto cefálico. As mandíbulas possuem uma articulação única; as antenas possuem artículos com musculatura intrínseca; não possuem túbulos de Malpighi ou quando os possuem, estes são pouco desenvolvidos; e as pernas possuem um tarso indiviso.

CLASSE INSECTA (Insetos “verdadeiros”), formada por subclasses e infraclasses e diversas ordens:

Nesta classe estão incluídos todos os “insetos verdadeiros”: traças, efêmeras, libélulas, baratas, cupins, louva-a-deus, bichos-pau, tesourinhas, gafanhotos, esperanças, grilos, gladiadores, piolhos, besouros, pulgas, moscas, mosquitos, borboletas, mariposas, formigas, abelhas, vespas e entre outros infinitos exemplos.

Os animais desta classe possuem em comum: apêndices bucais ectognatos, que ao contrário dos entognatos, as peças bucais estão expostas e projetando-se da cápsula cefálica; possuem mandíbulas com dois pontos de articulação (exceto em um grupo); a musculatura dos artículos das antenas é intrínseca e as antenas são muito reduzidas; possuem túbulos de Malpighi bem desenvolvidos. 

[1]

[2]

  1. BRUSCA, R.C. & G.J. BRUSCA, 2007. Invertebrados. Segunda edição. Editora Guanabara-Koogan, Rio de Janeiro.
  2. Gullan, P.J. & P.S. Cranston. 2007. Os Insetos: um Resumo de Entomologia. Editora Roca, São Paulo.