Houthis

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Houthis
Ash-Shabab al-Muminin (الشباب المؤمن‎,)
Dhulfiqar.svg
Datas das operações 1994-Presente (armado desde 2004)
Líder Hussein Badreddin al-Houthi
Abdul-Malik al-Houthi
Abdul-Malik al-Houthi
Área de atividade Norte do Iêmen e região sul-ocidental da Arábia Saudita
Ataques célebres Atuação no Conflito de Sa'dah e Revolta no Iêmen em 2011-2012
Tamanho 100 000[1]
Áreas de atuação do grupo.

Ansar Allah (anṣār allāh أنصار الله : 'apoiadores de Deus), popularmente conhecido como hutis[2] ou houthis (em árabe: الحوثيون al-Ḥūthiyyūn; alternativamente: (al-)Houthis), são um grupo político armado zaidita atuante no Iêmen.[3] Eles também têm sido referidos como um "poderoso clã",[4] e com o título Ash-Shabab al-Mu'min (em árabe: الشباب المؤمن, traduzido como Crentes Juvenis (BY) [5] ou Jovens Crentes).[6]

A denominação houthi deriva de Hussein Badreddin al-Houthi, antigo lider do grupo, morto por forças do exército iemenita, em setembro de 2004.[7] Vários outros comandantes, incluindo, Ali al-Qatwani, Abu Haider, Abbas Aidah e Yousuf al-Madani (um genro de Hussein al-Houthi) também foram mortos por forças iemenitas.[8] [9]

Membros do grupo possuíam entre 1.000 e 3.000 combatentes até 2005 [10] e entre 2.000 e 10.000 combatentes a partir de 2009.[11] De acordo com Ahmed Al-Bahri, os houthis tiveram um total de 100.000-120.000 seguidores, incluindo combatentes armados e partidários desarmados.[12]

Os houthis afirmaram que suas ações são para a defesa de sua comunidade e contra a discriminação por parte do governo, embora o governo do Iêmen, por sua vez acusa-os de querer derrubá-lo e instituir uma lei religiosa xiita[13] , desestabilizar o governo e "fazer uma agitação com sentimento de antiamericano".[14]

O governo iemenita também acusou os houthis de ter ligações com patrocinadores externos, especialmente o governo iraniano (já que o Irã é um país de maioria xiita).[15] Por sua vez, os houthis reagiram com alegações de que o governo iemenita está sendo apoiado por agentes externos virulentamente antixiitas, incluindo a Al-Qaeda e o governo da Arábia Saudita[16] [17] [18]

Ligações Externas[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Houthis Kill 24 in North Yemen, 27 de novembro de 2011
  2. A Verdade. Ataques contra aldeia sunita do Iémen deixam 26 mortos e 120 feridos
  3. Ansar Allah vows to defeat al-Qaeda in Yemen (October 2014). Visitado em 6 April 2015.
  4. What Is Yemen's Houthi Rebellion? Por Pierre Tristam
  5. Regime and Periphery in Northern Yemen - The Huthi Phenomenon. Por Barak A. Salmoni, Bryce Loidolt, Madeleine Wells. Prepared for the Defense Intelligence Agency. Rand National Defense Research Institute
  6. al-Shabab al-Mum’en / Shabab al-Moumineen (Believing Youth) GlobalSecurity.org.
  7. Deaths in Yemeni mosque blast. Al Jazeera. May 2, 2008.
  8. Press TV Saudi soldier, Houthi leaders killed in north Yemen, 19 November 2009
  9. http://www.globalsecurity.org/military/world/para/shabab-al-moumineen.htm
  10. Philips, Sarah (July 28, 2005). Cracks in the Yemeni System. Middle East Report Online.
  11. "Pity those caught in the middle", The Economist, 19 November 2009.
  12. Ahmed Al-Bahri: Expert in Houthi Affairs, 10, April, 2010
  13. "Deadly blast strikes Yemen mosque", BBC News, 2008-05-02. Página visitada em 2009-11-11.
  14. Sultan, Nabil (July 10, 2004). Rebels have Yemen on the hop. Asia Times Online.
  15. http://wikileaks.ch./cable/2010/02/10KUWAIT142.html
  16. "Saudi, al-Qaeda support Yemen crackdown on Shias", Press TV, 29 August 2009. Página visitada em 1 February 2010.
  17. "Al-Qaeda Fighting for Yemeni Government Against Houthi Shia Rebels...", 29 December 2009. Página visitada em 1 February 2010.
  18. "Yemen employs al-Qaeda mercenaries: Houthis", Press TV, 28 October 2009. Página visitada em 1 February 2010.
Portal A Wikipédia possui o
Portal do Iêmen