Hipócrates de Quios

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Hipócrates de Quíos)
Ir para: navegação, pesquisa
Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém fontes no fim do texto, mas que não são citadas no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações. (desde junho de 2016)
Por favor, melhore este artigo introduzindo notas de rodapé citando as fontes, inserindo-as no corpo do texto quando necessário.
Hipócrates de Quios
Nome completo Ἱπποκράτης ὁ Χῖος
Nascimento 470 a.C.
Quios
Morte 410 a.C. (60 anos)

Hipócrates de Quios (ca. 470 a.C. — ca. 410 a.C.) foi um matemático geômetra, nascido na ilha de Quios, no arquipélago de Dodecaneso, Grécia. As informações sobre sua vida e obra têm como fonte principal relatos indiretos de Aristóteles. Alfred Jarry se refere a ele como Ibícrates, o Geômetra, afirmando que seria um dos precursores da patafísica.

Vida e obra[editar | editar código-fonte]

Por volta do ano 430 a.C. Hipócrates seguiu para Atenas como mercador porém conta-se que perdeu todo o seu dinheiro em Bizâncio, envolvido numa fraude. Esse incidente fez com que se voltasse para o estudo da geometria. Proclo relata uma obra de sua autoria, Elementos de geometria, produzida mais de um século antes de Os Elementos, de Euclides. O texto foi perdido mas a obra foi conhecida por Aristóteles. Um fragmento de um texto escrito por Simplício[desambiguação necessária] por volta de 520 a.C., que se supõe tenha sido copiado de outra obra, essa da autoria de Eudemo, descreve uma parte do trabalho de Hipócrates sobre a quadratura de lunas, que são figuras planas limitadas por dois arcos circulares de raios diferentes. Nesse fragmento encontramos um teorema atribuído ao matemático de Quios: segmentos de círculo semelhantes estão na mesma razão que os quadrados de suas bases.

Quadratura de lunas[editar | editar código-fonte]

É provável que esse teorema seja o mais antigo enunciado grego sobre mensuração curvilínea. Segundo Eudemo, Hípócrates o provou mostrando inicialmente que áreas de círculos estão entre si como os quadrados dos diâmetros. Os trabalhos com as lunas são significativos por mostrarem tentativas concretas de se chegar a quadratura do círculo porém mais ainda indicam a competência dos matemáticos atenienses em lidar com transformações de áreas e proporções.

Quadratura da luna

A primeira quadratura[editar | editar código-fonte]

Iniciando com um semicírculo circunscrito a um triângulo isósceles retângulo ABC, construa-se sobre a base (hipotenusa) um segmento circular semelhante aos segmentos circulares sobre os lados dos triângulos. Como os segmentos estão entre si como os quadrados de suas bases conclui-se que, usando o Teorema de Pitágoras para o triângulo, a soma dos dois segmentos circulares menores é igual ao segmento maior. Então a diferença entre o semicírculo sobre AC e o segmento ADCE é igual ao triângulo ABC. Logo a luna ABCD é exatamente igual ao triângulo ABC e como este é igual ao quadrado sobre a metade de AC, completamos a quadratura.

Transformando áreas[editar | editar código-fonte]

Entre os matemáticos da época não havia dificuldades em converter um retângulo de lados e em um quadrado, achando-se a média proporcional entre eles: . Havia a percepção de que podería se generalizar a questão inserindo dois meios entre as duas grandezas dadas. Isto é, dados os segmentos e poderia se obter outros dois, e tal que . Hipócrates percebeu que esse raciocínio poderia levar a solução do problema da duplicação do cubo porque se , por eliminação de nas proporções, conclui-se que .

Ver também[editar | editar código-fonte]

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Boyer, Carl B. (1996). História da matemática. 2ª Edição. São Paulo. Edgard Blücher ltda. ISBN 85-212-0023-4.
Ícone de esboço Este artigo sobre um(a) matemático(a) é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.