História de Campinas

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

Este verbete abrange a história do município brasileiro de Campinas do período colonial até o contemporâneo.

Povoamento pré-colonial[editar | editar código-fonte]

De acordo com as pesquisas arqueológicas mais recentes, as áreas que hoje constituem o estado de São Paulo já eram habitadas por humanos desde aproximadamente 11.000 a 7.000 anos antes do Presente.[1][2] Vestígios desses assentamentos são geralmente encontrados próximos a rios, com baixa declividade e presença de afloramentos rochosos nas proximidades, a partir dos quais produziam diversas ferramentas de pedra, como raspadores, pontas de flecha, machados, entre outros. Identificado e escavado em 2001, durante as obras de prolongamento da Rodovia Bandeirantes, o sítio arqueológico Morro Azul[3] contava com diversos instrumentos líticos de sílex e quartzo, sendo o mais antigo testemunho da presença humana no território do município de Campinas.

A presença de grupos ceramistas associados à Tradição Tupiguarani teria se iniciado entre 2.000 e 1.800 anos atrás em todo o território paulista.[4][5] Esse povoamento também é caracterizado pelo domínio da agricultura, sendo difundido o cultivo da mandioca, milho, feijão e abóbora. Embora nenhum sítio arqueológico dessa tradição tecnológica tenha sido identificado em Campinas até o momento, a região de entorno conta com diversos locais onde a presença desses grupos já foi documentada, como Rage Maluf e Santa Sofia[6] (Monte Mor), Buruzinho[7] (Indaiatuba) e Sítio 14 – São Gabriel[8] (Salto).

Apesar de habitarem a região em um período mais recente, há poucas informações sobre os grupos indígenas que residiam na região de Campinas quando da chegada dos primeiros colonizadores europeus. Os relatos das primeiras expedições não apresentam descrições precisas sobre os costumes e modos de vida destas populações, ou mesmo a qual etnia pertenceriam estes indígenas. Ainda assim, os relatos dos séculos XVI e XVII indicam que a área era extensivamente habitada por grupos ameríndios falantes de idiomas relacionados aos troncos linguísticos Macro-Jê e Tupi-Guarani, os quais estabeleceram uma complexa relação com os moradores dos povoados e vilas do planalto paulista. Segundo o antropólogo John Monteiro, alianças e conflitos com os recém-chegados europeus variavam conforme o grupo e o contexto em que estas relações se davam, sendo bastante difundida a escravização, catequização, expulsão ou extermínio de indígenas durante todo o período colonial.[9]

Povoamento durante o período colonial português[editar | editar código-fonte]

Casa Grande e Tulha, conjunto arquitetônico de valor histórico, construído entre as décadas de 1790 e 1830. Está entre as primeiras edificações de Campinas.

Até a primeira metade do século XVIII, Campinas não passava de uma área ampla constituída por largas faixas de campos naturais, as quais eram designadas simplesmente por campinas, com áreas de mata atlântica fechadas ao redor, em especial nas regiões montanhosas. Naquela época, surgiu um bairro rural na vila de Jundiaí (hoje Jundiaí) chamado "Mato Grosso", próximo a uma trilha feita por bandeirantes do "Planalto de Piratininga" (a região da atual cidade de São Paulo) entre 1721 e 1730. Era o "Caminho dos Goiases", desbravado por bandeirantes e que seguia em direção às então recém-descobertas minas de ouro, localizadas nos atuais estados de Minas Gerais e Goiás.[10][11] Assim, o bandeirante Fernão de Camargo promoveu a noroeste da vila de São Paulo a instalação de um ponto de parada de tropeiros (chamado "Campinas do Mato Grosso" por ter sido erguido num desses campos naturais cercados por mata cerrada), usualmente feita por viajantes que iam e voltavam das minas de ouro. Esse e outros pontos de paragem ao longo do caminho permitiam ou facilitavam o reabastecimento durante as viagens, o que incentivou a fixação de colonos no local, os quais se voltavam para o cultivo de alimentos.[12][13] Segundo alguns autores, a fundação de povoados ao longo do Caminho também tinha como objetivo fortalecer as fronteiras da colônia contra possíveis invasores espanhóis, transformando a Capitania de São Paulo em peça fundamental no plano de defesa da chamada América Portuguesa.[14]

