Hexapoda

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa


Como ler uma infocaixa de taxonomiaHexápodes
Haft.jpg
Classificação científica
Reino: Animalia
Filo: Arthropoda
Subfilo: Hexapoda
Classes e Ordens
Classe Insecta - Insetos: moscas etc.
Ordens

Classe Entognatha

Ordens
Wikispecies
O Wikispecies tem informações sobre: Hexapoda

Hexapoda é um subfilo que compreende os artrópodes com três pares de pernas. Atualmente compreende as classes Entognatha e Insecta. As ordens Zygentoma e Archaeognatha são de insetos sem asas (subclasse Apterygota) tendo como grupos irmãos os insetos alados, da subclasse Pterygota.

Os Hexapoda compartilham diversas características: corpo dividido em três partes (cabeça, tórax e abdômen), três pares de pernas torácicas, um par de antenas, três conjuntos de “peças bucais” (mandíbulas, maxilas e lábio). O sistema de trocas gasosas primariamente por difusão, túbulos de Malpighi formados por evaginações do proctodeu (ou seja, de origem ectodérmica), e, dentre entre os insetos Pterygota, as asas. Destas, a principal característica exclusiva (i.e. sinapomorfia) dos Hexapoda é a subdivisão do tórax em três segmentos, onde cada segmento porta um par de pernas locomotoras. [1]

Hexapoda são primitivamente artrópodes terrestres, onde alguns poucos grupos também colonizaram ambientes aquáticos. Insetos que conseguiram colonizar estes ambientes possuem sistemas de trocas gasosas especializados.

Baseado em registros fósseis, o aparecimento dos primeiros Hexapoda se deu no Devoniano Inferior, há aproximadamente 400 milhões de anos, e esses fósseis eram de animais sem asas que lembravam Collembola ou as traças-saltadoras (Archaeognatha)[2]. Acredita-se que a linhagem seja ainda mais antiga (Siluriano), pois registros de insetos aquaticos podem não ter fossilizado. Os insetos alados (Pterygota) surgiram um pouco mais tarde no período Devoniano, por volta de 350 milhões de anos atrás.

Os insetos habitam a maioria dos habitats disponíveis: terra, água doce, ar, superfície dos oceanos e regiões litorâneas marinhas. Também ocorrem em muitos ambientes extremos como alguns poços de petróleo, lagos de óleo, nascentes sulfúricas, riachos glaciais e lagoas salgadas. A enorme diversidade destes animais e sua capacidade de adaptação são responsáveis pelo seu sucesso ecológico [2].

Dentre as adaptações vantajosas dos Hexapoda incluem-se: exploração evolutiva de genes relacionados às características dos corpos segmentados e compartimentalizados, a coevolução com as plantas (principalmente aquelas com flores), pequeno porte, capacidade de voo.

A importância desses animais é imensurável, visto que são elementos-chave na alimentação de outros animais, além de serem organismos redutores de nível em teias alimentares.

A vida na Terra seria muito mais limitada sem insetos, visto que além de incluirem a maior diversidade de animais e de biomassa viventes, são importantes polinizadores de plantas nativas e selvagens, e muitas espécies essenciais para a agricultura. Alguns grupos de insetos também podem causar doenças, ou vetoriar agentes causadores de doenças, como por exemplo: Dengue, Malária, Doença de Chagas, Filariose linfática (“elefantíase"), dentre muitas outras. [3]

Características do Subfilo Hexapoda[editar | editar código-fonte]

Todos os membros desse subfilo dos Myriapoda possuem em comum como característica: um tronco subdividido em um tórax com três segmentos providos de pernas, e um abdômen com onze segmentos desprovidos de apendices locomotores, embora algumas formas apresentam apêndices abdominais e com numero de segmentos do abdômen reduzido devido a perdas e fusões. [4] Todos os hexápodos possuem ainda dois pares de maxilas e gonóporos na região terminal ou subterminal do seu corpo sendo a maioria são animais que apresentam ocelos medianos, ocelos laterais ou olhos compostos. [4]

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • RIBEIRO-COSTA, C.S. & ROCHA,R.M. da 2002. Invertebrados. Manual de aulas práticas. Holos Editora, Ribeirão Preto, SP. 226 p. [1]
  • RUPPERT, E.E., FOX, R.S. & BARNES, R.D. 2005. Zoologia dos Invertebrados. 7ª ed., Ed. Roca, São Paulo, 1145 p. [2]
  • BARNES, R.S.K.; CALOW, P. & OLIVE, P.J.W. 1995. Os invertebrados - uma nova síntese. Atheneu Ed., São Paulo. 526 p. [3]
  • Invertebrados - 2ª Ed. 2007 BRUSCA, GARY J. / BRUSCA, RICHARD C. Guanabara Koogan; Brasil. 1092 p. [4]
  • HICKMAN, C.P., ROBERTS, L.S. & LARSON, A. 2004. Princípios integrados de Zoologia. 11ª ed., Ed. Guanabara Koogan, Rio de Janeiro, 846 p. [5]

Referências

  1. BARNES, R.S.K.; CALOW, P. & OLIVE, P.J.W. 1995. Os invertebrados - uma nova síntese. Atheneu Ed., São Paulo. 526 p.
  2. a b J., Gullan, P. (2008). Os insetos : um resumo de entomologia 3. ed. São Paulo: ROCA. ISBN 9788572417020. OCLC 817084989 
  3. «Pragas». Coleção Didática Entomológica. 5 de outubro de 2010 
  4. a b BARNES, R.S.K.; CALOW, P. & OLIVE, P.J.W. 1995. Os invertebrados - uma nova síntese. Atheneu Ed., São Paulo. 526 p.