Histórias (Heródoto)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Histórias
Fragmento do séc II do Livro VIII. Papiro 2099 de Oxirrinco
Autor(es) Heródoto
Idioma Grego
País Grécia Antiga
Lançamento século V a.C.

Histórias (em grego clássico: Ἰστορἴαι; romaniz.: Historiai; em latim: Historiae) é uma obra produzida em nove livros por Heródoto de Halicarnasso usando o grego jônico.[1] Escrita entre 440-430 a.C., tem como pano de fundo as Guerras Médicas (499–449 a.C.) travadas entre as poleis da Grécia e o Império Aquemênida.[2][3] Cada um dos livros que a compõem foram dedicados a uma das musas, na ordem: Clio, Euterpe, Tália, Melpômene, Terpsícore, Erato, Polímnia, Urânia e Calíope.[4]

Sumário[editar | editar código-fonte]

Candaules, rei da Lídia, mostra sua esposa furtivamente a Gyges, um de seus ministros, quando ela vai para a cama, por William Etty (1830)

Livro I (Clio)[editar | editar código-fonte]

  • Os estupros de Io, Europa e Medeia, que motivou Páris a abduzir Helena de Tróia. A subsequente Guerra de Troia é marcada como um precursor de conflitos posteriores entre povos da Ásia e da Europa. (Heródoto -1 -1 & 5) [5]
  • Cólquida, Cólquidos e Medeia.
  • Os governantes de Lídia (na costa oeste da Ásia Menor, hoje moderna Turquia): Candaules, Giges da Lídia, Árdis II, Sadyattes, Alíates, Croesus (Heródoto 1 - 6 & 7)
  • Como Candaules fez seu guarda-costas, Giges da Lídia, ver o corpo nu de sua esposa. Após a descoberta, ela ordenou que Gyges assassinasse Candaules ou enfrentaria a morte ele mesmo.
  • Como Gyges conquistou o reino de Candaules (Heródoto 1 - 8 & 13)
  • O passeio do cantor Arion no golfinho (Heródoto 1 - 1 -23 & 24)
  • A resposta de Solon à pergunta de Creso de que Tellus (Antiga Atenas) era a pessoa mais feliz do mundo (Heródoto 1 - 1 -29 & 33)
  • Os esforços de Creso para proteger seu filho Átis, a morte acidental de seu filho por Adrasto (filho de Górdio) Heródoto – 1 34 & 44)* Teste dos oráculos de Creso (Heródoto – 1 - 46 & 54)
  • A resposta do Oráculo de Delfos sobre se Creso deveria atacar oss Persas (famoso por sua ambigüidade): Se você atacar, um grande império cairá
  • Pisístrato sobe e desce do poder como tirano de Atenas (Heródoto - 1| 1 | 59 & 54)
  • A ascensão de Esparta (Heródoto - 1| 1 | 65}} & 68)
Iinterpretação de 1875 de Edwin Long de The Babylonian Marriage Market conforme descrito por Heródoto no Livro 1 das Histórias
  • Uma descrição da localização geográfica de várias tribos da Anatólia, incluindo os Capadócios, Matieni, Frígios e Paflagonianos. (Heródoto - 1| 1 | 72}})
  • A Batalha de Hális (do eclipse); Tales prevê o eclipse solar de 28 de maio de 585 aC (Heródoto - 1 - 74)
  • A derrota de Creso por Ciro II da Pérsia, e como ele mais tarde se tornou conselheiro de Ciro ({{Heródoto -1 -70 & 92)
  • A descida do Mar Tirreno dos Lídios: "Então, um grupo, tendo sorteado a sorte, deixou o país e desceu a Esmirna e construiu navios, nos quais carregaram todas as suas mercadorias que podiam ser transportadas a bordo do navio, e partiu em busca um meio de vida e um país; até que, finalmente, após peregrinarem com um povo após o outro, eles vieram para Ombrici, onde fundaram cidades e viveram desde então. Eles não se chamavam mais de lídios, mas de tirrenos, em homenagem ao rei filho que os conduziu até lá ". (Heródoto -1 -94}}) [6]
  • Os governantes dos Medos: Deéjoces, Fraortes, Ciaxares, Astíages, Ciro II (Heródoto - 1 - 95 & 144)
  • A ascensão dos Deioces sobre os Medos
  • Astíages tentativa de destruir Cyrus e a ascensão de Ciro ao poder
  • Harpagus enganado para comer seu filho, sua vingança contra Astíages ajudando Ciro
  • A cultura dos persas
  • A história e geografia da Jônia, e os ataques de Harpagus a essa nação
  • Pactyes convence os lídios a se revoltarem. A rebelião falha e ele busca refúgio em Mazares em Cime (Eólia)
  • A cultura da Assíria, especialmente o design e a melhoria da cidade de Babilônia e os costumes de seu povo
  • O ataque de Ciro à Babilônia, incluindo sua vingança no rio Gyndes e seu famoso método para entrar na cidade
  • O ataque malfadado de Ciroaos Masságetas, levando à sua morte.

