História do navegador Opera

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Logo do navegador Opera

A história do navegador Opera começa em 1994 como projeto de pesquisa na Telenor, a maior empresa de telecomunicações norueguesa. Em 1995, o projeto se dividiu para uma empresa privada chamada Opera Software ASA,[1] com a primeira versão disponível publicamente lançada em 1996.[2] Desde então, o Opera submeteu-se a extensivas mudanças e melhorias, tal como a relativamente recente adição de proteção contra phishing.

O navegador Opera foi, até sua versão 2.0, chamado de MultiTorg Opera e não era disponível para o público — apesar de documentos online mostram-no na Terceira Conferência Internacional WWW em 1995.[3] Ele era conhecido por sua interface de documentos múltiplos (MDI) e 'hotlist' (barra lateral), a qual fez a navegação por diversas páginas simultaneamente muito mais fácil, além de ter sido o primeiro navegador com foco a aderir completamente aos padrões web do W3C.

Versão 2[editar | editar código-fonte]

A primeira versão pública do Opera, foi lançada como shareware em 1996.[4][5]

Devido à grande procura, a Opera Software mostrou interesse em programar seu navegador para sistemas operacionais alternativos tal como o Apple Macintosh, o QNX e o BeOS. Em 10 de outubro de 1997 eles lançaram o "Project Magic", um esforço para determinar quem seriam voluntários a comprar uma cópia do navegador no seu sistema operacional nativo e então distribuir os fundos para desenvolvimento (ou adaptação) de maneira apropriadapara esses sistemas operacionais.[6] Em 30 de novembro de 1997 eles fecharam a votação para qual sistema operacional eles deveriam desenvolver. Então o Project Magic se tornou uma fonte de notícias para atualizações para sistemas operacionais alternativos até a versão 4.[7]

Versão 3[editar | editar código-fonte]

Foi a primeira versão do Opera com suporte a JavaScript.[5] Foi lançado para múltiplos sistemas operacionais em 31 de dezembro de 1997.[carece de fontes?]

Em 1998, foi lançado o Opera 3.5, adicionando suporte a Cascading Style Sheets (CSS)[5] e capacidade de envio de arquivos.[8]

Håkon Wium Lie, um dos inventores do CSS, é o CTO da Opera Software.[9] Até a versão 6.0 o Opera teve suporte aos mais comuns padrões da web, plugins do Netscape e alguns outros padrões tal como WAP e WML para dispositivos wireless, mas sua implementação de ECMAScript avançado e HTML Document Object Model era pobre.

A versão 3.6 foi lançada em 12 de maio de 1999.[10]

Versão 4[editar | editar código-fonte]

Em 28 de junho de 2000,[11] o Opera 4 para Windows (codinome Elektra)[12] foi lançado introduzindo um novo núcleo multiplataforma e um cliente de e-mail integrado.

Versão 5[editar | editar código-fonte]

Lançado em 6 de dezembro de 2000, foi a primeira versão que era patrocinada por adware ao invés de ter seu uso limitado à trinta dias (trialware).[13] A versão 5 dava suporte ao ICQ, mas este recurso foi removido nas versões posteriores.

Versão 6[editar | editar código-fonte]

Em 29 de novembro de 2001, o Opera 6 foi lançado com novos recursos incluindo suporte a Unicode, e oferecendo interface de documento único, assim como a interface de documentos múltiplos permitida por versões anteriores.[14]

Primeira controvérsia do MSN.com[editar | editar código-fonte]

Em 24 de outubro de 2001, a Microsoft bloqueou os usuários de navegadores de terceiros, incluindo o Opera, de acessarem o MSN.com. Usuários do Microsoft Internet Explorer não foram afetados. Após reclamações de comportamento antitruste, a Microsoft removeu as restrições em dois dias.[15][16] Entretanto, mais tarde, em novembro de 2001, algumas partes do MSN.com continuavam tracandas para os usuários do Opera, mesmo o navegador sendo capaz de carregar as páginas se o servidor as liberasse.[17]

Versão 7[editar | editar código-fonte]

Em 28 de janeiro de 2003,[18] o Opera 7 foi lançado introduzindo o novo, mais rápido e poderoso motor de renderização "Presto", com CSS melhorado, suporte à scripts executados pelo próprio navegador (client-side scripting) e ao Document Object Model (DOM). O suporte ao Mac OS 9 foi removido.

