História transgênero

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

A história transgênero, no sentido mais amplo, inclui exemplos de variação e não conformidade de gênero, em culturas de todo o mundo, desde os tempos mais remotos. Como essa história é anterior ao surgimento do termo "transgênero", as opiniões sobre como categorizar essas pessoas e identidades podem variar. É uma história que também começa antes do uso de "gênero", em meados do século XX, na psicologia americana e todo o aparato conceitual associado, incluindo as noções de " identidade de gênero " e "papel do gênero".[1][2]

Textos sumérios e acádios, de 4500 anos atrás, documentam sacerdotes transgêneros ou travestis, conhecidos como gala. Da mesma forma, prováveis representações artísticas ocorrem, na região do Mediterrâneo, de 9.000 até 3.700 anos atrás. Na Grécia Antiga, na Frígia e em Roma, havia sacerdotes conhecidos como galli, que alguns estudiosos acreditam ter sido mulheres trans. Foram encontrados registros de mulheres que se passaram por homens para votar, lutar ou estudar durante os tempos em que tais feitos eram proibidos para as mulheres.

O imperador romano Heliogábalo (falecido em 222), que preferia ser chamado de senhora, e não de senhor, procurou uma cirurgia de redesignação de sexo e foi considerado como uma das primeiras figuras trans da história.

Hijras, no subcontinente indiano, e kathoeys, na Tailândia, formaram comunidades sociais e espirituais do terceiro gênero transfemininas, desde os tempos antigos, e sua presença está documentada em textos milenares, que também mencionam figuras masculinas trans. A iconografia religiosa dessas culturas inclui representações de figuras andróginas, com corpos dotados de um lado masculino e um lado feminino, como Ardhanarishvara. Hoje, pelo menos meio milhão de hijras vivem na Índia e outro meio milhão em Bangladesh, sendo legalmente reconhecidas como o terceiro gênero, e muitas pessoas trans são aceitas na Tailândia. Atualmente, na Arábia, os khaniths, tal como os primeiros mukhannathun, cumprem o papel de um terceiro gênero, atestado desde os anos 600.

Na África, muitas sociedades têm papéis tradicionais para mulheres e homens trans, alguns dos quais sobreviveram na era moderna, ainda que em meio a grande hostilidade.

Nas Américas, anteriormente à colonização europeia, assim como nos dias atuais, em algumas culturas de povos nativos dos Estados Unidos, existem papéis sociais e cerimoniais reservados a pessoas do terceiro gênero, ou aqueles cuja expressão de gênero se transforma, como os navajo nádleehi ou os zuni lhamana .

Na Idade Média, relatos em toda a Europa se referem a homens trans. O lamento de Kalonymus ben Kalonymus por ter nascido homem em vez de mulher é tido como um dos primeiros relatos de disforia de gênero.

Eleanor Rykener, um britânico que nasceu em um corpo masculino e que foi preso em 1394, enquanto fazia trabalhos sexuais como mulher, foi considerado como uma mulher trans.

In Japan, accounts of trans people go back to the Edo period. In Indonesia, there are millions of trans-/third-gender waria, and the bugis of Sulawesi recognize five genders. In Oceania, trans-/third-gender roles like the akava'ine, fa'afafine and fakaleiti exist among the Cook Island Maori, Samoans, and Tongans.

Nos Bálcãs, desde 1400, mulheres que passaram a viver como homens, eram chamadas de virgens juramentadas.

No Japão, os relatos de pessoas trans remontam ao período Edo. Na América colonial, nos anos 1600, Thomas(ine) Hall adotou roupas e papéis tanto de homem quanto de mulher, enquanto, em 1776, surgiu a figura religiosa denominada Amigo Público Universal. No período de 1800, algumas pessoas usaram o serviço militar para começar uma nova vida, como homens, a exemplo de Albert Cashier, James Barry, Joseph Lobdell . Mulheres trans, como Frances Thompson, também fizeram a transição. Em 1895, a autobiógrafa trans Jennie June e outras pessoas organizaram o Cercle Hermaphroditos; nos anos 1900, o músico Billy Tipton viveu como um homem, enquanto Lucy Hicks Anderson foi apoiada por seus pais e por sua comunidade, ao se identificar como mulher. Karl M. Baer (1906), Alan L. Hart (1917) e Michael Dillon (1946) fizeram cirurgias precoces de redesignação de sexo, de mulher para homem, enquanto que, em 1930 e 1931, Dora Richter e Lili Elbe estiveram entre as primeiras a fazer cirurgias de redesignação feminina, incluindo (para Elba) transplante de ovariano e útero. Baer, Richter e Elba foram ajudados por Magnus Hirschfeld, cujo trabalho pioneiro no Institut für Sexualwissenschaft para a medicina e os direitos trans foi destruído pelos nazistas em 1933.

