Este é um artigo bom. Clique aqui para mais informações.

Citosol

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Hialoplasma)
Ir para: navegação, pesquisa
O citosol é uma solução saturada de diferentes tipos de moléculas, que ocupa a maior parte do volume das células.[1]

O citosol, citossol,[2] hialoplasma, citoplasma fundamental ou matriz citoplasmática, é o líquido que preenche o interior do citoplasma, espaço entre a membrana plasmática e outras partes da célula como a matriz mitocondrial do interior da mitocondria. Nos procariotas, a maioria das reações químicas do metabolismo têm lugar no citosol, e apenas algumas dão-se em membranas ou no espaço periplasmático. Nas eucariotas, embora muitas das vias metabólicas se desenvolvam no citosol, outras ocorrem dentro dos organelos.

O citosol é uma complexa mistura de substâncias dissolvidas em água. Embora a água componha grande parte do citosol, a sua estrutura e propriedades na célula não foram ainda totalmente assimiladas. As concentrações de iões como sódio e potássio do citosol diferem das do líquido extracelular; estas diferenças na concentração de iões são importantes em processos como a osmorregulação e a comunicação celular. O citosol também contém grandes quantidades de macromoléculas, as quais podem alterar o comportamento molecular, a partir da sua elevada concentração.

Apesar de no principio se pensar que o citosol era uma simples solução de moléculas, existem múltiplos níveis de organização no citosol. Estes incluem gradientes de concentração de pequenas moléculas ou iões, tais como o cálcio, grandes complexos enzimáticos os quais em conjunto dão origem às reações das vias metabólicas, e complexos proteícos como os proteassomas e carboxissomas que delimitam e separam as partes do citosol.

Definição[editar | editar código-fonte]

O termo citosol foi introduzido pela primeira vez em 1965 por H.A. Lardy e, inicialmente, fazia referência ao líquido produzido pelo rompimento das células e granulação de todos os componentes insolúveis por ultracentrifugação.[3] Este extracto celular solúvel não se assemelha à porção solúvel do citoplasma celular e é geralmente denominado de fracção citoplasmática.[4] O termo citosol é actualmente utilizado em referência à fase líquida do citoplasma numa célula intacta,[4] isto exclui qualquer parte do citoplasma contida dentro dos organelos.[5] Devido à possível confusão entre o uso do termo "citosol" para se referir tanto a extractos celulares como à porção solúvel do citoplasma em células intactas, o termo "citoplasma aquoso" começou a ser utilizado para descrever o conteúdo líquido do citoplasma nas células vivas.[3]

Propriedades e composição[editar | editar código-fonte]

A proporção do volume celular ocupada pelo citosol varia: por exemplo, enquanto que esta porção constitui a maior parte da estrutura celular duma bactéria,[6] nas células vegetais o principal compartimento da célula é o grande vacúolo central.[7] O citosol é composto essencialmente por água, iões dissolvidos, pequenas moléculas e grandes moléculas hidrossolúveis (como as proteínas). A maioria destas moléculas não proteicas possuem uma massa molecular menor que 300 Da.[8] esta mistura de pequenas moléculas é extraordinariamente complexa, uma vez que a variedade de moléculas compreendidas no metabolismo (os metabólitos) é imensa. Por exemplo, as plantas podem produzir mais de 200.000 pequenas moléculas diferentes, embora nem todas estejam presentes numa mesma espécie ou numa determinada célula.[9] Estima-se que o número de metabólitos em células de organismos unicelulares como a bactéria E. coli e a levedura Saccharomyces cerevisiae sejam menos de mil.[10] [11]

Água[editar | editar código-fonte]

A maior parte do citosol é água, substância esta que representa cerca de 70% do volume total de uma célula comum.[12] O pH do líquido extracelular é 7,4.[13] entanto que o pH citosólico humano varia entre 7,0 e 7,4, e é normalmente superior se a célula se encontra em desenvolvimento.[14] A viscosidade do citoplasma é semelhante à da água pura, embora a difusão de pequenas moléculas através deste líquido seja cerca de quatro vezes mais lenta do que na água pura, essencialmente devido a colisões com um grande número de macromoléculas existentes no citosol.[15] Estudos feitos em crustáceos Artémia demonstraram como a água afecta as funções celulares; observou-se que uma redução de 20% da quantidade de água dentro da célula inibe o metabolismo, uma vez que a actividade metabólica decresce progressivamente à medida que a célula perde água e acabando por secar por completo assim que o nível de água é reduzido em 70% do normal.[3]