Uma análise no The Washington Post em 2004 descreveu o Opera 7.5 como sendo excessivamente complexo e difícil de usar. A análise criticou também o uso de propagandas na edição gratuita do programa enquanto outros navegadores como o Mozilla e o Safari eram oferecidos de graça sem propagandas.[19]

Em agosto de 2004 tiveram inícios a testes limitados da alpha do Opera 7.6. Ele tinha suporte mais avançado aos padrões da web, e introduziu suporte a voz, suportando também Voice XML. A Opera Software anunciou também um novo navegador para Interactive Television, que incluía uma opção de redimensionar largura que o Opera 8 introduziu. Redimensionar Largura é uma tecnologia que inicialmente usava o poder do CSS, mas agora é uma tecnologia interna do Opera. As páginas são dinamicamente redimensionadas fazendo texto e/ou imagens menores, e até removendo imagens com dimensões específicas para fazê-las caber em qualquer largura de tela, melhorando a experiência em telas menores dramaticamente. A versão 7.6 nunca foi oficialmente lançada como versão final. Em 12 de janeiro de 2005, a Opera Software anunciou que iria oferecer licenças de graça para instituições de ensino superior,[20] uma mudança do antigo custo de $1,000 USD para licenças ilimitadas. As escolas que optaram pela licença grátis incluíram Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT), Universidade Harvard, Universidade de Oxford, Instituto de Tecnologia da Geórgia, e Universidade Duke. O navegador era geralmente criticado por ser patrocinado por adware, isso foi visto como uma barreira para ganhar mais participação no mercado. Nas versões posteriores o usuário podia escolher entre banners com imagens, ou propagandas em texto fornecidas pelo Google de acordo com a página sendo visitada. Os usuários poderiam pagar uma taxa de licenciamento para remover a barra de propagandas.

Segunda controvérsia do MSN.com[editar | editar código-fonte]

Em 2003, o MSN.com foi configurado para presentear o navegador Opera com uma CSS usada por versões antigas do Microsoft Internet Explorer.[21] Outros navegadores receberam uma folha de estilos determinada para eles, ou pelo menos a última versão da folha de estilos usada no Internet Explorer.[22] A folha de estilos desatualizada fez com que o Opera carregasse a página movendo 30 pixels à esquerda de onde conteúdo devera estar, distorcendo a página e fazendo parecer que o erro era do navegador.[23]

Em resposta ao acontecimento, a Opera Software criou uma edição especial do Opera chamado de "Bork" que mostrava algaravia ao acessar o MSN.com. Eles fizeram isso para chamar a atenção sobre a necessidade de ter uma relação harmoniosa entre navegadores e websites.[24]

Depois de queixas, a Microsoft mudou seus servidores para que enviassem à última versão do Opera a folha de estilos atualizada utilizada pelo Internet Explorer, o que resolveu o problema. Entretanto a folha de estilos desatualizada continuava a ser enviada para o Opera 6, mesmo este também precisando da última versão da folha de estilos.[22][24]

Controvérsia do Hotmail[editar | editar código-fonte]

Em novembro de 2004, a Opera Software enviou um mensagem eletrônica para a Microsoft, se queixando de que os usuário do navegador Opera estavam recebendo um arquivo JavaScript incompleto quando usavam o Hotmail. O arquivo incompleto impedia os usuários do navegador de esvaziar a pasta de spam. A Opera Software enviou uma carta física para a Microsoft. Todavia, mesmo em 11 de fevereiro de 2005, a Microsoft nem respondeu as mensagens nem corrigiu o problema.[25][26]

Versão 8[editar | editar código-fonte]

Em 19 de abril de 2005 a versão 8.0 foi lançada.[27] Além de ter suporte a gráficos vetoriais escaláveis Tiny, recursos multimodo e User JavaScript, a interface padrão foi simplificada. A página inicial padrão é um portal de pesquisa melhorado.[28] As mudanças não agradaram um certo número de usuários existentes pois as preferências avançadas se tornaram ocultas.[29]

A versão 8.0 introduziu suporte à SVG 1.1 Tiny. Isso marcou o primeiro navegador a suportar nativamente parte do SVG.[30] O Opera ganhou um modo de apresentação chamado Opera Show, que permite o uso e um documento HTML ou XML para apresentações em tela-grande e navegação.

