Hiram Bingham

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Hiram Bingham
Hiram Bingham.
Nascimento 19 de novembro de 1875
Honolulu
Morte 6 de junho de 1956 (80 anos)
Washington
Sepultamento Cemitério Nacional de Arlington
Cidadania Estados Unidos
Progenitores
  • Hiram Bingham II
  • Clara Brewster
Filho(s) Hiram Bingham IV, Jonathan Brewster Bingham
Alma mater
Ocupação político, explorador, arqueólogo, piloto, professor universitário
Empregador Universidade de Princeton, Universidade Harvard, Universidade Yale

Hiram Bingham (Honolulu, 19 de novembro de 1875Washington, D.C., 6 de junho de 1956) foi um acadêmico, explorador e político americano. Ele tornou pública a existência da cidadela Inca de Machu Picchu em 1911 com a orientação de fazendeiros indígenas locais. Mais tarde, Bingham serviu como governador de Connecticut por um único dia, o mandato mais curto da história, e depois como membro do Senado dos Estados Unidos.

Juventude e início da carreira acadêmica[editar | editar código-fonte]

Bingham nasceu em Honolulu, Havaí, filho de Clara Brewster e Hiram Bingham II (1831–1908), um dos primeiros missionários protestantes no Reino do Havaí, neto de Hiram Bingham I (1789–1869) e Sybil Moseley Bingham (1792-1848), primeiros missionários. Ele frequentou o O'ahu College, agora conhecido como Punahou School, de 1882 a 1892. Ele foi para os Estados Unidos na adolescência a fim de completar sua educação, entrando na Phillips Academy em Andover, Massachusetts, onde se formou em 1894. Ele obteve um diploma de bacharel pelo Yale College em 1898, formou-se na Universidade da California, Berkeley em 1900, onde fez um dos primeiros cursos de história latino-americana oferecidos nos Estados Unidos, e Ph. D. na Universidade Harvard em 1905. Desde Harvard na época o fez por não ter um especialista em história da América Latina, Edward Gaylord Bourne de Yale serviu como examinador para os exames de qualificação de Bingham.[1] Ele ensinou história e política em Harvard e, em seguida, serviu como preceptor de Woodrow Wilson na Universidade de Princeton. Princeton "não favoreceu muito a história da América Latina", portanto, em 1907, quando Yale procurou um substituto para Bourne, que morrera prematuramente, nomeou Bingham como conferencista de história da América do Sul.[2] Bingham foi um dos pioneiros do ensino e da pesquisa em história latino-americana nos Estados Unidos. Em 1908, ele publicou uma avaliação das perspectivas do campo, "As possibilidades da história e política sul-americana como campo de pesquisa", em que ele pesquisou recursos de biblioteca e arquivo nos Estados Unidos e também na América do Sul.[3] A partir de 1924, ele foi membro do Acorn Club.

Explorador[editar | editar código-fonte]

Bingham (canto superior direito) com um guia local em uma ponte na selva em Espiritu Pampa, no Peru, 1911

Bingham não era um arqueólogo treinado. No entanto, foi durante o tempo de Bingham como conferencista e professor de história da América do Sul em Yale que ele redescobriu a cidade inca amplamente esquecida de Machu Picchu. Em 1908 ele serviu como delegado ao Primeiro Congresso Científico Pan-Americano em Santiago, Chile. No caminho para casa via Peru, um prefeito local o convenceu a visitar a cidade pré-colombiana de Choquequirao. Bingham publicou um relato dessa viagem em South America; an account of a journey from Buenos Aires to Lima by way of Potosí, with notes on Brazil, Argentina, Bolivia, Chile, and Peru.[4]

