História de Belém (Pará)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

A História de Belém é sobre um município brasileiro da Região Norte do país, capital do estado do Pará, que teve suas origens no século XVII na região indígena de Mairi.

Belém teve alguns pontos fortes econômico e politicamente, como: Em 1621 o povoado colonial foi elevado à categoria de município com a denominação de "Santa Maria de Belém do Pará" ou "Nossa Senhora de Belém do Grão Pará"; 1625, ocorreu a criação do entreposto fiscal "Casa de Haver o Peso". Em 1627, a importância elevou-se com a criação da primeira légua patrimonial, alavancando um aumento populacional; Em 1654, devido a importância do entreposto o "Estado do Maranhão" foi renomeado para "Estado do Maranhão e Grão-Pará"; Em 1751 Belém alcançou o primeiro auge comercial e tornou-se a primeira capital da Amazônia.

História[editar | editar código-fonte]

Etimologia[editar | editar código-fonte]

O topônimo "belém" tem origem em hebraico: בית לחם; romaniz.: Beit Lehem, lit. que significa "Casa do Pão".

Em 1621 o povoado colonial português inicial "Feliz Lusitânia" (atual Belém)"[1][2] foi elevado à categoria de município com a denominação de "Santa Maria de Belém do Pará" ou "Nossa Senhora de Belém do Grão Pará" em referência a Maria mãe de Jesus[3][4][5][6] - sendo chamado pela abreviatura "Belém do Pará" por rei Filipe III de Espanha (1578-1621) -[7] e também em referência ao dia ocidental do natal (25 de dezembro); dia em que o capitão Francisco Caldeira Castelo Branco (1566 - 1619, antigo Capitão-Mor do Rio Grande do Norte) partiu no ano de 1615 da cidade de São Luís, para assegurar o domínio da Amazônia Oriental e principalmente das riquezas da Conquista do Pará.[8][9][10]

Primórdios e colonização europeia[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Feliz Lusitânia

A região onde se encontra Belém do Pará era inicialmente a movimentada região indígena de Mairi, moradia dos Tupinambás e Pacajás (sob comando do cacique Guaimiaba),[11][12][13] onde em 1580 ocorreu a invasão portuguesa através da expedição militar Feliz Lusitânia comandada pelo capitão Castelo Branco (a mando do rei da União Ibérica/Dinastia Filipina D. Manuel), e a implantação de um núcleo colonial[14][15] objetivando dominar o rio das Amazonas, ocupar a Conquista do Pará ou Império das Amazonas (localizado na então Capitania do Maranhão) e assegurar o domínio na Amazônia Oriental e das drogas do sertão, que os estrangeiros disputavam.[12][13][16] Assim em 12 de janeiro de 1616 foi fundado na foz do igarapé do Piry e foz do rio Amazonas, em uma posição estratégica próximo ao entreposto do cacicado marajoara, o povoado colonial Feliz Lusitânia com um fortim então denominado Forte do Presépio (atual Forte do Castelo)[12][17][18][15] contendo a capela da padroeira Nossa Senhora de Belém.[14]

A conquista do Amazonas, por Antônio Parreiras, Museu Histórico do Pará.
Forte do Presépio, construído em 1616.
Planta Geral da cidade de Belém, 1791, segundo Alexandre Rodrigues Ferreira.

Ocorreu um período de batalhas contra os estrangeiros (holandeses, ingleses, franceses) para assegurar o domínio na Amazônia Oriental e contra as tribos indígenas no processo de colonização/escravização para implantação de um modelo econômico baseado na exploração do trabalho indígena e dos recursos primários locais.[14][12][15] resultando na Revolta Tupinambá, que em janeiro de 1619, forças de ataque Tupinambá tomaram o Forte do Castelo, mas Gaspar Cardoso, mudou o curso da guerra ao matar o guerreiro morubixaba Guamiaba Tupinambá, havendo assim suspensão do ataque para realização do funeral.[15]

Outras revoltas indígenas ocorreram até julho de 1621, quando em 1639 Bento Maciel Parente, sargento-mor da capitania do Cabo Norte, investiu sobre a aldeia dos índios Tapajós, dizimando-os e dominando a Conquista do Pará.[19][20] Com a vitória assegurando a posse do território, o Rei Filipe II de Portugal criou o Estado do Maranhão (com sede em São Luiz, abrangendo as seguintes Capitanias: Grão-Pará, Maranhão e, Ceará),[21] transformou a Conquista do Pará em Capitania do Grão-Pará,[16] tendo Bento Maciel nomeado como Capitão-Mor desta nova Capitania,[22][23] o povoado de Feliz Lusitânia foi elevado à categoria de município com a denominação de "Santa Maria de Belém do Pará" ou "Nossa Senhora de Belém do Grão Pará" (atual Belém)[24] [25][26][27] e teve a abertura das primeiras ruas da região (originando o atual bairro da Cidade Velha).[19]

O Capitão-Mor Bento Maciel Parente durante seu governo fortificou o Forte do Presépio, colocando um baluarte artilhado com quatro peças, um torreão e um alojamento, rebatizado-o como "Forte Castelo do Senhor Santo Cristo".[28] Enão posteriormente, ordenou outras investidas contra os invasores holandeses, expulsando-os da colônia.

Em 1621, para assegurar a posse do território o Rei Filipe II de Portugal transformou a Conquista do Pará em Capitania do Grão-Pará e,

Em 1625, devido sua posição estratégica na foz do rio Amazonas os portugueses instalaram um entreposto fiscal denominado "Casa de Haver o Peso" (atual mercado Ver-o-Peso),[29][30] para arrecadação de tributos dos produtos europeus trazidos à Belém,[30] e dos extraídos da Amazônia destinados aos mercados internacionais, como as drogas do sertão e a carne bovina da Ilha do Marajó.[31]

Em 1627, a importância do entreposto Haver-o-Peso elevou-se com a criação da primeira légua patrimonial por ordens do Governador Francisco Coelho, porção de terra doada via carta de sesmaria à Câmara de Belém para impulsionar o crescimento do município.[32][33] Uma terra em forma de arco medindo 41 mil , iniciando as margens do rios Pará e Guamá[33] em direção ao interior[34] originando o bairro do Marco da Légua,[35] alavancando um aumento populacional.[36] Acarretando que, em 1654 o Estado do Maranhão foi renomeado para "Estado do Maranhão e Grão-Pará".[36][37]

