História genética da Europa

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

A história genética da Europa é a área da Arqueogenética que estuda a formação, etnogênese e outras informações genéticas específicas sobre as populações nativas da Europa.

A dispersão principal de humanos para fora da África, ocorrida há cerca de 70 mil anos, deu origem a uma linhagem distinta da dos africanos. Por volta de 50 mil anos atrás, esta linhagem primitiva se divide nas linhagens da Eurásia Oriental e Ocidental.[1][2][3][4] Todos os humanos que habitam fora da África possuem um pouco de genética dos neandertais.[5]

Os primeiros humanos modernos na Europa (EEMH em inglês), que viveram entre 40 e 26 mil anos atrás (Período Aurignaciano) ainda eram parte do grupo dos "Eurasiáticos Ocidentais", o qual incluía os primeiros grupos humanos da Ásia Central e do Oriente Médio.[1] A divergência das populações eurasiáticas ocidentais ocorreu durante o Último Máximo Glacial, devido a fatores como a pressão seletiva e o efeito fundador, assim surgindo a linhagem pré-histórica da Europa Ocidental, a dos caçadores-coletores ocidentais (WHG em inglês).[6][7] Estes caçadores-coletores são grandemente substituídos por causa da chegada dos primeiros agricultores europeus (EEF em inglês), vindos da região da Anatólia e do Levante.[8] Na Idade do Bronze, houve outras grandes substituições populacionais na Europa, com as migrações dos proto-indo-europeus, uma população vinda da estepe pôntica formada pela miscigenação entre os Antigos eurasiáticos do Norte (ANE em inglês), cujos descendentes diretos mais recentes são os indivíduos das Múmias de Tarim, encontrados na região chinesa de Xinjiang,[9] e agricultores do Oriente Próximo.[10]

Como resultado das migrações ocorridas entre o Mesolítico e a Idade do Bronze, as populações nativas da Europa modernas se distinguem entre si por possuírem diferentes porcentagens de ancestralidade WHG, EEF e ANE.[11][12][13] As taxas de miscigenação variaram de acordo com o local: no final do Neolítico, a ancestralidade WHG em agricultores na Hungria era de aproximadamente 10%, na Alemanha era de cerca de 25% e na Península Ibérica, tão alta quanto 50%.[11] A contribuição genética dos EEF é mais significativa na Europa Mediterrânea e diminui em direção ao norte e nordeste da Europa, onde a ascendência WHG é mais forte; os sardos são a etnia europeia mais próxima dos primeiros agricultores europeus. A ascendência ANE é encontrada em toda a Europa em porcentagens reduzidas, com máximos de cerca de 20% encontrados em povos bálticos e finlandeses.

A pesquisa sobre a história genética da Europa tornou-se possível na segunda metade do século XX, mas só produziu resultados contundentes preliminares na década de 1990, ainda restritos a estudos dos haplogrupos do DNA mitocondrial e cromossomo Y. O estudo do DNA autossômico tornou-se mais acessível na década de 2000 e, desde meados da década de 2010, resultados de resolução anteriormente inatingível, muitos deles baseados em análises dos genomas antigos completos, foram publicados em ritmo acelerado.[14][15]

Pré-história[editar | editar código-fonte]

Devido à seleção natural, a porcentagem de DNA neandertal nos europeus arcaicos foi diminuindo gradualmente com o passar dos milênios. De 45 mil anos atrás para 7 mil anos atrás, a porcentagem caiu de cerca de 3 a 6% para 2%.[15] A remoção de alelos vindos do Homem de Neandertal ocorreu com mais frequência em torno dos genes do que em outras partes do genoma.[15]

Paleolítico[editar | editar código-fonte]

Distribuição do Homem de Neandertal, com os principais sítios arqueológicos em que foram encontrados fósseis dessa espécie.

Os Neandertais habitavam grande parte da Europa, Oriente Médio e Ásia Central desde cerca de 130 mil anos atrás, existindo no continente europeu até aproximadamente 30 mil anos atrás. Eventualmente foram substituídos pelos humanos anatomicamente modernos, que chegaram pela primeira vez à Europa há cerca de 40 mil anos. Haja vista que as duas espécies de hominídeos provavelmente coexistiram na Europa, antropólogos e arqueólogos há muito perguntam se ambas as espécies interagiram.[16] Tal questão foi solucionada apenas em 2010, quando foi descoberto que as populações da Eurásia apresentam, em média, uma porcentagem de 1,5-2,1% de genes neandertais.[17] A partir de então, a dúvida passaria a ser sobre o local em que essa miscigenação ocorreu: na Europa ou no Levante.

Também houve especulações sobre genes específicos que teriam sido herdados dos neandertais. Por exemplo, um locus MAPT 17q 21.3, dividido em linhagens genéticas profundas H1 e H2. Como a linhagem H2 aparenta ser restrita às populações europeias, vários pesquisadores argumentaram que esta é uma herança neandertal, o que começou em 2005.[18][19][20][21] Entretanto, os resultados preliminares do sequenciamento completo do material genético dos neandertais nos anos 2000 não conseguiram detectar evidências de cruzamentos com humanos modernos.[22][23] Em 2010, as descobertas de Svante Pääbo (Instituto Max Planck de Antropologia Evolutiva), Richard E. Green (Universidade da Califórnia em Santa Cruz) e David Reich (Escola de Medicina Harvard), feitas por meio da comparação do material genético dos ossos de três neandertais com o de cinco humanos modernos, mostraram uma relação entre neandertais e humanos modernos fora da África.

Expansão dos humanos modernos para fora da África e substituição dos neandertais

Paleolítico Superior[editar | editar código-fonte]

Acredita-se que os humanos modernos começaram a habitar a Europa a partir de 40 mil anos atrás, no Paleolítico Superior. Algumas evidências mostram a disseminação da Cultura Aurignaciana.[24]

De uma perspectiva dos haplogrupos do cromossomo Y, possivelmente os antigos haplogrupos C1a2, F e/ou E são aqueles cuja presença na Europa é mais antiga, visto que foram encontrados em alguns restos humanos bastante antigos. Entretanto, outros haplogrupos são muito mais comuns entre os homens europeus modernos devido às mudanças demográficas posteriores.

O haplogrupo I (M170), atualmente relativamente comum e difundido na Europa, pode representar um marcador do Paleolítico, pois sua idade foi estimada em 22 mil anos atrás. Embora hoje esteja concentrado na Europa, provavelmente surgiu na região do Oriente Médio ou do Cáucaso, quando divergiu de seu ancestral imediato, o haplogrupo IJ. Nessa mesma época, também surgiu a Cultura Gravetiana.[25]

Pesquisas mais antigas sobre o DNA do cromossomo Y se concentram no haplogrupo R1 (M173), o mais numeroso entre os homens europeus atuais. Acredita-se que tenha surgido há aproximadamente 40 mil anos na Ásia Central.[25][26] Apesar disso, atualmente estima-se que R1 surgiu mais recentemente: um estudo de 2008 datou ancestral comum mais recente do haplogrupo IJ em 38,5 mil anos atrás e do haplogrupo R1 em 18 mil anos atrás. Isso sugere que os colonos do haplogrupo IJ formaram a primeira onda e o haplogrupo R1 chegou muito mais tarde.[27]

Dessa forma, os dados genéticos sugerem que, do ponto de vista da ascendência patrilinear, grupos de humanos modernos distintos tomaram duas rotas distintas para a Europa: uma, da região do Oriente Próximo para os Balcãs e outra, da Ásia Central pela estepe eurasiática.

Foi descoberto por Martin Richards et ai. que entre 15 e 40% das linhagens de DNA mitocondrial existentes remontam às migrações paleolíticas, o que depende da existência de vários eventos fundadores.[28] O haplogrupo mitocondrial U5, datado de 40 a 50 mil anos atrás, chegou ao continente durante a primeira onda colonização. ainda no Paleolítico Superior, sendo responsável por 5 a 15% do total de linhagens do DNA mitocondrial. Os movimentos do UP médio são marcados pelos haplogrupos HV, I e U4. HV dividiu-se em Pré-V (cerca de 26 mil anos) e o ramo maior H, ambos dispersos pela Europa, possivelmente através de contatos durante o Gravetiano.[25][29]

O Haplogrupo H do DNaA mitocondrial é responsável por aproximadamente metade das linhas de genes na Europa, com muitos subgrupos. As linhagens mitocondriais acima ou seus percussores chegaram teriam chegado à Europa através do Oriente Médio. Isso contrasta com a a evidência do cromossomo Y, visto que em torno de 50% das linhagens masculinas são caracterizadas pela superfamília R1, oriundas provavelmente da Ásia Central. Ornella Semino postula que essas diferenças "podem ser parcialmente devido à idade molecular aparente mais recente dos cromossomos Y em relação a outros loci, o que sugere uma substituição mais rápidas dos haplogrupos anteriores de cromossomo Y. Migrações diferenciadas baseadas em gênero também influenciaram os padrões observados em variação dos haplogrupos do DNA mitocondrial e cromossomo Y.

