Hino da Independência do Brasil

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Hino da Independência do Brasil
Dom Pedro I compondo o Hino da Independência, em 1822. Por Augusto Bracet.

Hino Nacional do Brasil
Letra Evaristo da Veiga, 16 de agosto de 1822[1]
Composição D. Pedro I, 7 de setembro de 1822
De Pedro Américo: Independência ou Morte!

O Hino da Independência é uma canção patriótica oficial comemorando a declaração da independência do Brasil, composta em 1822 por Dom Pedro I. A letra foi escrita pelo poeta Evaristo da Veiga.

História[editar | editar código-fonte]

Segundo diz a tradição, a música foi composta pelo Imperador às 4 horas da tarde do mesmo dia do Grito do Ipiranga, 7 de setembro de 1822, quando já estava de volta a São Paulo vindo de Santos.[2]

Letra[editar | editar código-fonte]

Normalmente, as estrofes 3, 4, 5, 6, 8 e 10 são hoje omitidas quando o hino da Independência é cantado.[3]

Hino da Independência
1
Já podeis da Pátria filhos,
Ver contente a Mãe gentil!
Já raiou a Liberdade
No Horizonte do Brasil,
Já raiou a Liberdade
Já raiou a Liberdade
No Horizonte do Brasil!
Refrão
Brava Gente Brasileira
Longe vá, temor servil;
Ou ficar a Pátria livre,
Ou morrer pelo Brasil.
Ou ficar a Pátria livre,
Ou morrer pelo Brasil.
2
Os grilhões que nos forjava
Da perfídia astuto ardil,
Houve Mão mais poderosa,
Zombou deles o Brasil.
Houve Mão mais poderosa
Houve Mão mais poderosa
Zombou deles o Brasil.
(Refrão)
3
O Real Herdeiro Augusto
Conhecendo o engano vil,
Em despeito dos Tiranos
Quis ficar no seu Brasil.
Em despeito dos Tiranos
Em despeito dos Tiranos
Quis ficar no seu Brasil.
(Refrão)
4
Ressoavam sombras tristes
Da cruel Guerra Civil,
Mas fugiram apressadas
Vendo o Anjo do Brasil.
Mas fugiram apressadas
Mas fugiram apressadas
Vendo o Anjo do Brasil.
(Refrão)
5
Mal soou na serra ao longe
Nosso grito varonil;
Nos imensos ombros logo
A cabeça ergue o Brasil.
Nos imensos ombros logo
Nos imensos ombros logo
A cabeça ergue o Brasil.
(Refrão)
6
Filhos clama, caros filhos,
E depois de afrontas mil,
Que a vingar a negra injúria
Vem chamar-vos o Brasil.
Que a vingar a negra injúria
Que a vingar a negra injúria
Vem chamar-vos o Brasil.
(Refrão)
7
Não temais ímpias falanges,
Que apresentam face hostil:
Vossos peitos, vossos braços
São muralhas do Brasil.
Vossos peitos, vossos braços
Vossos peitos, vossos braços
São muralhas do Brasil.
(Refrão)
8
Mostra Pedro a vossa fronte
Alma intrépida e viril:
Tende nele o Digno Chefe
Deste Império do Brasil.
Tende nele o Digno Chefe
Tende nele o Digno Chefe
Deste Império do Brasil.
(Refrão)
9
Parabéns, oh Brasileiros,
Já com garbo varonil
Do Universo entre as Nações
Resplandece a do Brasil.
Do Universo entre as Nações
Do Universo entre as Nações
Resplandece a do Brasil.
(Refrão)
10
Parabéns; já somos livres;
Já brilhante, e senhoril
Vai juntar-se em nossos lares
A Assembleia do Brasil.
Vai juntar-se em nossos lares
Vai juntar-se em nossos lares
A Assembléia do Brasil.
(Refrão)

Ver também[editar | editar código-fonte]

Wikisource
O Wikisource contém fontes primárias relacionadas com Letra do hino da Independência do Brasil

Referências

  1. «A História do Hino da Independência. Uma Letra com duas melodias. Qual a melhor versão?». Dr. Zem. Consultado em 7 de setembro de 2016 
  2. «A dissolução da unidade americana». Portal Educação Terra. Consultado em 7 de setembro de 2016 
  3. «Hino da Independência - Letra». Portal da Presidência da República. Consultado em 7 de setembro de 2016 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]


Armas Nacionais Hinos do Brasil Bandeira do Brasil

Hino Nacional Brasileiro | Hino à Bandeira | Hino da Independência | Hino da Proclamação da República


Ícone de esboço Este artigo sobre um hino é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.