Este é um artigo bom. Clique aqui para mais informações.

Hung Up

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
"Hung Up"
Single de Madonna
do álbum Confessions on a Dance Floor
Lançamento 17 de outubro de 2005 (2005-10-17)
Formato(s) Download digital, CD
Gravação 2005
Gênero(s) Dance-pop, house, disco
Duração 5:36
Gravadora(s) Warner Bros.
Composição Madonna, Stuart Price, Benny Andersson, Björn Ulvaeus
Produção Madonna, Price
Cronologia de singles de Madonna
"Love Profusion"
(2003)
"Sorry"
(2006)

"Hung Up" é uma canção da cantora norte-americana Madonna, escrita e produzida por ela e o produtor britânico Stuart Price, para seu décimo álbum, Confessions on a Dance Floor. Inicialmente utilizada em uma série de anúncios televisivos e seriados, "Hung Up" teve seu lançamento como primeiro single do álbum em 17 de outubro de 2005 no programa On Air with Ryan Seacrest. Desde então, a faixa foi incluída no terceiro álbum de compilação da cantora em 2009, Celebration. Também tornou-se a primeira faixa de Madonna a ser lançada digitalmente pela iTunes Store, com a cantora dizendo que cada artista "deve unir-se a outras marcas e corporações".

"Hung Up" possui os acordes da faixa "Gimme! Gimme! Gimme! (A Man After Midnight)" do grupo sueco ABBA. Madonna recebeu autorização para a utilização de amostras da faixa de Benny Andersson e Björn Ulvaeus, compositores e ex-integrantes do grupo. Musicalmente, a faixa é influenciada pela música pop dos anos 1980, além da música disco, que obteve sucesso na mesma década. Destaca-se na faixa, elementos de fundo de um relógio que sugerem o passar do tempo. Liricamente, "Hung Up" é descrita como uma canção dance tradicional, sobre uma mulher forte e independente, que tem problemas em seus relacionamentos amorosos.

"Hung Up" recebeu elogios de críticos musicais de música contemporânea, observando que a canção recuperou a grande popularidade de Madonna, que teve parte dela perdida devido às controvérsias políticas e sociais de seu álbum anterior, American Life, de 2003. A faixa obteve um grande sucesso comercial, chegando ao topo de paradas de 45 países ao redor do mundo, entrando para o Livro Guinness dos Recordes como a canção que mais ficou em primeiro lugar na história. A faixa tornou-se seu trigésimo sexto single a alcançar as dez primeiras posições da Billboard Hot 100, igualando-se a Elvis Presley. Atualmente, "Hung Up" totaliza mais de doze milhões de cópias vendidas em todo o mundo.

O vídeo musical para a faixa é um tributo aos filmes de John Travolta e na dança em geral. Dirigido por Johan Renck, o vídeo começa com Madonna vestida com um maiô rosa dançando sozinha em um estúdio de balé e conclui-se em um salão de jogos, onde ela dança com seus bailarinos acompanhantes. Durante o vídeo musical, Madonna e os dançarinos também praticam Parkour durante o video. Madonna apresentou "Hung Up" em uma série de premiações e em três de suas turnês musicais, nomeadamente na Confessions Tour (2006), na Sticky & Sweet Tour (2008) e mais recentemente na The MDNA Tour (2012).

Antecedentes e lançamento[editar | editar código-fonte]

Para usar a demonstração de "Gimme! Gimme! Gimme! (A Man After Midnight)", do grupo sueco ABBA, Madonna enviou uma carta aos seus compositores e integrantes Benny Andersson (esquerda) e Björn Ulvaeus (direita).[1] Eles permitiram que ela usasse a amostra depois de assinarem um acordo de direitos autorais, no qual ganhariam uma porcentagem significativa dos ganhos das vendas e das transmissões radiofônicas subsequentes da faixa.[2]

Em 2004, pouco após o término da turnê Re-Invention Tour (2004), Madonna começou a trabalhar com Luc Besson, que já havia dirigido o vídeo musical de seu single anterior "Love Profusion" (2003),[3] em um musical que iria retratá-la como uma mulher em seu leito de morte recordando sua vida. Para compor as canções que iriam ser incluídas no projeto, ela trabalhou com Patrick Leonard, Mirwais Ahmadzaï e Stuart Price,[4] sendo que o último ficou encarregado das canções disco, que iriam soar como o "ABBA com drogas".[5] Entretanto, a cantora não ficou satisfeita com o roteiro escrito por Besson e decidiu cancelar o trabalho.[4] Quando começou a trabalhar na composição de Confessions on a Dance Floor (2005), ela decidiu retrabalhar "Hung Up", que seria incluída na peça, e decidiu colocá-la no disco.[6]

"Hung Up" foi inspirada pela música disco dos anos 1970, notavelmente por ABBA, Giorgio Moroder e pelo filme Saturday Night Fever (1977).[6] Madonna imaginou um "cruzamento" das faixas tocadas na casa noturna Danceteria, situada em Nova Iorque, onde a artista frequentava quando era jovem, com as canções do grupo sueco ABBA.[7] A faixa "Gimme! Gimme! Gimme! (A Man After Midnight)" (1979) de tal grupo serviu como a base da melodia. Geralmente, os compositores Benny Andersson e Björn Ulvaeus não cedem o uso de amostras de suas faixas para outros artistas, sendo a única exceção o grupo Fugees, que usou parte da melodia de "The Name of the Game" para sua faixa "Rumble in the Jungle".[1] A fim de obter permissão para utilizar a amostra de "Gimme! Gimme! Gimme!", Madonna enviou seu emissário à Estocolmo com uma carta no qual ela pedia permissão para o uso de amostras da música, bem como dizendo o quanto ela amava o trabalho do grupo.[1] Madonna explicou à BBC: "Eles nunca permitem que ninguém utilize [amostras] de suas músicas. Graças a Deus que eles não disseram não. [...] Eles tinham que pensar sobre isso, Benny e Björn. Eles não disseram que sim imediatamente."[1] A dupla permitiu a utilização da amostra após a assinatura de um acordo de direitos de autor, o que lhes daria uma porcentagem significativa dos lucros das vendas e transmissões posteriores.[2] Andersson, em entrevista ao The Daily Telegraph, em outubro de 2005, afirmou que "Gimme! Gimme! Gimme!" era a essência de "Hung Up", enquanto brincou que esta era sua nova música favorita de Madonna.[2] Ele também disse:

