História dos Bálcãs

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde janeiro de 2013). Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Formação dos estados balcânicos de 1700 até hoje.

A História da Península Balcânica remonta a muitos milênios de ocupação humana. A identidade dos Balcãs é determinada por sua posição geográfica e por sua história. A região era conhecida como uma encruzilhada de diferentes culturas. Foi a fronteira entre as partes latina e grega do Império Romano.[1]. Na religião, foi a fronteira entre cristianismo ortodoxo, catolicismo e islamismo

Histórico[editar | editar código-fonte]

A região dos Balcãs foi a primeira região da Europa a sentir a chegada de culturas agrícolas na era neolítica[2]. As práticas de cultivo de cereais e gado chegaram na região dos Balcãs a partir do Crescente Fértil, através da Anatólia, e espalhou-se para o oeste e norte da Panónia e na Europa Oriental.

Indícios arqueológicos concluíram que a região é habitada desde o ano 200 000 a.C. pelas culturas Aurignacaian e Gravettian. A cultura neolítica foi desenvolvida a partir do ano 7 000 a.C., entre essa cultura, estava uma arte cerâmica decorada. A partir do ano 3 500 a.C., a região foi colonizada por seminômades provenientes das estepes russas, e posteriormente por povos da Europa central. A região pertenceu a vários povos, como persas, gregos, romanos, bizantinos e otomanos. Povos como sérvios, búlgaros e magiares, também conseguiram estabelecer pequenos impérios na região, contudo, não contiveram o avanço do Império Otomano, que estenderam seu império à região na segunda metade do século XIV.[3]

Na pré-clássico e na Antiguidade Clássica, esta região era a casa dos gregos, ilírios, trácios, dácios e outros grupos antigos. Posteriormente, o Império Romano conquistou a maior parte da região e propagou a cultura romana e a língua latina, mas uma grande parte ainda ficou sob influência clássica grega[4]. Durante a Idade Média, os Balcãs se tornaram palco de uma série de guerras entre o Império Bizantino, o Império Búlgaro e o Império Sérvio.

Possivelmente o acontecimento histórico que deixou a maior marca na memória coletiva dos povos dos Balcãs foi a expansão e a posterior queda do Império Otomano. Até ao final do século XVI, tornou-se a força de controle na região, embora tenha sido centrado em torno da Anatólia. Muitos povos dos Balcãs e Cárpatos colocam seus maiores heróis populares tanto no ataque ou na retirada do Império Otomano. Como exemplos, para os croatas, Nikola Subic Zrinski e Petar Kružić; para os sérvios, Miloš Obilić e o czar Lazar; para os albaneses, Skanderbeg; para os macedónios, Nikola Karev; para os bósnios, Husein Gradaščević; e para búlgaros, Vasil Levski, Georgi Sava Rakovski e Hristo Botev. Nos últimos 550 anos, devido às frequentes Guerras Otomanas na Europa e em torno dos Balcãs, e no isolamento comparativo da maioria da população otomana do avanço econômico (que reflete a mudança comercial e política do centro da Europa para o Atlântico), os Balcãs se tornaram a parte menos desenvolvida da Europa.

As nações dos Balcãs começaram a reconquistar a sua independência no século XIX (Grécia, Sérvia, Bulgária, Montenegro), e em 1912-1913 a Liga Balcânica reduziu o território da Turquia para a sua presente extensão com a Guerra dos Balcãs. A Primeira Guerra Mundial foi desencadeada em 1914 pelo assassinato em Sarajevo (a capital da Bósnia e Herzegovina) do arquiduque Francisco Fernando, herdeiro do Império Austro-Húngaro.

Com o início da Primeira Guerra Mundial, o Império Otomano juntou-se à Tríplice Aliança. Uma importante contribuição para a vitória da Entente ocorreu na região, depois que a Grécia aderiu à guerra em 1917, com a capitulação da Bulgária e Império Otomano, o que levou à rápida capitulação da Áustria-Hungria.

O sucesso das forças gregas contra o Eixo durante a Segunda Guerra Mundial e, subsequentemente, a resistência albanesa, grega e sérvia, mudou o curso da guerra e os aliados deram um passo decisivo para a vitória. Após a Segunda Guerra Mundial, a União Soviética e o comunismo desempenharam um papel muito importante na região dos Balcãs. Durante a Guerra Fria, a maior parte dos países dos Balcãs eram governados por governos comunistas apoiados pelos soviéticos (os chamados países satélites). A Grécia continuou a ser o único país não-comunista, mas também foi o único país da Europa a que a guerra fria ficou "quente" devido à Guerra Civil da Grécia.

No entanto, apesar de estar sob governos comunistas, a Iugoslávia (1948) e a Albânia (1961) abandonaram a aliança com a União Soviética. A Iugoslávia, liderada pelo marechal Josip Broz Tito (1892-1980), rejeitou-se submenter ao regime stalinista, e procurou estreitar as relações com o Ocidente, mais tarde, juntou-se a muitos países do Terceiro Mundo no Movimento Não-Alinhado. A Albânia, por outro lado gravitou para a China Comunista, mais tarde adota uma posição isolacionista.

Os únicos países não comunistas da região foram a Grécia e a Turquia, que eram (e ainda são) parte da OTAN.

Na década de 1990, a região foi gravemente afetada pelo conflito armado nas antigas repúblicas Iugoslavas, resultando na intervenção de forças da OTAN na Bósnia e Herzegovina, na Sérvia, e na República da Macedónia. O Kosovo passou a ser controlado pela ONU, e obteria a independência da Sérvia em 2008.

Os países dos Balcãs tem o território sob controle direto de rotas entre a Europa Ocidental e o Sudoeste da Ásia (Ásia Menor e o Oriente Médio). Desde 2000, todos os países dos Balcãs possuem uma relação amigável com a UE e os EUA.

A Grécia é um membro da União Europeia desde 1981, Eslovénia e Chipre desde 2004. A Bulgária e a Roménia aderiram à união em 2007. Em 2005, a União Europeia decidiu dar início às negociações de adesão para os países candidatos: a Croácia, a Turquia e a Macedónia foram aceitos como países candidatos à adesão à União Europeia. Em abril de 2009, Albânia, Bulgária, Croácia, Roménia e Eslovénia também tornaram-se membros da OTAN. A Bósnia e Herzegovina e a ex-Sérvia e Montenegro iniciaram negociações com a UE sobre os Acordos de Estabilização e Adesão, embora pouco tempo depois de começarem, as negociações com a Sérvia e Montenegro foram suspensas por falta de cooperação com o Tribunal Penal Internacional para a antiga Jugoslávia.

Referências

  1. The Serbs, Chapter 1 -Ancient Heritage, S M Cirkovic
  2. The Illyrians (The Peoples of Europe) por John Wilkes,ISBN 978-0-631-19807-9,1996, pg. 39:
  3. Nova Enciclopédia Ilustrada Folha, Empresa Folha da Manhã, São Paulo, 1996
  4. ROMAN RULE ON THE BALKANS por Daniel Valchev (2008)
Ícone de esboço Este artigo sobre História ou um(a) historiador(a) é um esboço relacionado ao Projeto História. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.