Em 1952, a trans americana Christine Jorgensen trouxe uma ampla conscientização sobre a cirurgia de redesignação de sexo, ao fazer sua transição pública. A luta pelos direitos trans tornou-se mais publicamente visível quando pessoas trans e gays entraram em confronto com a polícia, no Cooper Donuts Riot (1959), no Compton's Cafeteria Riot (1966) e nos vários dias dos Stonewall Riots (1969). Na década de 1970, Lou Sullivan deu início ao que se tornou a FTM International, enquanto algumas feministas começaram a disputar a exclusão ou inclusão de mulheres trans.

No Irã, o governo começou a financiar parcialmente a cirurgia de redesignação de sexo e agora realiza mais cirurgias do que qualquer outro país, exceto a Tailândia. Na Indonésia, existem milhões de waria trans / do terceiro gênero, e os bugis, de Sulawesi, reconhecem cinco gêneros.

Na Oceania, papéis trans e de terceiro gênero, como akava'ine, fa'afafine e fakaleiti, existem entre os maoris, samoanos e tonganeses da Ilha Cook. Nas décadas de 1990 e 2000, foi introduzido o Dia Internacional da Memória Transgênero, e as marchas trans, durante a época do Orgulho LGBTQIA+, tornaram-se mais comuns. Pessoas trans como Georgina Beyer (Nova Zelândia), Shabnam Mausi (Índia), Tomoya Hosoda (Japão) e Danica Roem (EUA) foram eleitas para cargos públicos. Ações legislativas e judiciais começaram a reconhecer os direitos das pessoas trans em alguns países (especialmente no Ocidente, na Índia e no sul da África). Ao mesmo tempo, outros países (especialmente no resto do continente africano, na Ásia Central e na Arábia) são hostis e restringem os direitos das pessoas trans.

África[editar | editar código-fonte]

Egito Antigo[editar | editar código-fonte]

O Egito Antigo tinha categorias de terceiro gênero, inclusive para eunucos. No Conto dos Dois Irmãos (de 3200 anos atrás), Bata tira o pênis e diz à sua esposa: "Sou uma mulher igual a você"; um estudioso moderno o chamou temporariamente (antes de seu corpo ser restaurado) de " transgênero ".[3][4][5] Mut, Sekhmet e outras deusas são às vezes representadas de forma andrógina, com pênis eretos,[6] e Anat usa tanto roupas masculinas como femininas.

África do Norte[editar | editar código-fonte]

Pessoas trans enfrentam estigma e não podem mudar os marcadores de gênero ou ter acesso a terapia hormonal ou cirurgia de redesignação sexual no Marrocos. Mas, em 2018, algumas pessoas fundaram um grupo para se opor à discriminação.[7] Na Argélia, a maioria das pessoas trans vive nas sombras ou busca refúgio na França; em 2014, a primeira revista LGBT do país, El Shad, foi lançada.[8] Na Tunísia, pessoas trans foram presas, encarceradas e torturadas;[9] alguns procuram asilo na Grécia.[10] Atualmente, o Egito também é hostil às pessoas transgênero, que estão sujeitas a prisão.[11][12]

Os povos Nuba, do Sudão (incluindo os Otoro Nuba, Nyima, Tira, Krongo e Mesakin), têm papéis tradicionais para pessoas designadas por homens que se vestem e vivem como mulheres e podem se casar com homens, que são vistos como papéis transgêneros.[13][14][15] No entanto, pessoas trans enfrentam discriminação no estado sudanês moderno e o cross-dressing é considerado ilegal no pais.[16][17]

Para a história da África Romana e Bizantina, veja § Roma e Bizâncio ; para a África otomana, consulte § Império Otomano .