Livro II (Euterpe)[editar | editar código-fonte]

Heródoto (Livro II, 68) afirmou que o pássaro trochilo visitou o crocodilo, que abriu sua boca no que agora seria chamado de simbiose de limpesa para comer sanguessugas. Uma pesquisa moderna das evidências encontra apenas relatos ocasionais dessas aves "removendo sanguessugas da boca e das placas gulares e atacando insetos ao longo do corpo do réptil". [7] Desenho de Henry Scherren, 1906
  • A prova da antiguidade dos Frígios pelo uso de crianças não expostas à linguagem
  • A geografia, os costumes e a história do Antigo (Seções 2 a 182)
  • Especulações sobre o rio Nilo (Seções 2-34)
  • As práticas religiosas do Egito, especialmente porque diferem dos gregos (seções 35–64)
  • Os animais do Egito: gatos, cães, crocodilo s, lontra s, Fênix (mitologia]], Serpente sagrada, serpente alada, íbis
  • A cultura do Egito: medicina, rituais fúnebres, comida, barcos [8]
  • Os reis do Egito: Menés, Nitócris, Mœris, Sesóstris I, Pheron, Proteus
  • Helena de Esparta e a estada de Páris no Egito, pouco antes da Guerra de Tróia (Heródoto – 1 - -112 & 120)) [9]
  • Mais reis do Egito: Rhampsinit (e a história do ladrão inteligente), Quéops (e a construção da Grande Pirâmide de Gizé usando máquinas (“A Máquina de Heródoto”), Quéfren, Miquerinos, Asychis, Anysis, Seti
  • A linha dos sacerdotes
  • O Labirinto egípcio
  • Mais reis do Egito: os doze, Psamético I (e sua ascensão ao poder), Necao II , Psamético II, Apries, [ [Amósis II]] (e sua ascensão ao poder)

Livro III (Thalia)[editar | editar código-fonte]

Livro IV (Melpomene)[editar | editar código-fonte]

Alto-relevo de Dario, Persépolis
  • O início do ataque de Dario à Cítia, incluindo a ponte flutuante sobre o Bósforo
  • A adoração brutal de Zalmoxis pelos Getos
  • Os costumes dos povos vizinhos: Tauri, Agathyrsi, Neuri, Andrófagos (comedores de homens), Melanchlaenos, Geloni, Budini, Sauromatas
  • O cortejo do Amazonas pelos citas, formando os Sauromatae
  • O ataque fracassado de Dario à Cítia e a consequente retirada
  • A história dos Minyæ (descendentes dos Argonautas) e a fundação da Cirene
  • Lista dos Reis de Cirene Battus I, Arcesilaus I, Battus II, Arcesilaus II, attus III (e as reformas de Demonax (legislador) , Arcesilaus II(e sua fuga, restauração e assassinato), Battus IV e Arcesilaus IV (sua revolta e morte)
  • Os povos da Líbia de leste a oeste
  • A vingança da mãe de Arcesilau (Pheretima (Rainha Cirenaiana)
Estátua de Atena, a Deusa padroeira de Atenas

Livro V (Terpsicore)[editar | editar código-fonte]