"Recebemos muitas propostas de pessoas querendo usar nossas faixas, mas costumamos dizer 'não'. Esta é apenas a segunda vez que damos nossa permissão. Nós dissemos 'sim' agora pois nós admiramos muito o que Madonna tem feito. Ela é corajosa e está aí há 21 anos. Isto não é ruim."[2]

A canção estreou em setembro de 2005, durante um anúncio de TV para o celular Motorola ROKR, compatível com a iTunes Store. O anúncio apresentou Madonna e outros artistas presos em uma cabine telefônica.[8] Em 17 de outubro de 2005, a canção fez sua estreia no programa de rádio On Air with Ryan Seacrest, durante uma entrevista com a artista. Logo após, a faixa foi disponibilizada como um ringtone para serviços móveis.[8] A música foi tocada em episódios de CSI: Miami e CSI: NY em 7 de novembro e 9 de novembro de 2005, respectivamente.[8] Enquanto a artista promovia seu álbum Confessions on a Dance Floor, Madonna cantou "Hung Up" e o single posterior "Sorry" na boate Luke & Leroy's, em Greenwich Village, onde ela foi convidada por Junior Sanchez para ser brevemente a DJ do local, misturando as duas músicas.A música também obteve um ótimo desempenho radiofônico.[9] A respeito de sua decisão de lançar a faixa na iTunes Store, Madonna disse: "Eu sou uma mulher de negócios. A indústria da música mudou. Há muita concorrência, e o mercado está saturado com novos lançamentos - e dos novos 'estes e aqueles'. Você deve unir-se a outras marcas e corporações. Você é um idiota se você não faz isto".[10]

Composição[editar | editar código-fonte]

Uma amostra da canção, onde a voz de Madonna vai de Sol3 até Si4 enquanto o refrão e a amostra de "Gimme! Gimme! Gimme! (A Man After Midnight)" do grupo sueco ABBA tocam ao fundo.

Problemas para escutar este arquivo? Veja a ajuda.

Musicalmente, "Hung Up" é uma tentativa de ressuscitar a música pop dos anos 1970. De acordo com o The New York Times, a faixa tem "certos ganchos vagamente familiares, arranjos de guitarra sobrepostos e uma guitarra acústica envolvendo a faixa, criando um som quase confuso".[11] A revista Billboard descreveu a canção como "espumosa, sem sentido e alegre. Stuart Price e Madonna alteram a familiaridade instantânea da amostra para adicionar um coro poderoso, que aponta ser uma música diferente."[12] Além da amostra do ABBA, a revista Rolling Stone assegurou que "Hung Up" também incorpora outras faixas de Madonna, como "Like a Prayer" e "Holiday" e inclui rápidas referências de bandas como SOS e Tom Tom Club.[13] A faixa é composta em uma compasso de 4/4 e na tonalidade de Ré menor, onde a voz de Madonna vai de Sol3 a Si4.[14] Tem um ritmo moderado de 120 batidas por minuto.[14] A melodia progride nas progressões de acordes ré–fa–lá menor–ré–ré–fá-lá menor-ré no primeiro verso, e muda para si♭–fá–lá menor–rá–si♭–fá–lá menor–rá no segundo verso.[14] "Hung Up" usa o som de um relógio para simbolizar o medo de perder tempo,[7] que foi incorporado no remix de Price de "What You Waiting For?", da artista americana Gwen Stefani.[15] De acordo com a Slant Magazine, a faixa "faz alusão a alguns dos sucessos anteriores de Madonna, incorporando vocais agudos na música enquanto apresenta uma mudança arquetípica durante a ponte."[7]

Liricamente, "Hung Up" é sobre a perspectiva de uma mulher que não tinha nada, e centraliza-se no tema do amor.[7] About.com comparou a letra de "Hung Up" e "I Love New York", outra faixa de Confessions on a Dance Floor, com o estilo das faixas de seu álbum anterior American Life.[16] De acordo com o About.com, a faixa é escrita como uma canção dance típica, cuja base são problemas em relacionamentos amorosos. A canção também se refere à imagem duradoura de Madonna como uma mulher forte e independente.[17]

Análise da crítica[editar | editar código-fonte]

Madonna apresentando o primeiro verso de "Hung Up" durante a Confessions Tour, em 2006.

Enquanto analisava Confessions on a Dance Floor, Keith Caulfield da Billboard descreveu a canção como "esponjosa".[18] Da mesma publicação, Chris Tucker disse que "Madonna está de volta com uma música que vai restaurar a fé de seus súditos, seguidores da música pop e da rádio".[12] Da mesma forma, Jon Pareles do The New York Times disse que Madonna manteve seu toque pop em "Hung Up", que ele descreveu como "uma canção de amor alegre, mas um tanto triste".[11] Allan Light da Rolling Stone disse que a música era "adocicada".[13] Por sua vez, David Browne da Entertainment Weekly ficou impressionado com a faixa e disse: "'Hung Up' mostra facilmente que [Madonna] pode explorar a adolescente que existe em seu interior".[19] Sal Cinquemani da Slant Magazine coumparou-a com o remix de "What You Waiting For?", de Gwen Stefani.[7] Ed Gonzalez, da mesma publicação, proclamou a faixa como o "maior sucesso de sua carreira".[20] Margaret Moser do The Austin Chronicle disse que "soa e pulsa", juntamente com outra faixa do álbum, "Forbidden Love".[21] Thomas Inskeep da Stylus Magazine afirmou que "Hung Up" e o single seguinte, "Sorry", "podem não conter o mesmo elemento urbano de faixas antigas de Madonna como "Physical Attraction" e "Burning Up", mas têm o mesmo modus operandi projetado para dançar à noite".[22] Ben Williams, da revista New York escreveu que a faixa "soa vibrante, mas melancólica".[15]