África Ocidental[editar | editar código-fonte]

No período moderno, os ibos, como muitos outros povos, tinham papéis de gênero e transgêneros,[13] inclusive para pessoas designadas biologicamente como mulheres, que assumiam o status de homem e se casavam com mulheres - uma prática que também existe entre o Fons do Benim (antigo Reino do Daomé) e que foi considerada tanto transgénero quanto homossexual.[18] O antropólogo John McCall documentou uma Oafia Ibo designada como mulher, chamada Nne Uko Uma Awa, que se vestia e se comportava como um menino desde a infância. Ela juntou-se a grupos de homens e foi marido de duas esposas. Em 1991, Awa declarou "pela criação, era para eu ser um homem. Mas, por acaso, ao vir a este mundo, vim no corpo de mulher. É por isso que me vesti [de homem]. "[19][20] No entanto as pessoas trans na Nigéria enfrentam assédio e violência.[21][22]

Atualmente na Gana, as pessoas trans enfrentam violência e discriminação no acesso à saúde, trabalho, educação e moradia, assim como em vários outros estados da África Ocidental, como a Gâmbia .[23][24]

Pessoas trans enfrentam abusos da sociedade, governo, mídia e médicos no Senegal,[25] e são assediadas (inclusive pela polícia) em Serra Leoa,[26] mas construíram alguns espaços comunitários alternativos.[27] A transfobia é galopante no Mali moderno e mulheres trans são freqüentemente espancadas nas ruas.[28] Na Libéria, as minorias sexuais há muito fazem parte da sociedade e fundaram a Rede Transgênero da Libéria em 2014. A rede realiza um concurso anual e comemora o Dia Trans em Memória, mas também ainda sofrem assédio. Eles se beneficiaram da ajuda dos Estados Unidos da América durante o governo Obama e foram prejudicados pelos cortes do governo Trump e pelos Lliberianos que acreditam, erroneamente, que a condição trans foi introduzida no país pelo Ocidente.[29]

Na Costa do Marfim, as mulheres trans (especialmente as trabalhadoras do sexo) enfrentam assédio e violência, especialmente a partir das eleições de 2011. Desde 2009, há um desfile anual de travestis, mas ele se concentra mais em homens gays do que em mulheres trans ou travestis .[30][31][32] No Benin moderno, uma mulher trans foi apoiada por sua mãe e pelos franceses na organização de outros trans beninenses, mas foi abusada por outros parentes, ameaçada pela polícia e forçada a fugir para o exterior.[33] Em Cabo Verde, a ativista Tchinda Andrade se assumiu em 1998, tornando-se tão conhecida que as pessoas trans são chamadas localmente de tchindas ; em 2015, o documentário Tchindas acompanhou sua preparação para o carnaval anual.[34] As pessoas trans ainda enfrentam intolerância, mas São Vicente, em Cabo Verde, é hoje um dos lugares mais tolerantes de África, o que os locais atribuem ao seu pequeno tamanho exigindo que as pessoas trabalhem em conjunto.[35]

África Central[editar | editar código-fonte]

No Camarões, as pessoas trans enfrentam violência e discriminação no acesso à saúde, trabalho, educação e moradia,[23] e mulheres trans são atacadas e presas.[36][37] Pessoas trans na República Democrática do Congo ainda hoje enfrentam assédio.[38] Pessoas trans e gays em Ruanda vivem mais abertamente e enfrentam menos violência do que nos estados vizinhos, mas enfrentam algum estigma.[39][40] Em Angola, na década de 2010, a cantora trans Titica enfrentou inicialmente a violência, mas tornou-se popular, especialmente entre os jovens angolanos.[41]

África Oriental[editar | editar código-fonte]

Entre os povos de língua suaíli, do Quênia, homens designados como mashoga podem assumir nomes femininos, casar-se com homens e fazer tarefas domésticas femininas (enquanto os mabasha se casam com mulheres).[42][43] Entre alguns outros povos quenianos, os sacerdotes (chamados mugawe entre os Meru e Kikuyu ) se vestem e arrumam seus cabelos como mulheres e podem se casar com homens,[44]tendo sido comparados a mulheres trans.[13][15]

Entre o Nueres, do Sudão do Sul e Etiópia, mulheres que não tiveram filhos podem adotar uma condição de homem, casar-se com mulheres e ser consideradas como pais dos filhos dessas mulheres (uma prática que tem sido considerada como transgênero ou homossexual).[15][45][46] Os Nueres também têm um papel feminino para homens.[13]

