Hiberno-nórdico

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Não confundir com hiberno-normando, termo que corresponde aos colonos anglonormandos em Irlanda (século XII)

O termo hiberno-nórdico ou nórdico-gaélico faz referência à população escandinava procedente das incursões viquingues que se assentaram em Irlanda, Escócia, Gales, Hébridas, Órcadas e Mann como parte do processo de expansão e colonização durante a Era Viquingue e que durou uns 300 anos (789–1100).

Também chamados Gall-Ghàidheil, cuja tradução seria "gaels estrangeiros" (ou forasteros) e não era exclusivo para os estrangeiros nórdicos, mas que era um termo genérico para os estrangeiros em general, não a um grupo étnico concreto. Este termo sofreu muitas variações dependendo do momento cronológico e diferenças geográficas nas línguas goidélicas, por exemplo Gall Gaidel, Gall Gaidhel, Gall Gaidheal, Gall Gaedil, Gall Gaedhil, Gall Gaedhel, Gall Goidel, etc. O qualificativo moderno em irlandês é Gall-Ghaeil, enquanto em escocês é Gall-Ghàidheil.[1] Não obstante, se diferenciava-se a procedência dos escandinavos, enquanto Fionnghaill (forasteros loiros) referia-se aos colonos de ascendência noruega, Dubhghaill (forasteros morenos) eram de ascendência dinamarquesa.[2]

Como passava lá onde se assentavam permanentemente os escandinavos, se produziu com o tempo um sincretismo cultural e assimilação do idioma local como próprio, processo que se iniciou no século IX. O caso dos normandos na França merovíngia é o mais conhecido.[3]

História[editar | editar código-fonte]

Irlanda[editar | editar código-fonte]

Situação territorial em Irlanda entre meados do século IX e princípios do XI, com os assentamentos viquingues

O primeiro testemunho  da chegada dos nórdicos inicia-se em 795 com o saque da [[ilha de Lambay]]. Outras incursões seguem até 832, quando começam as construções de fortalezas em seus assentamentos permanentes por todo o país. As expedições são constantes ao longo do século X, mas também a resistência da população local. Nascem pequenos reinos, cidades-Estado:

  • [[Reino de Dublim]]
  • [[Reino de Cork]]
  • [[Reino de Limerick]]
  • [[Reino de Waterford]]
  • [[Reino de Wexford]]

Estes reinos tiveram um rápido crescimento entre 850 e 860 e compunham-se principalmente de irlandeses nativos que tinham renunciado ao cristianismo e abraçado as crenças dos viquingues e celtas compartilhando numa boa percentagem parentesco com eles, bem como colonos nórdicos. A mistura de raças, cultura, religião e interesses políticos fez-lhes praticamente independentes e sem laços de compromisso com ninguém; os mestiços batalhavam contra noruegueses, irlandeses ou forças combinadas de ambos quando criavam oportunidade.[4] Não sobreviveriam as invasões normandas do século XII, ainda que as cidades seguiram crescendo e prosperando. Os escandinavos sofreram severas derrotas por parte de Máel Sechnaill mac Domnaill, e em 1014 Brian Boru acaba com a supremacia dos homens do norte na batalha de Clontarf, e foram finalmente absorvidos na vida religiosa e política da ilha.[5]

Escócia, Mann e as Ilhas[editar | editar código-fonte]

Os hiberno-nórdicos gaelizados dominaram o mar da Irlanda até a invasão normanda do século XII, fundando reinos e dinastias que perduraram gerações como a ilha de Man, ilhas Orcadas, ilhas Hébridas, ilhas Xetlândia, bem como Argyll, Galloway, Caithness e Sutherland no norte de Escócia e em alguns períodos o poder dos caudilhos viquingues também se estendeu a Iorque na Inglaterra. Em Escócia, o equivalente dos Gall Gaidhel irlandeses foram chamados Gall-Gael (escoceses estrangeiros).[6]

Desta população mista, procedem os famosos gallowglass (soldados estrangeiros), um exército mercenário que serviu à Coroa da Irlanda desde princípios do século XIII até mediados do XVI.[7] Ao finalizar seu serviço, a maioria assentaram-se em território irlandês.

Islândia e as Ilhas Feroé[editar | editar código-fonte]

Segundo recolhe-se em Landnámabók (livro dos assentamentos) teve uma presença de papar em Islândia antes da chegada da colonização escandinava, mais ou menos confirmado pelos comentários de Dicuil. Não obstante, a falta de registros arqueológicos é uma conjectura amparada só por escritos contemporâneos ainda que é verdadeiro tanto Islândia como as ilhas Feroé tiveram uma importante presença de hiberno-nórdicas, bem como colonos, escravos, serventes ou esposas. A esta população denominava-lha Vestmen (Gaels), um apelativo que se conserva na cidade feroesa de Vestmanna, e Vestmannaeyjar em Islândia onde se diz que chegavam os thralls (escravos) irlandeses que escapavam de seu cativeiro. No entanto, «Vestman» pode referir-se só aos colonos procedentes das ilhas ocidentais escandinavas.