Versão 8.5[editar | editar código-fonte]

Com o lançamento do Opera 8.5 em 20 de setembro de 2005, a Opera Software anunciou que seu navegador seria disponível de graça sem as propagandas. Contudo, a empresa ainda vende contratos de suporte (ajuda ao consumidor).[31] Melhorias incluídas: conserto automático de websites que não carregam corretamente pelo lado-cliente, e várias correções na segurança.

Versão 9[editar | editar código-fonte]

Foi o primeiro navegador de Microsoft Windows, GNU/Linux, e BSD browser a passar no teste Acid2.[32][33] Esta versão, lançada em 20 de junho de 2006, adicionou XSLT e melhoramentos que deram suporte ao nível SVG 1.1 Basic. Introduziu os Widgets (pequenos aplicativos), um cliente de torrent integrado, bloqueador de conteúdo e uma ferramenta para criar e editar motores de busca. O Opera é capaz de ler MHTML e salvar páginas da web como arquivos.

Versão 9.1[editar | editar código-fonte]

Dentre os novos recursos introduzidos na versão 9.1 (lançada em 2006) estava a proteção antifraude usando tecnologia da GeoTrust, uma empresa que fornece certificado digital, e da PhishTank, uma organização que busca traços de sites conhecidos de phishing.[34]

Versão 9.2[editar | editar código-fonte]

Codinome Merlin, introduziu o Speed Dial, 9 (3 X 3) pequenas thumbnails de websites definidos pelo usuário que são mostradas ao invés de um página em branco, para acesso rápido a estes.

Versão 9.5[editar | editar código-fonte]

Codinome Kestrel (nomeado pelo falcão Kestrel), foi lançada para preencher o vazio entre o Opera 9.2 e o Opera 10.[35] Incluiu alguns dos melhoramentos no carregamento das páginas programados para serem incluídos na versão 10, também teve foco em oferecer uma integração maior com vários sistemas operacionais.[36][37][38] O primeiro alpha do Opera 9.5 foi lançado m 4 de setembro de 2007. A primeira versão pública ainda em estado beta foi lançada em 25 de outubro de 2007,[39] e a versão final foi lançada em 12 de junho de 2008.[40] A versão final foi descarregada mais de 4.5 milhões de vezes nos primeiros cinco dias.[41]

A versão melhorou o suporte à Cascading Style Sheets (CSS), incluindo muito mais seletores do CSS3 e a propriedade text-shadow do CSS2.[42][43] O suporte para outros padrões da web também foi melhorado. Por exemplo, a implementação do Scalable Vector Graphics (SVG) era 93.8% da suíte de testes da W3C,[44] e adicionou suporte à Animated Portable Network Graphics (APNG) e MathML.[45][46] O Opera 9.5 também tem suporte à alta segurança com certificados de validação avançada[47] e adicionou proteção contra malwares em parceria com a HauteSecure.[48]

A interface submeteu-se a algumas alterações com o objetivo de se tornar mais intuitiva,[49] além da interface clássica continuar disponível para os usuários que ainda desejam usá-la. O recurso leitor de tela foi re-adicionado. O cliente de e-mail (Opera Mail) foi atualizado com indexação e conserto de alguns erros.[50] O Opera 9.5 deixa os usuários salvarem os marcadores (favoritos), notas, Barra Pessoal, e Speed Dial para o serviço "Opera Link". Esses dados podem então serem sincronizados (compartilhados) com outro navegador, assim como uma cópia do Opera Mini sendo executada em um celular.[51]

Junto com os novos recursos, o Opera 9.5 ganhou melhorias n performance. Por exemplo, edições x64-bit compatíveis com os sistemas operacionais Linux e BSD.[36][52] O suporte à SPARC Linux foi removido.[53]

Versão 9.6[editar | editar código-fonte]

O Opera Link foi melhorado permitindo sincronização de motores de busca personalizados e histórico digitado. Pré-visualização de Feeds e um Opera Mail atualizado foram mudanças também adicionadas.

