CNews

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de I-Télé)
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
CNews
Canal News
Tipo Rede de televisão aberta (free-to-air)
País  França
Fundação 4 de novembro de 1999 (18 anos)
Pertence a Grupo Canal+
Proprietário Vivendi
Sede Boulogne-Billancourt
Slogan La chaîne info : décryptage et opinions
Formato de vídeo 576i (SDTV)
1080i (HDTV)
Audiência 0.6% (Março de 2017 Médiamétrie)
Cobertura  França
Suíça
 Bélgica
Nome(s) anteriore(s) I-Télévision (1999-2002)
I-Télé (2002-2017)
Página oficial www.cnews.fr

CNews (anteriormente I-Télévision e I-Télé) é um canal de televisão de informação francês, subsidiária do grupo Canal+.

É um canal em sinal aberto (Free-to-Air) principalmente na TNT, por cabo, por satélite, televisão via ADSLtelevisão móvel (smartphones e tablets), e em direto na Internet. Criada a 4 de novembro de 1999 como um canal de cabo - concorrente da LCI, do Grupo TF1 lançado cinco anos antes, a I-Télé é transformada num canal gratuito a partir da sua chegada a televisão digital terrestre francesa, em outubro de 2005, a BFM TV, torna-se então a sua principal concorrente.

Em setembro de 2008, enquanto a BFM TV se define como o "primeiro canal de informação de França", a nova administração da I-Télé adota um "novo modelo editorial" com o objetivo de recuperar alguma audiência, particularmente em face do canal do grupo NextRadioTV.

Em 31 de julho de 2016, Cécilia Ragueneau, CEO do canal, desde janeiro de 2012, e Celine Pigalle, diretora de redação e diretora de informação do Grupo Canal+, desde maio de 2012, são demitidos[1].

O canal deveria ter sido renomeado para CNews a 24 de outubro de 2016. Dada a greve dos jornalistas, a administração decidiu mudar o nome do canal posteriormente[2]. I-Télé é finalmente renomeado CNews em 27 de fevereiro de 2017[3].

História[editar | editar código-fonte]

Foi criado em 4 de novembro de 1999, como concorrente do canal de LCI do Groupe TF1. A Télé tornou-se um canal gratuito ao acessar a TDT em outubro de 2005, sendo a BFM TV sua principal concorrente neste sistema. Às 11:58 da manhã, dois minutos antes do meio-dia, oficialmente o canal é oficialmente lançado por Pierre Lescure, quinze anos após o dia da criação do Canal +.

Em 9 de setembro de 2002, às 19h20, a estação mudou seu logotipo e seu nome para I-Télé.

A rede está passando por um novo plano social em março de 2003, quando 138 dos 305 postos e outros subcontratados do Grupo Canal + são eliminados. Após uma greve, a notícia do meio-dia de 14 de fevereiro de 2003 é substituída por uma edição menor que apresenta Priscila de Selve e é realizada pelas equipes do canal. Este diário é iniciado experimentalmente às 13:00 em vez das 12:30.

Desde setembro de 2004, Guilluame Durand, da Europa, realiza uma entrevista todos os dias todas as noites. Depois de apresentar a sessão da tarde de informação na transmissão do sinal (06:00 - 21:00) durante o período de 2003-2004, Bruce Toussaint brevemente em setembro de 2004, tema confro pas N'aynos peur des mots na programação do canal. Em outubro do mesmo ano, seu sucessor Samuel Étienne desapareceu após a saída de Thiery Gilardi no TF1; Bruce Toussaint entra em vigor em duo com Stephanie Renouvin no noticiário La Matinale, que é transmitido ao vivo todas as manhãs pelo Canal + e o resto da programação do canal durante a temporada 2004-2005.

Em 9 de maio de 2005, o canal é selecionado pela CSA para oferta gratuita de televisão digital terrestre.

Desde setembro deste ano, o La Matinale, originalmente compartilhado com o Canal + e o I-Télé, não está mais transmitindo as notícias da mesma cadeia; I-Matin, um programa matutino que é exibido por Laurent Bazin e Nathalie Iannetta.

Durante o outono de 2005, Marie Drucker deixa Canal +, onde os registros mostram depois de ocupar o canal de tomar o controle de Soir 3 em France 3 e continue seu trabalho em RTL, porque "" ele escolheu sua homenagem na casa da RTL "".

Em setembro de 2005, Jean-Claude Paris agradeceu a sua audiência por trabalhar no Canal + Group, onde substituiu Valérie Lecasble.

