Homo luzonensis

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Como ler uma infocaixa de taxonomiaHomo luzonensis
Ocorrência: Taratiano
CCH1, fóssil do terceiro metatarso de 67000 anos atribuído ao Homo luzonensis
CCH1, fóssil do terceiro metatarso de 67000 anos atribuído ao Homo luzonensis
Estado de conservação
Extinta (fóssil)
Classificação científica
Domínio: Eukaryota
Reino: Animalia
Filo: Chordata
Classe: Mammalia
Subclasse: Theria
Infraclasse: Placentalia
Ordem: Primates
Subordem: Haplorrhini
Infraordem: Simiiformes
Parvordem: Catarrhini
Superfamília: Hominoidea
Família: Hominidae
Subfamília: Homininae
Género: Homo
Espécie: H. luzonensis
Nome binomial
Homo luzonensis
Détroit et al., 2019

Homem de Callao (Homo luzonensis) refere-se a restos de hominídeos fossilizados descobertos na Caverna de Callao, Luzon, nas Filipinas em 2007 por Armand Salvador Mijares. Especificamente, o achado inicial consistiu em um único Metatarso de 61 milímetros que, quando datado usando ablação de série de urânio, descobriu-se ter 67.000 anos de idade, datando do Pleistoceno tardio.[1][2]

Em 2019, um artigo na revista acadêmica Nature descreveu a subsequente "descoberta de doze elementos adicionais do hominídeo que representam pelo menos três indivíduos que foram encontrados na mesma estratigrafia da Caverna de Callao como o metatarso previamente descoberto" e identificou os fósseis como pertencentes a espécie recém descoberta, Homo luzonensis, com base nas diferenças das espécies identificadas anteriormente no gênero Homo, incluindo a H. floresiensis e a H. sapiens.[1][2]

Descrição[editar | editar código-fonte]

Embora a teoria inicial da migração humana para as Filipinas propusesse o uso de pontes terrestres durante o último período glacial, a moderna leitura batimétrica do Estreito de Mindoro e da Passagem de Sibuto sugerem que nenhuma das duas opções teriam ficado totalmente fechadas. Portanto, a teoria atual é que o homem de Callao e seus contemporâneos em Luzon chegaram até a Sondalândia por embarcações.[3]

O pequeno tamanho dos molares do hominídeo sugere que tenha sofrido de nanismo insular, similar ao Homo floresiensis; a curvatura de seus dígitos sugere que escalava árvores.[4]

Restos de animais também foram encontrados na mesma camada de sedimento, o que indica que o homem de Callao tinha um grau de conhecimento no uso de ferramentas, embora nenhuma ferramenta de pedra tenha sido encontrada. Os ossos dos animais eram de veado (Cervus mariannus), porcos e um tipo de gado extinto.[5] Devido ao fato de que ferramentas de pedra e restos de rinocerontes datados a 700.000 anos atrás foram encontrados na área,[1][6] essa linhagem pode ter sido isolada na ilha por quase um milhão de anos.[4]

Referências

  1. a b c Détroit, F.; Mijares, A. S.; Corny, J.; Daver, G.; Zanolli, C.; Dizon, E.; Robles, E.; Grün, R.; Piper, P. J. (2019). «A new species of Homo from the Late Pleistocene of the Philippines». Nature. 568 (7751): 181–186. doi:10.1038/s41586-019-1067-9 
  2. a b Zimmer, Carl (10 de abril de 2019). «A New Human Species Once Lived in This Philippine Cave - Archaeologists in Luzon Island have turned up the bones of a distantly related species, Homo luzonensis, further expanding the human family tree.». The New York Times. Consultado em 10 de abril de 2019 
  3. "Callao Man Arquivado em 2011-07-23 no Wayback Machine." in the Philippine Daily Inquirer.
  4. a b Wade, L. (10 de abril de 2019). «New species of ancient human unearthed in the Philippines». Science. 364. doi:10.1126/science.aax6501. Consultado em 11 de abril de 2019 
  5. Anna Valmero (5 de agosto de 2010). «Callao man could be 'oldest' human in Asia Pacific, says Filipino archaeologist». loqal Science & Education. Consultado em 26 de abril de 2012. Arquivado do original em 13 de agosto de 2013 
  6. Ingicco, T.; van den Bergh, G. D.; Jago-on, C.; Bahain, J.-J.; Chacón, M. G.; Amano, N.; Forestier, H.; King, C.; Manalo, K.; Nomade, S.; Pereira, A.; Reyes, M. C.; Sémah, A.-M.; Shao, Q.; Voinchet, P.; Falguères, C.; Albers, P. C. H.; Lising, M.; Lyras, G.; Yurnaldi, D.; Rochette, P.; Bautista, A.; de Vos, J. (2018). «Earliest known hominin activity in the Philippines by 709 thousand years ago». Nature. 557 (7704): 233–237. doi:10.1038/s41586-018-0072-8