Mas apesar da importância, os serviços administrados pela Câmara de Belém entraram em crise financeira.[29] Então em julho de 1687, afim de solucionar, os parlamentares endereçaram uma representação ao rei Filipe II, solicitando a concessão dos tributos do haver-o-peso, a qual foi atendida no ano seguinte.[29] Assim a partir de 1751 Belém alcançou o primeiro auge comercial, influenciando na mudança do nome do "Estado do Maranhão e Grão-Pará" mudou para "Estado do Grão Pará e Maranhão",[38][39] com a sede transferida para Belém, tornando a primeira capital da Amazônia.[40][14][17]

Em 1772, o "Estado do Grão Pará e Maranhão" foi dividido no[41] "Estado do Maranhão e Piauí" e no "Estado do Grão-Pará e Rio Negro", com sede em Belém, que permaneceram como colônias autônomas portuguesas até 1823.[42][43]

Século XIX[editar | editar código-fonte]

Em 1803, no governo de Dom Marcos de Noronha e Brito, Conde dos Arcos, ocorreu o aterramento do igarapé do Piri (antigo pântano Juçara), área praiana na orla do bairro da Campina (Comércio) localizada próxima ao Mercado da Carne, para atender aos avanços urbanísticos da Belém. A foz foi transformada na doca do Ver-o-Peso e na Pedra do Peixe, mantendo-se ali as atividades da Casa de Haver o Peso, onde existe uma feira informal de pescadores.

Em 1822, ocorre a independência do Reino do Brasil com Portugal (processo de ruptura política), as Capitanias são transformadas em Províncias. Mas a Capitania do Grão-Pará entrou em um período de indecisão, se tornaria-se um país independente, unia-se ao governo central do Brasil, ou continuaria ligado à Portugal, devido a elite local ainda ser fortemente ligada a este país (que comandavam as exportações dos produtos explorados) e, também a região ser distante dos núcleos decisórios na região Sudeste e do governo central.[44]

Foi criada a 1ª Junta do Pará Independente.[45] Mas Belém reconheceu a Independência do Brasil quase um ano após a proclamação (em 15 de agosto de 1823)[46][47][48] Devido esse reconhecimento tardio, o príncipe regente Pedro I desprezou a Província do Grão-Pará (abrangia os atuais estado do Pará, Amazonas, Amapá, Roraima e Rondônia) com uma irrelevância política, que não teve mudanças significantes após a independência,[44] fortalecendo o vínculo com Portugal e[17] aumentando a pobreza e as doenças,[44] gerando um descontentamento popular chamado de revolta da Cabanagem/Guerra dos Cabanos influenciados pela Revolução Francesa.[49]

Cabanagem[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Cabanagem
Igreja de Nossa Senhora das Mercês, construída no século XVIII, destacando-se no contexto da Cabanagem, na batalha do "Trem de Guerra".
Catedral de Belém no século XIX.

A Cabanagem (também conhecida como Guerra dos Cabanos, devido os manifestantes residirem em cabanas ribeirinhas de barro)[50][51] foi uma revolta popular e social ocorrida no período regencial brasileiro, influenciado pela Revolução Francesa, na então Província do Grão-Pará (abrangia os atuais estado do Pará, Amazonas, Amapá, Roraima e Rondônia) entre os anos de 1835 a 1840, comandada por Félix Clemente Malcher, Antônio Vinagre, Francisco Pedro Vinagre, Eduardo Angelim e Vicente Ferreira de Paula,[17][13] devido a extrema pobreza e doenças no Pará, que marcou o início desse período; o reconhecimento tardio da independência do Brasil (1822), o príncipe regente Pedro I desprezou a região com uma irrelevância política, que não teve mudanças significantes após a independência, fortalecendo o vínculo com Portugal.[17] Os índios e mestiços, na maioria e integrantes da classe média uniram-se contra o governo regencial nesta revolta, com objetivo de aumentar a importância do Pará no governo central brasileiro e enfrentar a questão da pobreza do povo da região.[50]

A Cabanagem (também conhecida como Guerra dos Cabanos, devido os manifestantes residirem em cabanas de barro)[50][52] foi uma revolta popular e social ocorrida no período regencial brasileiro entre os anos de 1835 a 1840, comandada por Félix Clemente Malcher, Antônio Vinagre, Francisco Pedro Vinagre, Eduardo Angelim e Vicente Ferreira de Paula,[17][13] devido a extrema pobreza, epidemias e a irrelevância política, uniram-se indígenas, mestiços, integrantes da classe média contra o governo regencial, com objetivo de aumentar a importância do Pará no governo central brasileiro e buscar melhorias para as questão sociais.[50]

Em 1835, os cabanos, comandados por Antônio Vinagre, invadiram o palácio do governo de Belém e executaram o então presidente da província, Bernardo Lobo de Sousa, junto com as demais autoridades.[13]

Com o extermínio do governo local, os cabanos iniciaram o seu primeiro governo, colocando o poder ao militar Clemente Malcher. O novo governo traiu o movimento demonstrando sua fidelidade ao governo português (Imperador), inclusive reprimindo a revolta que o levou ao poder, ameaçando deportar Eduardo Angelim e Vicente Ferreira (lavrador).[13] Revoltados, os cabanos mataram Malcher e colocaram no poderio, Francisco Vinagre.[13] Repetindo o que aconteceu no primeiro governo cabano, o novo líder também traiu o movimento. Disposto a negociar com o governo central, Vinagre demonstrou um interesse em ceder seu poder a alguém indicado pelos portugueses. Descontentes, Vinagre foi deposto dando lugar ao terceiro presidente cabano, Eduardo Angelim (jornalista), mas acabou enfraquecido com a diminuição do apoio das elites locais.[13]

Em 1836, o governo central do Pará, comandado por brigadeiro Francisco José de Sousa Soares de Andréa (subordinado ao Império), fez um bombardeio nos esconderijos cabanos e a prisão de Eduardo Angelim.[13] Então os cabanos se esconderam nas matas de Belém, para tentar novamente tomar o poder através de táticas de guerrilha.[13] Após cinco anos de combate, o governo regencial conseguiu reprimir a revolta na capital, devido a fraqueza política do movimento e a ausência de um líder experiente.[13] No início da guerra, a província do Grão-Pará era habitada por cerca de 100 mil moradores e estima-se a população foi reduzida para 60 mil moradores, havendo aproximadamente 40 mil mortos.[carece de fontes?] A revolta dos cabanos terminou sem que conseguissem atingir seus objetivos. Então, grupos negros foram para o interior formar comunidades de quilombolas e, grupos indígenas iniciaram a atividade de agricultura de subsistência ou integraram a atividade de extração da borracha.[17]