Embora a água seja vital para a vida, a sua estrutura no citosol não foi ainda bem identificada, isto porque métodos como a espectroscopia por ressonância magnética nuclear só fornecem informação sobre a estrutura convencional da água, e não podem medir variações locais numa escala microscópica. Até mesmo a estrutura da água pura não é bem compreendida, devido à capacidade da água de formar estruturas por meio do estabelecimento de pontes de hidrogénio entre as suas moléculas.[16]

A ideia clássica que se tem da água nas células é que cerca de 5% da água está fortemente ligada a solutos ou macromoléculas como água de solvatação, enquanto que o restante apresenta uma estrutura idêntica à da água pura.[3] Esta água de solvatação não é activa na osmose e pode ter diferentes propriedades de solventes, de modo que algumas moléculas dissolvidas são eliminadas, enquanto que outras são concentradas.[17] [18] Porém, outros argumentam que as grandes concentrações de macromoléculas na célula exercem efeitos que se estendem por todo o citosol e que a água nas células comporta-se de uma maneira diferente à da água em soluções diluídas.[19] Estas ideias incluem propostas de que as células contêm zonas com alta e com baixa densidade de água, as quais podem ter efeitos generalizados em estruturas e funções doutras partes da célula.[16] [20] Entretanto, o uso de avançados métodos de ressonância magnética nuclear para medir directamente a mobilidade da água nas células vivas contradiz esta ideia, uma vez que sugere que 85% da água celular actua igual à água pura, enquanto que o restante é menos móbil e provavelmente está ligada às macromoléculas.[21]

Iões[editar | editar código-fonte]

As concentrações de iões no citosol são bastante diferentes das existentes no líquido extracelular e o citosol possui mais quantidade de macromoléculas carregadas, como proteínas e ácidos nucleicos, do que o exterior da célula.

Concentrações de iões típicos no citosol e sangue de mamíferos[5]
Ião  Concentração no citosol (milimolar  Concentração no sangue (milimolar
 Potássio   139   4 
 Sódio   12   145 
 Cloro   4   116 
 Bicarbonato   12   29 
 Aminoácidos em proteínas   138   9 
 Magnésio   0,8   1,5 
 Cálcio   <0,0002   1,8 

Diferentemente do fluído extracelular, o citosol apresenta altas concentrações de iões potássio e baixa concentração de iões sódio.[22] Esta diferença nas concentrações de iões é crucial para a osmorregulação, uma vez que se os níveis de iões fossem os mesmos dentro e fora da célula, a água entraria constantemente por osmose, dado que os níveis de macromoléculas dentro da célula são sempre muito mais elevados do que fora. Por sua vez, o que se sucede é que os iões sódio são expelidos da célula e os iões potássio são incorporados pela Na⁺/K⁺-ATPase ou bomba de Na⁺/K⁺, pelo que os iões potássio baixam o seu gradiente de concentração através dos canais iónicos de seleção de potássio, e esta perda de carga positiva origina um potencial de membrana negativo. Para equilibrar esta diferença de potencial, iões cloro negativos também saem da célula, a partir dos canais selectivos de cloro. A perda de ións sódio e cloro compensa o efeito osmótico provocado pelas altas concentrações de moléculas orgânicas do interior da célula.[22]

Troca de iões sódio e potássio feito pela bomba de Na⁺/K⁺, uma ATP-ase de membrana

As células podem suportar trocas osmóticas ainda maiores acumulando osmoprotetores como betaínas ou trealose no seu citosol.[22] Algumas destas moléculas permitem que as células sobrevivam quando estas se encontram totalmente secas e possibilitam que um organismo entre num estado de animação suspensa chamado criptobiose.[23] Neste estado o citosol e os osmoprotetores convertem-se em algo parecido com um sólido cristalino que ajuda a estabilizar as proteínas e as membranas celulares contra os efeitos nocivos da dessecação.[24]

As baixas concentrações de cálcio no citosol permitem que os iões de cálcio funcionem como um mensageiro secundário intracelular na sinalização do cálcio. Neste caso, um sinal como o de uma hormona ou o estabelecimento dum potencial de ação abre os canais de cálcio provocando inundações de cálcio dentro do citosol.[25] Este súbito aumento de cálcio citosólico activa outras moléculas sinalizadoras, como a calmodulina e a proteína quinase C.[26] Outros iões como o cloro e o potássio podem também desempenhar funções de sinalização no citosol, mas estas não são ainda bem compreendidas.[27]

