Himeneu

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita nenhuma fonte ou referência, o que compromete sua credibilidade (desde Fevereiro de 2009).
Por favor, melhore este artigo providenciando fontes fiáveis e independentes, inserindo-as no corpo do texto por meio de notas de rodapé. Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Nicolas Poussin. Himeneu Travestido Durante um Sacrifício a Príapo

Himeneu (do grego antigo Ὑμέναιος), conhecido em latim como Hymenaeus ou Hymenaios, é o deus grego do casamento, filho de Apolo e Afrodite.

História[editar | editar código-fonte]

Himeneu é filho de Apolo e Afrodite, em sua encarnação, é tido como um dos mais belos homens, beleza esta herdada obviamente de seu pai, Apolo - arquétipo perfeito da beleza masculina - e de sua mãe, Afrodite - imagem da beleza feminina no estado mais puro e absoluto. Beleza esta é tanta, que muitas vezes grupos de mulheres o seguia na esperança de atrair os olhares penetrantes do deus. Diz-se que certa vez, Himeneu fora capturado por piratas com um grupo de mulheres, estes não perceberam ser Himeneu, na verdade, um homem, visto que sua beleza transcendia a imagem padrão de um homem na época. Colocado em cativeiro junto com todas as sequestradas, em um navio, Himeneu acalma as donzelas, estas, apavoradas pelo rapto, logo tranquilizam-se e confiam na habilidade do deus, mesmo sem saber da divindade de seu companheiro de cárcere. Ao anoitecer, costumeiro de piratas, haviam bebido demais, e estavam demasiado cansados e esgotados, Himeneu neste momento, escapa e aniquila todos os sequestradores, em um ato de excelente bravura. Ao termina-lo, liberta as donzelas, e leva todas em segurança para suas respectivas famílias.

Dizem que pelo ato de heroísmo, foi-lhe entregue a mulher que mais amava. Casaram-se e, exultante e realizado, Himeneu dedica-se a trazer esta mesma felicidade do matrimônio a todos os casamentos em que ele estiver convidado. É recebido por seu pai, Apolo, e sua mãe, Afrodite, para tornar-se o deus que já era, regendo oficialmente os casamentos e matrimônios.

A Deusa Hera também rege casamentos, porém devido a sua essencialidade cósmica, o significado desta regência é bem mais profunda e primordial do que o "simples" matrimônio humano.

Atributos[editar | editar código-fonte]

Supunham os gregos que Himeneu comparecia a todos os casamentos. Se ele não o fizesse, o matrimônio tenderia ao fracasso, de forma que durante esta celebração os gregos evocavam o seu nome em voz alta.

Ele presidiu a muitos dos enlaces na mitologia grega, não apenas dos deuses, como de seus filhos.

  • Pelo fato de Himeneu presidir aos casamentos, foi sugerido que havia uma conexão entre esta divindade e o hímen. Os lexicógrafos, entretanto, declaram que este é um caso de coincidência e não de afinidade etimológica.

Representação[editar | editar código-fonte]

Desde a Renascença italiana, pelo ao menos, Himeneu é sempre representado na arte como um homem jovem, usando uma guirlanda de flores e segurando uma tocha ardente numa das mãos, coberto por vestes púrpuras.

Fontes[editar | editar código-fonte]

Himeneu foi citado na Ilíada, de Homero, na descrição da proteção de Aquiles - embora alguns tradutores (como Robert Fagles) omitam seu nome:

Cquote1.svg Com casamentos e banquetes nupciais, sob as tochas ardentes eles conduziam as noivas dos aposentos femininos, marchando pelas ruas, enquanto em coro entoavam bem alto o epitalâmio, atraindo os rapazes, enquanto dançavam, em voltas, e entre eles as flautas e harpas mantinham o vibrante chamado - as mulheres surgiam às portas, e cada um movia-se maravilhado. Cquote2.svg
Homero, em Ilíada

Himeneu é citado também em Édipo Rei de Sófocles: "Ó himeneu, himeneu, geraste-me e, depois de me gerar, produziste novamente amesma seiva e, daquela que foi ao mesmo tempo mulher, esposa e mãe, geraste o abominável amálgama de pai, irmão e filho, sangue da mesma estirpe, coisas que os homens consideram o extremo da torpeza." Também há referências ao deus na Eneida, de Virgílio, e em duas peças de William Shakespeare. E também no livro "A mulher de trinta anos" de Honoré de Balzac. Demais, Tomás Antônio Gonzaga o cita na 11ª epístola de "Cartas Chilenas".


Ícone de esboço Este artigo sobre mitologia grega é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.