Da mesma forma, na tradição do povo Maale, da Etiópia, existe o ashtime - homens que assumem papéis femininos. Historicamente, eles serviam como parceiros sexuais do rei, nos dias em que este era ritualmente proibido de fazer sexo com mulheres. Na década de 1970, porém, isso passou a ser visto como anormal.[47] O povo Amhara, também da Etiópia, estigmatiza pessoas designadas como homens e que adotam roupas femininas.[48][49]

Atualmente, em Uganda, a transfobia e a homofobis estão aumentando, desde que foram introduzidas pelos cristãos britânicos, nos anos 1800 e 1900. Nos anos 2000, foram alimentadas sobretudo pelos conservadores evangélicos dos Estados Unidos.[50] Pessoas trans são frequentemente expulsas por suas famílias e têm seu trabalho negado, e enfrentam discriminação no acesso à saúde, embora os homens trans estejam tentando desafiar essa transfobia e papéis sexistas de gênero.[23][51][52] Tradicionalmente, os povos de Uganda aceitavam amplamente as pessoas trans e gays;[53] o povo Lango aceitava mulheres trans - pessoas designadas enquanto homens chamadas jo apele ou jo aboich eram acreditadas terem sido transformadas na sua concepção em mulheres pela divindade andrógina Jok, e adotaram nomes femininos, roupas e decorações faciais, deixavam seus cabelos crescerem, simulavam menstruação e podiam se casar com homens[15] - assim como os Karamojong e Teso, e os lubaras que desempenhava papéis tanto para mulheres trans (oculê) quanto para homens trans (agulê).[54][55]

Em Madagascar, o Departamento de Estado dos EUA relatou em 2011 que "orientação sexual e identidade de gênero não foram amplamente discutidas" e as atitudes variaram "da aceitação tácita à rejeição violenta, particularmente de trabalhadoras do sexo transgênero".[56] No início dos anos 2000, Balou Chabart Rasoana se tornou uma das primeiras mulheres a se assumir publicamente trans e enfrentou discriminação, mas foi apoiada por sua mãe e, com o tempo, por sua vizinhança. Grande parte da comunidade LGBT permanece clandestina.[57]

África Meridional[editar | editar código-fonte]

Terceiros gêneros Bantu tradicionais[editar | editar código-fonte]

Vários povos Bantu da África Meridional, incluindo os Zulu, Basotho, Mpondo e os Tsonga, tinham uma tradição de jovens homens ( inkotshane em Zulu, boukonchana em Sesotho, tinkonkana em Mpondo e nkhonsthana em Tsonga; chamados de "garotos-esposas" em inglês) que se casavam ou faziam sexo intercrural ou anal com homens mais velhos e às vezes se vestiam de mulher, usavam próteses mamárias, não deixavam crescer a barba e faziam trabalhos femininos.[13][58] Essas relações se tornaram comuns entre os mineiros e continuaram na década de 1950[59] e, embora muitas vezes interpretadas como homossexuais, as esposas de meninos às vezes são vistas como transexuais.[60]

Botswana[editar | editar código-fonte]

Em 2017, julgando dois casos, o Tribunal Superior do Botswana decidiu que homens e mulheres trans têm o direito de ter sua identidade de gênero reconhecida pelo governo e de mudar os marcadores de gênero. O tribunal disse que a recusa do registrador em mudar um marcador não era razoável e violava os "direitos da pessoa à dignidade, privacidade, liberdade de expressão, proteção igual à lei, liberdade contra discriminação e liberdade contra tratamento desumano e degradante".[61][62][63]

África do Sul[editar | editar código-fonte]

Entre os anos 1960 e 1980, as Forças de Defesa da África do Sul forçaram alguns soldados gays e lésbicas brancos a fazer uma cirurgia de redesignação de sexo .[64]