Macromoléculas[editar | editar código-fonte]

As moléculas proteicas que não estão ligadas à membrana plasmática ou ao citoesqueleto estão dissolvidas no citosol. A quantidade de proteínas das células é extremamente alta, alcançando cerca de 200 mg/ml, ocupando 20 a 30% do volume do citosol.[28] Porém, medir com precisão a quantidade de proteínas dissolvidas no citosol em células intactas não é fácil, uma vez que algumas proteínas parecem estar fracamente associadas a membranas ou organelos nas células inteiras e são liberadas em dissolução na lise celular.[3] De facto, em experimentos onde a membrana plasmática foi cuidadosamente desfeita usando saponina, sem danificar as outras membranas celulares, apenas cerca de um quarto das proteínas celulares foram libertadas. Estas células foram também capazes de sintetizar proteínas caso lhes sejam administradas ATP e aminoácidos, o que sugere que muitas das enzimas do citosol estejam ligdas ao citoesqueleto.[29] Não obstante, a ideia de que a maioria das proteínas da célula estão fortemente unidas à rede chamada rede microtrabecular parece pouco plausível.[30]

Em procariotas o citosol contém o genoma celular, concentrado numa zona chamada nucleóide.[31] Este consiste numa massa irregular de ADN e proteínas associadas que controla a transcrição e a replicação de ADN dos cromossomas e plasmídios bacterianos. Em eucariotas o genoma é mantido no núcleo celular, o qual se encontra separado do citosol por poros nucleares que bloqueiam a livre difusão de qualquer molécula maior que 10 nanómetros de diâmetro.[32]

Esta alta concentração de macromoléculas no citosol causa um efeito chamado aglomeramento macromolecular (macromolecular crowding), que se dá quando a concentração efetiva doutras macromoléculas aumenta, e têm menos volume para se movimentarem. Este efeito pode produzir grandes alterações tanto na velocidade de reação como na posição do equilíbrio químico das reações no citosol.[28] É especialmente importante a sua capacidade de alterar a constante de dissociação ao favorecer a associação de macromoléculas, como quando múltiplas proteínas se unem para formar um complexo proteico, ou quando proteínas de ligação ao ADN se ligam aos seus sítios de união no genoma.[33]

Organização[editar | editar código-fonte]

Apesar de os componentes do citosol não estarem separados em regiões por membranas celulares, estes componentes nem sempre se misturam aleatoriamente e vários níveis de organização podem localizar determinadas moléculas para definir zonas específicas do citosol.[34]

Gradientes de concentração[editar | editar código-fonte]

Apesar de as moléculas pequenas poderem difundir-se rapidamente no citosol, podem, contudo, produzir-se gradientes de concentração dentro deste compartimento celular. Um exemplo disto são as "explosões de cálcio" produzidas durante um curto período de tempo nas regiões ao redor de um canal de cálcio aberto.[35] Estes canais possuem cerca de 2 micrómetros de diâmetro e ficam abertos apenas alguns milissegundos, embora vários destes canais pode ser combinados para formar gradientes maiores, conhecidos como "ondas de cálcio".[36] Os gradientes de concentração doutras moléculas pequenas, como o oxigénio e a adenosina trifosfato (ATP) podem ser produzidos nas células em volta dos aglomerados das mitocondrias, apesar de estes serem ainda menos compreendidos.[37] [38]

Complexos proteicos[editar | editar código-fonte]

As proteínas podem associar-se para formar complexos proteicos, estes que amiúde contêm um conjunto de proteínas com funções similares, como as enzimas que realizam várias reações na mesma via metabólica.[39] Esta organização pode permitir a canalização de substratos, que consiste em passar o produto de uma enzima directamente à seguinte enzima de uma via metabólica, sem que o produto seja liberado na solução.[40] A canalização de substratos pode fazer com que uma via metabólica funcione mais depressa e mais eficientemente do que se as enzimas estivessem distribuídas aleatoriamente no citosol, e pode também evitar a libertação de intermediários instáveis das reações.[41] Embora uma ampla variedade de vias metabólicas envolva enzimas que estão estreitamente ligadas umas às outras, noutras podem intervir complexos enzimáticos frouxamente associados, que são muito difíceis de estudar fora da célula.[42] [43] Consequentemente, a importância destes complexos no metabolismo em geral não é ainda clara.