Ciclo da borracha[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Ciclo da borracha
Belém no século XIX
Arco Triunfal para a visita do Imperador D. Pedro II a Belém. Fotografia de F. A. Fidanza (1867)

Em 1866, foi permitida a abertura dos rios Amazonas, Tocantins, Tapajós, Madeira e Negro para a navegação dos navios mercantes de todas as nações, contribuindo para o desenvolvimento da capital paraense.[53] Para consolidar este ato e firmar a presença imperial no norte após a Cabanagem, foi anunciado que D. Pedro II viria cidade anunciar oficialmente a abertura dos rio Amazonas.[54] Sendo assim, construído um Arco Triunfal pela Companhia do Amazonas para recepção do imperador.[54] Mas o Arco não foi preservado, pois tratava-se de um recurso cenográfico da Companhia do Amazonas e, não uma edificação arquitetônica de fato.[54] Nesse período a fotografia passou a ter maior presença e difusão em Belém com contribuição do fotografo português Felipe Augusto Fidanza e com a chegada do Imperador D. Pedro II em 1867, um grande incentivador desta arte.[54]

Durante o ciclo da borracha (1879 - 1912), houve o aumento da importância comercial de Belém, principalmente para o cenário internacional com a borracha. Sendo considerada uma das cidades brasileiras mais desenvolvidas, não só por sua posição estratégica - litorânea - mas também porque sediava um maior número de casas bancárias, residências de seringalistas (Barões da Borracha) e outras importantes instituições.[carece de fontes?]

O apogeu do ciclo foi entre 1890 e 1920, quando a cidade contava com tecnologias que as cidades da regiões sul e sudeste brasileiros ainda não possuíam,[55] como por exemplo: Cinema Olympia - o mais antigo do Brasil em funcionamento - um dos mais luxuosos e modernos da época (inaugurado em abril de 1912 auge do cinema mudo);[56][57] Teatro da Paz, um dos mais belos do Brasil, inspirado no Teatro Scala de Milão;[57] Mercado Ver-o-Peso[nota 1] (candidato a uma das 7 Maravilhas do Brasil)[58] a maior feira livre da América Latina;[59][60][61][62] Palácio Antônio Lemos;[57] Praça Batista Campos;[57][63] Estrada de Ferro de Bragança.[64] Assim, foram atraídas nesse período, levas de imigrantes estrangeiros, como portugueses, franceses, japoneses, espanhóis e outros grupos menores, a fim de desenvolverem a agricultura nas terras da Zona Bragantina.[carece de fontes?]

Embora a cidade estivesse abalada pela revolta popular da Cabanagem (1835 - 1840), a Casa de Haver o Peso funcionou até 1839,[65] quando em outubro, o presidente Bernardo de Souza Franco extinguiu a repartição fiscal e, a Casa foi arrendada destinada à venda de peixe fresco até o ano de 1847,[65] quando terminou o contrato de arrendamento e a Casa de Haver o Peso foi demolida.[29][66]

No final do século XIX, o discurso de progresso e controle social baseado na ciência e no saneamento (política de combate aos cortiços ou bairros pobres perto dos centros) estimulado pelo receio das elites republicanas em relação à massa de trabalhadores (livres e escravos) que se aglomerava nas cidades e se organizavam politicamente, mas sendo interpretada como “selvagem”.[67] A aplicação da limpeza da cidade, expulsando os setores populares dos centros e forçando a segregação em novos bairros periféricos. Na tentativa dos republicanos construirem um “novo homem”, trabalhador submisso mas ao mesmo tempo produtivo.[67]

A população negra que estava concentrada no bairro do Umarizal, não deixava de ganhar ganhando destaque por sua força cultural, com destaque em 1848, para a primeira festa de 15 dias do Divino Espírito Santo (por Mestre Martinho, natural de Óbidos) com bastantes atrativos como danças, bailes e outras recreações, dando origem também aos cordões de bumbá, pastorinhas e encontros de samba noturno.[67] Ao passar pelo processo de negação da cultura afro-brasileira no plano de urbanização e modernização durante o republicanismo de Antônio Lemos, os moradores do bairro (a população negra) foram forçados a se transferir para os bairros periféricos da cidade: Pedreira, Guamá, Jurunas, Cremação, Sacramenta.[67] Essa dispersão dos moradores do Umarizal, tornou o bairro da Pedreira um centro de batuques e sambas e nos demais bairros permaneceram os terreiros:[67] de macumba modernizado e sincretizado, de antigo batuque, de babaçuê, de candomblé da Bahia, de umbanda carioca e, traços da pajelança cabocla. A negação da cultura afro-brasileira, afetou o ritmo carimbó ao longo de toda primeira metade do século XX.[67] Este sempre sofreu repressão por séculos devido a origem indígena com influência negra,[68] mas em 1880, chegou inclusive a sofrer proibição explicita governamental em Belém através no “Código de Posturas de Belém”, no capítulo intitulado “Das bulhas e vozeiras”:[69] "É proibido(...) fazer batuques ou samba, tocar tambor, carimbó, ou qualquer outro instrumento que perturbe o sossego durante a noite, etc.".[69] Nessa época, o indígena teve participação direta na economia local, mas conquistou áreas reservadas afastadas dos centros urbanos, para praticar sua cultura após diversos conflitos com os colonizadores. Crescendo assim, em contrapartida, o comércio de escravos, trazidos para os trabalhos gerais, surgindo a figura do caboclo que se desenvolvia com a miscigenação.[70]

Neste período foram construídas grandes edifícios e obras de infraestrutura na cidade. Em 1868, foi iniciada a construção do Palácio Antônio Lemos (1873), para ser o Palácio Municipal, que foi inaugurado em 1883, durante o governo de Rufino Enéas Gustavo Galvão. Em 1869, Calandrine de Chermont iniciou a construção do Theatro da Paz (1874), com a influência da arquitetura neoclássica e, inaugurado em 1878, durante o governo de João Capistrano Bandeira de Melo Filho, sendo inaugurado com a companhia de Vicente Pontes de Oliveira, encenando o drama As duas órfãs de Adolphe d'Ennery.[71] É um dos mais luxuosos do Brasil e um dos teatros-monumentos do país.[71]