  • O ataque aos [[trácios por Megabazus
  • A remoção dos peonianos para a Ásia
  • O massacre dos enviados persas por Alexandre I da Macedônia
  • O ataque fracassado aos Naxianos por Aristágoras, tirano de Mileto
  • A revolta de Mileto contra a Pérsia
  • O histórico de Cleomenes I, rei de Esparta, e seu meio-irmão Dorieus
  • A descrição da Estrada Real persa de Sardis para Susa
  • A introdução de escrita na Grécia pelos fenícios
  • A libertação de Atenas por Esparta e seus ataques subsequentes a Atenas
  • A reorganização das tribos atenienses por Clístenes
  • O ataque a Atenas pelos Tebanos e Eginetans
  • Os antecedentes dos tiranos de Corinto Cypselus e seu filho Periandro
  • Pedido fracassado de Aristágoras por ajuda de Esparta e tentativa bem-sucedida com Atenas
  • A queima de Sardis e o voto de vingança de Dario contra os atenienses
  • Tentativas da Pérsia de reprimir a revolta jônica

Livro VI (Erato)[editar | editar código-fonte]

Trirreme Grega
  • A fuga de Histieu para Quios
  • O treinamento da frota da Jônia n por Dionísio de Foceia
  • O abandono da frota Jônica pelos Samianos durante a batalha
  • A derrota da frota jônica pelos persas
  • A captura e morte de Histiaeus por Hárpago
  • A invasão das terras gregas sob Mardônio e a escravidão da Macedônia
  • A destruição de 300 navios da frota de Mardônio perto do Monte Atos
Milciades
  • A ordem de Dario que os gregos fornecessem a ele “terra e água”, na qual a maioria concorda, incluindo Egina
  • O pedido ateniense de assistência de Cleômenes de Esparta para lidar com os traidores
  • A história por trás de Esparta com dois reis e seus poderes
  • O destronamento de Demarato, o outro rei de Esparta, devido à sua suposta linhagem falsa
  • A prisão dos traidores em Aegina por Cleomenes e o novo rei Leotychides
  • O suicídio de Cleomenes em um ataque de loucura, possivelmente causado por sua guerra com antiga Argos, por beber vinho sem mistura ou por seu envolvimento na destronação de Demarato
  • A batalha entre Aegina e Atenas
  • A tomada de Erétria pelos persas depois que os eretrianos enviaram ajuda ateniense
  • Fidípides encontro com o deus Pan em uma jornada para Esparta para pedir ajuda
  • A assistência dos Plateeanos e a história por trás de sua aliança com Atenas
  • A vitória ateniense na Batalha de Maratona, liderada por Milcíades e outros estrategidos[10]
  • Os espartanos chegaram atrasados para ajudar Atenas
  • A história dos Alcmeônidas e como eles surgiram sobre sua riqueza e status
  • A morte de Miltíades após um ataque fracassado em Paros e a tomada bem-sucedida de Lemnos
A planície de Maratona hoje

Livro VII (Polymnia)[editar | editar código-fonte]

  • Concentração de um exército por Dario I da Pérsia após saber sobre a derrota na Batalha de Maratona (Heródoto – 1 – 7)
  • Disputa entre Ariamenes e Xerxes I sobre qual filho deveria suceder Dario na qual Xerxes é escolhido (Heródoto – 1 – 7 -2)
  • Morte de Dario em 486 AC (Heródoto – 1 -7 -4)
  • A derrota dos rebeldes egípcios por Xerxes
  • O conselho dado a Xerxes sobre a invasão da Grécia: Mardônio pela invasão, contra Artabano (Heródoto 7 -9 -10)
Leonidas nas Termópilas , por Jacques-Louis David (1814)
  • Os sonhos de Xerxes nos quais um fantasma o amedronta e a Artabanus fazendo-o escolher a invasão
  • Os preparativos para a guerra, incluindo a construção do Canal de Xerxes e das Pontes de pontão de Xerxes através do Helesponto
  • A oferta de Pythius de dar a Xerxes todo o seu dinheiro, com que Xerxes o recompensa
  • O pedido de Pythius para permitir que um filho ficasse em casa, a raiva de Xerxes, e a marcha entre as metades massacradas dos filhos de Pythiusns em Abidos, Helesponto.
  • A aliança com a Pérsia de muitos estados gregos, incluindo Tessália, Tebas (Grécia), e antiga Argos
  • A recusa de ajuda após negociações por Gelão de Siracusa, e de Creta
  • A destruição de 400 navios persas devido a uma tempestade
  • A pequena força grega (aproximadamente 7 mil) liderada por Leônidas I, enviada para Termópilas para atrasar o exército persa ( 5.283.220 (Heródoto)
  • A Batalha das Termópilas na qual os gregos mantêm o passe por 3 dias
  • A passagem secreta divulgada por Efialtes (filho de Euridemo), que Hydarnes II usou para liderar as forças armênias ao redor das montanhas para cercar os gregos
  • A retirada de todos, exceto os espartanos, Téspias e os tebanos (forçados a ficar pelos espartanos).
  • A derrota grega e a ordem de Xerxes de remover a cabeça de Leônidas e anexar seu torso a uma cruz

