História de Cuba

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
A fortaleza de Castillo del Morro em Havana, construída em 1589.

A ilha de Cuba era habitada por várias culturas ameríndias antes da chegada do explorador Cristóvão Colombo em 1492.[1] Após a sua chegada, a Espanha conquistou Cuba e nomeou governadores espanhóis para governar em Havana. Os administradores em Cuba estavam sujeitos ao vice-rei da Nova Espanha e às autoridades locais de Hispaniola. Em 1762-63, Havana foi brevemente ocupada pela Grã-Bretanha, antes de ser devolvida à Espanha em troca da Flórida. Uma série de rebeliões entre 1868 e 1898, lideradas pelo General Máximo Gómez, não conseguiu acabar com o domínio espanhol e ceifou a vida de 49 mil guerrilheiros cubanos e 126 mil soldados espanhóis.[2] A Guerra Hispano-Americana resultou na retirada espanhola da ilha em 1898 e, após três anos e meio de regime militar subsequente dos Estados Unidos, Cuba conquistou a independência formal em 1902.[3][4]

Nos anos que se seguiram à sua independência, a república cubana assistiu a um desenvolvimento económico significativo, mas também à corrupção política e a uma sucessão de líderes despóticos, culminando com a derrubada do ditador Fulgêncio Batista pelo Movimento 26 de Julho, liderado por Fidel Castro, durante a Revolução Cubana de 1953–1959.[5] O novo governo alinhou-se com a União Soviética e abraçou o comunismo. Cuba foi oficialmente ateia de 1962 a 1992.[6] No início da década de 1960, o regime castrista resistiu à invasão, enfrentou a ameaça do Armagedom nuclear, e viveu uma guerra civil que incluiu o apoio dominicano aos opositores do regime.[7] Após a invasão da Tchecoslováquia pelo Pacto de Varsóvia (1968), Fidel Castro declarou publicamente o apoio de Cuba. O seu discurso marcou o início da completa absorção de Cuba no Bloco de Leste.[8] Durante a Guerra Fria, Cuba também apoiou a política soviética no Afeganistão, Polónia, Angola, Etiópia, Nicarágua e El Salvador. A economia cubana foi apoiada principalmente por subsídios soviéticos.

Com a dissolução da URSS em 1991, Cuba mergulhou numa grave crise económica conhecida como Período Especial, que terminou em 2000, quando a Venezuela começou a fornecer petróleo subsidiado a Cuba.[9][10] O país tem estado política e economicamente isolado pelos Estados Unidos desde a Revolução, mas gradualmente ganhou acesso ao comércio estrangeiro e às viagens internacionais à medida que os esforços para normalizar as relações diplomáticas progrediram.[11][12] As reformas económicas internas também estão a começar a resolver os problemas económicos existentes que surgiram no rescaldo do período especial (ou seja, a introdução do sistema de moeda dupla).[13]

Período Pré-Colombiano[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Era pré-colombiana
Mulheres taínas preparando tapioca em gravura de 1565.

Os primeiros habitantes humanos conhecidos de Cuba habitaram a ilha no 4º milênio aC.[14] O sítio arqueológico cubano mais antigo conhecido, Levisa, data de aproximadamente 3.100 aC.[15] Uma distribuição mais ampla de locais data de depois de 2.000 aC, mais notavelmente representada pelas culturas Cayo Redondo e Guayabo Blanco do oeste de Cuba. Essas culturas neolíticas usavam ferramentas e ornamentos de pedra e conchas, incluindo os gladiolitos em forma de adaga.[16] As culturas Cayo Redondo e Guayabo Blanco viviam um estilo de vida de subsistência baseado na pesca, caça e coleta de plantas silvestres.[16]

Os indígenas guanahatabey, que habitaram Cuba durante séculos, foram levados para o extremo oeste da ilha pela chegada de ondas subsequentes de migrantes, incluindo os taínos e os ciboneis. Essas pessoas migraram para o norte ao longo da cadeia de ilhas do Caribe. Os taínos e ciboneys faziam parte de um grupo cultural comumente chamado de aruaques, que habitava partes do nordeste da América do Sul antes da chegada dos europeus. Inicialmente, estabeleceram-se no extremo leste de Cuba, antes de se expandirem para oeste através da ilha. Inicialmente, estabeleceram-se no extremo leste de Cuba, antes de se expandirem para oeste através da ilha. O clérigo e escritor dominicano espanhol Bartolomé de las Casas estimou que a população taíno de Cuba atingiu 350.000 no final do século XV. Os taínos cultivavam a raiz da mandioca, colhiam e assavam para produzir tapioca. Eles também cultivavam algodão e tabaco e comiam milho e batata-doce.[17]

Migrações pré-colombianas[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Migração humana

A presença humana em Cuba remonta a cerca de 8.000 a 10.000 anos atrás, muitos milhares de anos mais tarde do que em outras partes da América, e os primeiros colonos chegaram do continente à ilha após arriscadas viagens marítimas.[1] A ilha conta com 3.200 sítios arqueológicos indígenas e antropólogos da Universidade de Havana estimaram inicialmente que os indígenas mais antigos de Cuba e das Grandes Antilhas viveram há cerca de 7.000 anos na região de Canímar Abajo, muito perto do famoso balneário de Varadero, 140km a leste de Havana.[1] Este sítio arqueológico, com mais de 100 vestígios indígenas, foi descoberto por acaso dentro de um acampamento em 1984, quando alguns funcionários fizeram uma escavação para enterrar lixo.[1] Segundo indicam os registros arqueológicos, Cuba teria sido povoada mediante diversas migrações procedentes tanto da América do Norte como da América do Sul, distinguindo-se os seguintes movimentos populacionais:

A conquista espanhola[editar | editar código-fonte]

Uma pintura em aquarela da Baía de Havana, c. 1639.