Entretanto, apesar de boa parte da futura região de Campinas já ter sido dividida em sesmarias desde 1728, as dificuldades em implementar um povoamento efetivo fizeram com que as concessões fossem revogadas pela administração da capitania, sendo a área redistribuída no final do século XVIII.[15] A partir de então, a agricultura familiar e de abastecimento foi substituída pela lavoura de cana-de-açúcar, responsável pelo rápido desenvolvimento econômico da capitania de São Paulo nessa época, já que o açúcar era exportado para a Europa. Outro fator que contribuiu para esse desenvolvimento foi a estrutura viária elaborada durante o governo do Morgado de Mateus nos anos de 1770, a qual consistia em interligar uma rede de estradas entre as vilas e freguesias, aproveitando os caminhos dos Goiases e Viamão. Formou-se assim um “quadrilátero do açúcar”, onde os limites e seus principais centros eram as vilas de Sorocaba, Piracicaba, Mogi-Guaçu e Jundiaí.[16]

Por volta do ano de 1772, os moradores daquela região reivindicavam a construção de uma capela, já que a igreja mais próxima do então povoado de Campinas do Mato Grosso situava-se em Jundiaí. A permissão foi concedida um ano mais tarde, demarcando-se, no dia 22 de setembro daquele ano, o local que seria destinado à construção da Igreja Matriz de Nossa Senhora da Conceição, cujo nome foi recebido em homenagem à padroeira, escolhida por votação.[17] A dificuldade das obras daquele tempo fez com que fosse construída uma capela provisória, em 1774.[17] No dia 27 de maio desse ano, foi assinado um ato que dava a Francisco Barreto Leme do Prado o título de "fundador, administrador e diretor" do núcleo urbano a ser fundado. Em outro ato feito no mesmo dia, foi definida a medida das ruas e quadras, assim como a posição das casas, sendo esse o primeiro "plano urbanístico" recebido por Campinas. Poucas semanas depois, em 14 de julho de 1774, frei Antônio de Pádua, primeiro vigário da paróquia, rezou a missa que inaugurava a capela provisória coberta de palha e feita às pressas. A partir daí, instalou-se definitivamente a Freguesia de Nossa Senhora da Conceição das Campinas do Mato Grosso e fundou-se a povoação.[17][12] Em 14 de dezembro de 1797, Campinas foi emancipada de Jundiaí,[18] sendo elevada à condição de vila com o nome de São Carlos.[19]

Formação administrativa e crescimento econômico no Século XIX[editar | editar código-fonte]

Moagem de cana-de-açúcar na Fazenda Cachoeira, em Campinas. Benedito Calixto (1853–1927).

Por volta do século XVIII, houve a chegada de vários fazendeiros oriundos de diversas cidades paulistas, como Itu, Porto Feliz e Taubaté. Esses fazendeiros procuravam terras para cultivarem as já mencionadas lavouras de cana-de-açúcar, criando novos ou ampliando engenhos de açúcar já existentes, utilizando-se da mão de obra escrava que possuíam. De fato, também foi por motivação destes fazendeiros e do governo da Capitania de São Paulo que o bairro rural do Mato Grosso foi transformado em freguesia, depois em vila de São Carlos (1797) e, posteriormente, em cidade de Campinas (1842).[17] Apesar da elevação à condição de cidade ter ocorrido oficialmente somente em 5 de fevereiro de 1842, através da promulgação de uma Lei Provincial, o viajante francês Auguste de Saint-Hilaire já citara a intenção da agora Província de São Paulo em torná-la uma sede municipal em 1840[20]:

“Em 1840 o governo provincial lhe deu o título a cidade. na época de minha viagem de minha viagem [1845 e 1847] não tinha prevalecido o nome oficial, e até hoje parece que não é geralmente adaptado, pois só se encontra o de Campinas nos relatórios dos presidentes provinciais e apresentados a assembléia legislativa”