Desde março de 2004, as pessoas trans e intersex têm permissão para mudar seu sexo legalmente[65] após tratamento médico, como terapia de reposição hormonal .[66] Várias decisões da Justiça do Trabalho foram a favor de funcionários que foram maltratados por seus empregadores após fazerem transição de sexo.[67]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Janssen, Diederik F. (21 de abril de 2020). «Transgenderism Before Gender: Nosology from the Sixteenth Through Mid-Twentieth Century». Archives of Sexual Behavior (em inglês). ISSN 0004-0002. PMID 32319033. doi:10.1007/s10508-020-01715-w 
  2. Mesch, Rachel (12 de maio de 2020). Before trans : three gender stories from nineteenth-century France. Stanford, California: [s.n.] ISBN 978-1-5036-1235-8. OCLC 1119978342 
  3. T. G. Wilfong, Gender and Sexuality, in Toby Wilkinson (ed.), The Egyptian World (2007, ISBN 113675377X), p. 211
  4. Caroline Jayne Crowhurst, "True of Voice?": The speech, actions, and portrayal of women in New Kingdom literary texts, dating c.1550 to 1070 B.C.
  5. Martin Pehal, Interpreting Ancient Egyptian Narratives: A Structural Analysis of the Tale of Two Brothers (2014)
  6. Valerio Simini, Cross-dressing in pharonic Egypt, in Domitilla Campanile, Filippo Carlà-Uhink, Margherita Facella (eds.), TransAntiquity: Cross-Dressing and Transgender Dynamics in the Ancient World (2017, ISBN 1317377389), pp. 90-91
  7. Morocco’s Transsexual Community Creates a Collective Body, February 24, 2018, Morocco World News
  8. Behind the scenes with Algeria’s first LGBT magazine, December 3, 2014, The Observers
  9. Michaela Morgan, Tunisian teen imprisoned for being transgender, January 26, 2017, Special Broadcasting Service
  10. Marianna Karakoulaki, Transgender refugees in Greece reclaim their dignity, July 8, 2018, Deutsche Welle
  11. Brutal crackdown has gay and transgender Egyptians asking: Is it time to leave?, October 19, 2017, Los Angeles Times
  12. Richard Hall, Transgender woman ‘tortured’ in Egypt following arrest for anti-government protests, March 12, 2019, The Independent
  13. a b c d e Leslie Feinberg, "Transgender Liberation", in The Transgender Studies Reader, ed. by Susan Stryker, Stephen Whittle (2006, ISBN 041594709X), pp. 215-216
  14. Nadel, S. F. «The Nuba; an anthropological study of the hill tribes in Kordofan» – via Internet Archive  (1930s)
  15. a b c d Randy P Lundschien Conner, David Sparks, Queering Creole Spiritual Traditions (2014, ISBN 131771282X), pp. 34-38
  16. Religious leaders encourage LGBT exclusion in South Sudan, February 2, 2018, Religion News Service
  17. Sudan flogs 19 men in public for cross-dressing, August 4, 2010, Sudan Tribune
  18. Ruth Morgan, Saskia Wieringa, Tommy Boys, Lesbian Men, and Ancestral Wives (2005, ISBN 1770090932), p. 284
  19. John C. McCall, Dancing Histories: Heuristic Ethnography with the Ohafia Igbo (2000, ISBN 0472110705)
  20. Toyin Falola, Nigeria in the twentieth century (2002), p. 86
  21. Sian Norris, Young, trans Nigerians: ‘people need to see that we exist’, April 30, 2018, Open Democracy
  22. Megha Mohan, Why transgender Africans turned against a famous feminist, March 16, 2017, BBC
  23. a b c Status of LGBTI people in Cameroon, Gambia, Ghana and Uganda, December 3, 2015, Finnish Immigration Service
  24. Gambia’s shocking crackdown on suspected homosexual and transgender people, November 21, 2014, This Is Africa
  25. Oscar Lopez, ‘I Don’t Go Out During the Day’: Inside Senegal’s LGBT Crackdown, February 2, 2018, The Daily Beast
  26. 2012 Country Reports on Human Rights Practices: Sierra Leone, U.S. Department of State, p. 30
  27. Niall Flynn, Photos of Sierra Leone’s LGBT community, where gay is a sin, July 27, 2017, Dazed
  28. Attack on transgender woman shows risks faced by LGBT in Mali, October 15, 2018, The Observers
  29. Robbie Corey-Boulet, How the US Shapes Queer Activism in Liberia, June 21, 2019, The Nation
  30. Robbie Corey-Boulet, Transgender Sex Workers in Ivory Coast Face Abuse, December 19, 2012, VOA
  31. Robbie Corey-Boulet, Introducing Miss Woubi, Ivory Coast's unlikely cross-dressing pageant, April 13, 2016, The Guardian