Último Máximo Glacial[editar | editar código-fonte]

O Último Máximo Glacial se iniciou há cerca de 32 mil anos, levando ao despovoamento das regiões mais ao norte da Europa por causa do clima mais frio. Com isso, os humanos se refugiaram no norte da Península Ibérica e sudoeste da França, Balcãs, Península Itálica e a região costeira do Mar Negro que vai até a atual Ucrânia.[25][30]

Este fato diminuiu a diversidade genética na Europa, sendo um "resultado da deriva, consistente com um gargalo populacional inferido durante o Último Máximo Glacial".[26] Ao passo que as geleiras derretiam entre 16 e 13 mil anos atrás, as regiões mais ao norte da Europa foram sendo gradualmente repovoadas por pessoas vindas das regiões de refúgio mais ao sul.[25]

Alguns clados do haplogrupo I do cromossomo Y aparentam ter se divergido se seus haplogrupos parentais em algum momento durante ou logo após o Último Máximo Glacial.[31] O haplogrupo I2 é predominante nos Balcãs ocidentais, bem como no restante do sudeste e centro-leste da Europa em frequências mais moderadas. Sua presença cai rapidamente na Europa Central, o que sugere que os sobreviventes com as linhagens I2 se expandiram predominantemente pelo sudeste e centro-leste da Europa.[32]

Cinnioglu vê evidências da existência de um refúgio na região da Anatólia, a qual também abrigava Hg R1b1b2.[33] Atualmente, R1b é o cromossomo Y dominante na Europa Ocidental, incluindo as Ilhas Britânicas, o que sugere que podem ter ocorrido grandes mudanças populacionais com bases nas migrações pós-Último Máximo Glacial.

Semino, Passarino e Pericic põem as origens do haplogrupo R1a no refúgio glacial na atual Ucrânia. Sua distribuição moderna na Europa Oriental e partes da Escandinávia é parcialmente explicada pelo repovoamento da Europa a partir da Estepe Pôntica após o Último Máximo Glacial.[32][34][25]

De uma perspectiva do DNA mitocondrial, Richards et al. descobriram que a maior parte da diversidade dos haplogrupos do DNA mitocondrial na Europa é explicada pelas reexpansões pós-glaciais ocorridas durante o final do Paleolítico Superior e o Mesolítico. "As análises regionais evidenciam a hipótese de que grande parte da Europa ocidental e central foi repovoada a partir principalmente do sudoeste quando o clima melhorou. As linhagens envolvidas incluem muito do haplogrupo mais comum, H, bem como muito dos haplogrupos K, T, W e X." O estudo não pôde determinar se ocorreram novas migrações de linhagens do DNA mitocondrial do Oriente Próximo durante este período; um entrada significativa foi considerada improvável.[28]

O modelo alternativo de um número maior de refugiados foi discutido por Bilton et al.[35]

A partir da análise de 51 indivíduos, os pesquisadores puderam identificar cinco agrupamentos genéticos separados de europeus arcaicos durante o Último Máximo Glacial: o de Dolní Věstonice (República Tcheca, 34 a 25 mil anos atrás), associado à cultura gravetiana; o de Mal'ta dos Antigos eurasiáticos do Norte (Sibéria, 24 a 17 mil anos atrás), associado à Cultura Mal'ta-Buret; a Caverna El Mirón (Espanha, 19 a 14 mil anos atrás), associada à Cultura Magdaleniana; Ripari Villabruna (Itália, 14 a 7 mil anos atrás).[15] o Aglomerado Mal'ta (24.000–17.000), associado à cultura Mal'ta-Buret', o Agrupamento El Mirón (19.000–14.000 anos atrás), associado à cultura Magdaleniana ; o Cluster Villabruna (14.000-7.000 anos atrás) e o Cluster Satsurblia (13.000 a 10.000 anos atrás).[15]

A partir de cerca de 37 mil anos atrás, todos os europeus arcaicos passaram a compartilhar alguma ancestralidade com os europeus modernos.[15] Esta população fundadora é representada pelo espécime GoyetQ116-1, de 35.000 anos da Bélgica.[15] Esta linhagem desaparece do registro fóssil e não é encontrada novamente até 19 mil anos atrás na Caverna de El Mirón, cujos indivíduos mostram fortes afinidades com GoyetQ116-1.[15] Durante este intervalo, o distinto agrupamento de Dolni-Věstonice é predominante na Europa, mesmo em Goyet.[15] A reexpansão do Aglomerado da Caverna El Mirón coincidiu com o aumento das temperaturas após o recuo das geleiras durante o Último Máximo Glacial.[15] De 37 a 14 mil anos atrás, a população da Europa consistia em um grupo isolado descendente de uma população fundadora que não cruzou significativamente com outras populações.[36]

Mesolítico[editar | editar código-fonte]

As populações do Mesolítico divergiram significativamente, por causa do seu relativo isolamento ao longo de muitos milênios, às duras pressões seletivas durante o Último Máximo Glacial e aos efeitos fundadores causados pela rápida expansão no Mesolítico a partir dos refúgios glaciais.[6] No final do Último Máximo Glacial, entre aproximadamente 19 a 11 mil anos atrás, surgiram as variedades familiares de fenótipos eurasianos. Os caçadores-coletores da Europa Ocidental (WHG) apresentavam pele escura, herdada dos primeiros europeus antes do Último Máximo Glacial, e olhos claros e sua contribuição genética não é majoritária em nenhuma população europeia moderna.[37] As variações HERC2 e OCA2 para olhos azuis são derivadas da linhagem WHG e também foram encontradas nos proto-indo-europeus.[37] 

Há aproximadamente 14 mil anos, o aglomerado de Ripari Villabruna afasta-se da afinidade com o GoyetQ116-1 e começa a mostrar mais afinidade com o Oriente Próximo, uma mudança que coincide com o aumento das temperaturas do interestágio Bølling-Allerød.[15] Essa mudança genética mostra que as populações do Oriente Próximo teriam começaram a se mudar para a Europa durante o final do Paleolítico Superior, aproximadamente 6 mil anos antes do que se pensava anteriormente, antes da introdução da agricultura.[36] Alguns espécimes do Aglomerado de Ripari Villabruna também mostram afinidades genéticas com os asiáticos orientais que são derivadas do fluxo gênico.[15][36] A variação HERC2 para olhos azuis aparece pela primeira vez há aproximadamente 14 mil anos na Itália e no Cáucaso.[15] É estimado que a pele clara, uma característica típica dos europeus modernos, se espalhou pela Europa em uma varredura seletiva durante o Mesolítico, isto é, entre 19 e 11 mil anos atrás. Os alelos TYRP1 SLC24A5 e SLC45A2, associados à pele branca, surgiram por volta de 19 mil anos atrás, ainda durante o Último Máximo Glacial, possivelmente no Cáucaso.[6][7]

Esquema simplificado da história demográfica da Europa durante o Neolítico, com a introdução da agricultura vinda do Oriente Próximo.[38]

Neolítico[editar | editar código-fonte]

Uma grande variação genética na Europa, reconhecida há muito tempo, parece mostrar importantes dispersões vindas do Oriente Próximo. Este fato tem sido frequentemente associado à disseminação da agricultura durante o Neolítico, período que tem sido considerado um dos mais significativos na determinação da diversidade genética da Europa de hoje.

O Neolítico se iniciou com a introdução da agricultura no continente, começando no sudeste da Europa entre 10 mil e 3 mil a.C. e estendendo-se para o noroeste da Europa entre 4.500 e 1.700 a.C. Durante este período, a Revolução Neolítica levou a gigantescas mudanças econômicas e socioculturais na Europa, o que também gerou um grande efeito na diversidade genética da Europa, especialmente no tocante às linhagens genéticas que entram na Europa do Oriente Médio para os Balcãs. Houve várias fases deste período:

  • Em um prelúdio do Mesolítico tardio para o neolítico, aparentemente os povos do Oriente Próximo de áreas que já tinham agricultura e que também possuíam tecnologia marítima tiveram uma presença transitória na Grécia (por exemplo, na caverna de Franchthi).[39][40]
  • Há um consenso de que a agricultura e sua tecnologia e as principais espécies de animais e plantas cultivadas na Europa entraram no continente vindos de alguma parte do Crescente Fértil.[24] :1143, 1150.[41] Menos certamente, algumas vezes argumenta-se que essa revolução agrícola foi parcialmente desencadeada por movimentos de pessoas e tecnologia vindos da África através do Sinai.
  • Em uma fase posterior do Neolítico, o chamado "Neolítico Cerâmico", observou-se a introdução de cerâmica no Levante, Balcãs e sul da Itália (estava presente na região do atual Sudão por algum tempo antes de ser encontrada no Mediterrâneo Oriental, mas acredita-se que tenha se desenvolvido de forma independente), e isso também pode ter sido um período de transferência cultural do Levante para os Balcãs.