Christian John Wikane do PopMatters observou "Hung Up" como "uma faixa propulsiva".[23] Bill Lamb, do mesmo website, assegurou que "é uma carta de amor para os maiores fãs de Madonna, os meninos do clube que invadem a pista de dança cada vez que ouvem as notas pulsantes de um clássico de Madonna e DJ que não pode parar de tocar seus álbuns. 'Hung Up' leva estes fãs ao êxtase, e também parece boa no rádio".[17] Peter Robinson do The Guardian comentou que "Hung Up" é a faixa "mais comercial [de Madonna] desde meados da década de 1980".[24] No entanto, Alexis Petridis, do mesmo jornal, disse que "a música só poderia ter sido mais exagerada adicionando alguns vocais de fundo inspirados por Liza Minnelli e letras que falam de Larry Grayson".[25] Alan Braidwood da BBC, descreveu-a como "cheia de dance, obscuridade, disco, [e] divertida, grande", comparando-a com outras faixas de Madonna, como "Vogue", "Deeper and Deeper" e "Ray of Light".[26] Tom Bishop, também da BBC, disse que Madonna havia reivindicado sua carreira ou estava "meramente lançando sua última faixa festiva para seus fãs antigos antes de continuar a gravar material mais sedativo".[27] Em uma revisão mais negativa, Jason Shawhan do About.com disse que "Hung Up" tinha "muito do ABBA", mas chegou a dizer que "a única razão que eu posso pensar que foi escolhida como o primeiro single foi para campanha da Motorola. ['Hung Up'] está longe de ser uma música ruim, tem uma energia e uma boa atmosfera, mas não está perto de ser uma das melhores músicas do álbum".[16]

Reconhecimento[editar | editar código-fonte]

A Slant Magazine listou "Hung Up" no número 36 de sua lista Best of the Aughts: Singles, dizendo: que a música "usa o relógio tiquetaqueando para representar o medo de perder tempo, mas Madonna não canta sobre idade ou salvar o mundo - está falando sobre amor. Tem sido anos desde que Madge não parecia insípida. Com estes vocais tão acentuados, a amostra cativante de "Gimme! Gimme! Gimme! (A Man After Midnight)", do ABBA, e a mudança arquetípica e sem ironias da chave da ponte, a faixa aponta decididamente para o passado, e provou que depois de 20 anos de carreira, Madonna é a única e exclusiva rainha do baile".[28]

Vídeo musical[editar | editar código-fonte]

Originalmente, o vídeo musical para "Hung Up" seria dirigido pelo fotógrafo David LaChapelle. LaChapelle planejou dar um formato de "documentário" ao vídeo, semelhante ao que foi feito no mesmo ano com seu filme Rize, no qual cinco dos bailarinos de "Hung Up" apareceram.[29] LaChapelle e Madonna não entraram em um acordo com o conceito, então, o projeto foi transferido para Johan Renck, que já havia trabalhado com a cantora para o vídeo musical para "Nothing Really Matters". De acordo com a MTV News, Renck estava dirigindo a modelo Kate Moss em um comercial para a H&M, quando recebeu um telefonema de Madonna.[29] No dia seguinte, ele viajou para Los Angeles para se encontrar com o estilista e coreógrafo da intérprete, que lhe deram algumas ideias para o projeto. Ele disse:

"Eu gostei que não tivemos tempo o suficiente de pensar no conceito e sermos muito inteligentes [...] Eu gosto de estar perto do limite e não saber o que estamos fazendo ou o porquê. Apenas lidar com isso, sabe?"

Madonna vestindo um maiô rosa enquanto dança com um boombox no vídeo musical para "Hung Up".

Madonna decidiu usar alguns dos dançarinos de sua turnê anterior, como Daniel "Cloud" Campos, e Miss Prissy, membros do elenco de Rize e Sebastien Foucan, praticante de Parkour, um esporte filosófico francês que envolve a transferência sem interrupção, ou sob, através ou em torno de objetos. Renck disse, "não é sobre música, mas sobre a linguagem do corpo, [...] queria mostrar todos os aspectos [de dança de rua], ou krumping, breakdance, jazz, ou disco".[29] Embora não tendo o gravado em vários lugares do mundo, Madonna queria que o vídeo tivesse uma "sensação de onipresença", enquanto a que seção final gerasse um sentimento de congregação. Renck sugeriu a inclusão de um boombox, usado como um símbolo da unidade entre tudo e todos, pois estes aparelhos foram iniciados pela dança de rua.[29] Apesar de que algumas das cenas ocorrem em cidades como Londres, Paris, Nova Iorque, Los Angeles, Xangai e Tóquio, na verdade, tais cenas foram gravadas em Los Angeles e Londres. Um subúrbio de Londres foi arranjado para se assemelhar a um de Paris, onde foi executado o Parkour, enquanto que um restraurante do bairro chinês de Londres foi usado para a sequência de Xangai.[29] As cenas dos bailarinos foram filmados no início de outubro de 2005, em menos de um dia, enquanto o vídeo foi gravado em seis dias.[29] Madonna explicou que o vídeo era uma homenagem a John Travolta e seus passos de dança em geral. A coreografia foi inspirada por alguns filmes do ator, como Saturday Night Fever (1977), Grease (1978) e Perfect (1985).[29] Madonna havia quebrado oito ossos em um acidente de equitação, semanas antes das filmagens. Por isso, foram precisas de três horas para filmar os movimentos dirigidos pelo coreógrafo Jamie King. Renck declarou:

"Ela foi como uma verdadeira guerreira [...] ela havia acabado de cair de um cavalo! [Madonna dizia]: 'Se você fosse um verdadeiro coreógrafo, você saberia que eu não posso levantar meu braço esquerdo superior' - e era, como, uma diferença de 20 centímetros? [...] Mas quando dizia que 'doía para caralho', ela descansava e sentava-se por dois minutos. [Madonna respondia]: 'Eu quebrei minhas costelas, lembre-se! Eu não posso me imaginar dançando bem agora'".[29]

A artista também estava envolvida no processo de edição, trabalhando como supervisora de edição. Madonna queria um vídeo musical com um estilo de documentário para deixá-lo com uma forma mais realista.[29] Com relação à realização do vídeo de "Hung Up", Renck disse que era um trabalho muito grande para ser superado, dizendo que era "como se você formasse uma pequena família que floresceu e posperou ao longo do mês, e simplesmente depois, se cortou, como uma árvore, [...] Você sai com um sentimento de saudade e desejo, algo como 'podemos fazer de novo?, por favor?'".[29]

