Hipocinesia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Hipocinesia (do grego, pouco movimento) é um sintoma médico caracterizado por uma redução na capacidade de movimentar-se. Pode ser causado por doenças ou drogas que afetem os núcleos da base ou a substância nigra. É mais comum depois dos 45 anos.

Não confundir com hipercinesia(excesso de movimento).

Causas[editar | editar código-fonte]

Podem ser causados por[1] :

Representam dois dos quatro sintomas principais de parkinsonismo: bradicinesia, tremor, rigidez e instabilidade postural.[2]

Tipos[editar | editar código-fonte]

  • Acinesia: (α- a-, "sem", κίνησις kinēsis, "movimento") é um sintoma de danos nas vias dopaminérgicas caracterizado por dificuldade ou incapacidade de iniciar movimentos voluntários.
  • Bradicinesia: (βραδύς bradys, "lento", κίνησις kinēsis, "movimento") é um sintoma de transtornos do núcleo basal caracterizado pela lentidão de movimentos e por uma face pouco expressiva. Pode ser avaliada pela capacidade de [1]
  • Distonia Caracterizado por tônus muscular insuficiente, resulta em tremores e instabilidade da postura. Pode ser causado por defeitos congênitos, drogas ou doenças neurológicas.[3]
  • Rigidez: Caracterizado por excesso de tônus muscular, impedindo tanto músculos agonistas quanto antagonistas e em qualquer direção. Podem resultar em espasticidade.

Impacto cognitivo[editar | editar código-fonte]

A falta de dopamina frequentemente afeta também a capacidade de atenção, memória, bom humor e capacidade funcional. A dopamina é importante tanto para regular movimentos (Via nigro-estriatal) como para sentir prazer e motivação (via mesolímbica).[4]

Tratamento[editar | editar código-fonte]

Podem ser tratados medicamentosamente com agonistas dopaminérgicos, IMAO B, ICOMT, levodopa ou Estimulação cerebral profunda do globo pálido. Fisioterapia, terapia ocupacional e psicoterapia também podem ajudar.[5]

Referências

  1. a b Laurel Jackson (2003). Bradykinesia. Biology 202. http://serendip.brynmawr.edu/bb/neuro/neuro03/web1/ljackson.html
  2. O'Sullivan, Susan B.; Schmitz, Thomas J. (2007). "Parkinson's Disease". Physical Rehabilitation 5. Philadelphia: F.A Davis Company. pp. 856–857.
  3. Robottom, Bradley J. (9 May 2011). "Movement Disorders Emergencies Part 1<subtitle>Hypokinetic Disorders</subtitle>". Archives of Neurology 68 (5): 567. doi:10.1001/archneurol.2011.84.
  4. Cuesta, MJ; Sánchez-Torres, AM; de Jalón, EG; Campos, MS; Ibáñez, B; Moreno-Izco, L; Peralta, V (26 Sep 2013). "Spontaneous Parkinsonism Is Associated With Cognitive Impairment in Antipsychotic-Naive Patients With First-Episode Psychosis: A 6-Month Follow-up Study.". Schizophrenia bulletin 40: 1164–1173. doi:10.1093/schbul/sbt125. PMID 24072809
  5. Vingerhoets, FJ; Schulzer, M; Calne, DB; Snow, BJ (Jan 1997). "Which clinical sign of Parkinson's disease best reflects the nigrostriatal lesion?". Annals of Neurology 41 (1): 58–64. doi:10.1002/ana.410410111. PMID 9005866.