Em 1883, o Governo Provincial de Rufino Enéas Gustavo Galvão (1882-1884), o visconde de Maracaju, iniciou a construção da ferrovia ou Estrada de Ferro de Bragança (1984-1964), para transportar a produção agrícola razoável da região (seguindo o traçado do Caminho do Maranhão[nota 2],que ligava Belém ao Maranhão,[64] criado pelos índios Tupinambás e efetivado por Pedro Teixeira (militar), com missão de criar a melhor caminho terrestre-fluvial até Maranhão e,[73] uma via para as transações comerciais entre Belém e Bragança, que antes ocorria somente via rio Caeté, necessitando assim, de outras vias para efetivar a economia, posteriormente também servindo também para condução do gado vindo do Piauí)[74] sendo inaugurada em 1884, o trecho inicial de 29 quilômetros, entre o bairro de São Brás (em Belém) e a colônia de Benevides.[75][76][77] Em 1885, ganhou outros 29 quilômetros. Mas, as obras de construção ficariam paralisadas até 1901, retornando somente em 1908, quando alcançou sua extensão máxima.[75]

Em 1899, após a demolição da Casa de Haver o Peso,[29][66] foi iniciado em seu local a construção do Mercado Municipal de Peixe (ou Mercado Ver-o-Peso ou Mercado de Ferro),[78] por La Rocque Pinto & Cia seguindo a estética francesa de art nouveau,[79][80][80] na antiga Praça do Pelourinho onde existia uma feira de gêneros horti-fruti,[29] próximo ao Mercado Municipal da Carne (1867).[78] Sendo inaugurado em 1901 durante o governo de Augusto Montenegro,[65][66][81] sito na Avenida Boulevard Castilhos Franca.

Século XX[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Paris n'América

O dinheiro gerado com a comercialização da borracha foi importante para a reestruturação urbana de Belém com referência em París,[82] a partir de 1897, que marcou o início do governo do intendente Antônio Lemos (1897-1911), modernizando a capital, no início da República, promovendo uma renovação estética e higienista da cidade no período "Belle Époque de Belém" ou período "Áureo da Borracha",[82] com o projeto de construção da Paris n'América (do francês: Petit Paris) com a influência da arquitetura art déco e da belle époque européia. Atendendo ao novo gosto da elite do látex (em destaque aos seringalistas Barões da Borracha) e também demonstrar aos investidores estrangeiros que Belém era segura e salubre para transformar a capital em centro: financeiro, luxo, divertimento e de consumo. Ressalta-se, que a maior parte da população era pobre, não possuía dinheiro sequer para comprar peixe, enquanto tentavam adotar hábitos europeus.[carece de fontes?]

Em 1902 completou seu projeto, que incluiu construção de diversos palacetes, bolsa de valores, grandes teatros, igrejas, necrotério, grandes praças com lagos e chafarizes, infra-estrutura sanitária, alargamento de vias, calçamento de quilômetros de vias com pedras importadas da Europa, construção da malha de esgoto nos principais bairros, aterramento de rios e córregos, arborização com a plantação de centenas de mudas de mangueira indianas nas novas avenidas e boulevards, a fim de construir túneis sombreados, tudo ao estilo francês. O desafio foi delegado a um grupo de engenheiros europeias, incluindo os responsáveis pela reforma urbanística de Paris.[carece de fontes?]

Neste momento, a fotografia aparece como elemento significativo registrando as transformações urbanas do senador intendente Antônio Lemos, servindo de propaganda política das realizações de seu governo.[83] Estes registros resultaram no "Álbum de Belém", com capa em baixo relevo, produzido em 1902 em Paris, sob direção de Felipe Augusto Fidanza e texto de Henrique Santa Rosa.[84][85] Construindo uma imagem idealizada, reinventando um imaginário social e cultural à moda parisiense e lenista.[83]

Com destaque para: o Cine Olympia (1912), o cinema mais antigo em funcionamento no País,[56][86] inaugurado durante o governo de João Antônio Luís Coelho,[86] pelos empresários Carlos Teixeira e Antonio Martins, donos do Grande Hotel e do Palace Theatre (atual hotel Princesa Louçã, frente ao Bar do Parque).[87]

Belém, anos 1910. Arquivo Nacional.

Em 1911, a divisão administrativa do município de Belém é constituído de 3 distritos: Belém (sede), Santa Isabel do Pará (até 1931 quando elevado à categoria de município) e, Castanhal (até 1932 quando elevado à categoria de município).[88]

Em 1930, a divisão administrativa do município é constituído de 5 distritos: Belém (sede), Santa Isabel do Pará, Acará, Castanhal e, Conceição do Araguaia (até 1935 quando elevado à categoria de município).[88] Em 1936, a divisão administrativa do município aparece constituído de 11 distritos: Belém (sede), Aicaraú, Barcarena, Caratateua, Conde, Genipauba, Ilha da Onças, Itupanema, Mosqueiro, Pinheiro e, Val de Cães.[88] Em 1938, a divisão administrativa do município aparece constituído de 11 distritos: Belém (sede, Ilha das Onças e Genipauba), Aicaraú, Ananindeua, Barcarena (Itupanema), Benfica, Murucupi (ex-Conde), Engenho Araci (ex-Araci), Mosqueiro, Pinheiro (Caratateua), Santa Isabel do Pará e, Val de Cães.[88]

Apesar da intensa modernização dos bairros centrais através da borracha, alguns como o Umarizal, ainda apresentavam formas antigas de ocupação do espaço, como por exemplo: vilas estreitas, cabanas cobertos com palha ou lona, vacarias portuguesas, revelando a origem social humilde dos habitantes.[89] Nas vacarias - estábulos precários anti-higiênicos localizados em zonas alagadas “na baixa” - localizadas atrás das residências os capinzais serviam de alimento para o gado, que fornecia leite in natura para a população e, onde também cultivavam flores com objetivo de ornamento de caixões (estética da morte).[89] Latifúndios urbanos que davam aspecto rural ao ambiente (presente nas ruas Domingos Marreiros, Alcindo Cacela, Mundurucus, Diogo Moía).[89]