Em 14 de outubro de 2005, às 19h20, a I-Télé lançou o canal nº 16 na TDT, que começa com a disfunção da política de manutenção do Le Franc Parler, simultaneamente pela France Inter em associação com a Le Point. Neste momento, a rede emprega 45% dos jornalistas, incluindo 18 correspondentes na França e três no exterior. Das 7:00 às 9:00, o programa da manhã por Laurent e Nathalie Bazin Ianneta, meio-dia, 12:00-14:00, a outra notícia que é hospedado por Sophia Synodinos e Laurent Kouchner apresentado. Harry Roselmack diz que La Grande Édition é transmitida das 18h às 18h30, antes de La Grande Édition, a suíte de Guillaume Durand até as 19h30. Finalmente, Samuel Etienne apresenta a edição da tarde das 23:00. Fora destes programas de notícias, a I-Télé emitiu 9 compromissos diários e 18 revistas semanais.

Em setembro de 2007, o canal está lançando 2 novos grandes sessões de informação: midi Actu 12:00-14:00, organizado por Olivier Benkemoun com Valentine Desjeunes (notícias) e Soir Informações 22:00-23:00 (três transmissões ao vivo) orquestradas por Nicolas Charbonneau e Priscilia Selve (notícia).

Desde 2008, a cadeia é dirigida por Pierre Fraidenraich e Thierry Thuillier.

Em 15 de setembro de 2016, por decisão do Canal + Groupe, o nome do canal passou a se chamar CNews.

Em setembro de 2015, o presidente do Conselho Supervisor do grupo Canal +, Vincent Boloré, anunciou que os canais I-Télé, D8 e D17 livres mudariam seus nomes para se tornarem CNews, C8 e Cstar, respectivamente, para aproximá-los do mesmo canal. Para acompanhar, os rostos da diretora do BFMTV, Cecilia Raguneau, e da editora Céline Pigalle serão substituídos por Phillipe Labro e Guillaume Zeller. Depois de meses sem novidades, em abril de 2016 foi anunciado que o canal seria renovado como Canal News em meados de outubro deste ano.

Em 1º de fevereiro de 2017, às 5:58, o canal muda seu nome para CNews.

Audiência[editar | editar código-fonte]

Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Média anual
2007 0,3% 0,3% 0,3% 0,3% 0,3% 0,3% 0,3% 0,3% 0,3% 0,3%
2008 0,3% 0,3% 0,3% 0,3% 0,3% 0,4% 0,4% 0,3% 0,4% 0,4% 0,4% 0,4% 0,3%
2009 0,4% 0,4% 0,4% 0,5% 0,5% 0,7% 0,6% 0,6% 0,5% 0,5% 0,5% 0,6% 0,5%
2010 0,7% 0,6% 0,6% 0,6% 0,7% 1,0% 0,8% 0,7% 0,7% 0,8% 0,7% 0,7% 0,7%
2011 0,7% 0,8% 1,1% 0,8% 1,0% 0,9% 0,9% 0,8% 0,8% 0,8% 0,8% 0,7% 0,8%
2012 0,8% 0,8% 1,0 % 0,9 % 1,0 % 0,9 % 0,7 % 0,7 % 0,8 % 0,7 % 0,8 % 0,6 % 0,8 %
2013 0,8 % 0,7 % 0,8 % 0,8 % 0,8 % 0,7 % 0,9 % 0,7 % 0,7 % 0,8 % 0,8 % 0,8 % 0,8 %
2014 0,8 % 0,7 % 1,0 % 0,9 % 0,9 % 1,0 % 1,0 % 0,9 % 1,0 % 0,9 % 0,9 % 0,8 % 0,9 %
2015 1,2 % 0,8 % 1,0 % 0,9 % 0,9 % 1,0 % 1,0 % 0,9 % 0,9 % 0,9 % 1,6 % 1,0 % 1,0 %
2016 1,0 % 0,9 % 1,0 % 1,0 % 1,0 %

Legenda :

Fundo verde : Melhor resultado histórico.
Fundo vermelho : Pior resultado histórico.

Referências

  1.  Alexandre Piquard et Alexis Delcambre, « La direction d’i-Télé remerciée par Vincent Bolloré », Le Monde.fr,‎ (ISSN 1950-6244, lire en ligne)
  2. « iTélé ne changera pas de nom lundi », telesatellite.fr,‎ (lire en ligne)
  3. http://www.europe1.fr/medias-tele/cnews-coup-denvoi-le-27-fevrier-prochain-2967716