Bingham ficou entusiasmado com a perspectiva de cidades incas inexploradas e organizou a Expedição Peruana de Yale em 1911, um dos objetivos da qual era procurar a última capital dos Incas. Guiado por habitantes locais, ele redescobriu e identificou corretamente Vitcos (então chamada de Rosaspata) e Vilcabamba (então chamada de Espíritu Pampa), que ele chamou de "Eromboni Pampa", mas não reconheceu corretamente Vilcabamba como a última capital, em vez disso, continuou em frente e identificando incorretamente Machu Picchu como a "Cidade Perdida dos Incas". Décadas depois, o descuido de Bingham foi retificado pelo explorador andino Vince Lee, cujas pesquisas detalhadas comprovaram que Vilcabamba foi de fato a última capital dos Incas.[5]

Em 24 de julho de 1911, Melchor Arteaga levou Bingham a Machu Picchu, que havia sido amplamente esquecido por todos, exceto pelo pequeno número de pessoas que viviam no vale imediato. Além disso, os exploradores de Cusco Enrique Palma, Gabino Sanchez e Agustín Lizarraga teriam chegado ao local em 1901.

Bingham retornou ao Peru em 1912, 1914 e 1915 com o apoio de Yale e da National Geographic Society. Em A cidade perdida dos incas (1948), Bingham relatou como passou a acreditar que Machu Picchu abrigava um grande santuário religioso e servia como centro de treinamento para líderes religiosos. A pesquisa arqueológica moderna determinou que o local não era um centro religioso, mas uma propriedade real para a qual os líderes incas e sua comitiva se dirigiram durante o verão andino. Um elemento chave do legado das expedições são as coleções de animais exóticos, antiguidades e restos de esqueletos humanos. Esses objetos expuseram o mundo moderno a uma nova visão do antigo Peru e permitiram que os intérpretes do século 20 interpretassem Machu Picchu como uma "cidade perdida" que Bingham "descobriu cientificamente". Bingham combinou sua confiança na prospecção de huaqueros locais com a noção de que a ciência tinha uma reivindicação soberana sobre todos os artefatos que pudessem contribuir para o acúmulo de conhecimento. A Universidade de Yale em 2012 começou a devolver ao Peru milhares de objetos que Bingham levou para Yale de Macchu Picchu com a permissão de um decreto do governo peruano. O Peru argumentou que os objetos foram apenas emprestados a Yale, não dados.[6][7][8]

Machu Picchu se tornou uma das principais atrações turísticas da América do Sul, e Bingham é reconhecido como o homem que trouxe o local à atenção mundial, embora muitos outros tenham ajudado. A estrada cheia de ziguezague que leva ônibus de turismo do Rio Urubamba para o local é chamada Carretera Hiram Bingham (a rodovia Hiram Bingham).[9]

Bingham foi citado como uma possível base para o personagem Indiana Jones. Seu livro Lost City of the Incas se tornou um best-seller após sua publicação em 1948.[10][11]

O Peru há muito busca a devolução de cerca de 40 000 artefatos, incluindo múmias, cerâmicas e ossos, que Bingham escavou e exportou de Machu Picchu. Em 14 de setembro de 2007, foi firmado um convênio entre a Universidade de Yale e o governo peruano para a devolução dos objetos. Em 12 de abril de 2008, o governo peruano disse que revisou as estimativas anteriores de 4 000 peças para 40 000.

Descobridores anteriores de Machu Picchu[editar | editar código-fonte]

Logo depois que Bingham anunciou a existência de Machu Picchu, outros se apresentaram alegando ter visto a cidade primeiro, como o missionário britânico Thomas Payne e um engenheiro alemão chamado JM von Hassel. Descobertas recentes apresentaram um novo requerente, um alemão chamado Augusto Berns, que comprou um terreno em frente à montanha Machu Picchu na década de 1860 e, em seguida, tentou levantar dinheiro de investidores para saquear as ruínas incas próximas. Um mapa de 1874 mostra o local de Machu Picchu.[12][13]

Política[editar | editar código-fonte]

Em 1922, Bingham foi eleito vice-governador de Connecticut, cargo que ocupou até 1924. Em novembro de 1924, foi eleito governador. Em 16 de dezembro de 1924, Bingham também foi eleito republicano para o Senado dos Estados Unidos para preencher uma vaga criada pelo suicídio de Frank Bosworth Brandegee.[14]

Morte[editar | editar código-fonte]

Em 6 de junho de 1956, Bingham morreu em sua casa em Washington, D.C. Ele foi enterrado no Cemitério Nacional de Arlington, na Virgínia.