A partir da década de 1940, o município passou por outras duas grandes mudanças urbanísticas, devido novas tendências na construção civil local e o plano de valorização do espaço da cidade, nas áreas alagadiças as vacarias foram loteados, originando passagens com residências de alvenaria,[89] e nas áreas mais altas e valorizadas iniciou-se o processo de verticalização, a partir da Avenida Presidente Vargas.[90] Verificou-se: o aumento das densidades construídas e a elevação acentuada da altura dos edifícios; novas modalidades de seletividade social, caracterizadas por arrojados projetos arquitetônicos; a incorporação de sofisticados equipamentos de lazer na área condominial; os altos preços dos imóveis. Criando à segregação sócio-espacial para segmentos sociais de alta e de média classe.[90] Em 1948. a divisão administrativa do município é constituído de 4 distritos: Belém, Icoraci (ex-Pinheiro), Mosqueiro e, Val-de-Cãs.[88]

Na década de 1950 os bairros localizados na na zona norte e da zona sul apresentavam índices de crescimento demográfico muito expressivos, o da Marambaia alcançou um índice de 112,04%, Sacramenta 210,69%, e; Sousa 201,22%.[91] Estes chamados de bairros populares, em contraste com os velhos bairros, como o: Comércio com diminuição de 15,57%; Reduto 23, 21%, e; a Cidade Velha um crescimento de 23,25%.[91] Na década de 1960 continuaram sendo os bairros mais populosos de Belém, com cerca de 280 mil pessoas.[92] Devido serem ocupadas por uma população considerada pobre e bastante prolífera, residentes em pequenas moradias precárias, em ocupações de estrutura desordenada, caracterizada por ruas tortuosas com matos, nas margens lodosas de igarapés e arruamentos.[92] Enquanto a área central se esvaziava, devido invasão do comércio e da elite local, os bairros iniciais da zona leste se estabilizam em amplos quarteirões com largas avenidas.[92]

Neste período os terrenos sem alagamentos da Primeira Légua Patrimonial de Belém estavam ocupados. Com o avanço da rodovia Belém-Brasília, iniciada na década de 1950 com o presidente Juscelino Kubitschek e o inicio da construção da rodovia de acesso ao distrito de Icoaraci[93] e Outeiro seguindo o traçado da antiga ferrovia Belém-Bragança, que inicialmente fora ocupada por fazendas, alavancaram o crescimento urbano e a expansão imobiliária (de modo não planejada e carente de boa infraestrutura porém progressivamente valorizada) nas áreas de várzea (área de expansão), através da construção de conjuntos habitacionais e assentamentos populacionais com amplos quarteirões e largas avenidas.[92][94] destinados aos remanejados das obras de infraestrutura realizadas no centro e,[94] com a invasão do comércio e da elite local,[92] nos eixos viários das Rodovias BR-316 e Augusto Montenegro, conhecida como “Nova Belém” na "Segunda Légua Patrimonial de Belém" (em 1899 devido a Lei de Terras, que doou as terras para a Intendência Municipal) como a Cidade Nova e a Nova Marambaia.[93][95][96] Mas essa expansão inicialmente não teve muito êxito, devido a infraestrutura de mobilidade não ter acompanhado, aumentando dos custos de deslocamento até o centro.[93]

Em 1960 ocorreu a criação do campus principal da Universidade Federal do Pará em Belém, conhecido como campus universitário do Guamá.[97] Neste mesmo ano iniciou a desativação da ferrovia Belém-Bragança, devido queda no faturamento com o avanço das rodovias. Então em 1965 o Ministro da Aviação Juarez Távora (do governo de Humberto de Alencar Castelo Branco) ordena a destruição das locomotivas e das principais estações ferroviárias do estado, sob a justificativa de déficit anual,[98] demolindo assim, a Estação Ferroviária de São Brás e construindo a Estação Rodoviária de Belém, através do interventor Alacid Nunes, disfarçando a vingança pelo fato ocorrido em 1930, quando foi pressionado por políticos e militares do Pará a nomear Magalhães Barata interventor do Pará.[98]

A partir da década de 1990, houve a segunda expansão na área da Nova Belém, com construções de condomínios de alta renda na rodovia Augusto Montenegro,.[94]

Belém, 1975. Arquivo Nacional.

A partir de 1995, iniciou o Movimento Orla Livre, que debate sobre a ocupação irregular das margens do rio Guamá e da Baia do Guajará, lutando para o usufruto por parte da população através de espaços de lazer, cultura e esporte, da valorização do patrimônio histórico, do turismo e habitação, também busca a criação do Plano de Gestão Integrada da Orla de Belém, para a requalificação urbana da orla.[99]

Neste sentido foram construídos, inicialmente, o complexo Ver-o-Rio, a Praça Princesa Isabel e, a Vila da Barca, em um processo de valorização e apropriação de áreas na orla da cidade, seguindo a determinação do Estatuto da Cidade (lei federal 10 257/2001) e Plano Diretor Urbano que determinam a criação de Zonas Especiais de Interesse Social (ZEIS).[100] A atuação do Orla Livre intensificou-se durante os anos de 2012 a 2014, com a necessidade de combater a implantação de vários projetos imobiliários residenciais nas margens do rio Guamá e da Baía do Guajará, que são Áreas de Preservação Permanente (APP).[99]

Panorama dos edifícios do bairro Umarizal em 2015.

Notas[editar | editar código-fonte]

  1. Por ter sua estrutura de ferro, o Mercado Ver-o-Peso era inicialmente conhecido como "Mercado de Ferro"
  2. Citado na segunda seção “Maranhão Taboa Segunda” do "Pequeno Atlas do Maranhão e Grão-Pará" do cartógrafo João Teixeira Albernaz I por volta de 1630. Também chamado de Caminho dos Tupinambás, posteriormente recebera outros nomes: Estrada de Bragança, avenida Tito Franco e atualmente avenida Almirante Barroso.[72]