Até o final do século XVIII, a cana-de-açúcar era principal atividade de subsistência da região. De acordo com as documentações históricas disponíveis, a região de Campinas atingiu o auge de produção açucareira em 1836, quando começou a perder espaço para o café, que em 1852 contava com 82 fazendas e produção de 200 mil arrobas, número que salta para 177 fazendas em apenas dois anos com uma colheita de 330 mil arrobas.[21][22] A mudança da cana-de-açúcar para o café enquanto principal produto agrícola trouxe grandes vantagens econômicas, beneficiando-se do mercado externo favorável, sendo relativamente fácil a adaptação da infraestrutura dos engenhos já existentes.[16] Essa transição produtiva também implicou em um novo e rápido ciclo de desenvolvimento da região campineira, o que fez com que o município concentrasse uma grande quantidade de mão de obra escrava.[23][24] Além disso, um contingente minoritário de trabalhadores livres, oriundos de diferentes regiões do país, também começou a se instalar em Campinas durante o período imperial (1822-1889), exercendo funções tanto em atividades produtivas rurais e urbanas.[12]

O segundo quartel do século XIX também transformou o jeito como a população lidava com as propriedades, quando grandes mudanças ocorreram na legislação em relação à posse da terra, permitindo a capitalização do território. Desde o fim do regime de sesmarias em 1822, quando as propriedades deixaram de ser apenas concessões e passaram a efetivamente pertencer aos seus administradores, muitas fazendas cresceram em área com a anexação de terras consideradas devolutas. Em 1850 foi promulgada a Lei de Terras, legitimando grandes latifúndios e ocupações irregulares até então existentes na região do município de Campinas, ao mesmo tempo em que obrigava todos os proprietários a tirar títulos de posse.[21][22] Além da legalização da posse de grandes extensões de terras, a legislação elevou radicalmente o preço das propriedades, dificultando sua compra por pessoas comuns. Todavia, tal dinâmica de compra e venda de terras, que se expandiria no país após tal legislação, já era comum em Campinas desde o início do século XIX. Esse cenário teria se dado em decorrência do alto valor obtido na exportação do açúcar e o aumento populacional, o que provocou um prolongado período de ascensão econômica em Campinas.[25]

A cidade continuou em ascensão econômica por causa do café ao longo da segunda metade do século XIX, favorecido pela localização estratégica no território da província de São Paulo: situada no entroncamento de rotas já históricas e das recém implantadas ferrovias. Tal cenário possibilitou aos fazendeiros se manterem atualizados tecnologicamente, sendo comum a presença de modernas máquinas de beneficiamento de café nas principais fazendas. Nessa mesma época, ocorreu a instalação de algumas indústrias e casas de importação especializadas na cidade.[26] Em 1887, Dom Pedro II inaugurou o IAC (Instituto Agronômico de Campinas), um centro de pesquisa e desenvolvimento agrícola, reconhecendo a importância de Campinas para o império e demonstrou seu interesse em incentivar ainda mais o desenvolvimento.[23]

O crescimento econômico foi acompanhado pelo aumento da população e consequente transformação do núcleo urbano, que conquistava cada vez mais espaço. Ao mesmo tempo, esse progressivo crescimento urbano também gerou um processo de modernização dos meios de transporte e de produção em Campinas.[12] Em 1878, Campinas contava com cerca de 33 mil habitantes,[27] mas logo se ampliaria com o loteamento dos novos bairros: Guanabara, Bonfim, Botafogo, Ponte Preta, Taquaral, Bosque dos Jequitibás e Fundão.[28]

Porém, esse crescimento não aconteceu sem sequelas. A falta de planejamento urbano resultou em uma série de epidemias na segunda metade do XIX: cólera-morbo (1850), varíola (1860/1870) e febre amarela (1880/1890). Mesmo em meio às epidemias, Campinas continuava crescendo, e chegou a atingir 50 mil habitantes em 1888, sendo apenas 20 mil na zona urbana.[27] As epidemias cobravam seu preço com frequência, entretanto: ao fim de 1890, a febre amarela havia reduzido a população urbana de Campinas para pouco mais de 5 mil pessoas.[27]