O vídeo começa com Madonna entrando em um estúdio de balé com um boombox. Ela acende as luzes do estúdio e a música começa a tocar.[30] Vestida em um maiô rosa, começa a cantar junto com a música enquanto faz exercícios de aquecimento. Na próxima cena, um grupo de pessoas na rua dança enquanto ouvem a música em um boombox similar.[30] Também são mostradas imagens de praticantes de parkour, enquanto escalam edifícios e saltando de escadas. Enquanto a música progride, Madonna dança ao redor do estúdio de balé, enquanto pessoas abordam um táxi carregando o boombox.[30] Estas cenas são intercaladas com outras pessoas dançando em um restaurante chinês e ruas de Paris. Enquanto isso, Madonna termina seus exercícios no estúdio de balé, muda de roupa e sai.[30] Por sua vez, os bailarinos descem do táxi para pegar o metrô, e depois dançam dentro do vagão, enquanto a parte intermediária da música começa.[30] Madonna aparece ao lado de dançarinos em uma pista de dança carregando o boombox. Quando a melodia principal se reinicia, os bailarinos de Madonna estão dançando em um Dance Dance Revolution em uma sala de jogos. O vídeo termina com uma cena de Madonna deitada no chão do estúdio de balé.[30] No MTV Video Music Awards de 2006, o vídeo recebeu cinco indicações, incluindo Melhor Vídeo Feminino, Vídeo Dance, Vídeo Pop, Melhor Coreografia e Vídeo do Ano, mas perdeu todas.[31]

Apresentações ao vivo[editar | editar código-fonte]

Madonna apresentando "Hung Up" enquanto acompanhada de sua guitarra durante a Sticky & Sweet Tour, em 2008.

Madonna abriu as cerimônias de premiação MTV Europe Music Awards de 2005 e o Grammy Awards de 2006 com "Hung Up".[32] Também apresentou a faixa no Coachella Valley Music and Arts Festival, em Indio, Califórnia, e foi executada no final do concerto Live Earth, em Londres. Além disso, a cantora incluiu a faixa em seu repertório de suas últimas três turnês mundiais.

No MTV Europe Music Awards, Madonna surgiu de uma bola de discoteca para executar "Hung Up" vestindo um maiô roxo e botas de couro da mesma cor.[6][33] Para o Grammy Awards, Madonna apresentou a faixa acompanhada pela banda animada Gorillaz.[34] O grupo surgiu antes ao público graças a uma técnica tridimensional que projetaram seus hologramas no palco,[34] assim, interpretaram "Feel Good Inc.", com os rappers De La Soul como artistas convidados.[35] Depois disso, Madonna apareceu no palco e começou a cantar a música enquanto trocava de lugar com os hologramas da banda.[36] Mais tarde, juntou-se ao seu próprio grupo de bailarinos e o resto da apresentação foi realizada no palco principal.[35]

Madonna cantou a música como parte da Hung Up Promo Tour, uma turnê promocional para Confessions on a Dance Floor, em clubes de Londres como o Koko Club e G-A-Y. A apresentação foi semelhante as das premiações, vestindo roupas roxas, calças de veludo e botas de cano alto.[37] "Hung Up" foi escolhida como o número de encerramento do último segmento da Confessions Tour, sendo, consequentemente, o último número do concerto.[38] A faixa começava quando seus dançarinos executavam uma rotina de parkour ao redor do estádio, enquanto a amostra do ABBA tocava, dando à artista tempo para mudar sua roupa de branca para o maiô roxo.[39] Enquanto a música continuava, ela e seus dançarinos apareciam no centro do palco e a artista começava a cantar "Hung Up". Durante o segundo verso, ele tirava os óculos escuros e casaco para ir à frente do palco onde Madonna aparecia com um boombox e dançava ao redor dele.[40] A melodia principal começava novamente, enquanto centenas de balões caíam no público.[40] Madonna também incentivava a plateia a cantar com ela ao fazer um pequeno concurso para ver qual lado do estádio cantava mais alto.[20][40] Finalmente, Madonna cantava a última linha da faixa enquanto a tela de fundo mostrava a frase Have You Confessed?.[40][nota 1] O The New York Times comparou esta apresentação com as de Ethel Merman,[39] enquanto a Slant Magazine comentou que o número lembra a capacidade de Madonna para encapsular o público como parte de sua apresentação.[20] O número foi incluído no CD+DVD The Confessions Tour.[41]

Madonna apresentando "Hung Up" enquanto pratica slackline durante a MDNA Tour, em 2012.

A canção também foi adicionada ao repertório da Hard Candy Promo Tour em 2008. Madonna usava um vestido preto brilhante com calças Adidas e botas de salto alto.[42] "Hung Up" foi o quarto ato do repertório, e foi remixada com um estilo heavy metal para a ocasião.[43] Depois que ela terminava de executar "4 Minutes", Madonna pegava sua guitarra e tocava os primeiros acordes de "(I Can't Get No) Satisfaction" dos Rolling Stones. Então, ela perguntava à plateia se eles achavam que tinha ido a um concerto dos Rolling Stones. Quando respondiam que não, ela tocava "Hung Up", dedicando à todos aqueles que esperaram por horas na fila por um ingresso para o concerto. Mais tarde, ela dizia que o barulho e as notas do som da guitarra simbolizava o que passava nos cérebros daqueles que esperavam na fila.[42] Nesse mesmo ano, durante a Sticky & Sweet Tour, a música era parte do último segmento do concerto.[44] Madonna usava uma roupa de estilo robótico futurista, criado por Heatherette, com placas de metal no ombro e uma peruca de cabelos longos e encaracolados.[45] No início, era tocada uma versão heavy metal de "Hung Up", que mais tarde dava lugar à música original.[46] Antes de tocar a faixa, Madonna cantava uma versão a cappella de um dos seus antigos sucessos escolhidos por alguém na platéia, na maioria das vezes "Express Yourself" e "Like a Virgin", e em seguida, fazia ruídos com a guitarra elétrica. No entanto, em alguns concertos nos Estados Unidos, a cantora usou esses sons para atacar Sarah Palin, a candidata republicana à vice-presidência do país. Ela dizia: "Eu gostaria de expressar o que penso de Sarah Palin agora mesmo. [ruídos de guitarra] Este é o som de Sarah Palin pensando. [...] Sarah Palin não pode vir à minha festa. Sarah Palin não pode vir ao meu concerto. Não é nada pessoal".[47] A interpretação terminava com Madonna simulando fumar cigarro e gritando desafinadamente ao microfone,[48] dando lugar à música "Give It 2 Me", o número final do concerto.[46] A apresentação de "Hung Up" foi incluida na gravação da turnê, de nome homônimo, e incorporou elementos de "4 Minutes" e "A New Level" da banda Pantera.[49][50] Na fase de 2009 da turnê, a canção foi substituída por "Frozen".[51]