  32. Joseph D'Urso, "The violence has to stop" - transgender voices from around the world, November 20, 2015, Reuters
  33. Haïfa Mzalouat, Cléo, a transgender activist who has sought asylum in Tunisia, June 21, 2016, Heinrich Böll Foundation
  34. Thomas Page, Tchinda Andrade: Cape Verde's transgender hero, July 7, 2016, CNN
  35. Pauliana Valente, Clara Hernanz, Photographing the LGBTQ+ community finding freedom by West Africa’s seaside, October 19, 2018, Dazed
  36. Erin Royal Brokovitch, 2 weeks (so far) in Cameroon prison for being trans, March 31, 2017, 76crimes
  37. Steeves Winner, Popular trans woman beaten and arrested in Cameroon, July 27, 2018, 76crimes
  38. Esther Nsapu, Members of the LGBT Community in DRC Face Violence and Excommunication, March 30, 2018, Global Press Journal
  39. Hamada Elrasam Rwandan LGBT Community Steps Out of Shadows, June 24, 2019, VOA
  40. Lynsey Chutel, An African strongman meeting with the world’s most famous lesbian TV host isn’t just a photo-op, June 6, 2018, Quartz Africa
  41. Horaci Garcia, Trans Angolan pop star Titica shakes her way to success, October 12, 2017, BBC
  42. Anthony Appiah, Henry Louis Gates, Encyclopedia of Africa, v. 2 (2010)
  43. Deborah Amory, "Mashoga, Mabasha, and Maga: 'Homosexuality' on the East African Coast", in S. Murray and W. Roscoe (eds.), Boy-Wives and Female Husbands (1998)
  44. Rodney Needham, Right and Left: Essays on Dual Symbol Classification (1973)
  45. O'Brien (ed.) (2009), p. 384
  46. Alison Shaw, Shirley Ardener (eds.), Changing Sex and Bending Gender (2005, ISBN 184545099X), p. 17
  47. Mark Epprecht, Heterosexual Africa? (2008, ISBN 0821442988), p. 61-62
  48. David F. Greenberg, The Construction of Homosexuality (2008), p. 61
  49. Gwen J. Broude, Marriage, family, and relationships: a cross-cultural encyclopedia (1994), p. 317
  50. Kago Komane, Analysis: Gay-bashing in Africa is ‘a colonial import’, June 25, 2019, The Daily Maverick (and News24)
  51. Alice McCool, New masculinities: meet Uganda's transgender men fighting sexism, May 9, 2018, Reuters
  52. Kenneth Dickerman, The harsh reality of being transgender in Uganda, August 17, 2016, The Washington Post
  53. Deborah Kintu, The Ugandan Morality Crusade (2017, ISBN 1476629536, p. 29
  54. David W. Machacek, Melissa M. Wilcox (eds.), Sexuality and the World's Religions (2003, ISBN 1576073599), p. 19
  55. Feinberg (1996), p. 45
  56. 2011 Country Reports on Human Rights Practices: Madagascar, U.S. Department of State, p. 26
  57. Tom Maguire, Lexi Manatakis, Being queer in Madagascar, one of the world’s most underreported countries, May 31, 2018, 'Dazed
  58. Marc Epprecht, Hungochani, Second Edition: The History of a Dissident Sexuality (2003, ISBN 0773588787) pp. 3, 73-74
  59. Evaristo, Bernardine (8 de março de 2014). «The idea that African homosexuality was a colonial import is a myth». The Guardian 
  60. Chantal Zabus, David Coad, Transgender Experience: Place, Ethnicity, and Visibility (2013, ISBN 1135135975), p. 163
  61. Botswana: Activists Celebrate Botswana's Transgender Court Victory, 2017
  62. “Sweet closure” as Botswana finally agrees to recognise trans man, Mambaonline, 2017
  63. «Botswana to recognise a transgender woman's identity for first time after historic High Court ruling». independent.co.uk. 18 de dezembro de 2017 
  64. «The GULLY - Africa - Apartheid Military Forced Gay Troops Into Sex-Change Operations». Consultado em 26 de janeiro de 2017 
  65. «Boys will be girls as sex change bill passed». Independent Online. Sapa. 26 de setembro de 2003. Consultado em 12 de julho de 2011 
  66. «Changing your name and gender in your identity document: the Alteration of Sex Description Act 49 of 2003» (PDF). Gender Dynamix. Consultado em 29 de setembro de 2013. Cópia arquivada (PDF) em 4 de março de 2016 
  67. Rheeder, Johanette. «Unfair Discrimination Against Transsexuals». Consultado em 3 de julho de 2013. Cópia arquivada em 28 de setembro de 2013 
Ícone de esboço Este artigo sobre LGBT é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.