Cristóvão Colombo, em sua primeira viagem à América patrocinada pela Espanha em 1492, navegou para o sul do que hoje são as Bahamas para explorar a costa nordeste de Cuba e a costa norte de Hispaniola. Colombo, que procurava uma rota para as Índias, acreditava que a ilha era uma península do continente asiático.[18][19] Colombo chegou a Cuba em 27 de outubro de 1492 e desembarcou em 28 de outubro de 1492, em Puerto de Nipe.[20][21]

Durante uma segunda viagem em 1494, Colombo passou ao longo da costa sul, desembarcando em várias enseadas, incluindo o que viria a ser a Baía de Guantánamo. Com a Bula Papal de 1493, o Papa Alexandre VI ordenou à Espanha que conquistasse e convertesse os pagãos do Novo Mundo ao Catolicismo.[22] Os espanhóis começaram a criar assentamentos permanentes na ilha de Hispaniola, a leste de Cuba, logo após a chegada de Colombo ao Caribe, mas a costa de Cuba só foi totalmente mapeada pelos europeus em 1508, por Sebastián de Ocampo.[23] Em 1511, Diego Velázquez de Cuéllar partiu de Hispaniola para formar o primeiro assentamento espanhol em Cuba, com ordens da Espanha para conquistar a ilha. O assentamento foi em Baracoa, mas os novos colonos foram recebidos com forte resistência da população taíno local. Os taínos foram inicialmente organizados pelo cacique Hatuey, que se mudou de Hispaniola para escapar do domínio espanhol. Após uma prolongada campanha de guerrilha, Hatuey e sucessivos chefes foram capturados e queimados vivos e, em três anos, os espanhóis ganharam o controle da ilha. Em 1514, um assentamento na costa sul foi fundado no que viria a ser Havana. A cidade atual foi fundada em 1519.

Um monumento ao cacique taíno Hatuey em Baracoa, Cuba.

O clérigo Bartolomé de las Casas observou uma série de massacres iniciados pelos invasores, nomeadamente o massacre perto de Camagüey dos habitantes de Caonao. Segundo o seu relato, cerca de três mil aldeões viajaram para Manzanillo para saudar os espanhóis com comida e foram "massacrados sem provocação". Os grupos indígenas sobreviventes fugiram para as montanhas ou para as pequenas ilhas vizinhas antes de serem capturados e forçados a entrar em reservas. Uma dessas reservas foi Guanabacoa, hoje um subúrbio de Havana.[24]

Em 1513, Fernando II de Aragão emitiu um decreto estabelecendo o sistema de assentamento de terras da encomienda que seria incorporado em toda a América espanhola. Velázquez, que se tornou governador de Cuba, recebeu a tarefa de distribuir as terras e os povos indígenas a grupos em toda a nova colônia. O esquema não foi um sucesso, no entanto, pois os nativos sucumbiram a doenças trazidas de Espanha, como o sarampo e a varíola, ou simplesmente recusaram-se a trabalhar, preferindo mudar-se para as montanhas.[20] Desesperados por mão-de-obra para os novos assentamentos agrícolas, os conquistadores procuraram escravos nas ilhas vizinhas e no entorno continental. O tenente de Velázquez, Hernán Cortés, lançou a conquista espanhola do Império Asteca a partir de Cuba, navegando de Santiago até a Península de Yucatán.[25] No entanto, estes recém-chegados também se dispersaram no sertão ou morreram de doenças.[20]

Indígenas de Cuba, um deles fumando charuto, em gravura de 1558.

Apesar das difíceis relações entre os nativos e os novos europeus, alguma cooperação ficou evidente. Os espanhóis aprenderam com os nativos como cultivar o tabaco e consumi-lo como charuto. Houve também muitas uniões entre os colonos espanhóis, em sua maioria homens, e as mulheres indígenas. Estudos modernos revelaram vestígios de DNA que conferem características físicas semelhantes às das tribos amazônicas em indivíduos em toda Cuba,[26] embora a população nativa tenha sido em grande parte destruída como cultura e civilização depois de 1550. De acordo com as Leis Novas espanholas de 1552, os indígenas cubanos foram libertados da encomienda e foram criadas sete cidades para os povos indígenas. Existem famílias descendentes de indígenas cubanos (taíno) em vários lugares, principalmente no leste de Cuba. A população indígena local também deixou sua marca na língua, com cerca de 400 termos e topônimos taíno sobrevivendo até os dias atuais. Por exemplo, Cuba e Havana foram derivadas do Taíno Clássico, e palavras indígenas como tabaco, furacão e canoa foram transferidas para o inglês.[24]

Período colonial[editar | editar código-fonte]

Mapa das Índias Ocidentais, México (Nova Espanha) com Cuba no centro, de Herman Moll, 1736.