Referências

  1. Brönstrup,, Silvestrin, Celsi; Gisele,, Noll,; Nilda,, Jacks, (2016). Capitais brasileiras : dados históricos, demográficos, culturais e midiáticos. Col: Ciências da comunicação. Curitiba, PR: Appris. ISBN 9788547302917. OCLC 1003295058. Consultado em 30 de abril de 2017. Resumo divulgativo 
  2. Bol Listas (8 de janeiro de 2018). «Açaí, jambu e a Amazônia: 10 curiosidades sobre o Pará». Portal UOL. Consultado em 7 de março de 2018 
  3. «Pesquisa e exploração dos aromas amazônicos». Com Ciência. Consultado em 21 de abril de 2012 
  4. Brönstrup,, Silvestrin, Celsi; Gisele,, Noll,; Nilda,, Jacks, (2016). Capitais brasileiras : dados históricos, demográficos, culturais e midiáticos. Col: Ciências da comunicação. Curitiba, PR: Appris. ISBN 9788547302917. OCLC 1003295058. Consultado em 30 de abril de 2017. Resumo divulgativo 
  5. «Brasil, Pará, Belém, História». Enciclopédia dos Municípios Brasileiros. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. 2012. Consultado em 8 de março de 2018 
  6. «Histórico Belém do Pará». Ferramenta Cidades. IBGE. 2015. Consultado em 4 de maio de 2016 
  7. Celma Chaves e Ana Paula Claudino Gonçalves (28 de março de 2013). «O mercado público em Belém: arquitetura e inserção urbanística» (PDF). IV Colóquio Internacional sobre o comércio e cidade. Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo. Consultado em 8 de março de 2018 
  8. «Brasil, Pará, Belém, História». Enciclopédia dos Municípios Brasileiros. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. 2012. Consultado em 8 de março de 2018 
  9. Pereira, Carlos Simões (28 de outubro de 2020). «Das origens da Belém seiscentista e sua herança Tupinambá». Revista Científica Multidisciplinar Núcleo do Conhecimento (10): 146–160. ISSN 2448-0959. Consultado em 13 de janeiro de 2022 
  10. «Capitania do Grão-Pará». Atlas Digital da América Lusa. Consultado em 27 de dezembro de 2017 
  11. Brönstrup,, Silvestrin, Celsi; Gisele,, Noll,; Nilda,, Jacks, (2016). Capitais brasileiras : dados históricos, demográficos, culturais e midiáticos. Col: Ciências da comunicação. Curitiba, PR: Appris. ISBN 9788547302917. OCLC 1003295058. Consultado em 30 de abril de 2017. Resumo divulgativo 
  12. a b c d «Brasil, Pará, Belém, História». Enciclopédia dos Municípios Brasileiros. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. 2012. Consultado em 8 de março de 2018 
  13. a b c d e f g h i j k Pereira, Carlos Simões (28 de outubro de 2020). «Das origens da Belém seiscentista e sua herança Tupinambá». Revista Científica Multidisciplinar Núcleo do Conhecimento (10): 146–160. ISSN 2448-0959. Consultado em 13 de janeiro de 2022  Erro de citação: Código <ref> inválido; o nome ":2" é definido mais de uma vez com conteúdos diferentes Erro de citação: Código <ref> inválido; o nome ":2" é definido mais de uma vez com conteúdos diferentes
  14. a b c d Erro de citação: Etiqueta <ref> inválida; não foi fornecido texto para as refs de nome :11
  15. a b c d «I DECLARAÇÃO AOS POVOS SOBRE O TERRITÓRIO MURUCUTU TUPINAMBÁ». Idade Mídia. 7 de janeiro de 2022 
  16. a b «Capitania do Grão-Pará». Atlas Digital da América Lusa. Consultado em 27 de dezembro de 2017 
  17. a b c d e f g da Costa TAVARES, Maria Goretti (2008). «A Formação Territorial do Espaço Paraense». Universidade Federal do Pará (UFPa). Revista ACTA Geográfica nº 3 - Ano II. ISSN 1980-5772. doi:10.5654/actageo2008.0103.0005. Consultado em 4 de maio de 2016 
  18. «Veja como foi a fundação de Belém em 1616 e conheça sua história». G1 Pará. 9 de janeiro de 2016. Consultado em 4 de maio de 2016 
  19. a b «I DECLARAÇÃO AOS POVOS SOBRE O TERRITÓRIO MURUCUTU TUPINAMBÁ». Idade Mídia. 7 de janeiro de 2022 
  20. «Forte do Presépio Belém: História, Endereço e Localização». Encontra Belém. 26 de dezembro de 2019. Consultado em 4 de maio de 2022 
  21. «A formação territorial do espaço paraense: dos fortes à criação de municípios» 
  22. «A formação territorial do espaço paraense: dos fortes à criação de municípios» 
  23. «Capitania do Grão-Pará». Atlas Digital da América Lusa. Consultado em 27 de dezembro de 2017 
  24. «Pesquisa e exploração dos aromas amazônicos». Com Ciência. Consultado em 21 de abril de 2012 
  25. Brönstrup,, Silvestrin, Celsi; Gisele,, Noll,; Nilda,, Jacks, (2016). Capitais brasileiras : dados históricos, demográficos, culturais e midiáticos. Col: Ciências da comunicação. Curitiba, PR: Appris. ISBN 9788547302917. OCLC 1003295058. Consultado em 30 de abril de 2017. Resumo divulgativo 
  26. «Brasil, Pará, Belém, História». Enciclopédia dos Municípios Brasileiros. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. 2012. Consultado em 8 de março de 2018 
  27. «Histórico Belém do Pará». Ferramenta Cidades. IBGE. 2015. Consultado em 4 de maio de 2016 
  28. «Forte do Presépio Belém: História, Endereço e Localização». Encontra Belém. 26 de dezembro de 2019. Consultado em 4 de maio de 2022 
  29. a b c d e f Erro de citação: Etiqueta <ref> inválida; não foi fornecido texto para as refs de nome coloquiofau
  30. a b Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional. «Ver-o-Peso (PA)». Complexo arquitetônico e paisagístico Ver-o-Peso 
  31. «Mercado de carne vai sair em duas etapas». Diário do Pará. Consultado em 27 de fevereiro de 2018 
  32. Erro de citação: Etiqueta <ref> inválida; não foi fornecido texto para as refs de nome coloquiofau3