Madonna também adicionou "Hung Up" ao repertório da The MDNA Tour em 2012, como parte do segmento Transgression. Depois de cantar um trecho de "Papa Don't Preach", vários bailarinos vestidos como guerreiros tribais cercam a cantora e carregam-a para o centro do palco, enquanto a melodia de "Hung Up" começa.[52] Vestida com cinto e casaco preto tipo toureiro, Madonna apresenta a música com seus dançarinos, além de praticar slackline no meio do palco. A música foi remixada para enfatizar os elementos percussivos, deixando a amostra do ABBA apenas para o último verso e com alguns elementos de "Girl Gone Wild". Depois de descer da corda, Madonna pega sua guitarra e começa a tocar "I Don't Give A".[53]

Faixas e formatos[editar | editar código-fonte]

A versão digital de "Hung Up" lançada na iTunes Store, contém quatro faixas, a primeira com duração de quatro minutos e cinquenta e sete segundos, a segunda com quatro minutos e quinze segundos, a terceira com quatro minutos e cinquenta e nove segundos e a quarta com cinco minutos.[54]

Desempenho nas paradas musicais[editar | editar código-fonte]

"Hung Up" alcançou o número um de paradas musicais de 41 países, o que lhe valeu um lugar na edição de 2007 do Livro Guinness dos Recordes como a canção que foi número um em uma maior quantidade de países.[60] É também um dos singles mais vendidos de todos os tempos.[61] Nos Estados Unidos, "Hung Up" estreou na vigésima posição da Billboard Hot 100 na edição de 5 de novembro de 2005. Tornou-se a maior estreia de um de seus singles desde "Ray of Light", que estreou na quinta posição de tal parada, sete anos antes. Na mesma semana, entrou na Hot Digital Songs no número seis, além de fazer a maior estreia da semana na Airplay Pop 100, onde estreou no número 38.[62] Em 7 de dezembro de 2005, a faixa alcançou a sétima posição da Hot 100, a posição mais alta que atingiu na lista, depois de subir sete lugares em relação a semana anterior. A faixa obteve o maior número de downloads digitais em uma semana, subindo ao topo da Hot Digital Songs.[63] Com "Hung Up", Madonna empatou com Elvis Presley com 36 singles nas dez primeiras posições da Billboard Hot 100,[64] embora, anos mais tarde, Madonna tenha superado o recorde de Presley. "Hung Up" estreou nas posições vinte e cinco e dez da Hot Dance Club Play e Hot Dance Airplay, respectivamente; eventualmente, alcançou o topo das duas paradas.[65][66][67] Em 2010, foi nomeada a música dance de maior sucesso da década de 2000 nos Estados Unidos, alcançando o número um da Dance/Club Play Songs no fim da década.[68] A canção alcançou a sétima posição na Pop 100.[65] Em 18 de agosto de 2008, o single foi certificado com platina pela Recording Industry Association of America, por ter vendido mais de um milhão de cópias.[69] Em abril de 2010, "Hung Up" havia vendido 1.2 milhões de downloads digitais nos Estados Unidos.[70]

Na Austrália, o single estreou no topo da parada local em 14 de novembro de 2005, substituindo Kylie Minogue como a artista solo com mais singles número um na nação.[71] Permaneceu na lista por 20 semanas,[72] e foi ceritifcada com platina pela Australian Recording Industry Association, por ter vendido pouco mais de 70 mil cópias.[73] "Hung Up" também alcançou o número um da Canadian Hot 100 e foi certificado quatro vezes platina pela Canadian Recording Industry Association, por distribuir o equivalente a 320 mil cópias.[74][75] "Hung Up" estreou no número 67 na parada francesa,[76] e na semana seguinte subiu para número um.[77] Na Irlanda, em 10 de novembro de 2005, a faixa estreou na segunda posição, sendo a maior estreia da semana.[78] Na Nova Zelândia, estreou no número treze em 14 de novembro de 2005.[79] Na semana seguinte, subiu para número dois, o maior salto da semana, mas foi barrada por "Gold Digger", de Kanye West.[80] No Reino Unido, "Hung Up" estreou na primeira posição da UK Singles Chart em 13 de novembro de 2005,[81] dando à Madonna seu décimo primeiro single a alcançar a primeira posição no país.[82] A faixa permaneceu nas parada por 29 semanas.[83] De acordo com a Official Charts Company, a canção já vendeu mais de 560.000 cópias no Reino Unido.[84] A canção também atingiu o número um no Eurochart Hot 100 Singles que saltou do número 70 para o topo da lista em 21 de novembro de 2005.[82] "Hung Up" também alcançou o primeiro lugar na maioria dos mercados europeus, incluindo a Alemanha, Áustria, Bélgica (Flandres e Valônia), Dinamarca, Espanha, Finlândia, Itália, Países Baixos, Noruega, Suécia e Suíça.[85]

Créditos[editar | editar código-fonte]

Créditos adaptados do encarte de Confessions on a Dance Floor.[119]