Livro VIII (Urânia)[editar | editar código-fonte]

  • A frota grega é liderada por Euribíades, um comandante espartano que liderou a frota grega após a reunião no istmo 481 aC,
  • A destruição pela tempestade de duzentos navios enviados para impedir a fuga dos gregos
  • A retirada da frota grega após a notícia de uma derrota na Batalha das Termópilas
  • O resgate sobrenatural de Delfos de um ataque persa
  • A evacuação de Atenas assistida pela frota
  • O reforço da frota grega na Salamina, elevando o total de navios para 378
  • A destruição de Atenas pela força terrestre persa após dificuldades com aqueles que permaneceram
  • A Batalha de Salamina, os gregos levam vantagem devido à melhor organização, e menos perdas devido à habilidade de nadar
  • A descrição do Angarum, o local de equitação persa
  • A elevação a favor de Artemisia I da Cária, a comandante mulher persa, e seu conselho a Xerxes em favor do retorno à Pérsia
Coluna Serpentina dedicada pelos gregos vitoriosos em Delfos, posteriormente transferida para Constantinopla
  • A vingança de Hermotimus de Pedasa]], eunuco chefe de Xerxes eunuco, contra Panioniu.
  • O ataque a Andros por Temístocles, o comandante da frota ateniense e o mais valente grego em Salamina
  • A fuga de Xerxes e deixar para trás 300 mil soldados escolhidos sob o comando de Mardónio na Tessália
  • A ascendência de Alexandre I da Macedônia, incluindo Pérdicas
  • A recusa de uma tentativa de Alexandre de buscar uma aliança persa com Atenas

Livro IX (Calliope)[editar | editar código-fonte]

  • A segunda tomada de uma Atenas evacuada
  • A evacuação para Tebas por Mardônio após o envio de tropas Lacedemônios
  • O assassinato de Masistius, líder da cavalaria persa, pelos atenienses
  • O aviso de aos gregos sobre um ataque iminente
  • A morte de Mardônio por Aeimnestus
  • Os persas recuam para Tebas, onde são posteriormente massacrados (Batalha de Plateias)
  • A descrição e divisão dos despojos
  • A fuga rápida de Artabazo I da Frígia para a Ásia.
  • A derrota persa em Jônia pela frota grega (Batalha de Micale), e a revolta jônica
  • A mutilação da esposa de Masistes ordenada por Améstris, esposa de Xerxes
  • A morte de Masistes após sua intenção de rebelião
  • O bloqueio ateniense de Sesto (Trácia) e a captura de Artayctes
  • A sugestão abortiva dos persas para que Cyrus migrasse da rochosa Persis

Notas[editar | editar código-fonte]

