Hypnerotomachia Poliphili

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Ilustração da 'Hypnerotomachia Poliphili, ilustrador desconhecido

Hypnerotomachia Poliphili (1499) é um dos livros impressos no Renascimento mais enigmáticos de que se tem notícia. O título, numa tradução aproximada do grego, significa A luta amorosa de Poliphilo em um sonho. A autoria do livro é desconhecida, mas acredita-se que seria de Francesco Colonna.Seu título completo era "Hypnerotomachia Poliphili, ubi humana omnia non nisi somnium esse ostendit, atque obiter plurima scitu sanequam digna commemorat"

O Hypnerotomachia é considerado um dos incunábulos mais belos e raro, ao lado da Bíblia de Gutenberg. Constitui um marco na história do design gráfico pelo design tipográfico revolucionário de Aldus Manutius e pela narrativa sequencial das ilustrações em xilogravura, criada por um ilustrador desconhecido.

Autoria[editar | editar código-fonte]

A autoria do livro é desconhecida, mas sabe-se que foi editado, projetado e publicado por Aldus Manutius, o primeiro impressor profissional da Itália. Existem algumas pistas sobre a identidade do autor. Por exemplo: alinhadas, as letras iniciais de cada capítulo formam a frase Poliam frater Franciscvs Colomno peramavit que, traduzido do latim, significa o irmão Francisco Colono amava Polia intensamente. Acredita-se que se trata do monge dominicano Francesco Colonna que, segundo os anais dominicanos, solicitou um empréstimo para ajudar na publicação de um livro por volta do ano 1500.

Sinopse[editar | editar código-fonte]

O livro conta a história do jovem Poliphilo que, dentro de um sonho, procura por sua amada, a ninfa Polia. Para alcançar seu destino, ele precisa passar por misteriosas florestas, cidades e labirintos, presenciando todo tipo de cena bizarra e deparando com deuses, ninfas e outros seres mitológicos e arcades.

Além da sua qualidade gráfica, o que torna o livro tão célebre é o fato de ser um dos mais incompreensíveis de todos os tempos. Escrito em várias línguas (latim, grego, hebraico, árabe e hieróglifos egípcios) ao mesmo tempo, a narrativa mistura pesadelos, aventuras, passagens eróticas, tudo em meio a comentários sobre literatura, arquitetura, música, etc.

Galeria[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]