Em 1895, novas medidas urbanísticas passaram a ser estudadas e aplicadas com objetivos sanitários a partir da Lei n° 43, o primeiro Código de Construções da cidade de Campinas.[27] Em paralelo, foram realizadas diversas obras de saneamento e drenagem de córregos e áreas alagadiças, que ficavam sob a responsabilidade da Comissão Sanitária do Estado.[28] Bastante eficaz, essas medidas são em parte responsáveis pela importante recuperação populacional no ano de 1900, momento em que, pela primeira vez, a população da zona urbana superou os moradores da área rural.[29]

Algumas décadas após a emancipação política de Campinas, várias divisões distritais ocorreram no território do município, em parte decorrentes do próprio crescimento vertiginoso da cidade nesse período. A primeira mudança ocorrida foi a criação do distrito de Valinhos (atualmente município de Valinhos), pela lei provincial nº 383, de 28 de maio de 1896.[17]

Século XX[editar | editar código-fonte]

Vista do Centro da cidade em 1878.
Cartão postal colorizado do início do século XX do Largo da Matriz velha, atualmente conhecido como Largo do Carmo.

A primeira metade do século XX também foi caracterizada por uma sequência de planos e obras de saneamento, modificando e modernizando o desenho da cidade de Campinas com a construção de avenidas perimetrais, alargamento de ruas no centro, canalização de córregos e, pela primeira vez desde a criação do rossio, sua transposição.[14] Novos bairros são urbanizados como Jardim Guanabara, Jardim Chapadão, São Bernardo, Parque Industrial, Vila Maria e Vila Marieta.[27] Nesse mesmo período, as terras públicas e propriedades rurais mais próximas do centro urbano começaram a ser loteadas, o que gerou uma consistente elevação no preço dos imóveis.[30]

Os primeiros anos da década de 1920 ficaram marcados pelo auge da produção cafeeira em grande parte do território paulista. Porém, no final dessa década, houve uma crise da economia cafeeira, atingindo grande parte do estado de São Paulo. A decadência da produção se deu por uma conjunção de fatores: desgaste das terras da região, geadas que acabavam com as lavouras, agravamento da peste da “broca do café”, diminuição da exportação motivada pela alteração da qualidade do produto, concorrência de outros países e, finalmente pela crise econômica de 1929.[24][31] Tais eventos incentivaram a diversificação na produção e forçaram o deslocamento da cafeicultura em direção ao oeste paulista. O breve apoio ao plantio de algodão estimulou as indústrias têxteis, assim como uma paulatina volta da cana-de-açúcar como um dos principais cultivos na região de Campinas.[30] No entanto, esse início de século significou a mudança da matriz econômica do município, que passou de prioritariamente agrícola para industrial.

A crise do café, a volta da cana-de-açúcar e a troca pela indústria e prestação de serviços, fizeram com que a fisionomia da cidade deixasse de ser ruralista e passasse a ser mais urbanística. Para seu novo projeto de planejamento, recebido do chamado "Plano Prestes Maia", no ano de 1938, foi feito um grande conjunto de ações voltado a reordenar seu crescimento urbanístico. Devido a estas melhorias ocorridas, houve um novo período de vinda de migrantes e imigrantes, que foram atraídos pelo projeto da construção de um novo parque produtivo, que seria composto de fábricas, agroindústrias e diversos estabelecimentos comerciais.[12] Ainda assim, o Plano Prestes Maia não foi aplicado em sua totalidade, sofrendo diversos cortes e acréscimos para atender as demandas locais.[27][30]