Os carboxissomas são proteínas abrangidas nos microcompartimentos bacterianos dentro do citosol. À esquerda uma imagem de microscópio electrónico de carboxissomas, e à direita um modelo da sua estrutura.

Compartimentos de proteínas[editar | editar código-fonte]

Alguns complexos proteicos contêm uma grande cavidade central que está isolada do resto do citosol. Um exemplo de um compartimento fechado deste tipo é o proteassoma.[44] Nele, um conjunto de subunidades se dispõem formando uma estrutura com a forma de barril oco que contém proteases, cuja função é degradar proteínas citosólicas. Dado que estas poderiam ser prejudiciais para a célula que se se misturassen libremente as proteases com resto do citosol, o barril encontra-se limitado por uma série de proteínas reguladoras que reconhecem proteínas que indicam um sinal para a sua degradação (a marca de ubiquitina) e introduzem-nas dentro da cavidade proteolítica do proteassoma.[45]

Outra grande classe de compartimentos proteicos são os microcompartimentos bacterianos, os quais são formados por uma cubertura proteica que encapsula várias enzimas.[46] Estes compartimentos possuem normalmente entre 100 a 200 nanómetros de largura e são constituídos por proteínas entrelaçadas.[47] Um exemplo bem conhecido são os carboxissomas bacterianos, que contêm enzimas responsáveis pela fixação do carbono, tais como a RuBisCO.[48]

Influência do citoesqueleto[editar | editar código-fonte]

Apesar de o citoesqueleto não fazer parte do citosol, a presença desta rede de filamentos restringe a difusão de grandes partículas na célula. Por exemplo, em vários estudos observou-se que partículas traçadoras maiores de 25 nanómetros (aproximadamente o tamanho dum ribossoma)[49] eram excluídas de partes do citosol próximas à superfície da célula e das proximidades do núcleo.[50] [51] Estes "compartimentos de exclusão" podem conter uma rede fibras de actina muito mais densa do que o resto do citosol. Estes microdomínios poderiam influenciar a distribuição de grandes estruturas, tais como ribossomas e organelos dentro do citosol ao excluí-las dalgumas áreas e concentrá-las noutras.[52]

Função[editar | editar código-fonte]

O citosol não desempenha uma única função, pelo contrário, é o sítio onde se desenvolvem múltiplos processos celulares. Exemplos destes processos incluem a transdução de sinais desde a membrana celular até a outros sítios do interior da célula, como o núcleo,[53] ou os organelos.[54] Este compartimento é também o local onde ocorrem muitos dos processos da citocinese, posteriores à rotura da membrana nuclear na mitose.[55] Outra importante função do citosol é transportar metabólitos desde o seu local de produção ao local onde serão utilizados. Isto é relativamente simples para as moléculas hidrossolúveis, como aminoácidos, os quais podem difundir rapidamente através do citosol.[15] No entanto, as moléculas hidrófobas, como os ácidos gordos ou os esteróis, só podem ser transportadas pelo citosol ligados a proteínas de ligação específicas, as quais transportam estas moléculas entre as membranas celulares.[56] [57] As moléculas incorporadas à célula por endocitose ou que devem ser secretadas podem deslocar-se através do citosol dentro de vesículas,[58] que são pequenas esferas de lipídios que são deslocadas ao longo do citoesqueleto com o auxílio de proteínas motoras.[59]

O citosol é o sitio de maior metabolismo nos procariotas,[6] e uma grande parte do metabolismo dos eucariotas. Por exemplo, em mamíferos cerca de metade das proteínas da célula encontram-se no citosol.[60] Os dados mais completos disponíveis são os das leveduras, onde as reconstruções metabólicas indicam que a maioria dos processos metabólicos e metabólitos são produzidos no citosol.[61] As principais vias metabólicas que se desenvolvem no citosol nos animais são as biossínteses de proteínas, a via das pentoses-fosfato, a glicólise e gliconeogénese.[62] A localização das vias metabólicas pode ser diferente noutros organismos; por exemplo, nas plantas a síntese de ácidos gordos ocorre nos cloroplastos,[63] [64] e em protozoários apicomplexos tem lugar nuns organelos designados apicoplastos.[65]

