iPhone

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde março de 2014). Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Out of date clock icon.svg
Este artigo pode conter informações desatualizadas.

Se sabe algo sobre o tema abordado, edite a página e inclua informações mais recentes, citando fontes válidas. Utilize o campo de resumo para uma breve explicação das alterações e, se achar necessário, apresente mais detalhes na página de discussão.

iPhone

New iPhone Logo.svg

IPhone 6S Rose Gold.png
iPhone 6s na cor Ouro rosa
Slogan iPhone 6s & 6s Plus - Só mudou uma coisa. Tudo 
Operadora(s) Oi, Claro, TIM, Vivo e Nextel
Lançamento SE 30 de março de 2016; há 0 dia
6s & 6s Plus 9 de setembro de 2015; há 11 meses
6 & 6 Plus 9 de setembro de 2014; há 2 anos
5S e 5C 20 de setembro de 2013; há 3 anos
5: 21 de setembro de 2012; há 4 anos
4S: 14 de outubro de 2011; há 5 anos
Preço inicial (em R$) R$
iPhone 6S Plus R$4.299,00 iPhone 6S R$3.999,00 6 Plus: R$ 3.499
6: R$ 3.199
SE: R$ 2.699
Sistema operativo iOS
Bateria Bateria de íon lítio recarregável não removível.
Sítio oficial www.apple.com/br/iphone (Brasil)
www.apple.pt/iphone (Portugal)

iPhone é uma linha de smartphones desenvolvidos e comercializados pela Apple Inc. É o unico smartphone a operar com o sistema operacional móvel iOS. A primeira geração do iPhone foi lançada em 29 de junho 2007, sendo o iPhone SE o modelo mais recente, lançado em março de 2016.

Atualmente no Brasil são vendidos os modelos de iPhone 6 e 6 Plus ,6s e 6s Plus e SE ,os modelos mais antigos já pararam de ser produzidos. Apesar disso, os iPhones 4S respondem pela maior base instalada no Brasil: 35,1% dos brasileiros que tem iPhone utilizam esse modelo, seguidos pelos proprietários de iPhones 5S (17,8% da base instalada), segundo informações da Kantar Worldpanel[1].

Anunciado em 9 de janeiro de 2007, o iPhone foi lançado no dia 29 de junho de 2007 nos EUA, em 9 de Novembro de 2007 na Alemanha e no Reino Unido, e em 29 de Novembro na França, por Steve Jobs ex-presidente e fundador da marca Apple Inc. Em 2008 foi lançado no mercado asiático e resto da Europa. Em Portugal, foi inicialmente vendido pela Vodafone. Foi lançado em 11 de julho de 2008, e até Janeiro de 2008 foram vendidos quatro milhões de iPhones.[2] Somente durante o fim de semana de lançamento do iPhone 3G, a Apple afirma ter vendido 1 milhão de unidades do aparelho.[3]

No Brasil, a primeira versão do telefone (chamada popularmente de 2G) não foi lançada. Na sua segunda versão, o iPhone 3G, começou a ser vendido no mercado brasileiro, a partir de 26 de setembro de 2008.[4]

História e disponibilidade[editar | editar código-fonte]

As vendas do iPhone no mundo todo por trimestre. O volume de vendas é em milhões. Q1 é a temporada de férias.
  iPhone original
  iPhone 3G
  iPhone 3GS
  iPhone 4

O desenvolvimento do iPhone começou com o CEO da Apple Inc. Steve Jobs. A Apple criou o dispositivo durante uma colaboração sem precedentes e secreto com a AT&T, anteriormente Cingular Wireless. O custo estimado de desenvolvimento da colaboração foram de 150 milhões de dólares ao longo de um período de trinta meses. A Apple rejeitou o projeto que tinha rendido o Motorola ROKR E1, uma grande colaboração com a Motorola. Em vez disso, a Cingular Wireless deu a Apple a liberdade para desenvolver o iPhone ela mesma.

Jobs apresentou o iPhone ao público em 9 de janeiro de 2007, num discurso. O iPhone foi colocado à venda nos Estados Unidos em 29 de junho de 2007, às 06:00 horas no horário local, enquanto centenas de clientes faziam fila fora das lojas por todo o país. O iPhone original foi disponibilizado no Reino Unido, França e Alemanha, em novembro de 2007, e na Irlanda e na Áustria, no outono de 2008.

