Ho, mia kor'

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Esperanto flag
Tópico sobre Esperanto
Esse artigo faz parte da série em desenvolvimento Esperanto
Gramática
Esperanto | Gramática | Alfabeto | Ortografia | Vocabulário | Correlativos | Preposições | Advérbios | Conjunções | Afixos | Pronomes | Signuno
História
História | Zamenhof | "Unua Libro" | Declaração de Boulogne | "Fundamento" | Manifesto de Praga | Discursos de Zamenhof
Cultura
Cultura | Esperantistas | Esperantujo | Cinema | Internacia Televido | La Espero | Bibliotecas | Literatura | Música | Falantes nativos | Cultura pop | Publicações | Símbolos | Dia de Zamenhof| Internacia Junulara Kongreso
Organizações e serviços
Amikeca Reto | Academia de Esperanto | Kurso de Esperanto | Pasporta Servo | TEJO | UEA
Críticas
Esperantido | Valor propedêutico | Reformas | Iĉismo | Esperanto X Ido | Interlingua | Novial
Wikimedia
Portal | Vikipedio | Vikivortaro | Vikicitaro | Vikifonto | Vikilibroj | Vikikomunejo | Vikispecoj
editar

Ho, mia kor', é um poemeto de L. L. Zamenhof, composto pouco antes do lançamento do Unua Libro (Primeiro Livro), em 1887. "Nesta época Zamenhof escreveu versos bastante curtos. Eles soam um tanto como a respiração difícil de uma pessoa que sobe correndo 5 andares de escada de um prédio e pára de pé atrás da porta." (Edmond Privat, Vivo de Zamenhof, pg. 35.)

:Ho, mia kor'
Ho, mia kor', ne batu maltrankvile,
El mia brusto nun ne saltu for!
Jam teni min ne povas mi facile,
Ho, mia kor'!
Ho, mia kor'! Post longa laborado
Ĉu mi ne venkos en decida hor'?
Sufiĉe! trankviliĝu de l' batado,
Ho, mia kor'!
:Oh, Meu Coração
Oh, meu coração, não bata inquieto,
Do meu peito não salte agora!
Já mal consigo me segurar,
Oh, meu coração!
Oh, meu coração! Após longa luta
Será que não vencerei na hora decisiva?
Basta! acalma teus batimentos,
Oh, meu coração!

Versão de J. B. de Mello e Souza[editar | editar código-fonte]

Uma tradução em Português do poema Ho Mia kor', realizada por J. B. de Mello e Souza, foi publicada na revista Brazila Esperantisto (Esperantista Brasileiro)(ano 4, número 2, junho de 1912, pág. 3).

Meu Coração
Meu coração, não batas agitado.
Não mais te aflija intensa comoção,
Assaz, já tens sofrido e assaz lutado,
Fica tranquilo, humilde coração.

O teu trabalho imenso finda agora,
Eis alcançada a tua aspiração;
Não vencerás na decisiva hora?
Hás de vencer, altivo coração…

Adaptação musical da tradução de J. B. de Mello e Souza[editar | editar código-fonte]

Há uma gravação, na voz da cantora Lia Salgado (1914-1980), de uma música, cujo título é o mesmo do poema (Meu Coração). O quarto verso, que falava de um "coração humilde", foi substituído por "coração altivo". O verso onde o poeta pergunta "Não vencerás na decisiva hora?" transformou-se na afirmação "Hás de vencer, altivo coração". Seguem-se às duas estrofes iniciais outras duas, possivelmente adicionadas por Mello e Souza. A melodia é do compositor Lorenzo Fernandes (1897-1948).

Fonte[editar | editar código-fonte]