Os espanhóis estabeleceram o açúcar e o tabaco como produtos primários de Cuba, e a ilha logo suplantou Hispaniola como a principal base espanhola no Caribe.[27] Escravos africanos foram importados para trabalhar nas plantações como mão-de-obra campestre. No entanto, as leis comerciais espanholas restritivas tornaram difícil para os cubanos acompanhar os avanços dos séculos XVII e XVIII no processamento da cana-de-açúcar, até que a Revolução Haitiana viu os plantadores franceses fugirem para Cuba.[28] A Espanha também restringiu o acesso de Cuba ao comércio de escravos, em vez disso emitindo avisos (asientos de negros) aos comerciantes estrangeiros para conduzi-lo em nome da Espanha, e ordenou regulamentações sobre o comércio com Cuba. A estagnação resultante do crescimento económico foi particularmente pronunciada em Cuba devido à sua grande importância estratégica nas Caraíbas e, como resultado, ao domínio que a Espanha manteve sobre ela.

Pirataria[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Pirataria nas Caraíbas
Mapa manuscrito do século XVIII mostrando a planta do Castillo del Morro, localizado na entrada da Baía de Havana.

A Cuba colonial era alvo frequente de bucaneiros, piratas e corsários franceses. Em resposta aos repetidos ataques, as defesas foram reforçadas em toda a ilha durante o século XVI. Em Havana, a fortaleza de Castillo de los Tres Reyes Magos del Morro foi construída para dissuadir potenciais invasores.[29] A incapacidade de Havana de resistir aos invasores foi dramaticamente exposta em 1628, quando uma frota holandesa liderada por Piet Heyn saqueou os navios espanhóis no porto da cidade.[30] Em 1662, o pirata inglês Christopher Myngs capturou e ocupou brevemente Santiago de Cuba, na parte oriental da ilha.[30]

Trocas de soberania[editar | editar código-fonte]

A frota britânica entrando em Havana, 21 de agosto de 1762, pintura de 1775 de Dominic Serres.

Quase um século depois, a Marinha Real Britânica lançou outra invasão, capturando a Baía de Guantánamo em 1741 durante a Guerra da Orelha de Jenkins. O Almirante Edward Vernon viu as suas 4.000 tropas de ocupação capitularem aos ataques das tropas espanholas e, mais criticamente, a uma epidemia, forçando-o a retirar a sua frota para a Jamaica britânica.[31] Na Guerra da Sucessão Austríaca, os britânicos realizaram ataques mal-sucedidos contra Santiago de Cuba em 1741 e novamente em 1748. Além disso, ocorreu uma escaramuça entre esquadras navais britânicas e espanholas perto de Havana em 1748.[31]

Pela Espanha e pelo Rei, Gálvez na América, pintura de 2015 de Augusto Ferrer-Dalmau. O General Bernardo de Gálvez é retratado durante a Batalla de Pensacola.

A Guerra dos Sete Anos, que eclodiu em 1754 em três continentes, finalmente chegou ao Caribe espanhol. Em 1762, uma expedição britânica de cinco navios de guerra e 4.000 soldados partiu de Portsmouth para capturar Cuba. Os britânicos chegaram em 6 de junho e em agosto tinham Havana sitiada. Quando Havana se rendeu, o almirante da frota britânica, George Keppel, entrou na cidade como novo governador colonial e assumiu o controlo de toda a parte ocidental da ilha. A chegada dos britânicos abriu imediatamente o comércio com as suas colónias norte-americanas e caribenhas, causando uma rápida transformação da sociedade cubana.

Embora Havana, que se tinha tornado a terceira maior cidade das Américas, entrasse numa era de desenvolvimento sustentado e de estreitamento de laços com a América do Norte durante este período, a ocupação britânica teve vida curta. A pressão dos comerciantes de açúcar de Londres, temendo uma queda nos preços do açúcar, forçou negociações com os espanhóis sobre os territórios coloniais. Menos de um ano após a tomada de Havana, a Paz de Paris foi assinada pelas três potências em conflito, encerrando a Guerra dos Sete Anos. O tratado deu à Grã-Bretanha a Flórida em troca de Cuba. Em 1781, o General Bernardo de Gálvez, governador espanhol da Louisiana, reconquistou a Flórida para a Espanha com tropas mexicanas, porto-riquenhas, dominicanas e cubanas no âmbito da Guerra de Independência dos Estados Unidos.[32]

Reformismo, anexação e independência[editar | editar código-fonte]

No início do século XIX, três grandes correntes políticas tomaram forma em Cuba: o reformismo, a anexação e a independência. Ações espontâneas e isoladas acrescentaram uma corrente de abolicionismo. A Declaração de Independência das Treze Colónias de 1776 e os sucessos da Revolução Francesa de 1789 influenciaram os primeiros movimentos de libertação cubana, tal como a Revolução Haitiana, a revolta bem sucedida dos escravos negros no Haiti em 1791. Um dos primeiros movimentos desse tipo em Cuba, liderado pelo negro livre Nicolás Morales, visava obter a igualdade entre "mulatos e brancos" e a abolição dos impostos sobre vendas e outros encargos fiscais. A trama de Morales foi descoberta em 1795 em Bayamo, e os conspiradores foram presos.