Uma importante questão no que se refere ao impacto genético das tecnologias neolíticas na Europa é a maneira pela qual elas foram transferidas para o continente. A agricultura foi introduzida na Europa seja por meio de uma grande migração de agricultores do Oriente Próximo (modelo biológico de Cavalli-Sforza) ou uma "difusão cultural " ou uma combinação de ambos, e os geneticistas populacionais tentaram esclarecer se quaisquer assinaturas genéticas com origem no Oriente Próximo correspondem às rotas de expansão descobertas pela evidência arqueológica.[24] :146

Martin Richards estimou que apenas 11% do DNA mitocondrial dos europeus se deve à migração neste período, o que sugere que a agricultura se espalhou principalmente devido à adoção por populações autóctones europeias mesolíticas, e não devido à imigração do Oriente Próximo. O fluxo gênico do Sudoeste para o noroeste da Europa parece ter continuado durante o Neolítico, com a porcentagem declinando significativamente em direção às Ilhas Britânicas. A genética clássica também sugeriu que a maior mistura ao estoque genético europeu do Paleolítico/Mesolítico foi devido à Revolução Neolítica, entre o sétimo e quinto milênio a.C.[42] Três principais grupos de genes de DNA mitocondrial foram identificados como contribuintes neolíticos para a Europa: em ordem de importância, J, T1 e U3. Com outros, eles representam cerca de 20% do pool genético.[28]

Em 2000, o estudo de Semino sobre o DNA do cromossomo Y revelou a presença de haplótipos pertencentes ao grande clado E1b1b1 (E-M35), encontrados predominantemente no sul dos Balcãs, sul da Itália e partes da Península Ibérica. Semino conectou esse padrão, juntamente com os subclados do haplogrupo J, para ser o componente dos haplogrupos do cromossomo Y da difusão dêmica neolítica de Cavalli-Sforza de agricultores do Oriente Próximo.[25] Rosser et al. observaram um 'componente norte-africano' direto na genealogia europeia, embora não propusessem um momento e um mecanismo para explicá-lo.[43][44] Também descreveu E1b1b como representante de uma migração do Pleistoceno tardio da África para a Europa sobre a Península do Sinai, evidências para as quais não aparecem no DNA mitocondrial.[45]

Entretanto, em relação ao tempo de distribuição e a diversidade do haplogrupo V13, Battaglia (2009)[46] propôs um movimento anterior no qual a linhagem E-M78*, que deu origem a todos os homens com o haplogrupo E-V13, tem origem no sul do Egito e chegou à Europa apenas com as tecnologias mesolíticas. Então, sugerem que o subclado E-V13 de E-M78 expandiu-se apenas posteriormente quando os agricultores-pastores dos Balcãs adotaram tecnologias neolíticas vindas do Oriente Próximo. Eles propõem que a primeira grande dispersão do haplogrupo E-V13 nos Balcãs pode ter sido na direção do Mar Adriático, com a cultura da cerâmica cardial,[32] e propõem que a rota principal da propagação de E-V13 foi ao longo do sistema que abrange as fozes dos rios Vardar, Morava e Danúbio.

Em contraste, Cruciani[47] sugeriu um ponto diferente em que ocorreu a mutação V13 e um tempo de dispersão mais tardio. Os autores propuseram que a mutação V13 apareceu pela primeira vez no Oriente Médio, onde é encontrada em frequências baixas, mas significativas, e entrou nos Balcãs após 11 mil anos antes do Presente. Mais tarde, experimentou uma rápida dispersão que datada de aproximadamente 5300 anos atrás na Europa, coincidindo com a Idade do Bronze dos Balcãs. Assim como Peričic et al., eles consideram que "a dispersão dos haplogrupos E-V13 e J-M12 parece ter seguido principalmente as vias fluviais que ligam o sul dos Balcãs ao centro-norte da Europa".

Mais recentemente, Lacan (2011)[48] anunciou que um esqueleto humano de sete mil anos de idade encontrado em uma caverna da Espanha era um homem com o haplogrupo de cromossomo Y E-V13, enquanto os outros indivíduos testados no mesmo local estavam no haplogrupo G2a, encontrado em restos humanos neolíticos em todo o continente europeu. Usando 7 marcadores STR, este espécime foi identificado como semelhante a indivíduos modernos testados na Albânia, Bósnia-Herzegovina, Grécia, Córsega e Provença. Os cientistas, portanto, propuseram que, se a distribuição moderna de tal haplogrupo do cromossomo Y é resultado de eventos mais recentes, então ele já estava no continente europeu no Neolítico, tendo sido transportado pelos primeiros agricultores europeus vindos do Oriente Próximo. Isso corrobora as propostas de Battaglia et al. em vez de Cruciani et al., pelo menos no que se refere às primeiras dispersões europeias, mas E-V13 pode ter se dispersado mais de uma vez. Ainda mais recente do que a Idade do Bronze, também foi proposto que a distribuição moderna do haplogrupo E-V13 na Europa é pelo menos parcialmente causada por movimentos de pessoas na Roma Antiga.[49]

A migração dos agricultores neolíticos para a Europa trouxe várias novas adaptações.[37] A variação para a cor da pele clara foi introduzida no continente europeu pelos agricultores vindos do Oriente Próximo,[37] após cuja chegada foi selecionada a mutação SLC22A4, a qual provavelmente surgiu para lidar com a deficiência do aminoácido ergotioneína, mas aumenta o risco de doenças intestinais como a colite ulcerativa, doença celíaca e síndrome do intestino irritável.

Idade do Bronze[editar | editar código-fonte]

A Idade do Bronze presenciou o desenvolvimento de rotas comerciais de longa distância, particularmente ao longo da costa atlântica e no vale do Danúbio. Houve migração da Noruega para os arquipélagos escoceses de Orkney e Shetland neste período e, em menor escala, para a Escócia continental e a Irlanda). Houve também uma migração da Alemanha para o leste da Inglaterra. Martin Richards estima que havia cerca de 4% de imigração de DNA mitocondrial para a Europa na Idade do Bronze.

A origem das línguas indo-europeias está nos proto-indo-europeus, um grupo étnico originado nas estepes entre o Mar Negro e o Mar Cáspio por volta de 4.500 a.C.[50] Este povo da estepe domesticou o cavalo e provavelmente foram os inventores da roda de disco de madeira, e espalharam sua cultura e genes por toda a Europa.[51] O haplogrupo Y R1a é um marcador proposto desses genes proto-indo-europeus, assim como o haplogrupo Y R1b, embora esses haplogrupos como um todo possam ser muito mais antigos que a família da linguagem em si.[52]

No extremo norte, o haplogrupo N do cromossomo Y chegou à Europa vindo da Sibéria com os antigos eurasiáticos do Norte, embora o momento específico de sua chegada seja incerto. É estimado que o subclado N1c1 do norte da Europa mais comum tenha surgido há cerca de 8 mil anos. Há evidências de assentamentos humanos na Finlândia que remontam a 8500 a.C., ligados à cultura Kunda e seu suposto ancestral, a cultura Swideriana, mas acredita-se que esta última seja de origem europeia. A disseminação do haplogrupo de cromossomo Y N na Europa está fortemente associada à Cultura da Cerâmica de Pente, cujo surgimento é normalmente datado de aproximadamente 4.200 a.C., e com a distribuição das línguas urálicas. Por meio de estudos de DNA mitocondrial dos lapões, o haplogrupo U5 é consistente com múltiplas migrações para a Escandinávia vindas da região entre o Rio Volga e os Montes Urais, iniciadas entre seis e sete mil anos atrás.[53]

As relações entre os papéis dos ocupantes vindos da Europa e da Ásia na Finlândia pré-histórica ainda é motivo de discussões e alguns estudiosos ainda insistem que os finlandeses são "predominantemente do Leste Europeu e compostos por pessoas que migraram para o norte do refúgio glacial na Ucrânia durante a Idade do Gelo".[54] Mais a leste, a questão é menos polêmica. Os portadores do Haplogrupo N representam uma parte significativa de todos os grupos étnicos não-eslavos do norte da Rússia, incluindo 37% dos carélios, 35% dos komis (65% de acordo com outro estudo[55]), 67% dos maris, 98% dos nenets, 94% dos nganasans e 86% a 94% dos iacutes.[56]

