História da colonização da Ásia e da Oceania

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Ambox rewrite.svg
Esta página precisa ser reciclada de acordo com o livro de estilo Se tem algum conhecimento sobre o tema, por favor verifique e melhore a consistência e o rigor deste artigo. Pode encontrar ajuda no WikiProjeto História.

Se existir um WikiProjeto mais adequado, por favor corrija esta predefinição.

História da colonização
da Ásia e Oceania
História da Ásia e Oceania
Colonização britânica
Colonização espanhola
Colonização portuguesa
Colonização francesa
Cronologia

A 9 de Maio de 1498, Vasco da Gama chega a Calecute, realizando assim o intento dos europeus: a descoberta do caminho marítimo para a Índia.

Pedro Álvares Cabral chega a Calecute em 1501 e, depois de alguns confrontos com o Samorim, dirige-se para Sul e estabelece uma feitoria em Cochim. Inicia-se assim a colonização da Ásia pelos europeus.

Em 1514, Jorge Álvares atinge a China, mas só em 1557 os Portugueses estabelecem-se em Macau.

As ilhas Marianas, na Micronésia foram "descobertas" por Fernão de Magalhães em 1521, que as declarou colónia espanhola e as apelidou de "Las Islas de los Ladrones", (Ilhas dos Ladrões), aparentemente porque os nativos não eram amistosos. Durante o século XVII, praticamente toda a população nativa destas ilhas foi exterminada durante o domínio espanhol. As Ilhas Carolinas, próximas das anteriores, foram descobertas pelo explorador português Diego da Rocha, em 1527, mas foram mais tarde ocupadas pelos espanhóis. As colónias espanholas foram vendidas à Alemanha em 1899 e tomadas pelos japoneses em 1914, que a tornaram numa zona militar.

A seguir à Segunda Guerra Mundial, as ilhas passaram a ser administradas pelos Estados Unidos, como parte do Protectorado das Ilhas do Pacífico das Nações Unidas, até à independência dos dois actuais países, os Estados Federados da Micronésia e a República de Palau, respectivamente em 1986 e 1994. As Marianas Setentrionais e a ilha de Guam encontram-se ainda como territórios dos EUA e mesmo os países das Carolinas assinaram um Tratado de Livre Associação com os EUA.