Prosperidade econômica[editar | editar código-fonte]

No século XIX, Cuba tornou-se o mais importante produtor mundial de açúcar, graças à expansão da escravatura e ao foco incansável na melhoria da tecnologia do açúcar. O uso de técnicas modernas de refino foi especialmente importante porque a Lei Britânica do Comércio de Escravos de 1807 aboliu o comércio de escravos no Império Britânico. Em seguida, o governo britânico começou a tentar eliminar o comércio transatlântico de escravos. Sob pressão diplomática britânica, em 1817 a Espanha concordou em abolir o comércio transatlântico de escravos a partir de 1820 em troca de um pagamento de Londres. Os cubanos apressaram-se a importar mais escravos no tempo que lhes restava legalmente. Mais de 100 mil novos escravos foram importados da África entre 1816 e 1820.[33] Apesar das novas restrições, um comércio ilegal de escravos em grande escala continuou a florescer nos anos seguintes.[33] Muitos cubanos estavam divididos entre o desejo pelos lucros gerados pelo açúcar e a repugnância pela escravatura. Em 1820, a Espanha aboliu o comércio de escravos, prejudicando ainda mais a economia cubana e forçando os proprietários a comprar escravos mais caros, ilegais e "problemáticos"; como demonstrado pela rebelião de escravos no navio espanhol La Amistad em 1839 e subsequente julgamento em 1841.[34] Cuba deixou de participar oficialmente no comércio de escravos em 1867, mas a instituição da escravatura só foi abolida na ilha em 1886.[35]

Quando a Espanha abriu os portos comerciais cubanos, a ilha rapidamente se tornou um local popular. Os cubanos começaram a usar moinhos de água, fornos fechados e motores a vapor para produzir açúcar de maior qualidade a um ritmo muito mais eficiente. O boom da indústria açucareira de Cuba no século XIX tornou necessário que o país melhorasse a sua infra-estrutura de transportes. Muitas estradas novas foram construídas e estradas antigas foram rapidamente reparadas. As ferrovias foram construídas relativamente cedo, facilitando a coleta e o transporte de cana-de-açúcar perecível. Em 1860, Cuba dedicava-se ao cultivo de açúcar, tendo de importar todos os outros bens necessários. Cuba era particularmente dependente dos Estados Unidos, que comprava 82% do seu açúcar.

Primeiros movimentos de emancipação[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Guerra de Independência Cubana

O primeiro movimento de independência de Cuba, a chamada Grande Guerra registrou-se entre 1868 e 1878, conduzido pelo criollo Carlos Manuel Céspedes, um latifundiário educado na Europa que defendia os princípios liberais do Iluminismo.

Em 10 de outubro de 1868, a partir de seu engenho de açúcar, à frente de duzentos homens, Céspedes levantou-se contra o governo espanhol, proclamando a independência de Cuba. Entre as primeiras providências de seu governo, proclamou a liberdade de todos os escravos que se unissem ao exército revolucionário. Essa medida teve como resultado imediato o aumento do seu efetivo para doze mil homens e a oposição dos demais latifundiários, que se viram privados da mão-de-obra escrava. Enquanto isso, a Espanha ampliou o seu contingente militar na ilha, e Céspedes acabou deposto em 1873. A resistência, entretanto, prolongou-se até 1878, quando as tropas espanholas retomaram o controle da ilha.

Nesse meio tempo, surgiu um novo líder revolucionário: José Martí. Detido aos 16 anos de idade por ter fundado um jornal revolucionário (La Patria Libre), foi condenado a trabalhos forçados e posteriormente deportado para a Espanha. Uma vez libertado, viveu no México, na Venezuela e nos Estados Unidos, onde passou a articular uma nova revolução para a independência de Cuba. Em 1892 fundou o Partido Revolucionário Cubano, visando angariar recursos para o seu projeto. Em 1895, desembarcou em Cuba e deu início a uma nova guerra de independência, na qual pereceu um mês após iniciado o conflito. Entretanto, mesmo após a sua morte, os combates prosseguiram até 1898, quando, com a entrada dos Estados Unidos no conflito, a luta pela independência foi abortada, e Cuba passou a ser colônia dos Estados Unidos.

A explosão do USS Maine: a guerra hispano-americana[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Guerra hispano-americana

Em 1898, o USS Maine, um navio de guerra norte-americano ancorado em Havana, repentinamente explodiu. Sem que se soubesse de imediato qual foi a causa, a imprensa e o governo dos Estados Unidos culparam a Espanha.

Sob o pretexto da explosão do navio, os Estados Unidos declaram guerra à Espanha. O presidente William McKinley assinou a Resolução Conjunta em 20 de abril de 1898, que declarava:

… que o povo de Cuba é e por direito deve ser livre e independente, … que os Estados Unidos por intermédio da presente declaram não ter vontade nem intenção de exercer soberania, jurisdição ou domínio sobre esta Ilha, exceto para sua pacificação, e assevera sua determinação, quando a mesma seja atingida, de entregar o governo e o domínio da Ilha a seu povo.

A Resolução Conjunta autorizou o presidente a usar a força para eliminar o governo espanhol em Cuba. Assim, os Estados Unidos declararam guerra contra a Espanha, passando a atacar territórios espanhóis quer no Caribe quer no Pacífico, invadindo-os.

