Holmesina

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém fontes no fim do texto, mas que não são citadas no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações. (desde agosto de 2011)
Por favor, melhore este artigo inserindo fontes no corpo do texto quando necessário.


Como ler uma caixa taxonómicaHolmesina
Holmesina occidentalis

Holmesina occidentalis
Classificação científica
Reino: Animalia
Filo: Cordados
Classe: Mamíferos
Superordem: Xenarthra
Ordem: Cingulata
Família: Pampatheriidae
Género: Holmesina
Simpson, 1930
Espécies
  • Holmesina septentrionalis
  • Holmesina floridanus
  • Holmesina occidentalis

O Holmesina é um género de Pampatheriidae, um grupo extinto de seres semelhantes aos tatus de quem eram parentes distantes. Como tatus, e ao contrário do outro ramo extinto do Cingulata, o gliptodontes, a concha era composta de placas flexíveis que permitiam que o animal se movesse com mais facilidade. As espécies Holmesina eram herbívoros; os tatus são principalmente insetívoros.

O Holmesina viveu há aproximadamente 12 mil anos atrás durante o Pleistoceno no atual território dos EUA, era descendente de pequenos animais que migraram da América do Sul quando se formou a ponte de terra entras as Américas. O Holmesina foi um dos maiores tatus que já existiu, o único que atingiu tamanho próximo foi o Pampatherium, primo sul-americano. Se alimentava de raízes, ovos, insetos, moluscos e carniça, com a ajuda de suas poderosas garras, as quais também serviam para cavar enormes tocas para abriga-los. Apesar de seu enorme tamanho, os adultos podiam ser caçados por enormes tigres de dentes de sabre, que podiam quebrar sua forte couraça protetora e dispor da grande quantidade de carne que esses animais possuíam.

Holmesina septentrionalis

Ligações externas[editar | editar código-fonte]