Referências

  1. Goodsell DS (June 1991). «Inside a living cell». Trends Biochem. Sci. [S.l.: s.n.] 16 (6): 203–6. doi:10.1016/0968-0004(91)90083-8. PMID 1891800. 
  2. JUNQUEIRA, L.C.; CARNEIRO, José (2000). Biologia Celular e Molecular (em português do Brasil) 7º ed. Guanabara Koogan [S.l.] p. 3. ISBN 85-277-0588-5. 
  3. a b c d e Clegg JS (1984). «Properties and metabolism of the aqueous cytoplasm and its boundaries». Am. J. Physiol. [S.l.: s.n.] 246 (2 Pt 2): R133–51. PMID 6364846. 
  4. a b Cammack, Richard; Teresa Atwood; Attwood, Teresa K.; Campbell, Peter Scott; Parish, Howard I.; Smith, Tony; Vella, Frank; Stirling, John (2006). Oxford dictionary of biochemistry and molecular biology (Oxford [Oxfordshire]: Oxford University Press). ISBN 0-19-852917-1. OCLC 225587597. 
  5. a b Lodish, Harvey F. (1999). Molecular cell biology (New York: Scientific American Books). ISBN 0-7167-3136-3. OCLC 174431482. 
  6. a b Hoppert M, Mayer F (1999). «Principles of macromolecular organization and cell function in bacteria and archaea». Cell Biochem. Biophys. [S.l.: s.n.] 31 (3): 247–84. doi:10.1007/BF02738242. PMID 10736750. 
  7. Bowsher CG, Tobin AK (2001). «Compartmentation of metabolism within mitochondria and plastids». J. Exp. Bot. [S.l.: s.n.] 52 (356): 513–27. doi:10.1093/jexbot/52.356.513. PMID 11373301. 
  8. Goodacre R, Vaidyanathan S, Dunn WB, Harrigan GG, Kell DB (2004). «Metabolomics by numbers: acquiring and understanding global metabolite data» (PDF). Trends Biotechnol. [S.l.: s.n.] 22 (5): 245–52. doi:10.1016/j.tibtech.2004.03.007. PMID 15109811. 
  9. Weckwerth W (2003). «Metabolomics in systems biology». Annu Rev Plant Biol [S.l.: s.n.] 54: 669–89. doi:10.1146/annurev.arplant.54.031902.135014. PMID 14503007. 
  10. Reed JL, Vo TD, Schilling CH, Palsson BO (2003). «An expanded genome-scale model of Escherichia coli K-12 (iJR904 GSM/GPR)». Genome Biol. [S.l.: s.n.] 4 (9): R54. doi:10.1186/gb-2003-4-9-r54. PMC 193654. PMID 12952533. 
  11. Förster J, Famili I, Fu P, Palsson BØ, Nielsen J (2003). «Genome-scale reconstruction of the Saccharomyces cerevisiae metabolic network». Genome Res. [S.l.: s.n.] 13 (2): 244–53. doi:10.1101/gr.234503. PMC 420374. PMID 12566402. 
  12. Luby-Phelps K (2000). «Cytoarchitecture and physical properties of cytoplasm: volume, viscosity, diffusion, intracellular surface area» (PDF). Int. Rev. Cytol. [S.l.: s.n.] 192: 189–221. doi:10.1016/S0074-7696(08)60527-6. PMID 10553280. 
  13. Roos A, Boron WF (1981). «Intracellular pH». Physiol. Rev. [S.l.: s.n.] 61 (2): 296–434. PMID 7012859. 
  14. Bright, G R; Fisher, GW; Rogowska, J; Taylor, DL (1987). «Fluorescence ratio imaging microscopy: temporal and spatial measurements of cytoplasmic pH». The Journal of Cell Biology [S.l.: s.n.] 10 (4): 1019–1033. doi:10.1083/jcb.104.4.1019. PMC 2114443. PMID 3558476. Consultado em 2009-10-05. 
  15. a b Verkman AS (2002). «Solute and macromolecule diffusion in cellular aqueous compartments». Trends Biochem. Sci. [S.l.: s.n.] 27 (1): 27–33. doi:10.1016/S0968-0004(01)02003-5. PMID 11796221. 
  16. a b Wiggins PM (1 de dezembro de 1990). «Role of water in some biological processes». Microbiol. Rev. [S.l.: s.n.] 54 (4): 432–49. PMC 372788. PMID 2087221. 