Notas

  1. Em português: Você já se confessou?

Referências

  1. a b c d Bones, Susan (18 de outubro de 2005). «Madonna 'begged' Abba for sample». BBC. BBC News. Consultado em 23 de junho de 2009 
  2. a b c d Hastings, Chris (16 de outubro de 2005). «Thank you for the music! How Madonna's new single will give Abba their greatest-ever hit». The Daily Telegraph. Telegraph Media Group. Consultado em 23 de junho de 2009 
  3. D'Angelo, Joe; Cornell, Jeff (14 de novembro de 2003). «Madonna Dances With Fairies And Wishes For Animated 'Roses'» (em inglês). MTV News. Viacom. Consultado em 7 de novembro de 2014 
  4. a b Strauss, Neil (2005). «How Madonna Got Her Groove Back». Rolling Stone] (988) 
  5. O'Brien 2009, p. 306
  6. a b c Garfield, Simon (20 de novembro de 2005). «Looks good on the dancefloor». The Guardian (em inglês). Guardian News and Media Limited. Consultado em 7 de novembro de 2014  Erro de citação: Código <ref> inválido; o nome "garfield" é definido mais de uma vez com conteúdos diferentes
  7. a b c d e Cinquemani, Sal (4 de novembro de 2005). «Madonna – Confessions on a Dance Floor – Review». Slant Magazine. Consultado em 24 de junho de 2009 
  8. a b c Paoletta, Michael (12 de novembro de 2005). «Dancing Queen». Nova Oirque: Nielsen Business Media, Inc. Billboard. 117 (46): 26–27. ISSN 0006-2510 
  9. Mason, Kerri (12 de novembro de 2005). «Madonna's Young Remixer». Nova Iorque: Nielsen Business Media, Inc. Billboard. 117 (46). 35 páginas. ISSN 0006-2510 
  10. Paoletta, Michael (7 de novembro de 2005). «Madonna Confesses». Billboard. Nielsen Business Media, Inc. Consultado em 24 de junho de 2009 
  11. a b Pareles, Jon (14 de novembro de 2005). «Thoroughly Modern Madonna Gets Retro». The New York Times. The New York Times Company. Consultado em 23 de junho de 2009 
  12. a b Tucker, Chris (19 de outubro de 2005). «Madonna Hung Up: Billboard Single review». Nova Iorque: Nielsen Business Media, Inc. Billboard. 117 (44). 92 páginas. ISSN 0006-2510. Consultado em 23 de junho de 2009 
  13. a b Light, Alan (3 de novembro de 2005). «Madonna: Confessions on a Dance Floor». Rolling Stone. Jann S. Wenner. Consultado em 23 de junho de 2009. Cópia arquivada em 19 de junho de 2008 
  14. a b c «Digital sheet music – Hung Up». Musicnotes.com. Alfred Publishing Inc. Consultado em 14 de setembro de 2012 
  15. a b Williams, Ben (20 de novembro de 2005). «Girls Gone Mild». New York. New York Media LLC. Consultado em 24 de junho de 2009 
  16. a b Shawhan, Jason (November 17, 2005). «Madonna – Confessions on a Dancefloor». About.com. The New York Times Company. Consultado em 24 de junho de 2009  Verifique data em: |data= (ajuda)
  17. a b Lamb, Bill (23 de outubro de 2005). «Hung Up – Madonna». About.com. The New York Times Company. Consultado em 24 de junho de 2009 
  18. Caulfield, Keith (19 de novembro de 2005). «Albums: Confessions on a Dance Floor». Nova Iorque: Nielsen Business Media, Inc. Billboard. 117 (47). 72 páginas. ISSN 0006-2510. Consultado em 27 de julho de 2009 
  19. Browne, David (11 de novembro de 2005). «Confessions on a Dance Floor music review». Entertainment Weekly. Consultado em 24 de junho de 2009 
  20. a b c Gonzalez, Ed (12 de novembro de 2006). «Madonna: The Confessions Tour». Slant Magazine. Consultado em 24 de junho de 2009 
  21. Moser, Margaret (13 de janeiro de 2006). «Phases & Stages». The Austin Chronicle. Consultado em 24 de junho de 2009 
  22. Inksweep, Thomas (31 de outubro de 2007). «Stylus:Confessions on a Dance Floor». Stylus Magazine. Consultado em 24 de junho de 2009 
  23. Wikane, Christian John (14 de fevereiro de 2007). «Madonna: The Confessions Tour < Reviews». PopMatters. Consultado em 24 de junho de 2009 
  24. Robinson, Peter (20 de novembro de 2005). «Madonna's new album takes us through a complete history of dancefloor action». The Guardian. Guardian News and Media Limited. Consultado em 24 de junho de 2009 
  25. Petridis, Alexis (11 de novembro de 2005). «Madonna, Confessions on a Dancefloor». The Guardian. Guardian News and Media Limited. Consultado em 24 de junho de 2009 
  26. Braidwood, Alan (13 de outubro de 2005). «Madonna Confessions on a Dancefloor Review». BBC. Consultado em 24 de junho de 2009 
  27. Bishop, Tom (14 de novembro de 2005). «Madonna's last dancefloor confession?». BBC. BBC News. Consultado em 24 de junho de 2009 
  28. Staff (25 de janeiro de 2010). «Best of the Aughts: Singles». Slant Magazine. Consultado em 5 de fevereiro de 2012 
  29. a b c d e f g h i j Vineyard, Jennifer (25 de agosto de 2006). «With No Director And Broken Ribs, Madonna Was 'Hung Up'». MTV. MTV Networks Entertainment Group. Consultado em 24 de junho de 2009 
  30. a b c d e f «Hung Up – Madonna music video». MTV. MTV Networks Entertainment Group. Consultado em 25 de junho de 2009 
  31. Montgomery, James (31 de julho de 2006). «Shakira, Chili Peppers, Madonna, Panic! Lead List Of Nominees For MTV Video Music Awards». MTV. MTV Networks Entertainment Group. Consultado em 25 de junho de 2009 
  32. Burns, Jason (2 de novembro de 2005). «Madonna to headline MTV ceremony». BBC. BBC News. Consultado em 25 de junho de 2009 
  33. Simpson, Ian (4 de novembro de 2005). «Madonna steals the show at MTV Europe awards». RedOrbit. Consultado em 25 de junho de 2009 
  34. a b Kaufman, Gil (1 de fevereiro de 2006). «Madonna's Oddest Collab Yet: Singer To Perform At Grammys With Gorillaz». MTV. MTV Networks Entertainment Group. Consultado em 25 de junho de 2009 