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. Howard F. Cline, "Latin American History: Development of Its Study and Teaching in the United States Since 1898," in Latin American History: Essays on Its Study and Teaching, 1898–1965. Austin: University of Texas Press 1967, vol. 1, pp. 7–8.
  2. Cline, "Latin American History," p. 8.
  3. Hiram Bingham, "The Possibilities of South American History and Politics as a Field for Research", reprinted in Latin American History: Essays in Its Study and Teaching, section III "Pioneers, 1900–1918." Austin: University of Texas Press 1967, vol. 1, pp. 58–65.
  4. Bingham, Hiram (1911). Across South America: An Account of A Journey from Buenos Aires to Lima by Way of Potosí, with Notes on Brazil, Argentina, Bolivia, Chile, and Peru. Boston & New York: Houghton Mifflin Company. Consultado em 7 de agosto de 2016 – via Internet Archive 
  5. «Yale Expedition to Peru». Bulletin of the Geographical Society of Philadelphia. vol. 10. [S.l.: s.n.] 1912. pp. 134–36 
  6. Hall, 2012.
  7. Fellman, Bruce (dezembro de 2002). «Rediscovering Machu Picchu». Yale Alumni Magazine. Consultado em 7 de abril de 2016. Cópia arquivada em 6 de maio de 2016 
  8. Orson, Diane. «Finders Not Keepers: Yale Returns Artifacts To Peru». NPR.org (em inglês). NPR. Consultado em 13 de julho de 2020. Cópia arquivada em 8 de janeiro de 2012 
  9. Mark Rice, Making Machu Picchu: The Politics of Tourism in Twentieth-Century Peru (U of North Carolina Press, 2018)
  10. The trail less trampled on in USA Today by Gene Sloan, September 23, 2005: "The iconic mountaintop citadel, discovered less than a century ago by American explorer Hiram Bingham, the inspiration for Indiana Jones, is a thrilling reward after days of exertion."
  11. Lost City of the Incas biographical profile from the United States Senate website
  12. The fights of Machu Picchu: Who got there first? - The New York Times
  13. So, was the 'lost' city of Machu Picchu ever lost? – The Independent
  14. «Hiram Bingham». National Governors Association. Consultado em 19 de julho de 2021 

Leitura adicional[editar | editar código-fonte]

  • Balm, Roger. "Discovery as autobiography: the Machu Picchu case." Terrae Incognitae 40.1 (2008): 102-113.
  • Bingham, Alfred M. "Raiders of the Lost City" American Heritage (1987) 38#5 pp 54–63.
  • Bingham, Alfred Mitchell. Explorer of Machu Picchu: Portrait of Hiram Bingham (Triune Books, 1989).
  • Gade, Daniel W. "Urubamba Ramble: Hiram Bingham (1875–1956) and His Artful Encounter with Machu Picchu." in Gade, "Spell of the Urubamba: Anthropogeographical Essays on an Andean Valley in Space and Time" (Springer, 2016) pp. 239–272.
  • Hall, Amy Cox. "Collecting a “Lost City” for Science: Huaquero Vision and the Yale Peruvian Expeditions to Machu Picchu, 1911, 1912, and 1914–15." Ethnohistory 59.2 (2012): 293-321. online
  • Rice, Mark. Making Machu Picchu: The Politics of Tourism in Twentieth-Century Peru (U of North Carolina Press, 2018) online review
  • Salvatore, Ricardo D. Disciplinary Conquest: US Scholars in South America, 1900–1945 (Duke University Press, 2016),

Links externos[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria com imagens e outros ficheiros sobre Hiram Bingham

Ver também[editar | editar código-fonte]