Fim do domínio espanhol[editar | editar código-fonte]

Derrotados, os espanhóis retiraram-se, e Cuba assinou com os Estados Unidos o Tratado de Paris (1898), que pôs fim à dominação espanhola na ilha, a qual se tornou um protetorado americano. Foi então nomeado, pelos Estados Unidos, um Governador-Geral - general norte-americano John Brooke, cujo governo começou a implementar medidas econômicas que beneficiavam apenas os Estados Unidos. Determinou-se, por exemplo, que todos os produtos cubanos seriam exportados, a preços baixíssimos, apenas para os Estados Unidos, que os revendiam por preços bem mais elevados.

Ocupação estado-unidense e a Emenda Platt[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Emenda Platt

Cuba permaneceu ocupada pelos Estados Unidos até 1902, sendo liberada depois da aprovação de uma emenda à Constituição cubana que dava o direito aos Estados Unidos de invadir Cuba a qualquer momento em que os interesses econômicos dos Estados Unidos fossem ameaçados. A chamada Emenda Platt permaneceu, mantendo Cuba como um protetorado estado-unidense, até 1933.

Ao fim da Guerra Hispano-Americana, os insurgentes cubanos não foram convidados à mesa de negociação da paz com a Espanha. Assim, tiveram que aceitar imposições - como a ocupação militar de 1891, que se estenderia até 1903. Embora essa ocupação atendesse aos interesses estadunidenses, houve um legado positivo a ser recordado:

1) Eliminou a fome

2) Melhorou as condições sanitárias, reduzindo a incidência de doenças. A atuação do dr Carlos Finlay foi decisiva na erradicação da febre amarela.

3) Estabeleceu um sistema público de educação

4) Reformou a universidade

5) Estabeleceu um sistema eleitoral nacional e local

6) Convocou uma assembleia nacional, com base no sufrágio universal masculino (uma inovação, à época)

Golpe militar[editar | editar código-fonte]

Em 1924, em meio à crise econômica e a protestos estudantis, o liberal Gerardo Machado foi eleito presidente. Machado lançou um programa de diversificação da economia, que, no entanto, fracassou. Os protestos contra seu governo recrudesceram e foram reprimidos com rigor. À medida que seu governo se fechava, grupos estudantis enveredavam pelo terrorismo. Esse foi o contexto da formação do Diretório Estudantil.

Machado caiu e seu sucessor, Carlos Manuel de Céspedes y Quesada (filho de Carlos Manuel de Céspedes) não conseguiu se estabilizar. Uma revolta de suboficiais entrega o poder ao Diretório Estudantil, em 1933. O golpe militar foi liderado pelo sargento estenógrafo Fulgêncio Batista. Pela primeira vez na história cubana, um afrodescendente chegava ao poder.

O governo dos estudantes, cuja chefia de Estado coube ao médico Ramón Grau San Martín, expropriou engenhos estadunidenses, redistribuiu terras, limitou a jornada de trabalho e restringiu a imigração caribenha. Seus opositores eram vários (o governo dos Estados Unidos, os capitalistas cubanos, os comunistas, os oficiais das Forças Armadas), por razões distintas: .

Após quatro meses de governo do Dr. Grau, o sargento Fulgêncio Batista tomava o poder. Seu governo duraria de 1933 a 1944.

Eleição de 1940[editar | editar código-fonte]

Batista, que já ocupava a Presidência desde 1933, foi eleito democraticamente em 1940 por meio de sufrágio universal. Em 1944, perderia as eleições para Ramón Grau. Mas, após acusações de corrupção, que comprometeram a credibilidade do governo, Batista retornou ao poder em 1952, por meio de um golpe apoiado por diversos partidos políticos, inclusive o Partido Socialista Popular (Partido Comunista Cubano).

Após o golpe de Batista, Cuba progrediu economicamente, porém sua economia ainda era fraca e havia um forte desequilíbrio na distribuição de renda. A ilha, mesmo sendo a maior economia do Caribe, em 1958 era apenas a oitava economia (considerando o PIB) entre os 20 maiores países latino-americanos[36] e um dos mais pobres do Caribe, considerando o PIB per capita. Além disso, havia também um grande desequilíbrio entre a área rural e urbana.

A área urbana possuía forte infraestrutura, e o capital proveniente do submundo ítalo-americano financiava grande parte da economia. Em 1958, havia um total de 500 prostitutas em Havana, sendo a prostituição a atividade mais rentável da ilha[carece de fontes?][carece de fontes?].

A prostituição, a corrupção e negociatas caracterizaram a Era Batista, e, pouco a pouco, a classe média afastou-se do regime. Para acalmar o descontentamento crescente da população - a qual foi posteriormente exibido através de frequentes revoltas estudantis e manifestações- Batista, que estabeleceu a mais apertada censura dos meios de comunicação, ao mesmo tempo, utilizando o seu Bureau de Repressão de Atividades Comunistas para levar a cabo em larga escala a violência, tortura e execuções públicas; em uma última análise, matando 6.000 a 20.000 pessoas.[37]

Revolução Cubana[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Revolução cubana

Movimento estudantil[editar | editar código-fonte]

Na esteira dos protestos alimentados pelo descontentamento das classes média e baixa da população em relação ao governo Batista, os jovens começaram a se mobilizar, movidos por ideias revolucionárias. Os estudantes, liderados por José Antonio Etcheverria, criaram um Diretório Estudantil Revolucionário que patrocinou um grupo armado e atacou, em março de 1953, o palácio presidencial. Etcheverria foi morto e o diretório disperso.