  17. Fulton AB (1982). «How crowded is the cytoplasm?». Cell [S.l.: s.n.] 30 (2): 345–7. doi:10.1016/0092-8674(82)90231-8. PMID 6754085. 
  18. Garlid KD (2000). «The state of water in biological systems». Int. Rev. Cytol. [S.l.: s.n.] 192: 281–302. doi:10.1016/S0074-7696(08)60530-6. PMID 10553283. 
  19. Chaplin M (2006). «Do we underestimate the importance of water in cell biology?». Nat. Rev. Mol. Cell Biol. [S.l.: s.n.] 7 (11): 861–6. doi:10.1038/nrm2021. PMID 16955076. 
  20. Wiggins PM (1996). «High and low density water and resting, active and transformed cells». Cell Biol. Int. [S.l.: s.n.] 20 (6): 429–35. doi:10.1006/cbir.1996.0054. PMID 8963257. 
  21. Persson E, Halle B (2008). «Cell water dynamics on multiple time scales». Proc. Natl. Acad. Sci. U.S.A. [S.l.: s.n.] 105 (17): 6266–71. doi:10.1073/pnas.0709585105. PMC 2359779. PMID 18436650. 
  22. a b c Lang F (2007). «Mechanisms and significance of cell volume regulation». J Am Coll Nutr [S.l.: s.n.] 26 (5 Suppl): 613S–623S. PMID 17921474. 
  23. Sussich F, Skopec C, Brady J, Cesàro A (2001). «Reversible dehydration of trehalose and anhydrobiosis: from solution state to an exotic crystal?». Carbohydr. Res. [S.l.: s.n.] 334 (3): 165–76. doi:10.1016/S0008-6215(01)00189-6. PMID 11513823. 
  24. Crowe JH, Carpenter JF, Crowe LM (1998). «The role of vitrification in anhydrobiosis». Annu. Rev. Physiol. [S.l.: s.n.] 60: 73–103. doi:10.1146/annurev.physiol.60.1.73. PMID 9558455. 
  25. Berridge MJ (1 March 1997). «Elementary and global aspects of calcium signalling». J. Physiol. (Lond.) [S.l.: s.n.] 499 ( Pt 2) (Pt 2): 291–306. PMC 1159305. PMID 9080360. 
  26. Kikkawa U, Kishimoto A, Nishizuka Y (1989). «The protein kinase C family: heterogeneity and its implications». Annu. Rev. Biochem. [S.l.: s.n.] 58: 31–44. doi:10.1146/annurev.bi.58.070189.000335. PMID 2549852. 
  27. Orlov SN, Hamet P (2006). «Intracellular monovalent ions as second messengers». J. Membr. Biol. [S.l.: s.n.] 210 (3): 161–72. doi:10.1007/s00232-006-0857-9. PMID 16909338. 
  28. a b Ellis RJ (2001). «Macromolecular crowding: obvious but underappreciated». Trends Biochem. Sci. [S.l.: s.n.] 26 (10): 597–604. doi:10.1016/S0968-0004(01)01938-7. PMID 11590012. 
  29. Hudder A, Nathanson L, Deutscher MP (2003). «Organization of mammalian cytoplasm». Mol. Cell. Biol. [S.l.: s.n.] 23 (24): 9318–26. doi:10.1128/MCB.23.24.9318-9326.2003. PMC 309675. PMID 14645541. 
  30. Heuser J (2002). «Whatever happened to the 'microtrabecular concept'?». Biol Cell [S.l.: s.n.] 94 (9): 561–96. doi:10.1016/S0248-4900(02)00013-8. PMID 12732437. 
  31. Thanbichler M, Wang S, Shapiro L (2005). «The bacterial nucleoid: a highly organized and dynamic structure». J Cell Biochem [S.l.: s.n.] 96 (3): 506–21. doi:10.1002/jcb.20519. PMID 15988757. 
  32. Peters R (2006). «Introduction to nucleocytoplasmic transport: molecules and mechanisms». Methods Mol. Biol. [S.l.: s.n.] 322: 235–58. doi:10.1007/978-1-59745-000-3_17. PMID 16739728. 
  33. Zhou HX, Rivas G, Minton AP (2008). «Macromolecular crowding and confinement: biochemical, biophysical, and potential physiological consequences». Annu Rev Biophys [S.l.: s.n.] 37: 375–97. doi:10.1146/annurev.biophys.37.032807.125817. PMC 2826134. PMID 18573087. 