Versão 10[editar | editar código-fonte]

A primeira versão beta do Opera 10 (codinome Peregrine) foi lançada em 3 de junho de 2009 e marcou 100% dos pontos no teste Acid3, porém falhou no requisito da suavidade. Teve também uma versão anterior que marcou 100% lançada em 28 de março de 2009. Além de outros recursos, esta versão veio com customizações na velocidade, corretor ortográfico para formulários, atualizador automatizado, formatação HTML no cliente de e-mail, fontes SVG e web, transparência do canal alpha usando cores RGBA e HSLA, e uma versão atualizada do Opera Dragonfly (ferramentas para desenvolvimento web). O Opera Turbo é um novo recurso destaque desta versão.

O lançamento oficial do Opera 10 ocorreu em 1 de setembro de 2009, ganhando atenção com 2 milhões de downloads. Uma semana depois, 10 milhões de downloads foram alcançados.

As versões 10.5x (codinome Evenes) também vieram com um novo motor JavaScript, o Carakan, e uma nova biblioteca de gráficos backend, chamada de Vega, que aumentou sua velocidade consideravelmente. Então a versão 10.60, que a Opera Software diz ser 50% mas rápida que a 10.50, trouxe novos recursos como Geolocalização, suporte ao WebM, proteção antimalware da AVG, melhorias no Speed Dial, etc.

Versão 11[editar | editar código-fonte]

O Opera 11 (Kjevik) foi lançado em 16 de dezembro de 2010 como novos recursos incluindo extensões, empilhamento de guias, gestos visuais do mouse e melhorias de segurança ao campo de endereços. Além disso, a lista do bloqueador de conteúdo agora pode ser sincronizada através do Opera Link.[54] Ele também passa o teste Acid3 a partir de 22 de janeiro de 2011.

Compatibilidade das versões[editar | editar código-fonte]

Sistema Operacional Última versão
Mac OS v8.x 6.03
v9.x 7.54u2
Mac OS X 10.0-v10.1 7.54u2
v10.2 8.54
v10.3-10.6 11.10
OS/2 e eComStation 5.12
Microsoft Windows Windows 3.1 3.62
Windows 95/98/Me/NT 4.0 10.10 (A última versão pode ser instalada com o instalador clássico)
Windows 2000 a Windows 7
Desde a versão 10.10 o requerimento mínimo oficial é Windows 2000 [1].
12.11 e 12.12
GNU/Linux Debian, Fedora, Gentoo, Mepis, Mandriva, RedHat, Skolelinux, SUSE, e Ubuntu 11.10
FreeBSD 6.x and 7.x 11.01
Solaris Intel and Sparc 10.11
QNX 5.2.1 (estável) e 6.01b (beta)
BeOS 3.62

Ver também[editar | editar código-fonte]