Uma das ancestralidades dos proto-indo-europeus é a da população dos antigos eurasiáticos do Norte (ANE em inglês), cujos representantes mais recentes são as Múmias de Tarim, encontradas em Xinjiang.[9] Os ANE são associados à Cultura Mal'ta-Buret da Sibéria.[57] De acordo com Lazaridis, "a ancestralidade dos Antigos Eurasiáticos do Norte é proporcionalmente o menor componente em toda a Europa, nunca maior que 20%, mas encontrado em quase todos os grupos europeus estudados".[58] Esse componente genético não vem diretamente dos indivíduos de Mal'ta em si, mas de uma linhagem relacionada que se separou da linhagem Mal'ta.[15]

Até metade do componente genético proto-indo-europeu pode ter vindo de uma vertente dos caçadores-coletores do Cáucaso.[57] Em 16 de novembro de 2015, em um estudo publicado na revista Nature Communications,[57] geneticistas anunciaram que encontraram um novo quarto componente que contribuiu para o pool genético europeu moderno. Eles analisaram genomas de dois caçadores-coletores da Geórgia que tinham entre 13,3 e 9,7 mil anos de idade e descobriram que esses caçadores-coletores das montanhas do Cáucaso eram provavelmente a fonte genética da Cultura Yamnaya, à qual os proto-indo-europeus pertenceram. De acordo com a coautora, Dra. Andrea Manica, da Universidade de Cambridge, "a questão de onde vieram os Yamnaya tem sido um mistério até agora... podemos responder agora que é uma mistura caçadores-coletores da Europa Oriental e uma população deste bolsão de caçadores-coletores do Cáucaso que resistiram a grande parte da última Era do Gelo em aparente isolamento."[59]

De acordo com Lazaridis et al. (2016), uma população relacionada aos povos do Irã no Calcolítico contribuiu para aproximadamente metade da ancestralidade das populações da Cultura Yamnaya. Esses povos calcolíticos iranianos eram uma mistura do "povo neolítico do oeste do Irã, do Levante e dos caçadores do Cáucaso".[60]

As variações genéticas para a tolerância à lactose e maior estatura dos europeus vieram com os proto-indo-europeus.[37] O alelo derivado do gene KITLG (SNP rs12821256) que está associado e provavelmente é causal para os cabelos loiros em europeus é encontrado nos caçadores-coletores da Europa Oriental, mas não nos do Leste Europeu, o que sugere que os cabelos loiros na Europa possuem origem nos Antigos Eurasiáticos do Norte e foi introduzido no continente, em grande parte, graças aos indivíduos vindos da Estepe Pôntica. Consistente com isso, o mais antigo indivíduo conhecido com o alelo derivado para cabelos loiros é um indivíduo dos Antigos Eurasiáticos do Norte do complexo arqueológico de Afontova Gora, do final do Paleolítico Superior, na Sibéria central.[61]

História recente[editar | editar código-fonte]

Durante o Império Romano, as fontes históricas mostram a existência de muitos movimentos migratórios pela Europa, tanto dentro como fora dos limites do Império. As fontes às vezes citam casos de genocídio de tribos de províncias rebeldes atribuídos aos romanos. Se isso de fato ocorreu, teria sido limitado, já que que as populações modernas apresentam considerável continuidade genética em suas respectivas regiões. O processo de romanização aparenta ter sido realizado pela colonização das províncias romanas por um pequeno número de colonos, como administradores, militares,, veteranos estabelecidos e comerciantes que emanaram das várias regiões do Império e não apenas da Itália. Eles serviram como um núcleo para a aculturação de notáveis locais.[62]

Dado o pequeno número e origens variadas, a romanização parece não ter deixado assinaturas genéticas distintas na Europa. Populações falantes de Línguas românicas nos Balcãs, como os romenos, arromenos e moldavos, foram encontradas geneticamente assemelhando-se aos seus vizinhos falantes de idiomas helênicos e eslavos do sul, ao invés de italianos modernos.[63][64] Steven Bird especulou que E1b1b1a se espalhou pela Europa durante a época romana, através de populações vindas da Trácia e da Dácia.[49]

No tocante à migração dos povos germânicos, foram feitas algumas sugestões, pelo menos para a Grã-Bretanha, com o haplogrupo I1a do cromo associado à invasão anglo-saxônica do leste da Inglaterra e R1a associado à imigração nórdica no norte Escócia.[65]

Genética das populações europeias modernas[editar | editar código-fonte]

Estudos de linhagem paterna[editar | editar código-fonte]

Existem quatro principais haplogrupos do DNA do cromossomo Y que representam a maioria das linhagens paternas da Europa.[25]

Ao deixar de lado todos os pequenos enclaves, há também vários haplogrupos além dos quatro acima citados que são mais comuns apenas em certas áreas da Europa.

Estudos de linhagem materna[editar | editar código-fonte]

Houve um grande número de estudos sobre os haplogrupos de DNA mitocondrial na Europa. Em contraste com os haplogrupos do cromossomo Y, os haplogrupos de DNA mitocondrial não mostraram uma padronização de acordo com o local, mas eram mais uniformemente ubíquos. Para além dos periféricos lapões, todos os europeus são caracterizados pela predominância dos haplogrupos H, U e T. A falta de um padrão geográfico observável do DNA mitocondrial provavelmente se deve a fatores socioculturais, como fenómenos de poliginia e patrilocalidade.[43]

Os estudos genéticos sugerem algum fluxo dos genes de DNA mitocondrial para a Europa Oriental vindos da Ásia Oriental ou do Sul da Sibéria entre 13 e 6 mil anos atrás.[75] A análise de esqueletos neolíticos da Grande Planície Húngara encontrou uma alta frequência de haplogrupos de DNA mitocondrial da Ásia Oriental, alguns dos quais sobrevivem em populações modernas do leste europeu.[75] O fluxo gênico materno para a Europa da África Subsaariana começou há 11 mil anos, embora aproximadamente 65% das linhagens tenham chegado mais recentemente, inclusive durante o período de romanização, as expansões árabes do sul da Europa e durante o Tráfico de escravos no Atlântico.[76]

DNA autossômico[editar | editar código-fonte]

Seldin (2006) usou mais de 5.000 SNPs autossômicos, mostrando "uma distinção consistente e reproduzível entre as populações europeias do norte e do sul do continente". A maioria dos participantes individuais com ascendência do sul da Europa, como italianos, gregos, portugueses e espanhóis, e judeus asquenazes têm mais de 85% de membros em populações do sul; e a maioria dos europeus do norte, oeste, centro e leste, como suecos, ingleses, irlandeses, alemães e ucranianos, têm mais de 90% no grupo populacional do norte. Muitos dos participantes deste estudo eram cidadãos estadunidenses que se identificaram com diferentes etnias europeias com base no pedigree familiar auto-relatado.[77]

Um estudo semelhante em 2007, o qual utilizou-se de amostras predominantemente vindas da Europa, descobriu que a diferenciação genética mais importante no continente europeu ocorre em uma linha do norte ao sudeste (norte da Europa aos Balcãs), com outro eixo leste-oeste de diferenciação em todo o continente. Suas descobertas foram consistentes com resultados anteriores baseados em DNA mitocondrial e DNA do cromossomo Y que apoiam a teoria de que as populações nativas modernas da Península Ibérica possuem a ancestralidade genética europeia mais antiga, além de separar bascos e lapões de outras populações europeias.[78]

Foi sugerido que os ingleses e irlandeses fossem agrupados com outras etnias europeias do norte e do leste, como alemães e poloneses, enquanto alguns indivíduos bascos e italianos também são agrupados com os europeus do norte. Apesar dessas estratificações, foi observado que "há baixa diversidade aparente na Europa, com amostras de todo o continente apenas marginalmente mais dispersas do que amostras de populações únicas em outras partes do mundo".[78]

Em 2008, duas equipes internacionais de pesquisa publicaram análises dos genótipos de muitos europeus, utilizando mais de 300.000 SNPs autossômicos. Com exceção de grupos étnicos isolados já conhecidos, como os bascos, finlandeses e sardos, a população europeia não possuía grandes descontinuidades acentuadas como encontradas em estudos anteriores (por exemplo: Seldin et al., 2006 e Bauchet et al., 2007[78]), apesar de existir uma gradiente distinguível de sul a norte. No geral, encontraram apenas baixa diferenciação genética entre as subpopulações, e as diferenças existentes foram caracterizadas por uma forte correlação continental entre a distância geográfica e genética. Além disso, eles descobriram que a diversidade era maior no sul da Europa, devido a um tamanho populacional efetivo maior e/ou expansão populacional do sul para o norte da Europa.[79] Os pesquisadores entendem que essa observação implica que, geneticamente, os europeus não são distribuídos em populações distintas.[80][79]