  35. a b Terill, Mark J. (9 de fevereiro de 2006). «U2 dismantles Grammy Awards». MSNBC. Microsoft. Consultado em 25 de junho de 2009 
  36. Ruehl, Kim (23 de março de 2006). «2006 GRAMMY Review». About.com. The New York Times Company. Consultado em 25 de junho de 2009 
  37. Reporter, Daily Mail (16 de novembro de 2005). «Madonna sends London wild». Daily Mail. Associated Newspapers Ltd. Consultado em 25 de junho de 2009 
  38. Inksweep, Thomas (2 de fevereiro de 2007). «Stylus: The Confessions Tour». Stylus Magazine. Consultado em 25 de junho de 2009 
  39. a b Bellafonte, Ginia (24 de novembro de 2006). «Listen for the Music, Look for the Muscles». The New York Times. The New York Times Company. Consultado em 25 de junho de 2009 
  40. a b c d Timmerman, Dirk (2007). Madonna Live! Secret Re-inventions and Confessions on Tour. [S.l.]: Maklu. ISBN 90-8595-002-3. Consultado em 25 de junho de 2009 
  41. Erlewine, Stephen Thomas (30 de janeiro de 2007). «Madonna - The Confessions Tour: Overview». Allmusic. Rovi Corporation. Consultado em 24 de setembro de 2012 
  42. a b Rodman, Sarah (30 de abril de 2008). «Madonna Opens Up "Candy" Shop». The Boston Globe. The New York Times Company. Consultado em 26 de abril de 2009 
  43. Hawgood, Alex (1 de maio de 2008). «Gonna Make You Sweat». The New York Times. The New York Times Company. Consultado em 25 de junho de 2009 
  44. Bernstein, Jacob (5 de agosto de 2008). «Madonna's Costumes for Her Sticky and Sweet Tour». WWD Lifestyle Magazine. Fairchild Fashion Group. Consultado em 27 de abril de 2009 
  45. Harris, Chris (6 de junho de 2008). «Madonna's Gonna Dress Herself Up In Heatherette». MTV. MTV Networks. Consultado em 27 de abril de 2009 
  46. a b Guerra, Joey (17 de novembro de 2008). «Madonna revs up Minute Maid crowd». Houston Chronicle. Chron.com. Consultado em 29 de abril de 2009 
  47. Hand, John (12 de outubro de 2008). «Rapper Williams joins Madonna gig». BBC. BBC Online. Consultado em 27 de abril de 2009 
  48. Thrills, Adrian (26 de agosto de 2008). «Raunchier than ever...Madonna on stage at 50». Daily Mail. Associated Newspapers Ltd. Consultado em 25 de junho de 2009 
  49. Sticky & Sweet Tour (2010). Warner Bros. Records, Live Nation Entertainment e Semtex Girls.
  50. Erlewine, Stephen Thomas (29 de marzo de 2010). «The Sticky & Sweet Tour > Overview». Allmusic. Rovi Corporation. Consultado em 14 de setembro de 2012  Verifique data em: |data= (ajuda)
  51. Slomowicz, DJ Ron (7 de julho de 2009). «Madonna's "Sticky and Sweet" Mashups». About.com. The New York Times Company. Consultado em 14 de setembro de 2012 
  52. Elis, Niv (1 de junio de 2012). «MDNA Tour Review: Introducing Jihad Madonna». The Jerusalem Post. Consultado em 14 de junho de 2012  Verifique data em: |data= (ajuda)
  53. Shawash, Mohamad (5 de junho de 2012). «Review: Madonna's MDNA World Tour - Abu Dhabi (3rd & 4th of June 2012)». Moeys.net. Consultado em 14 de junho de 2012 
  54. a b «Hung Up - Single by Madonna». iTunes Store. Consultado em 16 de setembro de 2012 
  55. (2005) Créditos do álbum Hung Up por Madonna [Vinil]. Warner Bros. Records (101650).
  56. (2005) Créditos do álbum Hung Up por Madonna [Single]. Warner Bros. Records (101650).
  57. (2005) Créditos do álbum Hung Up por Madonna [Vinil]. Warner Bros. Records (9362 42871-0).
  58. (2005) Créditos do álbum Hung Up por Madonna [Single]. Warner Bros. Records (42845-2).
  59. (2005) Créditos do álbum Hung Up por Madonna [Single]. Warner Bros. Records (12187).
  60. Glenday, Craig (2007). Guinness Book of World Records 2007 Mass Market Paperback ed. [S.l.]: Bantam Press. 187 páginas. ISBN 0-553-58992-X 
  61. «Hits of 1990». NineMSN. PBL Media/Microsoft. Consultado em 12 de novembro de 2010. Cópia arquivada em 16 de julho de 2011 
  62. Bronson, Fred (28 de outubro de 2005). «Chart Beat:'Hung,' Grrr!». Billboard. Nielsen Business Media, Inc. Consultado em 24 de junho de 2009 
  63. a b Hope, Clover (24 den novembro de 2005). «Brown's 'Run It!' Holds Pace At No. 1». Billboard. Nielsen Business Media, Inc. Consultado em 24 de junho de 2009  Verifique data em: |data= (ajuda)
  64. Bronson, Fred (22 de dezembro de 2005). «Chart Beat: How They Got to 17». Billboard. Nielsen Business Media, Inc. Consultado em 24 de junho de 2009 
  65. a b Bronson, Fred (21 de outubro de 2005). «Chart Beat: We Kept Him Hangin' On». Billboard. Nielsen Business Media, Inc. Consultado em 24 de junho de 2009 
  66. Bronson, Fred (1 de dezembro de 2005). «Chart Beat: 'Hung' Hangs In». Billboard. Nielsen Business Media, Inc. Consultado em 24 de junho de 2009 
  67. Bronson, Fred (8 de dezembro de 2005). «Chart Beat: Championship Dancing». Billboard. Nielsen Business Media, Inc. Consultado em 24 de junho de 2009 
  68. a b «Billboard Charts – Decade-end Singles – Dance/Club Play Songs». Billboard. Nielsen Business Media, Inc. Consultado em 13 de novembro de 2010 
  69. a b «Madonna – Hung Up – RIAA certification». Recording Industry Association of America. 18 de agosto de 2008. Consultado em 24 de junho de 2009 
  70. Trust, Gary (30 de abril de 2010). «Ask Billboard: 'Glee'-ful About Madonna». [Billboard. Nielsen Business Media, Inc. Consultado em 5 de maio de 2010 
  71. a b Ryan, Gavin (2009). ARIA Singles Chart Book 1988–2008 1st ed. Mt. Martha, Victoria: Moonlight Publishing. pp. 91–92 
  72. «Asutralian Singles Chart». Australian Recording Industry Association. acharts.us. 17 de abril de 2006. Consultado em 24 de junho de 2009 