Graphical timeline of Opera development

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. «Milestones». Opera Software. Consultado em 30 de outubro de 2007. Cópia arquivada em 9 de setembro de 2012 
  2. «Affiliated Organization of Firefox and Mozilla» (PDF). Mozilla Japan. 2006. Consultado em 24 de outubro de 2007 
  3. «MultiTorg Opera»  retrieved on November 5, 2005
  4. jons (14 de julho de 1996). «Opera web browser». Google Groups. Consultado em 19 de fevereiro de 2008. Cópia arquivada em 10 de julho de 2012 
  5. a b c Rijk (15 de fevereiro de 2006). «Rendering engines and code names». Tweak. Opera Software. Consultado em 19 de fevereiro de 2008. Cópia arquivada em 14 de setembro de 2012 
  6. «Opera Software's amazing 'Project Magic'»  from the Internet Archive
  7. «'Project Magic' -- 10 February 1998 and beyond»  From the Internet Archive
  8. Wilson, Brian. «Browser History: Opera». Consultado em 19 de fevereiro de 2008. Cópia arquivada em 29 de junho de 2012 
  9. «CSS: If not now, when?». Cópia arquivada em 3 de setembro de 2012 , Eric Meyer, June 1999, retrieved on October 25, 2005
  10. «Opera Software Releases 3.60» (Nota de imprensa). Opera Software. 15 de dezembro de 1998. Consultado em 10 de dezembro de 2008. Cópia arquivada em 6 de setembro de 2012 
  11. «Opera 4.0 for Windows Released» (Nota de imprensa). Opera Software. 27 de junho de 2000. Consultado em 10 de dezembro de 2008. Cópia arquivada em 30 de maio de 2012 
  12. «Opera Software Strengthens the Team» (Nota de imprensa). Opera Software. 29 de novembro de 1999. Consultado em 12 de março de 2009. Cópia arquivada em 14 de setembro de 2012 
  13. «The Browser War Lights Up in Europe» (Nota de imprensa). Opera Software. 6 de dezembro de 2000. Consultado em 10 de dezembro de 2008. Cópia arquivada em 30 de maio de 2012 
  14. «Opera 6.0 for Windows launched after record-breaking beta» (Nota de imprensa). Opera Software. 29 de novembro de 2001. Consultado em 19 de fevereiro de 2008 
  15. Wilcox, Joe; Sandeep Junnarkar (26 de outubro de 2001). «MSN lockout stirs antitrust rumblings». CNET. Consultado em 13 de outubro de 2007. Cópia arquivada em 14 de setembro de 2012 
  16. «Microsoft Does an About-Face» (Nota de imprensa). Opera Software. 26 de outubro de 2001. Consultado em 13 de outubro de 2007 
  17. «Microsoft PR spin continues while browser lockout still in effect» (Nota de imprensa). Opera Software. 1 de novembro de 2001. Consultado em 13 de outubro de 2007 
  18. «Opera 7 Ready to Rock the Web» (Nota de imprensa). Opera Software. 28 de janeiro de 2003. Consultado em 19 de fevereiro de 2008. Cópia arquivada em 30 de maio de 2012 
  19. Pegoraro, Rob (23 de maio de 2004). «Some Badly Designed Features Put Opera 7.5 Out of Tune». Consultado em 11 de outubro de 2007. Cópia arquivada em 14 de setembro de 2012 
  20. «Students surf safely with Opera: Opera site license free for educational institutions». Cópia arquivada em 29 de maio de 2012 , January 12, 2005, retrieved on October 25, 2005
  21. Festa, Paul (5 de fevereiro de 2003). «Opera cries foul against MSN--again». CNET. Consultado em 13 de outubro de 2007. Cópia arquivada em 14 de setembro de 2012 
  22. a b «Why doesn't MSN work with Opera?». Opera Software. 20 de fevereiro de 2003. Consultado em 13 de outubro de 2007. Cópia arquivada em 13 de julho de 2012 
  23. Lettice, John (6 de fevereiro de 2003). «MSN deliberately breaks Opera's browser, claims company». The Register. Consultado em 13 de outubro de 2007. Cópia arquivada em 14 de setembro de 2012 
  24. a b «Opera releases "Bork" edition» (Nota de imprensa). Opera Software. 14 de fevereiro de 2003. Consultado em 13 de outubro de 2007. Cópia arquivada em 5 de setembro de 2012 
  25. Lie, Håkon Wium (11 de fevereiro de 2005). «Why Opera users can't purge spam in Hotmail». Opera Software. Consultado em 24 de dezembro de 2007. Cópia arquivada em 14 de setembro de 2012 
  26. Lie, Håkon (11 de fevereiro de 2005). «Opera to MS: Get real about interoperability, Mr Gates». The Register. Consultado em 24 de dezembro de 2007. Cópia arquivada em 25 de maio de 2012 
  27. «Speed, Security and Simplicity: Opera 8 Web Browser Released Today» (Nota de imprensa). Opera Software. 19 de abril de 2005. Consultado em 19 de fevereiro de 2008. Cópia arquivada em 30 de maio de 2012 
