Higiene do trabalho

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

A higiene do trabalho (ou também denominada higiene ocupacional) é a ciência e a arte dedicada à antecipação, reconhecimento, avaliação e controle dos estressores, fatores ou agentes ambientais, existentes ou que venham a existir no ambiente de trabalho, que podem causar doença, prejuízo à saúde e ao bem-estar ou desconforto significativo entre trabalhadores ou entre cidadãos da comunidade.[1][2]

As definições de higiene ocupacional podem ser apresentadas de diferentes maneiras; no entanto, todos têm essencialmente o mesmo significado e visam o mesmo objetivo fundamental de proteção e promoção da saúde e do bem-estar dos trabalhadores, bem como da proteção do ambiente em geral, através de ações preventivas no local de trabalho.[3]

Um higienista ocupacional é um profissional capaz de:[3]

  • antecipar os perigos à saúde que podem resultar dos processos de trabalho, operações e equipamentos e, consequentemente, aconselhar sobre seu planejamento e design
  • reconhecer e compreender, no ambiente de trabalho, a ocorrência (real ou potencial) de agentes químicos, físicos e biológicos e outros estresses, e suas interações com outros fatores, que podem afetar a saúde e o bem-estar dos trabalhadores
  • compreender as possíveis rotas de entrada do agente no corpo humano e os efeitos que tais agentes e outros fatores podem ter na saúde
  • avaliar a exposição dos trabalhadores a agentes e fatores potencialmente prejudiciais e avaliar os resultados
  • avaliar processos e métodos de trabalho, do ponto de vista da possível geração e liberação / propagação de agentes potencialmente nocivos e outros fatores, com vistas a eliminar exposições, ou reduzi-las a níveis aceitáveis
  • projetar, recomendar para adoção e avaliar a eficácia das estratégias de controle, sozinho ou em colaboração com outros profissionais para garantir um controle eficaz e econômico
  • participar na análise de risco geral e gestão de um agente, processo ou local de trabalho, e contribuir para o estabelecimento de prioridades para a gestão de risco
  • compreender o quadro jurídico para a prática de higiene ocupacional em seu próprio país
  • educar, treinar, informar e aconselhar pessoas em todos os níveis, em todos os aspectos da comunicação de perigo
  • trabalhar de forma eficaz em uma equipe multidisciplinar envolvendo outros profissionais
  • reconhecer agentes e fatores que podem ter impacto ambiental e compreender a necessidade de integrar a prática de higiene ocupacional com a proteção do meio ambiente.

No Brasil a Fundacentro elaborou a série de normas conhecidas como NHO - Normas de Higiene Ocupacional com o objetivo de se quantificar e analisar riscos relacionados à saúde do trabalhador.[4]

  • NHO 01 – Avaliação da Exposição Ocupacional ao Ruído.[5]
  • NHO 02 – Análise qualitativa da fração volátil (vapores orgânicos) em colas, tintas e vernizes por cromatografia gasosa / * detector de ionização de chama. Esta norma está em revisão.[6]
  • NHO 03 – Análise gravimétrica de aerodispersóides sólidos coletados sobre filtros de membrana.[7]
  • NHO 04 – Método de Coleta e Análise de Fibras em Locais de Trabalho.[8]
  • NHO 05 – Avaliação da Exposição Ocupacional aos Raios X nos Serviços de Radiologia.[9]
  • NHO 06 – Avaliação da Exposição Ocupacional ao Calor – 2ª Edição.[10]
  • NHO 07 – Calibração de Bombas de Amostragem Individual pelo Método da Bolha de Sabão.[11]
  • NHO 08 – Coleta de Material Particulado Sólido Suspenso no Ar de Ambientes de Trabalho.[12]
  • NHO 09 – Avaliação da Exposição Ocupacional a Vibrações de Corpo Inteiro.[13]
  • NHO 10 – Avaliação da Exposição Ocupacional a Vibrações em Mãos e Braços.[14]
  • NHO 11 – Avaliação dos Níveis de Iluminamento em Ambientes Internos de Trabalho – 2ª Edição.[15]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «About AIHA». AIHA (em inglês). Consultado em 6 de novembro de 2020 
  2. Jaques, Roberto (2014). «Uma visão sobre risco ocupacional» (PDF). Revista ABHO (34). Consultado em 6 de novembro de 2020 
  3. a b «Chapter 30 - Occupational Hygiene». www.ilocis.org. Consultado em 6 de novembro de 2020 
  4. Blog Alex Tinoco (ed.). «Lista de Normas de Higiene Ocupacional elaboradas pela Fundacentro». Consultado em 17 de Fevereiro de 2021 
  5. «NHO 01 – Avaliação da Exposição Ocupacional ao Ruído». Consultado em 13 de Março de 2021 
  6. «NHO 02 – Análise qualitativa da fração volátil (vapores orgânicos) em colas, tintas e vernizes por cromatografia gasosa / detector de ionização de chama». Consultado em 13 de Março de 2021 
  7. «NHO 03 – Análise gravimétrica de aerodispersóides sólidos coletados sobre filtros de membrana». Consultado em 13 de Março de 2021 
  8. «NHO 04 – Método de Coleta e Análise de Fibras em Locais de Trabalho». Consultado em 13 de Março de 2021 
  9. «NHO 05 – Avaliação da Exposição Ocupacional aos Raios X nos Serviços de Radiologia». Consultado em 13 de Março de 2021 
  10. «NHO 06 – Avaliação da Exposição Ocupacional ao Calor – 2ª Edição». Consultado em 13 de Março de 2021 
  11. «NHO 07 – Calibração de Bombas de Amostragem Individual pelo Método da Bolha de Sabão». Consultado em 13 de Março de 2021 
  12. «NHO 08 – Coleta de Material Particulado Sólido Suspenso no Ar de Ambientes de Trabalho». Consultado em 13 de Março de 2021 
  13. «NHO 09 – Avaliação da Exposição Ocupacional a Vibrações de Corpo Inteiro». Consultado em 13 de Março de 2021 
  14. «NHO 10 – Avaliação da Exposição Ocupacional a Vibrações em Mãos e Braços». Consultado em 13 de Março de 2021 
  15. «NHO 11 – Avaliação dos Níveis de Iluminamento em Ambientes Internos de Trabalho – 2ª Edição». Consultado em 13 de Março de 2021