Hidrólise alcalina

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Um sistema de eliminação de hidrólise alcalina no Biosecurity Research Institute dentro de Pat Roberts Hall na Kansas State University

A hidrólise alcalina (também chamada de biocremação, resomação,[1][2] cremação sem chama, aquamação[3] ou cremação com água[4]) é um processo para a eliminação de restos humanos e animais de estimação usando um alvejante e calor. O processo está sendo comercializado como uma alternativa às opções tradicionais de sepultamento ou cremação.

Processo[editar | editar código-fonte]

No processo o corpo é colocado em um vaso de pressão que é então preenchido com uma mistura de água e hidróxido de potássio e aquecido a uma temperatura em torno de 160 °C (320 °F), mas a uma pressão elevada, o que evita a ebulição da mistura. Em vez disso, o corpo é efetivamente dividido em seus componentes químicos, o que leva aproximadamente quatro a seis horas. Uma temperatura e pressão mais baixas podem ser usadas, mas com uma duração mais longa (208 °F (98 °C), 14 a 16 horas).[5] No início do processo, a mistura é fortemente básica, com um nível de pH de aproximadamente 14; O pH cai para 11 no final do processo, porém o nível final de pH depende do tempo total de operação e da quantidade de gordura no corpo.[6]

Tempos de tratamento de hidrólise alcalina de carcaças de animais infectados com EET[6]
Patógeno Temperatura Pressão Tempo
Micróbio / Príon 212 °F (100 °C)


15 psi (100 kPa)


3 horas
EET 300 °F (149 °C)


70 psi (480 kPa)


6-8 horas

O resultado é uma quantidade de líquido de coloração verde-amarronzada (contendo aminoácidos, peptídeos, açúcares e sais) e restos de osso branco, macio e poroso (fosfato de cálcio) facilmente esmagado na mão (embora um cremulador seja mais comumente usado) para formar um poeira de cor branca. As "cinzas" podem então ser devolvidas aos parentes mais próximos do falecido. O líquido é descartado pelo sistema de esgoto sanitário ou por algum outro método, incluindo o uso em um jardim ou espaço verde.[7] Para dispor de 1,000 lb (450 kg), aproximadamente 60–240 US gal (230–910 l; 50–200 imp gal) de água são usados, resultando em 120–300 US gal (450–1,140 l; 100–250 imp gal) de efluente, que carrega um peso seco de 20 lb (9.1 kg) (aproximadamente 2% do peso original).[6]

Este processo de hidrólise alcalina tem sido defendido por vários grupos de campanha ecológica,[8] por usar 90 kWh de eletricidade,[9] um quarto da energia da cremação baseada em chamas e produzindo menos dióxido de carbono e poluentes.[1] Está sendo apresentado como uma opção alternativa em alguns crematórios britânicos.[10] Desde August 2007, cerca de 1.000 pessoas escolheram esse método para a disposição de seus restos mortais nos Estados Unidos.[11] O custo operacional de materiais, manutenção e mão de obra associados ao descarte de 2,000 lb (910 kg) de restos foi estimado em 116,40 dólares,[6] excluindo o custo de investimento de capital do equipamento.

A hidrólise alcalina também foi adotada pela indústria de animais de estimação e animais. Um punhado de empresas na América do Norte oferece o procedimento como uma alternativa à cremação de animais de estimação.[12] A hidrólise alcalina também é usada na indústria agrícola para esterilizar carcaças de animais que podem representar um risco à saúde, porque o processo inativa vírus, bactérias e príons causando encefalopatia espongiforme transmissível.[6][13][14]

História[editar | editar código-fonte]

O processo foi originalmente desenvolvido como um método para processar carcaças de animais em alimentos vegetais, patenteado por Amos Herbert Hobson em 1888.[5]>[15][9] Em 2005, a Bio-Response Solutions projetou, vendeu e instalou o primeiro sistema de hidrólise alcalina de cadáver único na Mayo Clinic, onde ainda estava em uso em 2019.[16] Em 2007, um bioquímico escocês, Sandy Sullivan, iniciou uma empresa que fabricava as máquinas e chamava o processo (e a empresa) de Resomation.[17]

Visões religiosas[editar | editar código-fonte]

