Hiroaki Samura

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Ambox rewrite.svg
Esta página precisa ser reciclada de acordo com o livro de estilo (desde Fevereiro de 2008).
Sinta-se livre para editá-la para que esta possa atingir um nível de qualidade superior.

Hiroaki Samura (沙村 広明?) nasceu no dia 17 de fevereiro de 1970, na província de Chiba, próxima à Tokyo.

Depois de terminar a faculdade, Samura deixou os estudos e resolveu tentar a carreira de mangaká (autor de mangá). Após vencer um concurso na revista japonesa Afternoon da editora Kodansha, Samura tornou-se um desenhista brilhante e tornou sua arte uma das mais ousadas.

Desde suas primeiras idéias sobre quadrinhos, ele imaginava como criar uma história tendo como tema principal a vida eterna. Pensando nisso, descobriu algo interessante sobre a morte no Bushidô (o famoso código de ética dos samurais): a obrigação de um samurai de se suicidar quando julgava ter perdido a honra. Desta forma, a morte era uma parte muito importante da vida e para um samurai desonrado, suicidar-se era um jeito de vencer a morte e de se purificar dos atos desonrados.

Então o que aconteceria se um guerreiro não morresse nunca? Foi pensando nisso que Hiroaki Samura criou Blade of the Immortal, que é a mistura de uma sensibilidade moderna com a forma clássica de se contar um Jidai Geki, como são chamadas aquelas histórias baseadas no Japão antigo, e que geralmente narram aventuras de samurais.

Carreira[editar | editar código-fonte]

Para criar o estilo e a arte presente em Blade, Hiroaki baseou-se nos desenhos de um antigo artista chamado Tatsumi Nishimura, um importante desenhista de Bijin-ga (arte japonesa de desenhar mulheres) no final do século 19. Tatsumi era famoso por desenhar mulheres do período Edo com grandes cílios e pupilas enevoadas e havia feito alguns desenhos de Tange Sazen, um famoso guerreiro japonês que, apesar de ter apenas um olho e uma perna, tinha uma grande habilidade com a espada. Foi daí que Samura se inspirou para criar o mundo detalhado de Blade usando apenas um lápis preto e muita criatividade. As ilustrações das histórias são únicas e demonstram a profundidade da obra.

Hiroaki Samura colocou em Manji tudo o que pensa sobre como deve ser o herói ideal. Um guerreiro que não revela suas fraquezas para o adversário, mas que ao mesmo tempo também não se acha melhor do que os outros. As armas exóticas e os estilos de luta usados pelos personagens em Blade também são criações do próprio autor.

Premiações[editar | editar código-fonte]

Blade foi premiado em 1998 com o nono Media Arts Award, um importante prêmio promovido pela agência de cultura, um órgão criado pelo Ministério da Educação do Governo Japonês. Este prêmio foi criado para encorajar e recompensar a criação de trabalhos que se destacam por difundir a cultura e a história do Japão, e no caso dos mangás, por extrapolar os limites da expressão artística. Autores famosos como Shotaro Ishinomori (Cyborg 009), Hayao Miyazaki (Princess Mononoke), Mamoru Oshii (Ghost in the Shell) e Inoue Takehiko (Vagabond) também tiveram a honra de ganhar este prêmio.

Blade ganhou porque a história tem uma sensibilidade evidente no poder e na força dos desenhos, além de uma exploração profunda do caráter humano. Este mangá é considerado um trabalho ambicioso porque herda as melhores tradições das antigas histórias do Japão feudal, enquanto eleva esta forma a novos planos de maturidade e realização. Blade – A Lâmina do Imortal foi lançado no Japão na revista semanal Afternoon da editora Kodansha, foi publicado também nos Estados Unidos pela Dark Horse e finalmente está chegando ao Brasil pela Conrad Editora.


Obras[editar | editar código-fonte]

Mangá[editar | editar código-fonte]

  • Blade of the Immortal (無限の住人, Mugen no Jūnin?, lit. "The Inhabitant of Infinity") (1993 – 2012; publicado em Monthly Afternoon)
  • Ohikkoshi (竹易てあし漫画全集 おひっこし, Takeiteashi Manga Zenshū: Ohikkoshi?, lit. "Takeiteasy Comics Complete Works: Ohikkoshi") (2002; publicado pela Afternoon KC)
    • Ohikkoshi (おひっこし?) (2000; publicado em Afternoon Season Special Edition)
    • Luncheon of Tears Diary (Vagabond Shoujo Manga-ka) (少女漫画家無宿 涙のランチョン日記, Shōjo Manga-ka Mushuku: Namida no Ranchon Nikki?) (2000; publicado em Afternoon Season Special Edition)
  • Bradherley's Coach (ブラッドハーレーの馬車, Buraddohārē no Basha?) (2005 – 2007; publicado em Manga Erotics F)
  • Hiroaki Samura's Emerald and Other Stories (シスタージェネレーター 沙村広明短編集, Shisutā Jenerētā Samura Hiroaki Tanpenshū?, lit. "Sister Generator: Hioraki Samura Anthology") (2009; publicado pela Afternoon KC)
    • Emerald (エメラルド, Emerarudo?) (2004; publicado em Monthly Afternoon)
    • The Kusein Family's Grandest Show (久誓院家最大のショウ, Kusein-ke Saidai no Shō?) (2009; publicado em Monthly Afternoon)
    • The Uniforms Stay On (制服は脱げない, Seifuku wa Nugenai?) (2005 – 2006; publicado em QuickJapan)
    • Brigitte's Dinner (ブリギットの晩餐, Burigitto no Bansan?) (2006; publicado em Monthly Afternoon)
    • Shizuru Cinema (シズルキネマ, Shizuru Kinema?) (2008; published in Monthly Comic Flapper)
    • Low-grade Strategy: The Mirror Play (下層戦略 鏡打ち, Kasō Senryaku: Kagami-uchi?) (2006; published in Kindai Mahjong Original)
    • Youth Chang-Chaka-Chang (青春じゃんじゃかじゃかじゃか, Seishun Jan-Jaka-Jaka-Jaka?) (2003; dōjinshi)
  • Halcyon Lunch (ハルシオン・ランチ, Harushion Ranchi?) (2008 – 2011; publicado em good! Afternoon)
  • Fantastic Gynaecocracy (幻想ギネコクラシー, Gensō Ginekokurashī?) (2010 – ongoing; publicado em Rakuen Le Paradis)
  • Die Wergelder (べアゲルター, Beagerutā?) (2011 – ongoing; publicado emn Nemesis)
  • Spring Breeze Snegurochka (春風のスネグラチカ, Harukaze no Sunegurachika?), Harukaze no Snegurochka (2013 — 2014; publicado em Manga Erotics F'; 18th Japan Media Arts Festival Excellence Award)
  • Wave, Listen to Me! (波よ聞いてくれ, Nami yo Kiitekure?) (July 25, 2014 — ongoing; publicado em Monthly Afternoon')

Dōjinshi[editar | editar código-fonte]

  • Night of the Succubus (サッカバスの夜, Sakkabasu no Yoru?)

Illustrações[editar | editar código-fonte]