Fidel Castro[editar | editar código-fonte]

Outro grupo de estudantes iniciou nova movimentação, liderado por um estudante de Direito chamado Fidel Alejandro Castro Ruz.

Numa ação de guerrilha urbana, o grupo atacou o quartel de La Moncada. Na ação, alguns dos atacantes foram mortos. Fidel Castro foi capturado, julgado e condenado a 15 anos de prisão. Libertado pouco depois, por interferência de alguns religiosos, viajou para o México. Lá conheceu um jovem médico argentino, aspirante a revolucionário - Ernesto Guevara Lynch de la Serna, conhecido como "El Che".

El Che[editar | editar código-fonte]

Che Guevara ajudou Fidel na formação de um movimento revolucionário chamado Movimento 26 de Julho, composto de jovens estudantes que iniciaram uma luta contra Batista que durou 25 meses. Em 7 de novembro de 1958, el Che começou sua marcha para Havana. No dia 1º de janeiro de 1959, Batista põe-se em fuga, acompanhado por todos os dignitários de sua ditadura.

Em 1959, Fidel Castro liderou a Revolução Cubana contra Fulgencio Batista. Castro mobilizou a juventude cubana e conseguiu eliminar o analfabetismo - que era de 40% - em apenas um ano, empregando cem mil jovens nessa empreitada. Também realizou uma reforma agrária, desapropriando propriedades dos americanos, que foram indenizados pelo valor informado na declaração do imposto de renda do exercício anterior (muito abaixo do valor real). Isso provocou grande descontentamento entre os proprietários americanos e levou o governo dos Estados Unidos a considerar o líder cubano como um inimigo a ser eliminado. Assim, tratou de desestabilizar economicamente o novo governo cubano, impondo, em 1960, o embargo econômico, comercial e financeiro a Cuba e, paralelamente, treinando ex-militares de Batista, para invadir a ilha. Isso obrigou Fidel a se aproximar da União Soviética e, dois anos, mais tarde instaurar uma ditadura de orientação marxista e partido único.[carece de fontes?]

Invasão da Baía dos Porcos[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Invasão da Baía dos Porcos

Entre 17 e 21 de abril de 1961, cerca de 1.500 exilados cubanos - na sua maioria, ex-militares recrutados, patrocinados e treinados pela CIA dos Estados Unidos - tentaram uma invasão frustrada na Baía dos Porcos. Foram rechaçados: 300 deles morreram e 1.200 foram aprisionados. Julgados pela multidão no estádio em que foram mantidos presos, quando Fidel perguntou o que fazer com eles a multidão gritou: "Paredão!" Fidel Castro, entretanto, preferiu tentar trocá-los por tratores, (à razão de um trator para cada 50 prisioneiros) e devolvê-los a Miami. Não conseguiu os tratores, mas recebeu cerca de USD $50 milhões em alimentos e medicamentos, pela libertação dos exilados.

Crise dos mísseis de Cuba[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Crise dos mísseis de Cuba

Devido à aproximação das relações do regime cubano com a URSS, que estava em plena Guerra Fria com os Estados Unidos, assistiu-se a um aumento de tensão entre os dois países, sobretudo pelo apoio militar soviético a Cuba. Em 1962, após a tentativa de invasão da baía dos Porcos, Khrushchov decidiu instalar secretamente um conjunto de mísseis soviéticos na ilha. Diante da possibilidade de Cuba possuir mísseis apontados para os Estados Unidos, o presidente americano, John Kennedy, considerou invadir a ilha ou bombardear as rampas de lançamento dos mísseis. Afinal, optou por decretar o bloqueio naval a Cuba, o que impedia os cargueiros russos de chegar à ilha. Na mesma época, Cuba foi expulsa da OEA.

Khrushchev acabou por retirar os mísseis do território cubano, em troca do compromisso dos Estados Unidos de respeitarem a soberania de Cuba e não voltarem a tentar invadir a ilha, além de desmontarem bases de mísseis na Turquia, fato que só foi divulgado recentemente nos Estados Unidos.[carece de fontes?]

Embargo econômico[editar | editar código-fonte]

Depois do fracasso da operação na Baía dos Porcos (1961), os Estados Unidos agravaram o bloqueio a Cuba, alegando desrespeito contínuo de direitos humanos pelo regime castrista, e ameaçando sanções a qualquer país que mantivesse relações econômicas com a ilha. Em resposta, a União Soviética passou a absorver todas as exportações cubanas, de modo que, a partir daí, a economia cubana passou a depender quase que inteiramente do apoio soviético. Para os americanos, a inserção de Cuba - situada a 120 km da Flórida - na órbita de influência soviética, em plena guerra fria, continuava a ser um grande problema.

Com o fim da União Soviética, a economia cubana entra em colapso. Cuba precisava reabrir-se economicamente para o mundo, porém, dada a força do bloqueio econômico estado-unidense, o país continuou isolado, enquanto sua população enfrentava graves problemas de desabastecimento, inclusive de alimentos, medicamentos e outros bens essenciais.