  28. «Opera search portal». Cópia arquivada em 13 de julho de 2012 , retrieved on October 25, 2005
  29. «Get back old preferences dialog»  retrieved on October 25, 2005
  30. «Opera Adds SVG Tiny Support to Desktop Browser». svg.org. Consultado em 12 de setembro de 2006 
  31. «Feel Free: Opera Eliminates Ad Banner and Licensing Fee». Cópia arquivada em 26 de maio de 2012 , retrieved on October 25, 2005
  32. «Widgets, BitTorrent, content blocking: Introducing Opera 9 Beta» (Nota de imprensa). Opera Software. 20 de abril de 2006. Consultado em 10 de maio de 2008. Cópia arquivada em 10 de setembro de 2012 
  33. «Changelog for Opera 9.0 Beta 1 for Windows». Opera Software. 20 de abril de 2006. Consultado em 10 de maio de 2008. Cópia arquivada em 10 de setembro de 2012 
  34. Goldman, Daniel (18 de dezembro de 2006). «Opera 9.1 is out with Fraud Protection». Opera Watch. Consultado em 11 de outubro de 2007 
  35. Borg, Johan (16 de fevereiro de 2007). «Opera code names uncovered». Opera Software. Consultado em 23 de outubro de 2007. Cópia arquivada em 13 de setembro de 2012 
  36. a b Altman, Tim (31 de agosto de 2007). «Focus Areas during Kestrel Development». Consultado em 23 de outubro de 2007. Cópia arquivada em 13 de julho de 2012 
  37. Kleinhout, Huib (22 de junho de 2007). «Kestrel is coming!». Opera Software. Consultado em 23 de outubro de 2007. Cópia arquivada em 14 de setembro de 2012 
  38. Vollan, Per Arne (19 de julho de 2007). «Macification». Opera Software. Consultado em 23 de outubro de 2007. Cópia arquivada em 14 de setembro de 2012 
  39. Kleinhout, Huib (25 de outubro de 2007). «Opera 9.5 beta released». Opera Software. Consultado em 25 de outubro de 2007. Cópia arquivada em 14 de setembro de 2012 
  40. «Opera redefines Web browsing yet again». Opera Software. 12 de junho de 2008. Consultado em 12 de junho de 2008. Cópia arquivada em 30 de maio de 2012 
  41. «Opera achieves more than 4.5 million downloads for latest browser version». 17 de junho de 2008. Consultado em 18 de junho de 2008  Texto "publisherOpera Software " ignorado (ajuda)
  42. Altman, Tim (26 de fevereiro de 2007). «Tim's Opera Bits v5.0». opera journal. Consultado em 23 de outubro de 2007. Cópia arquivada em 14 de setembro de 2012 
  43. «Changelog for Opera 9.50 Alpha 1 for Windows». Opera Software. 4 de setembro de 2007. Consultado em 23 de outubro de 2007. Cópia arquivada em 14 de setembro de 2012 
  44. Schiller, Jeff (4 de setembro de 2007). «Welcome To CodeDread 1.1». Consultado em 23 de outubro de 2007. Cópia arquivada em 16 de julho de 2012 
  45. Minchinton, Adam (14 de setembro de 2007). «Post-Alpha Opera 9.5 Release». Opera Software. Consultado em 23 de outubro de 2007. Cópia arquivada em 17 de julho de 2012 
  46. McCathieNevile, Charles (27 de setembro de 2007). «Can Kestrels do Math? MathML support in Opera Kestrel». Opera Software. Consultado em 23 de outubro de 2007. Cópia arquivada em 14 de julho de 2012 
  47. Pettersen, Yngve Nysæter (19 de junho de 2007). «A first look at EV in Opera». Implementer's notes. Opera Software. Consultado em 8 de novembro de 2007. Cópia arquivada em 14 de setembro de 2012 
  48. «www.opera.com/press/releases/2008/06/06/». Cópia arquivada em 11 de setembro de 2012 
  49. Borg, Johan (5 de junho de 2008). «Looking Sharp». Cópia arquivada em 14 de setembro de 2012  Texto "2008-06-06 " ignorado (ajuda)
  50. Altman, Tim (26 de fevereiro de 2007). «Tim's Opera Bits v5.0». Tim's blog. Consultado em 25 de outubro de 2007. Cópia arquivada em 14 de setembro de 2012 
  51. «Opera Link». Opera Software. Consultado em 25 de outubro de 2007. Cópia arquivada em 14 de setembro de 2012 
  52. «Index of /unix/snapshot-1662/x86_64-linux». Opera Software. Consultado em 11 de novembro de 2007 
  53. «Opera 9.5 for Linux changelog». Opera Software. Consultado em 13 de junho de 2007. Cópia arquivada em 14 de setembro de 2012 
  54. «Are you ready for Opera 11?». Opera Desktop Team. Opera Software. 16 de dezembro de 2010. Consultado em 16 de dezembro de 2010. Cópia arquivada em 6 de setembro de 2012 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]