Hypocreales

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Como ler uma caixa taxonómicaHypocreales
Cordyceps capitata

Cordyceps capitata
Classificação científica
Reino: Fungi
Filo: Ascomycota
Subfilo: Pezizomycotina
Classe: Sordariomycetes
Subclasse: Hypocreomycetidae
Ordem: Hypocreales
Lindau, 1897
Famílias
Corpos frutificantes de Nectria cinnabarina.
Colónia de Trichoderma.
Espigas de trigo infestadas por Claviceps.

Hypocreales é uma ordem de fungos pertencente à classe Sordariomycetes, que inclui 7 famílias, 237 géneros e pelo menos 2647 espécies.[1] Inclui diversos fungos que são micoparasitas patogenos em plantas e insectos e algumas espécies que causam infecções oportunísticas em animais, incluindo em humanos. A maioria são espécies endofíticas e saprobióticas.[2]

Descrição[editar | editar código-fonte]

As espécies incluídas na ordem Hypocreales são geralmente caracterizadas pela presença de corpos frutificantes de coloração brilhante, geralmente com estruturas produtoras de esporos na forma de peritécios ou ascomas. As colorações mais frequentes são o amarelo, o alaranjado e o vermelho.

Os corpos de frutificação mais comuns são peritécios de textura macia e cor brilhante e atraente. Os ascomas são unitunicados, formados entre as paráfises apicais, que muitas vezes se dissolvem na maturação. Os ascósporos são incolores, com uma morfologia que varia entre as formas arredondadas não septadas e as formas elipsoidais a filiformes com um ou vários septos.

Sistemática[editar | editar código-fonte]

A ordem inclui as seguintes famílias (aqui apresentadas com alguns dos seus géneros e espécies mais representativos):[2]

Géneros em incertae sedis[editar | editar código-fonte]

De acordo com a edição de 2007 de Outline of Ascomycota, os seguintes géneros de Hypocreales têm posicionamento taxonómico incerto (incertae sedis), e não foram incluídos em qualquer das famílias reconhecidas:[3]

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. Kirk PM, Cannon PF, Minter DW, Stalpers JA. (2008). Dictionary of the Fungi. 10th ed. Wallingford: CABI. p. 332. ISBN 0-85199-826-7 
  2. a b H. Thorsten Lumbsch, Sabine M. Huhndorf: Outline of Ascomycota - 2007. In: Myconet. 13, 2007, ISSN 1403-1418, S. 1-58 (PDF; 2,8 MB).
  3. Lumbsch TH, Huhndorf SM. (2007). «Outline of Ascomycota – 2007» (PDF). The Field Museum, Department of Botany, Chicago, USA. Myconet. 13: 1–58. Consultado em 12 de fevereiro de 2012 
  4. a b Poinar, G.O.; Buckley, R. (2007). «Evidence of mycoparasitism and hypermycoparasitism in Early Cretaceous amber». Mycological Research. 111 (4): 503–506. PMID 17512712. doi:10.1016/j.mycres.2007.02.004 

Referências[editar | editar código-fonte]

  • Ning Zhang, Lisa A. Castlebury, Andrew N. Miller, Sabine M. Huhndorf, Conrad L. Schoch, Keith A. Seifert, Amy Y. Rossman, Jack D. Rogers, Jan Kohlmeyer, Brigitte Volkmann-Kohlmeyer, Gi-Ho Sung: An overview of the systematics of the Sordariomycetes based on a four-gene phylogeny. In: Mycologia. 98, Nr. 6, 2006, S. 1076-1087 (PDF; 1,67 MB).

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Hypocreales