  1. Priestley 2014, p. 33.
  2. Priestley 2014, p. 152.
  3. Holland 2006, p. xvi–xvii.
  4. Heródoto 1942.
  5. Fehling, Detlev (1989). "Algumas citações de fontes comprovadamente falsas". Heródoto e Suas 'Fontes' . Francis Cairns, Ltd. 50 & 57. ISBN 0-905205-70-7.
    Lindsay, Jack (1974). "Helena no século V". Helena de Tróia Rowman e Littlefield. 133 & 134. ISBN 0-87471-581-4
  6. Heródoto. As histórias. Traduzido por A. D. Godley, Harvard University Press, 1920, http://www.perseus.tufts.edu/hopper/text?doc=Perseus:text:1999.01.0126:book=1:chapter=94.
  7. cite journal | title = Simbiose de limpeza envolvendo tartarugas de Galápagos e duas espécies de tentilhões de Darwin | author1 = Macfarland, Craig G. | author2 = Reeder, W. G. | journal = Zeitschrift für Tierpsychologie | ano = 1974 | volume = 34 | problema = 5 | páginas = 464–483 | doi = 10.1111 / j.1439-0310.1974.tb01816.x | pmid = 4454774
  8. Cite web | url = https: //www.livescience.com/65028-herodotus-ship-discovered.html | title = 2.500 anos atrás, Heródoto descreveu um navio estranho. Agora, os arqueólogos encontraram. | Last = Geggel | first = Laura | date = 19 de março de 2019 | website = Live Science | access-date = 2019-03-19
  9. Kim, Lawrence (2010) . “Homero, poeta e historiador”. Homer Between History and Fiction in Imperial Greek Literature. Cambridge University Press. 30-35 ISBN 978-0-521-19449-5.
    Allan, Williams (2008). "Introdução". Helen . Cambridge University Press. 22-24 ISBN 0-521-83690-5.
    Lindsay, Jack (1974). "Helena no século V". Helena de Tróia. Rowman e Littlefield. 135-138. ISBN 0-87471-581-4
  10. [https: //www.perseus.tufts.edu /hopper/text?doc=Perseus:text:1999.01.0126:book=6:chapter=100:section=1 «Herodotus, As Histórias, Livro 6, capítulo 100, seção 1»] Verifique valor |url= (ajuda). www.perseus.tufts .edu. Consultado em 3 de outubro de 2017 

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Heródoto (1942). Butterfield, Bruce J., ed. «The Persian Wars by Herodotus». Traduzido por Rawlinson, George 
  • Holland, Tom (2006). Persian Fire: The First World Empire and the Battle for the West. Londres: Little, Brown Book Group. ISBN 0-385-51311-9 
  • Priestley, Jessica (2014). Herodotus and Hellenistic Culture: Literary Studies in the Reception of the Histories. Oxônia: Oxford University Press 

[1] [2] [3]

Fontes diversas[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Wikisource
A Wikisource contém fontes primárias relacionadas com History of Herodotus

Críticas textuais[editar | editar código-fonte]

  • Herodotus (1908) [c. 430 bc]. Hude, C., ed. Herodoti Historiae. Oxford, UK: Oxford University Press 
  • Herodotus (1908) [c. 430 bc]. Hude, C., ed. Herodoti Historiae. Oxford, UK: Oxford University Press 
  • Herodotus (1987) [c. 430 bc]. Rosén, H.B., ed. Herodoti Historiae. Volume I: Libros I-IV continens. Leipzig, DE: [s.n.] 
  • Herodotus (1997) [c. 430 bc]. Rosén, H.B., ed. Herodoti Historiae. Volume II: Libros V-IX continens indicibus criticis adiectis. Stuttgart, DE: [s.n.] 
  • Herodotus (2015) [c. 430 bc]. Wilson, N.G., ed. Herodoti Historiae. Oxford, UK: Oxford University Press 
  • Herodotus (2015) [c. 430 bc]. Wilson, N.G., ed. Herodoti Historiae. Oxford, UK: Oxford University Press 

Traduções[editar | editar código-fonte]

    • Volume I : Books 1–2. [S.l.: s.n.] 1920 
    • Volume II : Books 3–4. [S.l.: s.n.] 1921 
    • Volume III : Books 5–7. [S.l.: s.n.] 1922 
    • Volume IV : Books 8–9. [S.l.: s.n.] 1925 

Manuscritos[editar | editar código-fonte]

  • Papyrus Oxyrhynchus 18
  • Papyrus Oxyrhynchus 19
  • Papyrus Oxyrhynchus 2099, início século II; VIII

Cultura popular[editar | editar código-fonte]

Romances históricos a partir de materiais de Heródoto

  • Prus, B. Pharaoh. [S.l.: s.n.] Incorporates the Labyrinth scenes inspired by Herodotus' description in Book II of The Histories.  Parâmetro desconhecido |title-link= ignorado (ajuda)
  1. Herodotus; Arnold, John H. (2000). History: A very short introduction. [S.l.]: Oxford University Press. ISBN 0-19-285352-X 
  2. Herodotus (1987) [c. 430 bc]. Ἱστορίαι [The History]. Traduzido por Gren, David. Chicago, IL: University of Chicago Press. pp. 37–38. ISBN 0-226-32770-1 
  3. Strauss, B.S. (14 June 2014). «One of the greatest storytellers who ever lived». Off the Shelf (offtheshelf.com)  Verifique data em: |data= (ajuda)