Dois estudos de genoma completo de ucranianos e russosmostraram que a diversidade genômica desta região não foi representada nas pesquisas genéticas anteriores, visto que os estudos gênicos na Europa são mais tendenciosos para populações da parte ocidental do continente.[81][82] No nordeste da Rússia, os komis, falantes de um idioma das línguas urálicas, formam um polo de diversidade genética difrente de outras populações, deslocado para populações relacionadas à Ásia Oriental.[83][84]

De acordo com o geneticista David Reich, com base em genomas humanos antigos sequenciados por seu laboratório em 2016, os europeus são fruto da mistura de quatro componentes ancestrais: WHG (caçadores-coletores ocidentais), EHG (Caçadores-Coletores orientais) e EEF (primeiros agricultores europeus, vindos da Anatólia e do Levante) em graus variados.[85] Foi descoberto também que os caçadores-coletores orientais também carregavam alguma ascendência asiática.[86]

A ilustração acima retrata as contribuições genômicas ancestrais para os europeus modernos, os quais foram formados sobretudo por componentes vindos da Eurásia Ocidental, mais especificamente os caçadores-coletores ocidentais, os agricultores do Oriente Próximo e os pastores da Estepe Pôntica. Além disso, todos os europeus carregam um componente vindo da Eurásia Oriental, especificamente um componente siberiano (associado aos modernos nganasans ou caçadores-coletores históricos do Baikal) em graus variados.[87]