  34. Norris V, den Blaauwen T, Cabin-Flaman A (2007). «Functional taxonomy of bacterial hyperstructures». Microbiol. Mol. Biol. Rev. [S.l.: s.n.] 71 (1): 230–53. doi:10.1128/MMBR.00035-06. PMC 1847379. PMID 17347523. 
  35. Wang SQ, Wei C, Zhao G (2004). «Imaging microdomain Ca2+ in muscle cells». Circ. Res. [S.l.: s.n.] 94 (8): 1011–22. doi:10.1161/01.RES.0000125883.68447.A1. PMID 15117829. 
  36. Jaffe LF (1993). «Classes and mechanisms of calcium waves». Cell Calcium [S.l.: s.n.] 14 (10): 736–45. doi:10.1016/0143-4160(93)90099-R. PMID 8131190. 
  37. Aw, T.Y. (2000). «Intracellular compartmentation of organelles and gradients of low molecular weight species.». Int Rev Cytol [S.l.: s.n.] 192: 223–53. doi:10.1016/S0074-7696(08)60528-8. PMID 10553281. 
  38. Weiss JN, Korge P (20 July 2001). «The cytoplasm: no longer a well-mixed bag». Circ. Res. [S.l.: s.n.] 89 (2): 108–10. PMID 11463714. 
  39. Srere PA (1987). «Complexes of sequential metabolic enzymes». Annu. Rev. Biochem. [S.l.: s.n.] 56: 89–124. doi:10.1146/annurev.bi.56.070187.000513. PMID 2441660. 
  40. Perham RN (2000). «Swinging arms and swinging domains in multifunctional enzymes: catalytic machines for multistep reactions». Annu. Rev. Biochem. [S.l.: s.n.] 69: 961–1004. doi:10.1146/annurev.biochem.69.1.961. PMID 10966480. 
  41. Huang X, Holden HM, Raushel FM (2001). «Channeling of substrates and intermediates in enzyme-catalyzed reactions». Annu. Rev. Biochem. [S.l.: s.n.] 70: 149–80. doi:10.1146/annurev.biochem.70.1.149. PMID 11395405. 
  42. Mowbray J, Moses V (1976). «The tentative identification in Escherichia coli of a multienzyme complex with glycolytic activity». Eur. J. Biochem. [S.l.: s.n.] 66 (1): 25–36. doi:10.1111/j.1432-1033.1976.tb10421.x. PMID 133800. 
  43. Srivastava DK, Bernhard SA (1986). «Metabolite transfer via enzyme-enzyme complexes». Science (journal) [S.l.: s.n.] 234 (4780): 1081–6. PMID 3775377. 
  44. Groll M, Clausen T (2003). «Molecular shredders: how proteasomes fulfill their role». Curr. Opin. Struct. Biol. [S.l.: s.n.] 13 (6): 665–73. doi:10.1016/j.sbi.2003.10.005. PMID 14675543. 
  45. Nandi D, Tahiliani P, Kumar A, Chandu D (2006). «The ubiquitin-proteasome system» (PDF). J. Biosci. [S.l.: s.n.] 31 (1): 137–55. doi:10.1007/BF02705243. PMID 16595883. 
  46. Bobik, T. A. (2007). «Bacterial Microcompartments» (PDF). Microbe Am Soc Microbiol [S.l.] 2: 25–31. 
  47. Yeates TO, Kerfeld CA, Heinhorst S, Cannon GC, Shively JM (2008). «Protein-based organelles in bacteria: carboxysomes and related microcompartments». Nat. Rev. Microbiol. [S.l.: s.n.] 6 (9): 681–691. doi:10.1038/nrmicro1913. PMID 18679172. 
  48. Badger MR, Price GD (2003). «CO2 concentrating mechanisms in cyanobacteria: molecular components, their diversity and evolution». J. Exp. Bot. [S.l.: s.n.] 54 (383): 609–22. doi:10.1093/jxb/erg076. PMID 12554704. 
  49. Cate JH (2001). «Construction of low-resolution x-ray crystallographic electron density maps of the ribosome». Methods [S.l.: s.n.] 25 (3): 303–8. doi:10.1006/meth.2001.1242. PMID 11860284. 
  50. Provance DW, McDowall A, Marko M, Luby-Phelps K (1 October 1993). «Cytoarchitecture of size-excluding compartments in living cells». J. Cell. Sci. [S.l.: s.n.] 106 (2): 565–77. PMID 7980739. 