  73. a b «ARIA Charts – Accreditations – 2005 Singles». Australian Recording Industry Association. 31 de maio de 2006. Consultado em 24 de junho de 2009 
  74. a b c d e «Madonna > Charts & Awards > Billboard Singles». Allmusic. Rovi Corporation. Consultado em 25 de junho de 2009 
  75. a b «Madonna Hung Up : CRIA database search». Canadian Recording Industry Association. 10 de abril de 2006. Consultado em 24 de junho de 2009 
  76. «France Singles Top 100». Syndicat National de l'Édition Phonographique. acharts.us. November 5, 2005. Consultado em 24 de junho de 2009  Verifique data em: |data= (ajuda)
  77. a b «France Singles Top 100». Syndicat National de l'Édition Phonographique. acharts.us. 12 de novembro de 2005. Consultado em 24 de junho de 2009 
  78. a b «Irish Singles Chart». Irish Recorded Music Association. acharts.us. Consultado em 24 de junho de 2009  Parâmetro desconhecido |dapa= ignorado (ajuda)
  79. «RIANZ Top 40 chart». Recording Industry Association of New Zealand. acharts.us. 14 de novembro de 2005. Consultado em 24 de junho de 2009 
  80. a b «RIANZ Top 40 chart». Recording Industry Association of New Zealand. acharts.us. 21 de novembro de 2005. Consultado em 24 de junho de 2009 
  81. a b «UK Singles Chart». Official Charts Company. acharts.us. 13 de novembro de 2005. Consultado em 24 de junho de 2009 
  82. a b c «Madonna». Chart Archive.org. 2012. Consultado em 14 de setembro de 2012 
  83. «UK Singles Chart». Official Charts Company. acharts.us. 28 de maio de 2006. Consultado em 24 de junho de 2009 
  84. «Madonna: The Official Top 40». MTV. MTV Networks. Consultado em 20 de dezembro de 2010 
  85. a b c d e f g h i j k l «Madonna – Hung Up (Song)». Ultratop 50. Consultado em 24 de junho de 2009 
  86. «Hung Up on world charts». acharts.us. Consultado em 29 de julho de 2009 
  87. «Hungarian Singles Chart». Mahasz. Consultado em 18 de dezembro de 2009 
  88. «Hits Neue Jahrtausend Download». Media Control Charts. Consultado em 3 de novembro de 2010 
  89. «Gold-/Platin-Datenbank ('Hung Up')» (em alemão). Bundesverband Musikindustrie. Consultado em 8 de abril de 2011 
  90. «Gold and Platinum certifications – 2006». Ultratop 50. Hung Medien. 11 de março de 2006. Consultado em 24 de junho de 2009 
  91. «Madonna – searchable datadase». International Federation of the Phonographic Industry. IFPI.dk. Consultado em 24 de junho de 2009. Cópia arquivada em 16 de setembro de 2012 
  92. «Certified Awards». British Phonographic Industry. Consultado em 4 de novembro de 2013 
  93. «Guld och Platina-certifikat delas» (PDF). International Federation of the Phonographic Industry. 2008. Consultado em 24 de junho de 2009 
  94. «2006 single awards». Swiss Music Charts. Hung Medien. 31 de maio de 2006. Consultado em 24 de junho de 2009 
  95. «ARIA Charts – End Of Year Charts – Top 100 Singles 2005». Australian Recording Industry Association. Consultado em 4 de abril de 2011 
  96. «Austrian Year-end singles for 2005». Ö3 Austria Top 40. Consultado em 25 de agosto de 2010 
  97. «Austrian Year-end singles for 2006». Ö3 Austria Top 40. Consultado em 25 de agosto de 2010 
  98. «Belgian Flanders Year-end singles chart for 2005». Ultratop 50. Consultado em 25 de agosto de 2010 
  99. «Belgian Flanders Year-end singles chart for 2006». Ultratop 50. Consultado em 25 de agosto de 2010 
  100. «Belgian Wallonia Year-end singles chart for 2005». Ultratop 40. Consultado em 30 de agosto de 2010 
  101. «Belgian Wallonia Year-end singles chart for 2006». Ultratop 40. Consultado em 30 de agosto de 2010 
  102. «Spanish Singles Chart 2005» (PDF). PROMUSICAE. Consultado em 30 de abril de 2011 
  103. «Spanish Singles Chart 2006» (PDF). PROMUSICAE. Consultado em 4 de abril de 2011 
  104. «Hot 100 Songs 2006». Billboard. Prometheus Global Media. Consultado em 30 de abril de 2011 
  105. «French Year-end singles chart for 2005». Syndicat National de l'Édition Phonographique. Consultado em 30 de agosto de 2010 
  106. «MAHASZ Rádiós TOP 100 2005». Mahasz. Consultado em 30 de abril de 2011 
  107. «MAHASZ Rádiós TOP 100 2006». Mahasz. Consultado em 30 de abril de 2011 
  108. «Irish Year-end singles chart for 2005». Irish Recorded Music Association. Consultado em 30 de agosto de 2010 
  109. «Classifiche annuali 2005 FIMI Nielsen, dominano gli artisti italiani». Federation of the Italian Music Industry. Consultado em 4 de abril de 2011 
  110. «Classifiche: Charts Annunali 2006 FIMI-AC Nielsen». Federation of the Italian Music Industry. Consultado em 4 de abril de 2011 
  111. «Annual Top 50 Singles Chart 2005». Recording Industry Association of New Zealand. Consultado em 30 de abril de 2011 
  112. «Jaaroverzichten 2005». Dutch Top 40. Hung Medien (em Dutch). Consultado em 4 de abril de 2011 
  113. «Jaaroverzichten 2006». Dutch Top 40. Hung Medien. Consultado em 30 de abril de 2011 
  114. «UK Best Selling Singles (1999–2009)» (pdf). British Phonographic Industry. Consultado em 30 de abril de 2011 
  115. «Årslista Singlar – År 2005». Sverigetopplistan. Consultado em 4 de abril de 2011 
  116. «Årslista Singlar – År 2006». Sverigetopplistan. Consultado em 4 de abril de 2011 
  117. «Swiss Year-end singles chart for 2005». Swiss Music Charts. Consultado em 30 de agosto de 2010 
  118. «Swiss Year-end singles chart for 2006». Swiss Music Charts. Consultado em 30 de abril de 2011 
  119. Créditos adaptados do encarte de Confessions on a Dance Floor (2005), distribuído pela Warner Bros. Records