Nas sagas nórdicas aparecem várias personagens de origem gaélico, por exemplo Njáll Þorgeirsson da saga de Njál. Niall é um nome próprio de origem gaélico. Patreksfjörður em Islândia, tem sua origem no nome Padraig. E várias localizações têm nomes relacionados com os monges hiberno-nórdicos papar, em Islândia e as ilhas Feroé.

Grímur Kamban, considerado o descubridor e primeiro colono das ilhas Feroé, pôde ser de origem hiberno-nórdico. Segundo a saga Faereyinga o primeiro colono em sentar nas Ilhas Feroé foi Kamban - Hann bygdi fyrstr Færeyar, que junto a seus seguidores obrigou aos anacoretas (papar) ao abandono de suas localizações. O apelido Kamban tem provavelmente uma origem gaélica e uma interpretação é que se refira a certa malformação física, ainda que também pode referir a uma condição atlética e valor como desportista. É bastante provável que fosse um jovem procedente da Irlanda viquingue e segundo a tradição local seu assentamento esteve em Funningur, Eysturoy.[8]

Herança[editar | editar código-fonte]

Muitos nomes e sobrenomes atuais, especialmente nas ilhas ocidentais e Man, têm sua origem na colônia hiberno-nórdica:

Sobrenomes[editar | editar código-fonte]

Gaélico Forma anglicanizada "Filho de-"
MacAsgaill MacAskill, MacCaskill Áskell
MacAmhlaibh MacAulay, MacAuliffe Óláf
MacCorcadail McCorquodale, Corkill, McCorkindale Thorkell
Cotter Cotter, MacCotter Óttar
MacÌomhair MacIver, MacIvor Ivar, Ingvar
MacShitrig[9] MacKitrick, McKittrick Sigtrygg
MacLeod MacLeod Ljótr (literalmente "feio")[10]

Nomes próprios[editar | editar código-fonte]

Gaélico Forma anglicanizada Equivalente nórdico
Amhlaibh (às vezes confunde-se com o gaélico Amhlaidh/Amhalghaidh) Aulay (Olaf) Ólaf
Goraidh Gorrie (Godfrey, Godfred), Orree (Ilha de Man) Godfrið
Ìomhar Ivor Ívar (Ingvar)
Raghnall Ranald (Ronald, Randall) Rögnvald
Somhairle Sorley (às vezes anglicanizado como "Samuel") Sumarliði (Somerled)
Tormod Às vezes tem-se anglicanizado como "Norman" Þormóðr
Torcuil Torquil Torkill, Þorketill

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências[editar | editar código-fonte]

2

  1. Hiberno-Norwegians and Anglo-Danes:anachronistic ethnicities and Viking-Age England (Clare Downham.
  2. CELT
  3. & http://www.ucc.ie/celt/hibfrbib.html Textos hiberno-normandos, dialecto francés de los normandos
  4. J.H. Todd (1876) The War of the Gaedhil with the Gael, p. 11.
  5. Conell Mageoghagan, trad.
  6. Gwyn Jones, A History of the Vikings, Oxford University Press, 1973, p. 206.
  7. «gallowglass» (em inglés). Consultado em 27 de septiembre de 2011  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)[ligação inativa]
  8. Schei, Liv Kjørsvik & Moberg, Gunnie (2003) The Faroe Islands.
  9. McKittrick, significado e historia Revisado 2011-09-22
  10. Mcleod, significado e historia Revisado 2011-09-22

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Downham, Clare (2009). Hiberno-Norwegians and Anglo-Danes. [S.l.: s.n.] Mediaeval Scandinavia 19. University of Aberdeen: [s.n.]   ISSN 0076-5864
  • Haywood, John (1995). The Penguin Historical Atlas of the Vikings. London: Penguin. ISBN 0-14-051328-0 
  • McDonald, R. Andrew (1997). The Kingdom of the Isles: Scotland's Western Seaboard, c.1100-c.1336. East Linton: Tuckwell Press. ISBN 1-898410-85-2 
  • Ó Cróinín, Dáibhí (1995). Early Medieval Ireland, 400-1200. London: Longman. ISBN 0-582-01566-9 
  • Oram, Richard (2000). The Lordship of Galloway. Edinburgh: John Donald. ISBN 0-85976-541-5 
  • Scholes, Ron (2000). Yorkshire Dales. Derbyshire: Landmark. ISBN 1-901522-41-5