Hildegard Angel

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Hildegard Angel
(foto: Ivone Perez/Rede Brasil Atual, remix de Olimor)
Nome completo Hildegard Beatriz Angel Bogossian
Nascimento 24 de setembro de 1949 (67 anos)
Rio de Janeiro, Brasil
Nacionalidade Brasil brasileira
Página oficial
http://www.hildegardangel.com.br/

Hildegard Beatriz Angel Bogossian (Rio de Janeiro, 24 de setembro de 1949) é uma jornalista brasileira.[1]

Filha da estilista Zuzu Angel e de Norman Angel Jones, irmã de Stuart Angel Jones,[2] Hildegard trabalhou como atriz no teatro, no cinema e na televisão nas décadas de 60 e 70, antes de se tornar conhecida no jornalismo, especialmente como colunista social a partir dos anos 1980. Dedicou-se ao colunismo social no jornal O Globo, e, posteriormente, de 2003 a 2010, no Jornal do Brasil.[3]

Fundou em 1993 o Instituto Zuzu Angel, entidade sem fins lucrativos dedicada à promoção e à capacitação da moda no Rio de Janeiro, tendo como objetivo principal lembrar a luta de seu irmão, Stuart Angel Jones, e de sua mãe, a estilista Zuzu Angel, que teve uma morte considerada suspeita num acidente de automóvel no bairro de São Conrado, no Rio de Janeiro, em abril de 1976.[4] Mantém atualmente um blog próprio, onde escreve sobre a sociedade carioca e a política nacional.[5]

Carreira[editar | editar código-fonte]

Cinema[editar | editar código-fonte]

Televisão[editar | editar código-fonte]

Teatro[editar | editar código-fonte]

  • 1965 - As Feiticeiras de Salém - direção de João Bethencourt - Teatro Copacabana / Teatro Ginástico
  • 1969 - Berenice - direção de Ana Maria Taborda e Wagner Mello- TPPA - Porto Alegre
  • 1969 - A Dama do Camarote - direção de Amir Haddad - Teatro Maison de France
  • 1970 - Alice no País Divino Maravilhoso - direção de Paulo Afonso Grisolli - Teatro Casa Grande
  • 1971 - A Mãe - direção de Claude Regy - Teatro Maison de France
  • 1971 - Vivendo em Cima da Árvore' - direção Ziembinsky - Teatro Nacional de Comédias
  • 1972 - Freud Explica - direção de João Bethencourt - Teatro Maison de France
  • 1973 - A Venerável Madame Goneau - direção de João Bethencourt - Teatro Mesbla / Teatro Serrador
  • 1974 - Gracias Señor - Grupo Oficina - direção de José Celso Martinez Corrêa - Teatro Tereza Rachel
  • 1975 - Marido, Matriz e Filial - direção de Aderbal Freire Junior (Aderbal Filho) - Teatro Santa Rosa
  • 1976 - Bonifácio Bilhões - direção de João Bethencourt - Teatro da Praia

Referências

  1. Celina Côrtes (13 de Junho de 2001). «A porta-voz da elite». Revista Isto É, Edição Nº 1654. Consultado em 30 de Junho de 2012 
  2. «Rio Homenageia Stuart Angel,Irmão de Hildegard Angel». R7. Consultado em 22 de fevereiro de 2014 
  3. «Hildegard Angel: só a elite não produtiva rejeita Lula e Dilma». vermelho.org. Consultado em 22 de fevereiro de 2014 
  4. «Uma costureira contra o regime dos generais». Veja. Consultado em 15 de junho de 2011 
  5. «Hildegard Angel». Hildegard Angel. Consultado em 22 de fevereiro de 2014 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Wikiquote
O Wikiquote possui citações de ou sobre: Hildegard Angel
Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.