Entre as décadas de 1930 e 1940, Campinas passou a ser marcada pelo desenvolvimento demográfico das redondezas das fábricas então instaladas, dos estabelecimentos e das grandes rodovias em implantação - como a Rodovia Anhanguera (1948), a Rodovia dos Bandeirantes (1978), a Rodovia Santos Dumont (década de 1980), a Rodovia Dom Pedro I, Rodovia Governador Ademar de Barros, a Rodovia Jornalista Francisco Aguirre Proença e a Rodovia Professor Zeferino Vaz (ou Tapetão), que é o principal acesso à REPLAN (Refinaria do Planalto Paulista) -, fato que fez com que Campinas se consolidasse como importante entroncamento rodoviário. Os novos bairros que foram criados nessas áreas não contavam, originalmente, com uma boa infraestrutura e planejamento, entretanto conseguiram, com o passar do tempo, uma melhor condição de urbanização entre as décadas de 1950 a 1990.[12]

A crise econômica na década de 1960 decretou um fim precoce para o Plano de Melhoramentos Urbanos de Prestes Maia,[27] sendo elaborado um novo planejamento urbano a partir de 1968, agora com recursos do governo federal. Em 1971, o automóvel se tornou o meio prioritário de transporte e convergiu toda a obra urbanística para a viabilização deste veículo, processo incentivado pela construção das grandes rodovias estaduais já citadas. Com efeito, segundo muitos autores, o processo de urbanização de Campinas desse período ficou caracterizado por um crescimento relativamente desorganizado, o que permitiu a concentração de bairros de maior poder aquisitivo na parte norte do município. Ao mesmo tempo, ficaram concentrados na região sul de Campinas os bairros mais pobres e mais precários em termos de infra-estrutura urbana.[30][32][33]

Além da emancipaçao de Valinhos, ocorrida em 1896, outras mudanças também ocorreram no território de Campinas ao longo do século XX, com diversos povoados virando distritos e depois conquistando autonomia: Americana em 1904, sede da Fábrica de Tecidos Carioba, se municipalizou em 1924; Cosmópolis, transformado em distrito em 1906, tornou-se município em 1944; O distrito de Rebouças, rebatizado como Sumaré em 1944, tornou-se independente em 1953; Já o distrito de José Paulino passou a se chamar Paulínia em 1964, quando se separou de Campinas, através da Lei Estadual n° 8092, de 28 de fevereiro daquele ano.[17][27]

Atualmente o município é constituído por sete distritos (em ordem de criação): Campinas (distrito-sede), Sousas, Barão Geraldo, Joaquim Egídio, Nova Aparecida,[17] Campo Grande e Ouro Verde. O distrito de Sousas foi criado pela Lei estadual nº 416 de 24 de julho de 1896; Barão Geraldo foi criado pela Lei estadual nº 2456 de 30 de dezembro de 1953; Joaquim Egídio foi criado pela Lei estadual nº 5285 de 18 de fevereiro de 1959; Nova Aparecida foi criado pela Lei estadual nº 8092 de 28 de fevereiro de 1964.[17] Campo Grande e Ouro Verde foram criados pelas Leis municipais 15.058 e 15.059, respectivamente.[34] Adicionalmente, o distrito-sede esteve no passado dividido em três subdistritos: Conceição, Santa Cruz e Vila Industrial, respectivamente 1º, 2º e 3º subdistritos.[35]

Período contemporâneo[editar | editar código-fonte]

Vista do centro da cidade de Campinas em 2017.

A partir de 1998, a cidade vem assistindo a uma mudança acentuada na sua base econômica: perde importância o setor industrial (com a migração de fábricas para cidades vizinhas ou outras regiões do país), e ganha destaque o setor de serviços (comércio, pesquisa, serviços de alta tecnologia e empresas na área de logística).[12]

Desde a década de 2000, graças a investimentos públicos e privados, a cidade vem alcançando seu equilíbrio econômico e social, tornando-se um município cada vez mais competitivo perante a Região Metropolitana de Campinas. Leis de incentivos para empresas que se instalarem na cidade foram criadas e a obra de ampliação da Rodovia dos Bandeirantes, cujo trajeto passa pelo município, trouxe novas possibilidades de desenvolvimento.[12]

