Hospital Sírio-Libanês

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Hospital Sírio-Libanês
Fachada do hospital.
Localização São Paulo,  Brasil
Fundação 28 de novembro de 1921 (98 anos)
Tipo Privado
Especialidades Diversas
Site www.hospitalsiriolibanes.org.br
editar

O Hospital Sírio-Libanês é um complexo hospitalar brasileiro com sede na cidade de São Paulo e atuação também em Brasília. Concebido em 1921 e fundado em 1965,[1] é considerado um dos mais importantes centros médicos da América Latina,[2] sendo notório por atender a figuras públicas, popularidade atribuída à composição de sua equipe médica.[3][4]

História[editar | editar código-fonte]

Adma Jafet

A história do hospital remonta a 28 de novembro de 1921, em que um grupo de amigas da colônia sírio-libanesa reunidas na casa de dona Adma Jafet planejavam construir um hospital a fim de retribuir o acolhimento da cidade de São Paulo. No encontro, fundaram a Sociedade Beneficente de Senhoras, que buscou apoio de voluntários e empresários para a construção de um hospital. Com a ajuda de doadores, a construção iniciou em 1931. Com planos de inauguração em 1941, o complexo estava praticamente pronto, mas foi tomado pelo exército devido as tensões da Segunda Guerra Mundial, e transformado em uma escola preparatória de cadetes de São Paulo. No ano de 1959, as obras foram retomadas, depois de muita insistência.[1][5]

Quem retomou o projeto, no entanto, foi a filha de Adma, Violeta Jafet, pois Adma faleceu no ano de 1956. Na data 15 de agosto de 1965 o Hospital Sírio-Libanês foi oficialmente inaugurado.[5][6][7]

Figuras Públicas[editar | editar código-fonte]

O hospital Sírio-Libanês atendeu diversos políticos de notoriedade no Brasil.[3] Entre as figuras que utilizaram os serviços do hospital encontram-se o ex-presidente Lula,[8] a ex-presidente Dilma Roussef [9][10] e o ex-presidente Michel Temer.[11] O hospital disponibiliza boletins médicos em relação às consultas de figuras públicas, disponível em seu website.[12]

Em 2018, após a internação do então candidato a presidência Jair Bolsonaro na Santa Casa de Juiz de Fora, o hospital enviou uma equipe de avião supostamente sob o argumento que "a família Bolsonaro se tratava no Sírio e, por isso, havia pedido que o hospital enviasse os médicos”.[13] A família Bolsonaro negou que houvesse chamado os médicos do Sírio e testemunhas afirmam que o candidato preferia o atendimento do Hospital Israelita Albert Einstein, por considerar o sírio-libanês o hospital “dos políticos do PT”.[13]

Desde novembro de 2019, o hospital está responsável pelo tratamento de câncer do prefeito da cidade de São Paulo, Bruno Covas.[14]

COVID-19[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Pandemia de COVID-19 no Brasil

Ao final de março de 2020, o Hospital Sírio-Libanês precisou afastar 104 funcionários por 14 dias por terem testado positivo para o novo coronavírus.[15] Entre os profissionais de saúde do Sírio Libanês afetados pela doença, encontram-se o coordenador do Centro de Gestão do Coronavírus no Estado de São Paulo, David Uip,[16] e o cardiologista Roberto Kalil Filho.[17]

O dirertor-geral do hospital, Paulo Chapchap, defendeu publicamente o isolamento social como medida de combate à Covid-19.[18]

O Hospital, em conjunto com o Hospital Israelita Albert Einstein, o HCor e o Ministério da Saúde, coordena o teste clínico com 1,3 mil pacientes de Covid-19 para averiguar a eficiência dos medicamentos hidroxicloroquina, azitromicina e dexametasona no tratamento da doença.[19] O hospital também estuda o uso de anticoagulantes para conter alguns problemas derivados da doença.[19]

Ensino e Pesquisa[editar | editar código-fonte]