  51. Luby-Phelps K, Castle PE, Taylor DL, Lanni F (1987). «Hindered diffusion of inert tracer particles in the cytoplasm of mouse 3T3 cells». Proc. Natl. Acad. Sci. U.S.A. [S.l.: s.n.] 84 (14): 4910–3. doi:10.1073/pnas.84.14.4910. PMC 305216. PMID 3474634. 
  52. Luby-Phelps K (1993). «Effect of cytoarchitecture on the transport and localization of protein synthetic machinery». J. Cell. Biochem. [S.l.: s.n.] 52 (2): 140–7. doi:10.1002/jcb.240520205. PMID 8366131. 
  53. Kholodenko BN (2003). «Four-dimensional organization of protein kinase signaling cascades: the roles of diffusion, endocytosis and molecular motors». J. Exp. Biol. [S.l.: s.n.] 206 (Pt 12): 2073–82. doi:10.1242/jeb.00298. PMID 12756289. 
  54. Pesaresi P, Schneider A, Kleine T, Leister D (2007). «Interorganellar communication». Curr. Opin. Plant Biol. [S.l.: s.n.] 10 (6): 600–6. doi:10.1016/j.pbi.2007.07.007. PMID 17719262. 
  55. Winey M, Mamay CL, O'Toole ET (1995). «Three-dimensional ultrastructural analysis of the Saccharomyces cerevisiae mitotic spindle». J. Cell Biol. [S.l.: s.n.] 129 (6): 1601–15. doi:10.1083/jcb.129.6.1601. PMC 2291174. PMID 7790357. 
  56. Weisiger RA (2002). «Cytosolic fatty acid binding proteins catalyze two distinct steps in intracellular transport of their ligands». Mol. Cell. Biochem. [S.l.: s.n.] 239 (1-2): 35–43. doi:10.1023/A:1020550405578. PMID 12479566. 
  57. Maxfield FR, Mondal M (2006). «Sterol and lipid trafficking in mammalian cells». Biochem. Soc. Trans. [S.l.: s.n.] 34 (Pt 3): 335–9. doi:10.1042/BST0340335. PMID 16709155. 
  58. Pelham HR (1999). «The Croonian Lecture 1999. Intracellular membrane traffic: getting proteins sorted». Philos. Trans. R. Soc. Lond., B, Biol. Sci. [S.l.: s.n.] 354 (1388): 1471–8. doi:10.1098/rstb.1999.0491. PMC 1692657. PMID 10515003. 
  59. Kamal A, Goldstein LS (2002). «Principles of cargo attachment to cytoplasmic motor proteins». Curr. Opin. Cell Biol. [S.l.: s.n.] 14 (1): 63–8. doi:10.1016/S0955-0674(01)00295-2. PMID 11792546. 
  60. Foster LJ, de Hoog CL, Zhang Y (2006). «A mammalian organelle map by protein correlation profiling». Cell [S.l.: s.n.] 125 (1): 187–99. doi:10.1016/j.cell.2006.03.022. PMID 16615899. 
  61. Herrgård MJ; Swainston, N; Dobson, P; Dunn, WB; Arga, KY; Arvas, M; Blüthgen, N; Borger, S; Costenoble, R (2008). «A consensus yeast metabolic network reconstruction obtained from a community approach to systems biology». Nature biotechnology [S.l.: s.n.] 26 (10): 1155–60. doi:10.1038/nbt1492. PMID 18846089. 
  62. Stryer, Lubert; Berg, Jeremy Mark; Tymoczko, John L. (2002). Biochemistry (San Francisco: W.H. Freeman). ISBN 0-7167-4684-0. OCLC 179705944. 
  63. Ohlrogge J, Pollard M, Bao X (2000). «Fatty acid synthesis: from CO2 to functional genomics». Biochem. Soc. Trans. [S.l.: s.n.] 28 (6): 567–73. doi:10.1042/BST0280567. PMID 11171129. 
  64. Ohlrogge JB, Kuhn DN, Stumpf PK (1979). «Subcellular localization of acyl carrier protein in leaf protoplasts of Spinacia oleracea». Proc. Natl. Acad. Sci. U.S.A. [S.l.: s.n.] 76 (3): 1194–8. doi:10.1073/pnas.76.3.1194. PMC 383216. PMID 286305. 
  65. Goodman CD, McFadden GI (2007). «Fatty acid biosynthesis as a drug target in apicomplexan parasites». Curr Drug Targets [S.l.: s.n.] 8 (1): 15–30. doi:10.2174/138945007779315579. PMID 17266528. 

Leitura adicional[editar | editar código-fonte]