Campinas é hoje a principal força econômica da Região Metropolitana de Campinas, apresentando uma boa qualidade de vida, como é possível comprovar através de seu Índice de Desenvolvimento Humano (IDH), além disso os índices de desemprego e violência, apesar de não estarem nos mesmos índices de outrora, ainda continuam baixos se comparado a cidades vizinhas. Também se destacam um moderno parque industrial e tecnológico — fruto de um plano de instalação de "tecnopolos",[36] e renomadas instituições de ensino superior, como a Universidade Estadual de Campinas e a Pontifícia Universidade Católica de Campinas. Também é em Campinas que se localiza o Laboratório Nacional de Luz Síncrotron e o Centro de Pesquisa e Desenvolvimento em Telecomunicações (CPqD).[12]

Referências

  1. Cheliz, Pedro; Moreno de Sousa, João Carlos; Mingatos, Gabriela; Okumura, Mercedes; Araújo, Astolfo (2020). «A ocupação humana antiga (11-7 mil anos atrás) do Planalto Meridional Brasileiro: caracterização Geomorfológica, geológica, paleoambiental e tecnológica de sítios arqueológicos relacionados a três indústrias líticas». Universidade Federal de Pernambuco. Revista Brasileira de Geografia Física. 13 (6): 2553-2585. Consultado em 30 de dezembro de 2020 
  2. Santos, Fábio (2013). «Abordagem Teórica sobre o Estudo de Sítios Líticos no Interior do Estado de São Paulo, Brasil». Revista Téchne (1): 39-49. Consultado em 30 de dezembro de 2020 
  3. «Cadastro Nacional de Sítios Arqueológicos - Sítio Arqueológico Morro Azul». Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional. 2001. Consultado em 30 de dezembro de 2020 
  4. Noelli, Francisco. «A ocupação humana na Região Sul do Brasil: arqueologia, debates e perspectivas, 1872-2000». Universidade de São Paulo. Revista USP, Dossiê Antes de Cabral: Arqueologia Brasileira. II (44): 218-269. Consultado em 30 de dezembro de 2020 
  5. Morais, José Luiz. «Arqueologia da região Sudeste». Universidade de São Paulo. Revista USP: Dossiê Antes de Cabral: Arqueologia Brasileira. I (44): 194-217. Consultado em 30 de dezembro de 2020 
  6. Pardi, Maria Lúcia; Rangel, Zilda; Coradel, Ademir (1999). «Levantamento do Patrimônio Arqueológico da Região de Monte Mor-SP» (PDF). Superintendência do IPHAN em São Paulo/ Museu Municipal de Monte Mor. Consultado em 30 de dezembro de 2020 
  7. «Cadastro Nacional de Sítios Arqueológicos - Sítio Arqueológico Buruzinho». Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional. 2005. Consultado em 30 de dezembro de 2020 
  8. «Cadastro Nacional de Sítios Arqueológicos - Sítio 14 São Gabriel». Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional. 2004. Consultado em 30 de dezembro de 2020 
  9. Monteiro, John (2001). Tupis, Tapuias e os historiadores: Estudos de História Indígena e do Indigenismo (PDF). Campinas: Universidade Estadual de Campinas 
  10. História. Disponível em http://www.urbal.piracicaba.sp.gov.br/caracteriza%E7%E3o/caracteriza%E7%E3o,%20historia%20e%20histsan/campinasdireito/historiaecultcampinas.htm. Acesso em 19 de setembro de 2012.
  11. A origem de Campinas. Disponível em http://www.comciencia.br/reportagens/goiases/goiases6.htm. Acesso em 19 de setembro de 2012.
  12. a b c d e f g h i Prefeitura. «Campinas». Consultado em 7 de junho de 2011 
  13. Bacellar, Carlos (1997). Os Senhores da Terra: família e sistema sucessório entre os senhores de engenho do Oeste Paulista 1765 - 1855. Campinas: CMU/UNICAMP. ISBN 8585562102 