  • Nos países e culturas cristãos, a cremação é historicamente desencorajada e vista como uma profanação da imagem de Deus e como uma interferência na ressurreição dos mortos ensinada nas Escrituras. Agora é aceitável para algumas denominações.[18]
  • Desmond Tutu, ex- arcebispo anglicano da Cidade do Cabo, escolheu ser aquamado,[20] embora mais por razões ambientais do que religiosas.[21]
  • O judaísmo proíbe a cremação, pois não está de acordo com os ensinamentos de respeito e dignidade devidos aos humanos, que são criados à imagem de Deus.
  • O Islão proíbe a cremação do falecido.
  • Quando a hidrólise alcalina foi proposta no estado de Nova York em 2012, a Conferência Católica do Estado de Nova York condenou a prática, afirmando que a hidrólise não mostra respeito suficiente pelo ensino da dignidade intrínseca do corpo humano.[22]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b «Biocremation (Resomation) – Body Donation – Mayo Clinic». mayoclinic.org. Consultado em 4 de setembro de 2017 
  2. «Bio Cremation – UCLA Donated Body Program». ucla.edu 
  3. France-Presse, Agence (2 de fevereiro de 2022). «What is aquamation? The process behind Desmond Tutu's 'green cremation'». The Guardian. Consultado em 2 de fevereiro de 2022 
  4. McClurg, Lesley (24 de junho de 2017). «Want to Cut Your Carbon Footprint? Get Liquefied When You're Dead». KQED. Consultado em 4 de setembro de 2017 
  5. a b Stockton, Nick (10 de março de 2017). «The Fight to Legalize a Machine That Melts Flesh From Bone». Wired. Consultado em 4 de setembro de 2017 
  6. a b c d e «Alkaline hydrolysis». Managing Contaminated Animal and Plant Materials: Field Guide on Best Practices (PDF). [S.l.]: Texas A&M University. Consultado em 4 de setembro de 2017 
  7. Olson, P. R. (2014). Flush and Bone: Funeralizing Alkaline Hydrolysis in the United States. Science, Technology, & Human Values, 39(5), 666–693. https://doi.org/10.1177/0162243914530475
  8. The Groovy Green Arquivado 2012-03-06 no Wayback Machine website is one example of such sites.
  9. a b Rothstein, Karla Maria (2013). «Reconfiguring Urban Spaces of Disposal, Sanctuary, and Remembrance». In: Staudt, Christina; Ellens, J. Harold. Our Changing Journey to the End: Reshaping Death, Dying, and Grief in America. Santa Barbara, California: Praeger. ISBN 978-1440828461 
  10. See the October 2007 Newsletter of Worthing Crematorium, operated by Worthing Borough Council in West Sussex, England.
  11. «UK firm: Don't burn bodies, boil them». Physorg News. 6 de agosto de 2007 
  12. «New 'petuary' liquifies deceased pets, green alternative to cremation». Los Angeles Daily News 
  13. Kaye, G; Weber, P; Evans, A; Venezia, R (março de 1998). «Efficacy of Alkaline Hydrolysis as an Alternative Method for Treatment and Disposal of Infectious Animal Waste». Contemp Top Lab Anim Sci. 37 (3): 43–46. PMID 12456159 
  14. «BBC World Service – People Fixing The World, Greener In Death». BBC (em inglês). Consultado em 8 de novembro de 2018 
  15. US 394982, Amos Herbert Hobson 
  16. «About Us». Bio Response Solutions (em inglês). Consultado em 4 de dezembro de 2019 
  17. Siegle, Lucy (3 de abril de 2010). «The innovator: Sandy Sullivan». the Guardian (em inglês). Consultado em 8 de novembro de 2018 
  18. Gassmann, Günther; Larson, Duane H.; Oldenburg, Mark W. (2001). Historical Dictionary of Lutheranism. [S.l.]: Scarecrow Press. ISBN 978-0810866201. Consultado em 22 de abril de 2014. Cremation was unheard of from the time Charlemagne outlawed it (784) until the 17th century. At that point, the practice was urged primarily by those opposed to the church, and for a long time cremation was forbidden by Roman Catholicism and practiced only reluctantly by Protestants. Recently, these strictures have eased, and more and more churches have established columbaria or memorial gardens within their precincts for the reception of the ashes by the faithful. 
  19. «Catholics and Cremation: Questions and Answers from the Bishops of New York State». New York State Catholic Conference. 6 de dezembro de 2002. Consultado em 12 de maio de 2014. Arquivado do original em 7 de julho de 2015 
  20. «Desmond Tutu: Body of South African Hero to be Aquamated». BBC.com. BBC News. Consultado em 1 de janeiro de 2022 
  21. https://www.cnn.com/2022/01/02/africa/desmond-tutu-aquamation-intl/index.html
  22. «NY Catholic conference opposes 'chemical digestion' of human remains». 25 de março de 2012