Algumas populações europeias específicas, especialmente as do norte e do leste do continente, receberam uma ancestralidade significativa que está relacionada à Ásia Oriental, especificamente neo-siberiana. Os picos de ascendência relacionados à Ásia Oriental está entre as etnias que falam idiomas urálicos e túrquicos, mas também entre os russos. A maior camada de ancestralidade asiática oriental entre os europeus, amplificada pelos nganasans, pode estar ligada à chegada das línguas urálicas durante a Idade do Ferro . Outra camada, amplificada pelos ulchis ou nivkhs do Nordeste Asiático pode ser associada à expansão túrquica, bem como aos históricos ávaros da Panônia.[84][88][89][90]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. a b Seguin-Orlando A, Korneliussen TS, Sikora M, Malaspinas AS, Manica A, Moltke I, et al. (novembro de 2014). «Paleogenomics. Genomic structure in Europeans dating back at least 36,200 years». Science (em inglês). 346 (6213): 1113–1118. Bibcode:2014Sci...346.1113S. PMID 25378462. doi:10.1126/science.aaa0114 
  2. Posth C, Renaud G, Mittnik A, Drucker DG, Rougier H, Cupillard C, et al. (junho de 2016). «Pleistocene Mitochondrial Genomes Suggest a Single Major Dispersal of Non-Africans and a Late Glacial Population Turnover in Europe». Current Biology (em inglês). 26 (6): 827–833. PMID 26853362. doi:10.1016/j.cub.2016.01.037  |hdl-access= requer |hdl= (ajuda)
  3. Vai S, Sarno S, Lari M, Luiselli D, Manzi G, Gallinaro M, et al. (junho de 2019). «Ancestral mitochondrial N lineage from the Neolithic 'green' Sahara». Scientific Reports (em inglês). 9 (1). 3530 páginas. Bibcode:2019NatSR...9.3530V. PMC 6401177Acessível livremente. PMID 30837540. doi:10.1038/s41598-019-39802-1 
  4. Haber M, Jones AL, Connell BA, Arciero E, Yang H, Thomas MG, et al. (agosto de 2019). «A Rare Deep-Rooting D0 African Y-Chromosomal Haplogroup and Its Implications for the Expansion of Modern Humans Out of Africa». Genetics (em inglês). 212 (4): 1421–1428. PMC 6707464Acessível livremente. PMID 31196864. doi:10.1534/genetics.119.302368 
  5. Villanea FA, Schraiber JG (janeiro de 2019). «Multiple episodes of interbreeding between Neanderthal and modern humans». Nature Ecology & Evolution (em inglês). 3 (1): 39–44. PMC 6309227Acessível livremente. PMID 30478305. doi:10.1038/s41559-018-0735-8 
  6. a b c Beleza S, Santos AM, McEvoy B, Alves I, Martinho C, Cameron E, et al. (janeiro de 2013). «The timing of pigmentation lightening in Europeans». Molecular Biology and Evolution (em inglês). 30 (1): 24–35. PMC 3525146Acessível livremente. PMID 22923467. doi:10.1093/molbev/mss207 
  7. a b Jones ER, Gonzalez-Fortes G, Connell S, Siska V, Eriksson A, Martiniano R, et al. (novembro de 2015). «Upper Palaeolithic genomes reveal deep roots of modern Eurasians». Nature Communications (em inglês). 6 (1). 8912 páginas. Bibcode:2015NatCo...6.8912J. PMC 4660371Acessível livremente. PMID 26567969. doi:10.1038/ncomms9912 
  8. A substituição populacional no Neolítico e, novamente, na Idade do Bronze, marcou muito as populações da Grã-Bretanha. Como resultado, apenas 10% da ancestralidade das populações nativas britânicas modernas é proveniente dos WHG. Olalde I, Brace S, Allentoft ME, Armit I, Kristiansen K, Booth T, et al. (março de 2018). «The Beaker phenomenon and the genomic transformation of northwest Europe». Nature. 555 (7695): 190–196. Bibcode:2018Natur.555..190O. PMC 5973796Acessível livremente. PMID 29466337. doi:10.1038/nature25738 
  9. a b Lima, Adelina (14 de novembro de 2021). «Múmias de Tarim: origem, características e teorias que intrigam cientistas». Segredos do Mundo. Consultado em 29 de outubro de 2022 
  10. Lazaridis I, Patterson N, Mittnik A, Renaud G, Mallick S, Kirsanow K, et al. (setembro de 2014). «Ancient human genomes suggest three ancestral populations for present-day Europeans». Nature (em inglês). 513 (7518): 409–413. Bibcode:2014Natur.513..409L. PMC 4170574Acessível livremente. PMID 25230663. arXiv:1312.6639Acessível livremente. doi:10.1038/nature13673 
  11. a b Desde Lazaridis et al. (2014), outros estudos evidenciaram o quadro de mistura entre EEF e WHG. Em uma análise de 2017 de 180 genomas antigos dos períodos Calcolítico e Neolítico da Hungria, Alemanha e Península Ibérica, foram encontradas evidências de um período prolongado de cruzamento EEF-WHG. A miscigenação ocorreu regionalmente, a partir de populações locais de caçadores-coletores, de modo que as populações das três regiões citadas eram geneticamente distinguíveis em todas as fases do Neolítico, com uma proporção gradualmente crescente de ascendência WHG de populações agrícolas ao longo do tempo. Isso sugere que, após a expansão inicial dos primeiros agricultores vindos do Oriente Próximo, não houve mais migrações de longo alcance substanciais o suficiente para homogeneizar a população agrícola, e que as populações agrícolas e de caçadores-coletores existiram lado a lado por muitos séculos, com uma mistura gradual e contínua ao longo do Quinto e Quarto milênios antes de Cristo, ao invés de um único evento de mistura no contato inicial. Lipson M, Szécsényi-Nagy A, Mallick S, Pósa A, Stégmár B, Keerl V, et al. (novembro de 2017). «Parallel palaeogenomic transects reveal complex genetic history of early European farmers». Nature (em inglês). 551 (7680): 368–372. Bibcode:2017Natur.551..368L. PMC 5973800Acessível livremente. PMID 29144465. doi:10.1038/nature24476 
  12. «There's no such thing as a 'pure' European—or anyone else». Science | AAAS (em inglês). 15 de maio de 2017 
  13. «Genetic testing reveals that Europe is a melting pot, made of immigrants». National Geographic. 2019 
  14. «Farming's in Their DNA» (em inglês). Harvard Medical School. 23 de novembro de 2015. Consultado em 25 de novembro de 2015 
  15. a b c d e f g h i j k l m n Fu Q, Posth C, Hajdinjak M, Petr M, Mallick S, Fernandes D, et al. (junho de 2016). «The genetic history of Ice Age Europe». Nature (em inglês). 534 (7606): 200–205. Bibcode:2016Natur.534..200F. PMC 4943878Acessível livremente. PMID 27135931. doi:10.1038/nature17993 
  16. Mesmo antes do aparecimento dos estudos genéticos, alguns antropólogos acreditavam ter descoberto esqueletos híbridos entre humanos modernos e neandertais. Esses resultados foram considerados "ambíguos". Evidências arqueológicas apontam para uma mudança abrupta de artefatos neandertais para aqueles relacionados aos humanos anatomicamente modernos durante o Paleolítico Superior. Klein RG (março de 2003). «Paleoanthropology. Whither the Neanderthals?». Science. 299 (5612): 1525–1527. PMID 12624250. doi:10.1126/science.1082025 
  17. Prüfer K, Racimo F, Patterson N, Jay F, Sankararaman S, Sawyer S, et al. (janeiro de 2014). «The complete genome sequence of a Neanderthal from the Altai Mountains». Nature. 505 (7481): 43–49. Bibcode:2014Natur.505...43P. PMC 4031459Acessível livremente. PMID 24352235. doi:10.1038/nature12886 
  18. Hardy J, Pittman A, Myers A, Gwinn-Hardy K, Fung HC, de Silva R, et al. (agosto de 2005). «Evidence suggesting that Homo neanderthalensis contributed the H2 MAPT haplotype to Homo sapiens». Biochemical Society Transactions (em inglês). 33 (Pt 4): 582–585. PMID 16042549. doi:10.1042/bst0330582 
  19. Shaw-Smith C, Pittman AM, Willatt L, Martin H, Rickman L, Gribble S, et al. (setembro de 2006). «Microdeletion encompassing MAPT at chromosome 17q21.3 is associated with developmental delay and learning disability». Nature Genetics (em inglês). 38 (9): 1032–1037. PMID 16906163. doi:10.1038/ng1858 
  20. Zody MC, Jiang Z, Fung HC, Antonacci F, Hillier LW, Cardone MF, et al. (setembro de 2008). «Evolutionary toggling of the MAPT 17q21.31 inversion region». Nature Genetics (em inglês). 40 (9): 1076–1083. PMC 2684794Acessível livremente. PMID 19165922. doi:10.1038/ng.193 
  21. Almos PZ, Horváth S, Czibula A, Raskó I, Sipos B, Bihari P, et al. (novembro de 2008). «H1 tau haplotype-related genomic variation at 17q21.3 as an Asian heritage of the European Gypsy population». Heredity (em inglês). 101 (5): 416–419. PMID 18648385. doi:10.1038/hdy.2008.70Acessível livremente 
  22. Wade N (2 de dezembro de 2009). «Scientists in Germany Draft Neanderthal Genome» (em inglês). Consultado em 3 de maio de 2010 
  23. «Neanderthals 'distinct from us'». BBC (em inglês). 2 de dezembro de 2009 
  24. a b c European Prehistory: a survey (em inglês). [S.l.]: Birkhauser. 2002. ISBN 978-0-306-46793-6 
  25. a b c d e f g h Semino O, Passarino G, Oefner PJ, Lin AA, Arbuzova S, Beckman LE, et al. (novembro de 2000). «The genetic legacy of Paleolithic Homo sapiens sapiens in extant Europeans: a Y chromosome perspective». Science (em inglês). 290 (5494): 1155–1159. Bibcode:2000Sci...290.1155S. PMID 11073453. doi:10.1126/science.290.5494.1155  Observação: Os nomes dos haplogrupos estão grafados diferentes neste artigo científico. Por exemplo: o haplogrupo I é referido como "M170".
  26. a b Wells RS, Yuldasheva N, Ruzibakiev R, Underhill PA, Evseeva I, Blue-Smith J, et al. (agosto de 2001). «The Eurasian heartland: a continental perspective on Y-chromosome diversity». Proceedings of the National Academy of Sciences of the United States of America (em inglês). 98 (18): 10244–10249. Bibcode:2001PNAS...9810244W. PMC 56946Acessível livremente. PMID 11526236. doi:10.1073/pnas.171305098Acessível livremente 
  27. Karafet TM, Mendez FL, Meilerman MB, Underhill PA, Zegura SL, Hammer MF (agosto de 2008). «New binary polymorphisms reshape and increase resolution of the human Y chromosomal haplogroup tree». Genome Research (em inglês). 18 (5): 830–838. PMC 2336805Acessível livremente. PMID 18385274. doi:10.1101/gr.7172008 