Fim da exclusão da OEA[editar | editar código-fonte]

Em 3 de junho de 2009, a Organização dos Estados Americanos (OEA) aprovou por consenso a anulação da resolução de 1962, que expulsava a ilha da organização.[38][39] Na época, a expulsão ocorreu sob pressão dos Estados Unidos, no contexto da Guerra Fria, quando a ilha se aproximava do bloco socialista soviético. Contudo todos os governos do continente restabeleceram contato com a ilha, com exceção dos Estados Unidos.

Um grupo de trabalho instituído para debater o assunto apresentou a proposta à chanceler hondurenha, Patrícia Rodas, que presidia a Assembleia Geral. A proposta então foi aceita por aclamação. A decisão histórica permite que Cuba seja reincorporada caso manifeste vontade, embora o governo cubano já tenha declarado em várias ocasiões não ter interesse em retornar.[39] No mesmo dia 3 de junho, o ex-presidente Fidel Castro, em artigo publicado no Granma, acusava a OEA de ter aberto as portas "ao cavalo de Tróia [os Estados Unidos] que apoiou as reuniões de cúpula das Américas, o neoliberalismo, o narcotráfico, as bases militares e as crises econômicas."[40] Nos últimos anos, governos de esquerda do sub-continente também têm defendido a formação de um grupo regional alternativo à OEA, sem a presença dos Estados Unidos.[39]

Horas antes da resolução da assembleia da OEA, sete deputados americanos, a maioria deles republicanos partidários, haviam apresentado um projeto de lei que suspende o apoio financeiro dos Estados Unidos à organização, caso Cuba seja readmitida como país-membro do grupo.[41]

