Homem-orquestra

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Um homem-orquestra tocando em Calgary.

Um homem-orquestra (também conhecido por banda de um homem só) é um músico que interpreta vários instrumentos musicais simultaneamente. Usualmente, isso inclui certo número de instrumentos de sopro amarrados ao pescoço, um grande bumbo preso às costas do músico, pratos entre os joelhos, um banjo, ukulele ou violão nas mãos, e uma gaita montada numa estrutura de arame em frente a boca.

Características[editar | editar código-fonte]

Um homem-orquestra pode incorporar quaisquer instrumentos à sua performance, de baterias eletrônicas MIDI presas ao peito e pedaleiras nos pés, a tamborins e maracas.

A expressão "homem-orquestra" também é usada coloquialmente para descrever um artista musical que toca todos os instrumentos em uma canção, mixando as diversas partes tocadas num estúdio de gravação. Igualmente, com o uso de técnicas de gravação, artistas contemporâneos são capazes de realizar solos ao vivo como "homens-orquestra".

História[editar | editar código-fonte]

Tocadores de flauta de tamborileiro em iluminura do manuscrito Cantigas de Santa Maria, século XVIII.

Os mais antigos registros conhecidos de múltiplos instrumentos musicais sendo tocados simultaneamente datam do século XIII, com a flauta de tamborileiro e o tamboril. A flauta de tamborileiro era uma flauta simples, com três buracos; o tamboril é conhecido nos dias de hoje como caixa. Ainda pode ser ouvido em regiões rurais da França, Espanha, Portugal, Inglaterra[1] e entre os bascos e catalões.

A combinação de violão e gaita (da forma usada por músicos tais como Tex Williams, Jimmy Reed, Bob Dylan, Neil Young e Ray Dorset do Mungo Jerry) é tão comum agora que nem mesmo é mais considerada como um exemplo de homem-orquestra.

Vic Ellis, de Sussex.

Um dos mais famosos expoentes modernos dos múltiplos instrumentos foi Jesse Fuller, que inventou o baixo acionado com o pé, o "fotdella". Um outro foi Fate Norris, do The Skillet Lickers, uma banda caipira dos anos 1920 e início dos anos 1930.

O britânico Don Partridge tornou famosa a indumentária típica do homem-orquestra (bumbo nas costas, violão e gaita) pelas ruas da Europa, e foi provavelmente o primeiro músico de rua a entrar para a "Lista das 10 Mais" da UK Singles Chart, com seus sucessos "Rosie" e "Blue Eyes" em 1968.

Exemplos modernos de homens-orquestra incluem intérpretes tais como Hasil Adkins e Sterling Magee, mais conhecido como "Mister Satan" do duo Satan and Adam. No Brasil, conhece-se Mauro Bruzza, Homem-banda de Porto Alegre (Rio Grande do Sul).[2]

Referências

  1. Pipe and tabor
  2. «A arte de rua é minha liberdade». Revista Bastião. Consultado em 1 de setembro de 2014 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]