  28. a b c Richards M, Macaulay V, Hickey E, Vega E, Sykes B, Guida V, et al. (novembro de 2000). «Tracing European founder lineages in the Near Eastern mtDNA pool». American Journal of Human Genetics (em inglês). 67 (5): 1251–1276. PMC 1288566Acessível livremente. PMID 11032788. doi:10.1016/S0002-9297(07)62954-1 
  29. Torroni A, Bandelt HJ, Macaulay V, Richards M, Cruciani F, Rengo C, et al. (outubro de 2001). «A signal, from human mtDNA, of postglacial recolonization in Europe». American Journal of Human Genetics (em inglês). 69 (4): 844–852. PMC 1226069Acessível livremente. PMID 11517423. doi:10.1086/323485 
  30. Pala M, Achilli A, Olivieri A, Hooshiar Kashani B, Perego UA, Sanna D, et al. (junho de 2009). «Mitochondrial haplogroup U5b3: a distant echo of the epipaleolithic in Italy and the legacy of the early Sardinians». American Journal of Human Genetics (em inglês). 84 (6): 814–821. PMC 2694970Acessível livremente. PMID 19500771. doi:10.1016/j.ajhg.2009.05.004 
  31. a b Rootsi S, Magri C, Kivisild T, Benuzzi G, Help H, Bermisheva M, et al. (julho de 2004). «Phylogeography of Y-chromosome haplogroup I reveals distinct domains of prehistoric gene flow in europe» (PDF). American Journal of Human Genetics. 75 (1): 128–137. PMC 1181996Acessível livremente. PMID 15162323. doi:10.1086/422196. Consultado em 4 de julho de 2009. Cópia arquivada (PDF) em 24 de junho de 2009 
  32. a b c d Pericić M, Lauc LB, Klarić IM, Rootsi S, Janićijevic B, Rudan I, et al. (outubro de 2005). «High-resolution phylogenetic analysis of southeastern Europe traces major episodes of paternal gene flow among Slavic populations». Molecular Biology and Evolution (em inglês). 22 (10): 1964–1975. PMID 15944443. doi:10.1093/molbev/msi185Acessível livremente 
  33. Cinnioglu et al. Excavating Y-chromosome haplotype strata in Anatolia. 2003
  34. Passarino G, Semino O, Magri C, Al-Zahery N, Benuzzi G, Quintana-Murci L, et al. (janeiro de 2001). «The 49a,f haplotype 11 is a new marker of the EU19 lineage that traces migrations from northern regions of the Black Sea». Human Immunology (em inglês). 62 (9): 922–932. PMID 11543894. doi:10.1016/S0198-8859(01)00291-9 
  35. Bilton DT, Mirol PM, Mascheretti S, Fredga K, Zima J, Searle JB (julho de 1998). «Mediterranean Europe as an area of endemism for small mammals rather than a source for northwards postglacial colonization». Proceedings. Biological Sciences. 265 (1402): 1219–1226. PMC 1689182Acessível livremente. PMID 9699314. doi:10.1098/rspb.1998.0423 
  36. a b c «History on Ice». Harvard Medical School. 2 de maio de 2016. Consultado em 11 de maio de 2016 
  37. a b c d e Mathieson I, Lazaridis I, Rohland N, Mallick S, Patterson N, Roodenberg SA, et al. (dezembro de 2015). «Genome-wide patterns of selection in 230 ancient Eurasians». Nature (em inglês). 528 (7583): 499–503. Bibcode:2015Natur.528..499M. PMC 4918750Acessível livremente. PMID 26595274. doi:10.1038/nature16152 
  38. Sikora, M et. al. (maio de 2014). «Population Genomic Analysis of Ancient and Modern Genomes Yields New Insights into the Genetic Ancestry of the Tyrolean Iceman and the Genetic Structure of Europe». PLOS Genetics. 10 (5). PMC 4014435Acessível livremente. PMID 24809476 
  39. Perles, C. (2001). The Early Neolithic in Greece: The First Farming Communities in Europe. Cambridge: Cambridge University Press. 356 páginas 
  40. Runnel, C. (2003). “The Origins of the Greek Neolithic: A Personal View”. In: Ammerman, A. J. e Biagi, P. (eds.): The Widening Harvest. The Neolithic Transition in Europe: Looking Back, Looking Forward. Archaeological Institute of America, Boston, 121-132.
  41. Zeder MA (agosto de 2008). «Domestication and early agriculture in the Mediterranean Basin: Origins, diffusion, and impact». Proceedings of the National Academy of Sciences of the United States of America (em inglês). 105 (33): 11597–11604. Bibcode:2008PNAS..10511597Z. PMC 2575338Acessível livremente. PMID 18697943. doi:10.1073/pnas.0801317105Acessível livremente 
  42. The history and geography of human genes (em inglês). Princeton, N.J: Princeton University Press. 1994. ISBN 978-0-691-08750-4 
  43. a b Rosser ZH, Zerjal T, Hurles ME, Adojaan M, Alavantic D, Amorim A, et al. (dezembro de 2000). «Y-chromosomal diversity in Europe is clinal and influenced primarily by geography, rather than by language». American Journal of Human Genetics. 67 (6): 1526–1543. PMC 1287948Acessível livremente. PMID 11078479. doi:10.1086/316890. Cópia arquivada em 6 de maio de 2008 
  44. Underhill PA, Kivisild T (2007). «Use of y chromosome and mitochondrial DNA population structure in tracing human migrations». Annual Review of Genetics (em inglês). 41: 539–564. PMID 18076332. doi:10.1146/annurev.genet.41.110306.130407 
  45. Y chromosome data show a signal for a separate late-Pleistocene migration from Africa to Europe via Sinai as evidenced through the distribution of haplogroup E3b lineages, which is not manifested in mtDNA haplogroup distributions.
  46. a b Battaglia V, Fornarino S, Al-Zahery N, Olivieri A, Pala M, Myres NM, et al. (junho de 2009). «Y-chromosomal evidence of the cultural diffusion of agriculture in Southeast Europe». European Journal of Human Genetics (em inglês). 17 (6): 820–830. PMC 2947100Acessível livremente. PMID 19107149. doi:10.1038/ejhg.2008.249 
  47. Cruciani F, La Fratta R, Trombetta B, Santolamazza P, Sellitto D, Colomb EB, et al. (junho de 2007). «Tracing past human male movements in northern/eastern Africa and western Eurasia: new clues from Y-chromosomal haplogroups E-M78 and J-M12». Molecular Biology and Evolution (em inglês). 24 (6): 1300–1311. PMID 17351267. doi:10.1093/molbev/msm049Acessível livremente. Consultado em 22 de julho de 2009. Cópia arquivada em 10 de outubro de 2017  Também ver: Supplementary Data.
  48. Lacan M, Keyser C, Ricaut FX, Brucato N, Duranthon F, Guilaine J, Crubézy E, Ludes B (junho de 2011). «Ancient DNA reveals male diffusion through the Neolithic Mediterranean route». Proceedings of the National Academy of Sciences of the United States of America (em inglês). 108 (24): 9788–91. Bibcode:2011PNAS..108.9788L. PMC 3116412Acessível livremente. PMID 21628562. doi:10.1073/pnas.1100723108Acessível livremente 
  49. a b Bird S (2007). «Haplogroup E3b1a2 as a Possible Indicator of Settlement in Roman Britain by Soldiers of Balkan Origin». Journal of Genetic Genealogy (em inglês). 3 (2) 
  50. Haak W, Lazaridis I, Patterson N, Rohland N, Mallick S, Llamas B, et al. (junho de 2015). «Massive migration from the steppe was a source for Indo-European languages in Europe». Nature (em inglês). 522 (7555): 207–211. Bibcode:2015Natur.522..207H. PMC 5048219Acessível livremente. PMID 25731166. arXiv:1502.02783Acessível livremente. doi:10.1038/nature14317 
  51. Callaway E (12 de fevereiro de 2015). «European languages linked to migration from the east». Nature (em inglês). doi:10.1038/nature.2015.16919 
  52. Underhill PA, Myres NM, Rootsi S, Metspalu M, Zhivotovsky LA, King RJ, et al. (abril de 2010). «Separating the post-Glacial coancestry of European and Asian Y chromosomes within haplogroup R1a». European Journal of Human Genetics (em inglês). 18 (4): 479–484. PMC 2987245Acessível livremente. PMID 19888303. doi:10.1038/ejhg.2009.194 
  53. Ingman M, Gyllensten U (janeiro de 2007). «A recent genetic link between Sami and the Volga-Ural region of Russia». European Journal of Human Genetics (em inglês). 15 (1): 115–120. PMID 16985502. doi:10.1038/sj.ejhg.5201712Acessível livremente 
  54. «Who Are the Finns?». A Man of Measure Festschrift in Honour of Fred Karlsson (em inglês). [S.l.: s.n.] pp. 97–108 
  55. a b Mirabal S, Varljen T, Gayden T, Regueiro M, Vujovic S, Popovic D, et al. (julho de 2010). «Human Y-chromosome short tandem repeats: a tale of acculturation and migrations as mechanisms for the diffusion of agriculture in the Balkan Peninsula». American Journal of Physical Anthropology (em inglês). 142 (3): 380–390. PMID 20091845. doi:10.1002/ajpa.21235 
  56. Rootsi S, Zhivotovsky LA, Baldovic M, Kayser M, Kutuev IA, Khusainova R, et al. (fevereiro de 2007). «A counter-clockwise northern route of the Y-chromosome haplogroup N from Southeast Asia towards Europe». European Journal of Human Genetics (em inglês). 15 (2): 204–211. PMID 17149388. doi:10.1038/sj.ejhg.5201748Acessível livremente , Tabela complementar 1.
  57. a b c Jones ER, Gonzalez-Fortes G, Connell S, Siska V, Eriksson A, Martiniano R, et al. (novembro de 2015). «Upper Palaeolithic genomes reveal deep roots of modern Eurasians». Nature Communications. 6 (8912). 8912 páginas. Bibcode:2015NatCo...6.8912J. PMC 4660371Acessível livremente. PMID 26567969. doi:10.1038/ncomms9912 
  58. «New Branch Added to European Family Tree». Harvard Medical School. 17 de setembro de 2014. Consultado em 25 de novembro de 2015. Cópia arquivada em 1 de outubro de 2014 
  59. «Mystery ancestral 'tribe' revealed». BBC News. 16 de novembro de 2015 
  60. Lazaridis, I; et al. (25 de julho de 2016). «Genomic insights into the origin of farming in the ancient Near East». Nature. 536 (7617). PMC 5003663Acessível livremente. PMID 27459054 
  61. Mathieson I, Alpaslan-Roodenberg S, Posth C, Szécsényi-Nagy A, Rohland N, Mallick S, et al. (março de 2018). «The genomic history of southeastern Europe». Nature (em inglês). 555 (7695): 197–203. Bibcode:2018Natur.555..197M. PMC 6091220Acessível livremente. PMID 29466330. doi:10.1038/nature25778 
