Hiperacusia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Hiperacusia
Autism Aspect Sensory Sensitivity 1.png
Especialidade otorrinolaringologia
Classificação e recursos externos
CID-10 H93.2
CID-9 388.42
DiseasesDB 29099
MeSH D012001
A Wikipédia não é um consultório médico. Leia o aviso médico 

A hiperacusia é uma condição médica debilitante que ocorre em pessoas com audição normal e se traduz em uma sensibilidade anormal a certas frequências ou volumes de som.[1] Uma pessoa com hiperacusia tem dificuldade em tolerar os sons do dia-a-dia, sons de baixa ou moderada intensidade, que para a maioria dos ouvintes são toleráveis, como por exemplo água corrente, ventilador, refrigerador, lava-louças, carro, telefone, campainha, portas fechando, etc.[2]

25% das pessoas com tinido (zumbido) relatam sofrer de hiperacusia leve.[3]

Fisiologia[editar | editar código-fonte]

Pode afetar indivíduos de qualquer idade e sexo, sendo uni- ou bilateral. Nos casos de hiperacusia a cóclea geralmente está preservada. É no caminho que o som ainda tem de percorrer, na via auditiva até alcançar o córtex auditivo no lobo temporal, que se encontra a alteração, ou seja, é uma alteração do processamento auditivo central. A hiperacusia significa um aumento anormal de ganho nas vias auditivas, que resulta na percepção exacerbada dos sons externos (no zumbido são exacerbados os sons internos.[2]

Causas[editar | editar código-fonte]

A causa mais comum de hiperacusia é a exposição níveis de decibéis excessivamente altos (ou níveis de pressão sonora)[4] ou trauma acústico. A hiperacusia pode, ainda, ter outras causas, como:

Diagnóstico[editar | editar código-fonte]

O diagnóstico da hiperacusia leva em conta a história da pessoa com intolerância a diferente tipos de som junto à avaliação audiológica do limiar de desconforto para sons apresentados durante o teste.

A hiperacusia deve ser diferenciada da fonofobia (medo de ouvir alguns sons) e o recrutamento (fenômeno em que a sensação de intensidade é aumentada e ocorre apenas em indivíduos com perdas auditivas sensorioneurais).[2]

Tratamento[editar | editar código-fonte]

Pelo desconforto é comum que as pessoas tenham a ideia de usar protetores auriculares. Porém, para dessensibilizar, o indivíduo deve se expor aos sons de maneira gradual e orientada por um profissional. Podem ser utilizados aparelhos ou instrumentos que emitem sons contínuos de fraca intensidade, abaixo do limiar de desconforto da pessoa.[5]

Referências

  1. «Sensibilidade aos sons do dia a dia? Você pode sofrer de Hiperacusia.». Menthel. Consultado em 19 de dezembro de 2016 
  2. a b c Sanchez; Pedalini; Bento (Outubro de 1999). «Hiperacusia: artigo de revisão». International Archives of Otorhinolaryngology. Consultado em 30 de Março de 2020 
  3. J. Jastreboff, Pawel; M. Jastreboff, Margaret. «Tinnitus Retraining Therapy (TRT) as a Method for Treatment of Tinnitus and Hyperacusis Patients» (PDF) (em inglês). Journal of the American Academy of Audiology. p. 162. Consultado em 19 de dezembro de 2016 
  4. Størmer CC, Stenklev NC (março de 2007). «[Rock music and hearing disorders]». Tidsskr. Nor. Laegeforen. (em norueguês). 127 (7): 874–7. PMID 17435808 
  5. a b [www.abc.med.br/p/sinais.-sintomas-e-doencas/1291778/hiperacusia-conceito-causas-sintomas-diagnostico-e-tratamento.htm «Hiperacusia - conceito, causas, sintomas, diagnóstico e tratamento.»] Verifique valor |url= (ajuda). ABCMED. 2017. Consultado em 30 de Março de 2020 


Ícone de esboço Este artigo sobre Medicina é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.