  14. a b Santos, Antônio (2002). Campinas, das origens ao futuro: compra e venda de terra e água e um tombamento na primeira sesmaria da Freguesia de Nossa Senhora da Conceição das Campinas do Mato Grosso de Jundiaí (1732-1992). Campinas: UNICAMP. p. 28. ISBN 8526804863 
  15. Pupo, Celso Maria (1983). Campinas, Município no Império: fundação e constituição, usos familiares, a morada, sesmarias, engenhos e fazendas. São Paulo: Imprensa Oficial do Estado. 
  16. a b Ferrão, André (2015). Arquitetura do Café 2a ed. Campinas: UNICAMP. ISBN 9788526812895 
  17. a b c d e f g h Cidades@ - IBGE. «Histórico». Consultado em 9 de junho de 2011 
  18. «Tribunal de Justiça de São Paulo, Comarca de Campinas (1793-1840)». Centro de Memória da Unicamp - Universidade Estadual e Campinas. Consultado em 3 de julho de 2015 
  19. «Pousada de tropeiro deu origem à vila de São Carlos». Folha de S.Paulo (edição Folha Campinas). 14 de julho de 2000. Consultado em 3 de julho de 2015 
  20. Saint-Hilaire, Auguste de (1922). São Paulo nos Tempos Coloniaes. São Paulo: Monteiro Lobato & Cia. Editores. p. 161 
  21. a b Silva, Áurea (2006). «Engenhos e fazendas de café em Campinas (séc. XVIII - séc. XX)». Universidade de São Paulo. Anais do Museu Paulista: História e Cultura Material. 14 (1): 81-119. Consultado em 30 de dezembro de 2020 
  22. a b Zaluar, Augusto Emílio (1953). Peregrinação pela Província de S. Paulo (1860-1861). São Paulo: Livraria Martins 
  23. a b Faleiros, Rogério (2007). Fronteiras do Café: fazendeiros e "colonos" no interior paulista (1917-1937). Campinas: Unicamp 
  24. a b Martins, Ana Luiza (2008). História do Café. São Paulo: Editora Contexto. ISBN 9788572445276 
  25. Martins, Valter (1996). Nem Senhores, Nem Escravos: os pequenos agricultores de Campinas 1800 – 1850. Campinas: Centro de Memória/UNICAMP. ISBN 978-8585783082 
  26. Camillo, Ema Elisabete (1998). Guia Histórico da Indústria Nascente em Campinas (1850-1887). Campinas: Mercado de Letras/UNICAMP. ISBN 8585725303 
  27. a b c d e f g h Badaró, Ricardo (1996). Campinas: o despontar da modernidade. Campinas: CEAP/PUCCAMP. ISBN 9788585783068 
  28. a b Lapa, José Roberto (2008). A Cidade: os cantos e os antros, Campinas 1850 – 1900. São Paulo: EDUSP. ISBN 9788531411175 
  29. Miranda, Zoraide (2002). A Incorporação de Áreas Rurais às Cidades: um estudo de caso sobre Campinas, SP. Campinas: UNICAMP 
  30. a b c d Pinto, Luzia Alice (2006). Campinas e seus Rurais. Campinas: UNICAMP 
  31. Grande Enciclopédia Larousse (2008). «Breve História do Café». Planeta Orgânico. Consultado em 3 de julho de 2011 
  32. Silva, Paula Francisca (2008). A expansão urbana de Campinas através de condomínios e loteamentos fechados (1974 - 2005). São Paulo: Universidade de São Paulo 
  33. Smith, Warney (2002). «Barão Geraldo: História e Identidade Local». Departamento de História - UEPG. Revista de História Regional. 7 (2): 207-230. Consultado em 30 de dezembro de 2020 
  34. «Diário Oficial de Campinas» (PDF). Prefeitura Municipal de Campinas. 11 de setembro de 2015. Consultado em 13 de julho de 2018 
  35. Secretaria de Desenvolvimento e Planejamento Urbano. «Subsídios para a revisão do Plano Diretor» (PDF). Prefeitura Municipal de Campinas. Consultado em 13 de julho de 2018 
  36. Inovação Tecnológica (21 de março de 2011). «Campinas terá seu terceiro parque tecnológico». Consultado em 9 de junho de 2011