Além de conter setores reconhecidos de atenção em saúde, o Hospital Sírio Libanês conta com setor de ensino e pesquisa. O hospital tem programas de pós-graduação stritu sensu na área da saúde com cursos de mestrado e doutorado,[20] além de parcerias com vinculação a programas da Universidade de São Paulo.[21]

O hospital oferece também cursos de educação a distância para formação de profissionais de saúde. Cursos relacionados ao combate à pandemia de COVID-19 foram disponibilizados de forma gratuita.[22]

Unidades[editar | editar código-fonte]

O Sírio-Libanês é composto pelas seguintes unidades:

  • Bela Vista, São Paulo – Complexo hospitalar, incluindo unidades de internação, Centro Cirúrgico, Centro de Diagnósticos e Pronto Atendimento. 
  • Itaim Bibi, São Paulo - Centro de Diagnósticos, hospital-dia, Centro de Acompanhamento da Saúde e Check-up , Centro de Reprodução Humana e Centro de Tratamento das Veias.
  • Jardins, São Paulo - Unidade de atendimento.
  • Brasília - Centro de Oncologia.

Veja também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b Hospital Sírio-Libanês (24 de novembro de 2016). «História». Portal do Ipiranga. Consultado em 24 de novembro de 2016 
  2. «Diretor do Sírio-Libanês: "Futuro dos hospitais será igual ao das farmácias, só ficarão as grandes redes"». Zero Hora. 8 de dezembro de 2017. Sírio-Libanês, um dos mais importantes da América Latina 
  3. a b «O hospital do poder». IstoÉ. 13 de janeiro de 2011 
  4. «A saúde da República, nas mãos do Hospital Sírio-Libanês». Veja. 24 de maio de 2016 
  5. a b MARCOVITCH,Jacques. Pioneiros e Empreendedores - A saga do desenvolvimento no Brasil
  6. «Sociedade Beneficente de Senhoras». Consultado em 21 de novembro de 2016 
  7. «Lembranças da Família Jafet». Consultado em 18 de novembro de 2016 
  8. «Boletim Médico - Luiz Inácio Lula da Silva». Consultado em 9 de abril de 2020 
  9. «Boletim Médico - Presidenta Dilma Rousseff». Consultado em 9 de abril de 2020 
  10. «Boletim Dilma Rousseff». Consultado em 9 de abril de 2020 
  11. «Boletim Médico Michel Temer». Consultado em 9 de abril de 2020 
  12. «Boletins Médicos - Imprensa - Hospital Sírio-Libanês». Consultado em 9 de abril de 2020 
  13. a b «Bolsonaro não queria sair da Santa Casa». Consultado em 9 de abril de 2020 
  14. «Câncer não cedeu a quimioterapia e Bruno Covas inicia novo tratamento». Consultado em 10 de abril de 2020 
  15. «Hospital Sírio-Libanês afasta 104 funcionários com coronavírus». Globo. 30 de março de 2020. Consultado em 30 de março de 2020 
  16. «'Nunca tive algo igual', diz infectologista David Uip após se recuperar de coronavírus». 7 de abril de 2020. Consultado em 11 de abril de 2020 
  17. «Cardiologista Roberto Kalil testa positivo para coronavírus e está internado no Hospital Sírio-Libanês». Consultado em 11 de abril de 2020 
  18. «'Fim do isolamento social deve ser gradual', diz diretor-geral do Hospital Sírio-Libanês - Saúde». Consultado em 11 de abril de 2020 
  19. a b «Primeiro estudo com hidroxicloroquina no País terá resultado em dois meses - Saúde». Consultado em 11 de abril de 2020 
  20. «Mestrado e Doutorado - Ensino e Pesquisa - Hospital Sírio-Libanês» 
  21. «Orientadores - Instituto de Matemática e Estatística». Consultado em 11 de abril de 2020 
  22. «Sírio Libanês - EAD». Consultado em 11 de abril de 2020 


Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
Wikinotícias Notícias no Wikinotícias
Ícone de esboço Este artigo sobre um hospital ou uma instituição de saúde é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.