Homo luzonensis

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Como ler uma infocaixa de taxonomiaHomo luzonensis
Ocorrência: Taratiano
Taxocaixa sem imagem
Estado de conservação
Extinta (fóssil)
Classificação científica
Domínio: Eukaryota
Reino: Animalia
Filo: Chordata
Classe: Mammalia
Subclasse: Theria
Infraclasse: Placentalia
Ordem: Primates
Subordem: Haplorrhini
Infraordem: Simiiformes
Parvordem: Catarrhini
Superfamília: Hominoidea
Família: Hominidae
Subfamília: Homininae
Género: Homo
Espécie: H. luzonensis
Nome binomial
Homo luzonensis
Détroit et al., 2019

Homem de Callao (Homo luzonensis) refere-se a restos de hominídeos fossilizados descobertos na Caverna de Callao, Luzon, nas Filipinas em 2007 por Armand Salvador Mijares. Especificamente, o achado inicial consistiu em um único Metatarso de 61 milímetros que, quando datado usando ablação de série de urânio, descobriu-se ter 67.000 anos de idade, datando do Pleistoceno tardio.[1][2]

Em 2019, um artigo na revista acadêmica Nature descreveu a subsequente "descoberta de doze elementos adicionais do hominídeo que representam pelo menos três indivíduos que foram encontrados na mesma estratigrafia da Caverna de Callao como o metatarso previamente descoberto" e identificou os fósseis como pertencentes a espécie recém descoberta, Homo luzonensis, com base nas diferenças das espécies identificadas anteriormente no gênero Homo, incluindo a H. floresiensis e a H. sapiens.[1][2]

Descrição[editar | editar código-fonte]

Embora a teoria inicial da migração humana para as Filipinas propusesse o uso de pontes terrestres durante o último período glacial, a moderna leitura batimétrica do Estreito de Mindoro e da Passagem de Sibuto sugerem que nenhuma das duas opções teriam ficado totalmente fechadas. Portanto, a teoria atual é que o homem de Callao e seus contemporâneos em Luzon chegaram até a Sondalândia por embarcações.[3]

O pequeno tamanho dos molares do hominídeo sugere que tenha sofrido de nanismo insular, similar ao Homo floresiensis; a curvatura de seus dígitos sugere que escalava árvores.[4]

Restos de animais também foram encontrados na mesma camada de sedimento, o que indica que o homem de Callao tinha um grau de conhecimento no uso de ferramentas, embora nenhuma ferramenta de pedra tenha sido encontrada. Os ossos dos animais eram de veado (Cervus mariannus), porcos e um tipo de gado extinto.[5] Devido ao fato de que ferramentas de pedra e restos de rinocerontes datados a 700.000 anos atrás foram encontrados na área,[1][6] essa linhagem pode ter sido isolada na ilha por quase um milhão de anos.[4]

Referências

  1. a b c Détroit, F.; Mijares, A. S.; Corny, J.; Daver, G.; Zanolli, C.; Dizon, E.; Robles, E.; Grün, R.; Piper, P. J. (2019). «A new species of Homo from the Late Pleistocene of the Philippines». Nature. 568 (7751): 181–186. doi:10.1038/s41586-019-1067-9 
  2. a b Zimmer, Carl (10 de abril de 2019). «A New Human Species Once Lived in This Philippine Cave - Archaeologists in Luzon Island have turned up the bones of a distantly related species, Homo luzonensis, further expanding the human family tree.». The New York Times. Consultado em 10 de abril de 2019 
  3. "Callao Man Arquivado em 2011-07-23 no Wayback Machine." in the Philippine Daily Inquirer.
  4. a b Wade, L. (10 de abril de 2019). «New species of ancient human unearthed in the Philippines». Science. 364. doi:10.1126/science.aax6501. Consultado em 11 de abril de 2019 
  5. Anna Valmero (5 de agosto de 2010). «Callao man could be 'oldest' human in Asia Pacific, says Filipino archaeologist». loqal Science & Education. Consultado em 26 de abril de 2012. Arquivado do original em 13 de agosto de 2013 
  6. Ingicco, T.; van den Bergh, G. D.; Jago-on, C.; Bahain, J.-J.; Chacón, M. G.; Amano, N.; Forestier, H.; King, C.; Manalo, K.; Nomade, S.; Pereira, A.; Reyes, M. C.; Sémah, A.-M.; Shao, Q.; Voinchet, P.; Falguères, C.; Albers, P. C. H.; Lising, M.; Lyras, G.; Yurnaldi, D.; Rochette, P.; Bautista, A.; de Vos, J. (2018). «Earliest known hominin activity in the Philippines by 709 thousand years ago». Nature. 557 (7704): 233–237. doi:10.1038/s41586-018-0072-8