Aicanãs

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Huari)
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Disambig grey.svg Nota: se procura pela língua falada pelos Aicanãs, veja Língua aicanã.
Disambig grey.svg Nota: Para outros significados, veja Huari (desambiguação).
Aikanã
(Massacá)
População total

350[1]

Regiões com população significativa
 Brasil (RO) 350
Línguas
português
aikanã
kwazá
Religiões

Os Aicanãs (também conhecidos como Aikanã, Massacá, Massaká, Huari, Corumbiara, Kasupá, Mundé, Tubarão, Winzankyi) são indígenas brasileiros. Falam a língua aicanã.

Os aicanãs cultuam o mito do Kiantô, uma cobra gigante com as cores do arco-íris que preside o reino das águas.

Localização[editar | editar código-fonte]

Os aikanã vivem no estado de Rondônia, na bacia do rio Guaporé. Suas três aldeias fazem parte da Terra Indígena Tubarão-Latundê, localizada a 100 quilômetros da fronteira com a Bolívia e a 180 quilômetros da cidade mais próxima, Vilhena.[2]

Demografia[editar | editar código-fonte]

Em 2014, os aikanã totalizavam 350 indivíduos. Embora a maioria viva em suas aldeias, muitos residem em Vilhena ou em outras cidades próximas.[2]

História[editar | editar código-fonte]

Os primeiros contatos dos aikanã com a população não indígena foi registrado nos anos 1940, quando eles habitavam terras nas proximidades do rio Tanaru. Em 1940, o Serviço de Proteção ao Índio inaugurou um posto de atendimento para onde os aikanã foram enviados. A partir daquele ano, sua população foi reduzida em virtude de mortes causadas pela contaminação com sarampo e fortes gripes.[2]

Entre 1941 e 1943, o geólogo Vitor Dequech comandou a Expedição Urucumacuan, enviada por Cândido Rondon em busca de jazidas de ouro no rio Pimenta Bueno, a leste do rio Tanaru. Dequech documentou vários contatos com os massacá, como ele os chamava.[2]

Em 1970, a Fundação Nacional do Índio os removeu para o território atual, juntamente com outros dois povos: os Latundê e os inimigos Koazá. Os três povos tinham língua e cultura próprias. Com a mudança para um território com solo de pouca fertilidade, os aikanã inicialmente tiraram seu sustento da extração da seringa. A queda no preço do produto trouxe dificuldades ao povo aikanã.[2]

Referências

  1. Instituto Socioambiental. «Quadro Geral dos Povos». Enciclopédia dos Povos Indígenas no Brasil. Consultado em 5 de julho de 2014. 
  2. a b c d e Instituto Socioambiental. «Aikanã». Enciclopédia dos Povos Indígenas no Brasil. Consultado em 21 de janeiro de 2012. 

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • RICARDO, Carlos Alberto. "Os índios" e a sociodiversidade nativa contemporânea no Brasil. IN: SILVA, Aracy Lopes da. GRUPIONI, Luís Donisete Benzi. A temática indígena na escola. Brasília: MEC/MARI/UNESCO, 1995. p. 37-44.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre povos indígenas é um esboço relacionado ao Projeto Ciências Sociais. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.