Referências

  1. a b c d Equipe do site (10 de agosto de 2013). «Presencia humana en Cuba data de hace 8,000 a 10,000 años, según arqueólogos»Subscrição paga é requerida. El Nuevo Herald (em espanhol). Consultado em 18 de fevereiro de 2024 
  2. «Victimario Histórico Militar». De re Militari (em espanhol). Consultado em 18 de fevereiro de 2024 
  3. Lane, Jack C. (1972). «Instrument for Empire: The American Military Government in Cuba, 1899-1902». Science & Society (em inglês). 36 (3): 314–330. ISSN 0036-8237. Consultado em 18 de fevereiro de 2024 
  4. Wood, Leonard (março de 1903). «The Military Government of Cuba». The ANNALS of the American Academy of Political and Social Science (em inglês). 21 (2): 1–30. ISSN 0002-7162. JSTOR 1009912. doi:10.1177/000271620302100201. Consultado em 18 de fevereiro de 2024 
  5. Rumbaut, Luis E.; Rumbaut, Rubén G. (janeiro de 2009). «Survivor: Cuba: The Cuban Revolution at 50». Latin American Perspectives (em inglês). 36 (1): 84–98. ISSN 0094-582X. JSTOR 27648162. doi:10.1177/0094582X08329137. Consultado em 18 de fevereiro de 2024 
  6. Bureau of Public Affairs. «Cuba (09/01)». US Department Of State (em inglês). Consultado em 18 de fevereiro de 2024 
  7. Clodfelter, Micheal (2017). Warfare and Armed Conflicts: A Statistical Encyclopedia of Casualty and Other Figures, 1492-2015 (em inglês) 4ª ed. Jefferson, Carolina do Norte: McFarland. p. 637. ISBN 978-1476625850. OCLC 965194724 
  8. George, Edward (2005). The Cuban Intervention in Angola, 1965-1991: From Che Guevara to Cuito Cuanavale (em inglês). Londres: Frank Cass. p. 42. ISBN 978-1134269327. OCLC 55700846. Resumo divulgativo 
  9. Oppmann, Patrick (3 de fevereiro de 2019). «The history that chains Cuba to Venezuela's crisis». CNN (em inglês). Consultado em 18 de fevereiro de 2024 
  10. Equipe do site (13 de outubro de 2017). «As Venezuela Falters, Cuba Works to Avoid Another 'Special Period'». Stratfor (em inglês). Consultado em 18 de fevereiro de 2024 
  11. «Cuba receives first US shipment in 50 years». Al Jazeera (em inglês). Consultado em 18 de fevereiro de 2024. Cópia arquivada em 16 de julho de 2012 
  12. «US welcomes Cuba decision to end foreign travel permits». BBC News (em inglês). 16 de outubro de 2012. Consultado em 18 de fevereiro de 2024. Cópia arquivada em 18 de outubro de 2012 
  13. Associated Press (18 de abril de 2019). «Shortages Hit Cuba, Raising Fears of New Economic Crisis». Voice of America (em inglês). Consultado em 18 de fevereiro de 2024 
  14. Allaire, Louis (1996). The Cambridge History of the Native Peoples of the Americas. Col: South America, Volume 1 (em inglês). Cambridge: Cambridge University Press. p. 678. ISBN 0-521-63075-4. OCLC 313493845 
  15. Allaire, Louis (1996). The Cambridge History of the Native Peoples of the Americas. Col: South America, Volume 1 (em inglês). Cambridge: Cambridge University Press. p. 686. ISBN 0-521-63075-4. OCLC 313493845 
  16. a b Allaire, Louis (1996). The Cambridge History of the Native Peoples of the Americas. Col: South America, Volume 1 (em inglês). Cambridge: Cambridge University Press. p. 688. ISBN 0-521-63075-4. OCLC 313493845 
  17. Casas, Bartolomé de las; Saint-Lu, André (1986). Historia de las Indias (em espanhol). Caracas: Fundacion Biblioteca Ayacucho. p. 81–101. ISBN 978-9802760206. OCLC 17201144 
  18. Phillips, William D.; Phillips, Carla Rahn (1992). The Worlds of Christopher Columbus (em inglês). Cambridge: Cambridge University Press. p. 205. ISBN 978-0521446525. OCLC 23765696 
  19. Suarez, Thomas (1999). Early Mapping of Southeast Asia: The Epic Story of Seafarers, Adventurers, and Cartographers Who First Mapped the Regions Between China and India (em inglês). Cingapura: Periplus Editions (HK) Limited. p. 109. ISBN 978-9625934709. OCLC 43972434 
  20. a b c Gott, Richard (2005). «Chapter 5». Cuba: A New History (em inglês). New Haven, Connecticut: Yale University Press. ISBN 978-0300111149. OCLC 61440621 
  21. Hale, Edward Everett (1891). The Life of Christopher Columbus: From His Own Letters and Journals and Other Documents of His Time (em inglês). Boston: G. L. Howe & Company. p. 8. ISBN 978-0-7950-1143-6 
  22. Bakewell, Peter (2003). A History of Latin America: c.1450 to the Present (em inglês) 2ª ed. Malden, Massachusetts: Wiley–Blackwell. p. 129–130. ISBN 978-0631231608. OCLC 1158810442 
  23. «Historia de la Construcción Naval en Cuba». IPEN (em espanhol). Consultado em 19 de fevereiro de 2024. Arquivado do original em 8 de maio de 2007 
  24. a b Thomas, Hugh (1998). Cuba: Or The Pursuit Of Freedom (em inglês) 2ª ed. Nova York: Da Capo Press. p. 14. ISBN 978-0306808272. OCLC 38157333 
  25. Naimark, Norman M. (2017). Genocide: A World History (em inglês). Nova York: Oxford University Press. p. 21. ISBN 978-0199765263. OCLC 960210099 
  26. DePalma, Anthony (5 de julho de 1998). «Cuban Site Casts Light on an Extinct People». The New York Times (em inglês). Consultado em 19 de fevereiro de 2024. Cópia arquivada em 5 de setembro de 2006 
  27. Bakewell, Peter (2003). A History of Latin America: c.1450 to the Present (em inglês) 2ª ed. Malden, Massachusetts: Wiley–Blackwell. p. 74. ISBN 978-0631231608. OCLC 1158810442 
  28. Thomas, Hugh (2010). Cuba: A History (em inglês). Londres: Penguin Books. p. 89. ISBN 978-0141034508. OCLC 693943586 
  29. Gott, Richard (2005). Cuba: A New History (em inglês). New Haven, Connecticut: Yale University Press. p. 32. ISBN 978-0300111149. OCLC 61440621 
  30. a b Gott, Richard (2005). Cuba: A New History (em inglês). New Haven, Connecticut: Yale University Press. p. 34–35. ISBN 978-0300111149. OCLC 61440621 
  31. a b Gott, Richard (2005). Cuba: A New History (em inglês). New Haven, Connecticut: Yale University Press. p. 39–41. ISBN 978-0300111149. OCLC 61440621 
  32. Ferreiro, Larrie D. (2016). Brothers at Arms: American Independence and the Men of France and Spain Who Saved It (em inglês). Nova York: Knopf Doubleday Publishing Group. p. 133. ISBN 978-1101875254. OCLC 954203905 
  33. a b Thomas, Hugh (2010). Cuba: A History (em inglês). Londres: Penguin Books. p. 91. ISBN 978-0141034508. OCLC 693943586 
  34. Cornish, Dudley T. (março de 1988). «Mutiny on the Amistad: The Saga of a Slave Revolt and Its Impact on American Abolition, Law, and Diplomacy (review)». Civil War History (em inglês). 34 (1): 79–80. ISSN 1533-6271. doi:10.1353/cwh.1988.0011. Consultado em 19 de fevereiro de 2024 
  35. Scott, Rebecca J. (1983). «Gradual Abolition and the Dynamics of Slave Emancipation in Cuba, 1868-86». The Hispanic American Historical Review. 63 (3): 449–477. ISSN 0018-2168. doi:10.2307/2514783. Consultado em 19 de fevereiro de 2024 
  36. «Dados históricos de PIB». The Conference Board and Groningen Growth and Development Centre, Total Economy Database. Ggdc.net. Janeiro de 2007. Consultado em 12 de outubro de 2007 
  37. https://operamundi.uol.com.br/permalink/31853%7Cobra=operamundi.uol.com.br
  38. Estadão (3 de junho de 2009). «Texto integral da resolução da OEA que revoga suspensão a Cuba». Estadão.com.br 
  39. a b c «OEA readmite Cuba no grupo, após 47 anos de expulsão». UOL. 3 de junho de 2009. Consultado em 3 de junho de 2009 
  40. Granma (3 de junho de 2009). «El caballo de Troya» (em espanhol). Arquivado do original em 6 de junho de 2009 
  41. «Republicanos apresentam projeto para suspender apoio à OEA». Estadão.com.br. 3 de junho de 2009 


Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]