  33. a b Andrea de Cássia Lopes Pinheiro (2015). «Caracterização e Quadros de Análise Comparativa da Governança Metropolitana no Brasil: arranjos institucionais de gestão metropolitana» (PDF). Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA). Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão do Governo do Brasil. Consultado em 9 de março de 2018 
  34. Erro de citação: Etiqueta <ref> inválida; não foi fornecido texto para as refs de nome :113
  35. João Marcio Palheta da Silva e Christian Nunes da Silva. «O traçado da primeira légua patrimonial (LPLP) e da linha de preamar média (LPM) de 1831 da cidade de Belém». Consultado em 9 de março de 2018 
  36. a b Célia Cristina da Silva Tavares (2006). "A escrita jesuítica da história das missões no Estado do Maranhão e GrãoPará (século XVII)" (pdf) . Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ). XII Encontro Regional de História. Acessado em 21/09/2020.
  37. José Manuel Azevedo e Silva. "O modelo pombalino de colonização da amazónia" (pdf) . Universidade de Coimbra. Acessado em 21/09/2020.
  38. «Pará também nasceu de uma divisão». Jornal Diário do Pará 
  39. «A formação territorial do espaço paraense: dos fortes à criação de municípios». Consultado em 20 de outubro de 2015 
  40. «Pesquisa e exploração dos aromas amazônicos». Com Ciência. Consultado em 21 de abril de 2012 
  41. Luiza Moretti. Atlas Digital da América Lusa, ed. «Grão-Pará e Maranhão». Consultado em 18 de outubro de 2021 
  42. Schwarcz, L. M. (2015). Brasil: uma biografia. São Paulo: Companhia das Letras, "Estado+do+Grão-Pará+e+Rio+Negro"+independencia&hl=pt-BR&sa=X&ved=0ahUKEwjo8oOYuMrKAhUCiZAKHbWJDfIQ6AEINTAF#v=onepage&q=%22Estado%20do%20Gr%C3%A3o-Par%C3%A1%20e%20Rio%20Negro%22%20independencia&f=false.
  43. «No tempo das fábricas». Arquivo Nacional. Consultado em 19 de outubro de 2015 
  44. a b c Erro de citação: Etiqueta <ref> inválida; não foi fornecido texto para as refs de nome ACTA-Origem2
  45. «Pará também nasceu de uma divisão». Diário do Pará. Consultado em 20 de outubro de 2015 
  46. Monteiro, Glauce (2008). «Adesão do Pará à Independência, uma revolução sem mudanças». Universidade Federal do Pará. Consultado em 21 de setembro de 2020 
  47. Monteiro, Glauce (14 de agosto de 2017). «Pesquisadora da UFPA explica a história do feriado de 15 de agosto». Universidade Federal do Pará. Consultado em 21 de setembro de 2020 
  48. Monteiro, Glauce (15 de agosto de 2017). «15 de agosto: adesão do Pará à independência do Brasil». ZÉ DUDU. Consultado em 21 de setembro de 2020 
  49. Isabela Azevedo (3 de maio de 2017). Agência Brasil, ed. «Na Trilha da História: Revolução dos Cabanos questionava independência sem direito à justiça social». Consultado em 18 de outubro de 2021 
  50. a b c d «Cabanagem: contexto, líderes, consequências». Mundo Educação. Consultado em 29 de abril de 2022 
  51. «A Guerra dos Cabanos. Como se deu a Guerra dos Cabanos». Brasil Escola. Consultado em 29 de abril de 2022 
  52. «A Guerra dos Cabanos. Como se deu a Guerra dos Cabanos». Brasil Escola. Consultado em 29 de abril de 2022 
  53. «Brasil, Pará, Belém, História». Enciclopédia dos Municípios Brasileiros. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. 2012. Consultado em 8 de março de 2018 
  54. a b c d Simone de Oliveira Moura. «Fotografia e cidade: em busca do mundo almado» (PDF). Associação Nacional de Pesquisadores em Artes Plásticas (ANPAP). Consultado em 14 de maio de 2018 
  55. «Programa de Saneamento Básico da Bacia da Estrada Nova (BR-L1369)». Banco Interamericano de Desenvolvimento - BID. Avaliação Financeira e Orçamentária do Município de Belém - PA. 5 páginas. 2013. Consultado em 4 de maio de 2016 
  56. a b «Cine Olympia comemora 103 anos com programação especial em Belém». G1 Pará. Pará. 21 de abril de 2015. Consultado em 10 de outubro de 2017 
  57. a b c d «Uma viagem no tempo pela Belém da Belle Époque - UFPA». Universidade Federal do Pará - UFPa. 17 de julho de 2013. Consultado em 21 de maio de 2018 
  58. «Ver-o-Peso da cidade: O mercado, a carne e a cidade no final do século XIX» (PDF). Universidade Federal do Pará. Consultado em 13 de dezembro de 2012 
  59. «Ver-o-Peso: encontro de cores, aromas e sabores». Diario do Pará. Consultado em 11 de agosto de 2015 
  60. Maurício de Paiva (6 de abril de 2015). «Ver-o-Peso 2.0 Belém – 388 anos». Abril Viaje Aqui. Consultado em 11 de agosto de 2015 
  61. Daniel Ribeiro. «Mercado Ver-o-Peso, em Belém, ganha vida de madrugada». UOL Viagem. Consultado em 11 de agosto de 2013 
  62. Mayara Maciel (3 de junho de 2015). «Plantas Aromáticas do Ver-o-Peso». Museu Goeldi. Consultado em 11 de julho de 2015 
  63. «Belém, já são quase 400 anos de história». Diário do Pará Online. Consultado em 27 de março de 2014 
  64. a b Equipe G1 Pará. «Conheça as belezas e as histórias do município de Santa Izabel do Pará». É do Pará. Portal Globo Comunicação. Consultado em 15 de março de 2018 
  65. a b c «Baía de Guajará : Mercado Ver-o-Peso : Belém (PA)». Biblioteca Central do IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Consultado em 8 de março de 2018 
  66. a b c «Mercado Ver-o-Peso, Belém, Pará». Basilio Fundaj. Consultado em 10 de novembro de 2017 
  67. a b c d e f Bernardo Mesquita e Renato Mattiusso Alves (2015). «A repressão na história do carimbó no Pará». ANAIS VII ENABET 2015. Universidde de são Paulo (USP). Consultado em 12 de março de 2018 
  68. mendes, laysa. «Carimbó: A Dança Paraense». Marcos Geográfico. Consultado em 20 de junho de 2016 
  69. a b da Costa, Tony Leão (2011). «Carimbó e Brega: Indústria cultural e tradição na música popular do norte do Brasil» (PDF). Revista Estudos Amazônicos, vol. VI, nº 1, pp. 149-177. Consultado em 14 de agosto de 2017 