  62. Pannonia and Upper Moesia: a history of the middle Danube provinces of the Roman Empire (em inglês). London: Routledge & Kegan Paul. 1974. ISBN 978-0-7100-7714-1 
  63. Comas D, Schmid H, Braeuer S, Flaiz C, Busquets A, Calafell F, et al. (março de 2004). «Alu insertion polymorphisms in the Balkans and the origins of the Aromuns». Annals of Human Genetics (em inglês). 68 (Pt 2): 120–127. PMID 15008791. doi:10.1046/j.1529-8817.2003.00080.x 
  64. Bosch E, Calafell F, González-Neira A, Flaiz C, Mateu E, Scheil HG, et al. (julho de 2006). «Paternal and maternal lineages in the Balkans show a homogeneous landscape over linguistic barriers, except for the isolated Aromuns». Annals of Human Genetics. 70 (Pt 4): 459–487. PMID 16759179. doi:10.1111/j.1469-1809.2005.00251.x 
  65. Capelli C, Redhead N, Abernethy JK, Gratrix F, Wilson JF, Moen T, et al. (maio de 2003). «A Y chromosome census of the British Isles». Current Biology. 13 (11): 979–984. PMID 12781138. doi:10.1016/S0960-9822(03)00373-7Acessível livremente  also at «030705U491» (PDF). Consultado em 1 de junho de 2011 
  66. Balaresque P, Bowden GR, Adams SM, Leung HY, King TE, Rosser ZH, et al. (janeiro de 2010). «A predominantly neolithic origin for European paternal lineages». PLOS Biology (em inglês). 8 (1): e1000285. PMC 2799514Acessível livremente. PMID 20087410. doi:10.1371/journal.pbio.1000285 
  67. Myres NM, Rootsi S, Lin AA, Järve M, King RJ, Kutuev I, et al. (janeiro de 2011). «A major Y-chromosome haplogroup R1b Holocene era founder effect in Central and Western Europe». European Journal of Human Genetics (em inglês). 19 (1): 95–101. PMC 3039512Acessível livremente. PMID 20736979. doi:10.1038/ejhg.2010.146 
  68. Cruciani F, Trombetta B, Antonelli C, Pascone R, Valesini G, Scalzi V, et al. (junho de 2011). «Strong intra- and inter-continental differentiation revealed by Y chromosome SNPs M269, U106 and U152». Forensic Science International. Genetics (em inglês). 5 (3): e49–e52. PMID 20732840. doi:10.1016/j.fsigen.2010.07.006 
  69. a b Kayser M, Lao O, Anslinger K, Augustin C, Bargel G, Edelmann J, et al. (setembro de 2005). «Significant genetic differentiation between Poland and Germany follows present-day political borders, as revealed by Y-chromosome analysis». Human Genetics (em inglês). 117 (5): 428–443. PMID 15959808. doi:10.1007/s00439-005-1333-9  Uma cópia pode ser achada aqui: «Significant genetic differentiation between Poland and Germany follows present-day political borders, as revealed by Y-chromosome analysis» (PDF). Consultado em 2 de novembro de 2008. Arquivado do original (PDF) em 4 de março de 2009 .
  70. Bowden GR, Balaresque P, King TE, Hansen Z, Lee AC, Pergl-Wilson G, Hurley E, Roberts SJ, Waite P, Jesch J, Jones AL, Thomas MG, Harding SE, Jobling MA (fevereiro de 2008). «Excavating past population structures by surname-based sampling: the genetic legacy of the Vikings in northwest England». Molecular Biology and Evolution (em inglês). 25 (2): 301–9. PMC 2628767Acessível livremente. PMID 18032405. doi:10.1093/molbev/msm255 
  71. Lall GM, Larmuseau MH, Wetton JH, Batini C, Hallast P, Huszar TI, et al. (março de 2021). «Subdividing Y-chromosome haplogroup R1a1 reveals Norse Viking dispersal lineages in Britain». European Journal of Human Genetics (em inglês). 29 (3): 512–523. PMC 7940619Acessível livremente. PMID 33139852 Verifique |pmid= (ajuda). doi:10.1038/s41431-020-00747-z 
  72. Kasperaviciūte D, Kucinskas V, Stoneking M (setembro de 2004). «Y chromosome and mitochondrial DNA variation in Lithuanians». Annals of Human Genetics (em inglês). 68 (Pt 5): 438–52. PMID 15469421. doi:10.1046/j.1529-8817.2003.00119.x 
  73. Cruciani F, La Fratta R, Santolamazza P, Sellitto D, Pascone R, Moral P, et al. (maio de 2004). «Phylogeographic analysis of haplogroup E3b (E-M215) y chromosomes reveals multiple migratory events within and out of Africa». American Journal of Human Genetics. 74 (5): 1014–1022. PMC 1181964Acessível livremente. PMID 15042509. doi:10.1086/386294 
  74. Semino O, Magri C, Benuzzi G, Lin AA, Al-Zahery N, Battaglia V, et al. (maio de 2004). «Origin, diffusion, and differentiation of Y-chromosome haplogroups E and J: inferences on the neolithization of Europe and later migratory events in the Mediterranean area». American Journal of Human Genetics (em inglês). 74 (5): 1023–1034. PMC 1181965Acessível livremente. PMID 15069642. doi:10.1086/386295 
  75. a b Derenko M, Malyarchuk B, Denisova G, Perkova M, Rogalla U, Grzybowski T, et al. (2012). «Complete mitochondrial DNA analysis of eastern Eurasian haplogroups rarely found in populations of northern Asia and eastern Europe». PLOS ONE. 7 (2): e32179. Bibcode:2012PLoSO...732179D. PMC 3283723Acessível livremente. PMID 22363811. doi:10.1371/journal.pone.0032179Acessível livremente 
  76. Cerezo M, Achilli A, Olivieri A, Perego UA, Gómez-Carballa A, Brisighelli F, et al. (maio de 2012). «Reconstructing ancient mitochondrial DNA links between Africa and Europe». Genome Research (em inglês). 22 (5): 821–826. PMC 3337428Acessível livremente. PMID 22454235. doi:10.1101/gr.134452.111 
  77. Seldin MF, Shigeta R, Villoslada P, Selmi C, Tuomilehto J, Silva G, et al. (setembro de 2006). «European population substructure: clustering of northern and southern populations». PLOS Genetics (em inglês). 2 (9): e143. PMC 1564423Acessível livremente. PMID 17044734. doi:10.1371/journal.pgen.0020143 
  78. a b c Bauchet M, McEvoy B, Pearson LN, Quillen EE, Sarkisian T, Hovhannesyan K, et al. (maio de 2007). «Measuring European population stratification with microarray genotype data». American Journal of Human Genetics (em inglês). 80 (5): 948–956. PMC 1852743Acessível livremente. PMID 17436249. doi:10.1086/513477 
  79. a b Lao O, Lu TT, Nothnagel M, Junge O, Freitag-Wolf S, Caliebe A, et al. (agosto de 2008). «Correlation between genetic and geographic structure in Europe». Current Biology (em inglês). 18 (16): 1241–1248. PMID 18691889. doi:10.1016/j.cub.2008.07.049Acessível livremente 
  80. Novembre J, Johnson T, Bryc K, Kutalik Z, Boyko AR, Auton A, et al. (novembro de 2008). «Genes mirror geography within Europe». Nature (em inglês). 456 (7218): 98–101. Bibcode:2008Natur.456...98N. PMC 2735096Acessível livremente. PMID 18758442. doi:10.1038/nature07331 
  81. Oleksyk TK, Wolfsberger WW, Weber AM, Shchubelka K, Oleksyk OT, Levchuk O, et al. (janeiro de 2021). «Genome diversity in Ukraine». GigaScience (em inglês). 10 (1). PMC 7804371Acessível livremente. doi:10.1093/gigascience/giaa159Acessível livremente 
  82. Zhernakova DV, Brukhin V, Malov S, Oleksyk TK, Koepfli KP, Zhuk A, et al. (janeiro de 2020). «Genome-wide sequence analyses of ethnic populations across Russia». Genomics (em inglês). 112 (1): 442–458. PMID 30902755. doi:10.1186/s13742-015-0095-0Acessível livremente 
  83. Khrunin AV, Khokhrin DV, Filippova IN, Esko T, Nelis M, Bebyakova NA, et al. (7 de março de 2013). «A genome-wide analysis of populations from European Russia reveals a new pole of genetic diversity in northern Europe». PLOS ONE (em inglês). 8 (3): e58552. Bibcode:2013PLoSO...858552K. PMC 3591355Acessível livremente. PMID 23505534. doi:10.1371/journal.pone.0058552Acessível livremente 
  84. a b Saag L, Laneman M, Varul L, Malve M, Valk H, Razzak MA, et al. (maio de 2019). «The Arrival of Siberian Ancestry Connecting the Eastern Baltic to Uralic Speakers further East». Current Biology (em inglês). 29 (10): 1701–1711.e16. PMC 6544527Acessível livremente. PMID 31080083. doi:10.1016/j.cub.2019.04.026 
  85. Lazaridis I, Nadel D, Rollefson G, Merrett DC, Rohland N, Mallick S, et al. (agosto de 2016). «Genomic insights into the origin of farming in the ancient Near East». Nature (em inglês). 536 (7617): 419–424. Bibcode:2016Natur.536..419L. PMC 5003663Acessível livremente. PMID 27459054. doi:10.1038/nature19310 
  86. Yang MA, Gao X, Theunert C, Tong H, Aximu-Petri A, Nickel B, et al. (outubro de 2017). «40,000-Year-Old Individual from Asia Provides Insight into Early Population Structure in Eurasia». Current Biology (em inglês). 27 (20): 3202–3208.e9. PMC 6592271Acessível livremente. PMID 29033327. doi:10.1016/j.cub.2017.09.030 
  87. Marnetto, Davide; Pankratov, Vasili; Mondal, Mayukh; Montinaro, Francesco; Pärna, Katri; Vallini, Leonardo; Molinaro, Ludovica; Saag, Lehti; Loog, Liisa (março de 2022). «Ancestral genomic contributions to complex traits in contemporary Europeans». Current Biology (em inglês). 32 (6): 1412–1419.e3. ISSN 0960-9822. PMID 35139357 Verifique |pmid= (ajuda). doi:10.1016/j.cub.2022.01.046 
  88. Tambets K, Yunusbayev B, Hudjashov G, Ilumäe AM, Rootsi S, Honkola T, et al. (setembro de 2018). «Genes reveal traces of common recent demographic history for most of the Uralic-speaking populations». Genome Biology (em inglês). 19 (1). 139 páginas. PMC 6151024Acessível livremente. PMID 30241495. doi:10.1186/s13059-018-1522-1 
  89. Lamnidis TC, Majander K, Jeong C, Salmela E, Wessman A, Moiseyev V, et al. (novembro de 2018). «Ancient Fennoscandian genomes reveal origin and spread of Siberian ancestry in Europe». Nature Communications (em inglês). 9 (1). 5018 páginas. Bibcode:2018NatCo...9.5018L. PMC 6258758Acessível livremente. PMID 30479341. doi:10.1038/s41467-018-07483-5 
  90. Pankratov V, Litvinov S, Kassian A, Shulhin D, Tchebotarev L, Yunusbayev B, et al. (julho de 2016). «East Eurasian ancestry in the middle of Europe: genetic footprints of Steppe nomads in the genomes of Belarusian Lipka Tatars». Scientific Reports (em inglês). 6 (1). 30197 páginas. Bibcode:2016NatSR...630197P. PMC 4958967Acessível livremente. PMID 27453128. doi:10.1038/srep30197