Homem de Kennewick

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

Homem de Kennewick é o nome geralmente dado aos restos esqueléticos de um pré-histórico homem paleoamericano encontrado em um leito do rio Columbia em Kennewick (Washington), em 28 de julho de 1996.[1] Trata-se de um dos esqueletos antigos mais completos já encontrados. Testes ósseos mostraram que data de 7 000−6 900 a.C..[2]

Conflitos sobre a posse[editar | editar código-fonte]

A descoberta levou a considerável controvérsia com os Umatilla e outros povos indígenas, que reivindicam a devolução dos restos humanos de Kennewick, para que sejam enterrados, conforme estabelece o NAGPRA (Native American Graves Protection and Repatriation Act). Os cientistas realizaram estudos sobre o esqueleto, no início de 2000, enquanto o Corpo de Engenheiros do Exército dos Estados Unidos detém a custódia do fóssil, já que foi encontrado numa área sob seu controle.

Com as inovações tecnológicas, um teste de DNA adicional do fóssil humano foi realizado na Dinamarca, e os resultados preliminares, relatados em janeiro de 2015, sugerem que o homem de Kennewick está ligado geneticamente aos nativos norte-americanos, o que gerou nova demanda de devolução, por parte dos indígenas.[3]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. Kennewick Man Skeletal Find May Revolutionalize Continent's History, Science Daily, 26 de abril de 2006, consultado em 6 de fevereiro de 2013 
  2. Douglas Preston, "The Kennewick Man Finally Freed to Share His Secrets", Smithsonian Magazine, Setembro de 2014
  3. Sandi Doughton, "First DNA Tests Say Kennewick Man Was Native American", Seattle Times, 17 de janeiro de 2015.
Ícone de esboço Este artigo sobre arqueologia ou arqueólogo(a) é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.