  70. Erro de citação: Etiqueta <ref> inválida; não foi fornecido texto para as refs de nome Novosalic-Origem
  71. a b Paula Vanessa Luz de Abreu (2006). «A morfologia do plano de expansão da cidade de Belém e a estrutura fundiária do município no século XIX». Programa de Pós-graduação em arquitetura e urbanismo. Universidade Federal do Pará. Consultado em 15 de março de 2018 
  72. De Souza, Renata Durans Pessoa (2016). «A área de expansão de Belém: Um espaço de múltiplas vivências» (PDF). Programa de Pós-graduação em arquitetura e urbanismo da UFPa. Consultado em 22 de agosto de 2017 
  73. Capistrano de Abreu. «Os caminhos antigos e o povoamento do Brasil». História do Brasil. Organização Consciência. Consultado em 15 de março de 2018 
  74. Sara Concepción C. Centurión (2014). «Rastros indígenas» (PDF). Universidade Federal do Pará. Consultado em 15 de março de 2018 
  75. a b «Correio Bragantino News». Correio Bragantino. Consultado em 10 de novembro de 2017 
  76. «E. F. Bragança - Estações Ferroviárias do Estado do Pará». Estações Ferroviarias. Consultado em 10 de novembro de 2017 
  77. Leandro, Leonardo Milanez de Lima; Silva, Fábio Carlos da (11 de março de 2013). «A estrada de ferro de Bragança e a colonização da zona bragantina no estado do Pará». Novos Cadernos NAEA. 15 (2). ISSN 2179-7536. doi:10.5801/ncn.v15i2.578 
  78. a b Erro de citação: Etiqueta <ref> inválida; não foi fornecido texto para as refs de nome ibgemercado
  79. INRC Ver-o-Peso e Iphan Pará. «O Mercado e a Cidade de Belém, um pouco da história do Ver-O-Peso». Ver-o-histórico. UFPa. Consultado em 27 de fevereiro de 2018 
  80. a b Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. «Boulevard Castilhos França : Belém (PA)». Biblioteca Catálogo On-line 
  81. «Mercado Ver-o-Peso, Belém, Pará». Basilio.fundaj.gov.br 
  82. a b Simone de Oliveira Moura. «Fotografia e cidade: em busca do mundo almado» (PDF). Associação Nacional de Pesquisadores em Artes Plásticas (ANPAP). Consultado em 14 de maio de 2018 
  83. a b Simone de Oliveira Moura. «Fotografia e cidade: em busca do mundo almado» (PDF). Associação Nacional de Pesquisadores em Artes Plásticas (ANPAP). Consultado em 14 de maio de 2018 
  84. «Leilão livros colecionismo». Felipe A. Fidanza. Leiloeiro Público. 29 de novembro de 2012. Consultado em 15 de maio de 2018 
  85. Álbum de Belém
  86. a b «Cine Olympia, em Belém, comemora 100 anos». Planeta Tela. Consultado em 10 de novembro de 2017 
  87. «Livro conta a história de patrimônios culturais». Diário Online - Pará (em inglês). Consultado em 21 de novembro de 2017 
  88. a b c d e «Histórico, Belém PA». Ferramenta Cidades, Sistema de Informações. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Consultado em 14 de março de 2018 
  89. a b c d Rodrigues, Venize Nazaré Ramos (26 de julho de 2013). «Umarizal das vacarias aos espigões. (Belém 1950/2000)» (PDF). XXVII Simpósio Nacional de História. Bairro e Memória. Consultado em 5 de novembro de 2018 
  90. a b Erro de citação: Etiqueta <ref> inválida; não foi fornecido texto para as refs de nome Informações sobre Belém 1
  91. a b «Os bairros de Belém». O Pará nas Ondas do Rádio. Universidade Federal do Pará. Consultado em 20 de julho de 2017 
  92. a b c d e Pimentel, Márcia Aparecida da Silva; Santos, Viviane Corrêa (2012). «A ocupação das várzeas na cidade de Belém: Causas e consequências socioambientais.» Especial, v. 2 ed. Universidade Federal do Amazonas (UFAM). Revista Geonorte (4): 34 à 45. ISSN 2237-1419. Consultado em 9 de agosto de 2017 
  93. a b c Donato, Alexandre Valente Moreira; de Oliveira, Janete Marília Gentil C. «Produção de condomínios fechados e especulação imobiliária na rodovia Augusto Montenegro» (PDF). Encontro Nacional de Geógrafos. ISSN 2176-1213. Consultado em 20 de julho de 2017 
  94. a b c De Souza, Renata Durans Pessoa (2016). «A área de expansão de Belém: Um espaço de múltiplas vivências» (PDF). Programa de Pós-graduação em arquitetura e urbanismo da UFPa. Consultado em 22 de agosto de 2017 
  95. Soares, Antonio Carlos Lobo (2009). «IMPACTOS DA URBANIZAÇÃO SOBRE PARQUES PÚBLICOS: ESTUDO DE CASO DO PARQUE ZOOBOTÂNICO DO MUSEU GOELDI (BELÉM – PA)» (PDF). Programa de Mestrado em Desenvolvimento e Meio Urbano. Consultado em 20 de julho de 2017 
  96. Donato, Alexandre Valente Moreira; de Oliveira, Janete Marília Gentil C. «PRODUÇÃO DE CONDOMÍNIOS FECHADOS E ESPECULAÇÃO IMOBILIÁRIA NA RODOVIA MÁRIO COVAS, REGIÃO METROPOLITANA DE BELÉM.». Encontro Nacional de Geógrafos. Consultado em 20 de julho de 2017 
  97. Barbosa, Jacilino Estumano (2012). «O uso do solo na cidade universitária» (PDF). Universidade Federal do Pará (UFPa). Gestão de Recursos Naturais e Desenvolvimento Local na Amazônia. Consultado em 14 de março de 2018 
  98. a b «Informações para gestão territorial, diagnóstico do potencial turístico» (PDF). Programa de integração mineral em municípios da Amazônia. Ministério de Minas e Energia do Brasil. 1998. Consultado em 5 de novembro de 2016 
  99. a b Magalhães, Rafael Caldeira. Resistência e utopia em Belém: relações teóricas entre o saneamento básico e o espaço urbano (PDF). [S.l.]: Associação Nacional de Pós-graduação e Pesquisa em Planejamento Urbano e Regional (ANPUR) 
  100. Vargas, Heliana Comin; de Castilho, Ana Luisa Howard (2015). Intervenções em centros urbanos: Objetivos, estratégias e resultados. Google Livros: Manole. ISBN 9788520437681