Em 11 de julho de 2008, a Apple lançou o iPhone 3G em 22 países. O 3G foi lançado em mais de oitenta países e territórios. A Apple anunciou o iPhone 3GS em 8 de Junho 2009, juntamente com planos para liberá-lo mais tarde, em junho, julho e agosto, começando com os Estados Unidos, Canadá e os principais países europeus em 19 de junho. Em uma tentativa de ganhar um mercado mais amplo, a Apple manteve o iPhone 3G de 8GB em um preço mais baixo. Houve várias reduções de preço desde o lançamento do iPhone em 2007.

Em 24 de junho de 2010 a Apple disponibilizou a venda do iPhone 4 nos Estados Unidos, Reino Unido, França, Alemanha e Japão. O iPhone 4 apresentava uma estrutura remodelada e conta agora com dois câmeras (a traseira com capacidade de gravar videos em HD) e FaceTime.

Em outubro de 2011, foi lançada a quinta versão do aparelho, o iPhone 4S. Com design praticamente idêntico ao modelo anterior, trouxe como novidades uma câmera de maior resolução (8,0 megapixels e gravação de vídeo 1080p), um processador com dois núcleos e uma função de assistente de voz, chamada Siri.

Em setembro de 2012, foi lançada a sexta versão do aparelho, o iPhone 5. Com um novo design, tela de 4 polegadas, novo conector lightning, nova camera FaceTime HD de 1,2MP, um processador Apple A6 e compatibilidade com redes 4G LTE.

A Apple vendeu 6,1 milhões de unidades do iPhone original ao longo de cinco trimestres. A empresa vendeu 3,8 milhões de unidades do iPhone 3G no segundo trimestre de 2009, que terminou em Março de 2009, e 12,6 milhões de iPhones 3G e 3GS, totalizando 33,7 milhões de iPhones vendidos até hoje. Vendas em 2008 ultrapassaram temporariamente a do BlackBerry da RIM vendendo 5,2 milhões de unidades, o que fez Apple brevemente a terceira maior fabricante de celulares, apenas depois da Nokia e Samsung.

A parte traseira do iPhone original era feita de alumínio com a base de plástico preto. O iPhone 3G e 3GS são feitos todos de plástico. O iPhone 3G está disponível em um modelo preto de 8 GB, e a opção de branco ou preto para o modelo de 16 GB. O iPhone 3GS está disponível nas duas cores, independentemente da capacidade de armazenamento. O iPhone 4 é feito de alumínio e vidro na frente e atrás com um aço inoxidável na borda que serve como antena sendo que existem dois modelos atualmente: Preto e Branco (Lançado em 28 de Abril de 2011).

O iPhone já recebeu resenhas positivas de críticos como David Pogue e Walter Mossberg.

As vendas do iPhone mundialmente já ultrapassaram 160 milhões de unidades[5], o que já faz dele o produto tecnológico portátil mais vendido da história, superando ícones como o iPod (da própria marca), o Walkman da Sony e o GameBoy da Nintendo.

Características[editar | editar código-fonte]

Apple lançou um tour assistido explicando uma série de características do iPhone por meio de vídeos explicativos.[6]

Tela sensível ao toque[editar | editar código-fonte]

A tela sensível ao toque HVGA (320×480 px em 160 ppi) com vidro de qualidade óptica[7] foi especialmente criada para ser usada com um dedo, ou múltiplos dedos para sensibilidade multi-touch. Não é necessária uma caneta stylus, e nenhuma pode ser usada, visto que o sistema é sensível apenas à capacitância da pele humana.[8] Por esse motivo, às vezes pode ser incômodo manusear o aparelho, como em regiões frias em que os usuários terão que tirar suas luvas para usar a touchscreen.[9][10]

Para entrada de texto, o dispositivo tem um teclado virtual tipo Swype na tela, com um sistema de correção ortográfica, previsão de palavras e um dicionário inteligente que tem a capacidade de aprender novas palavras. Para novos usuários o sistema pode frustrar no começo, com falhas simples como pressionamento errado de teclas e ritmo de digitação. A Apple disponibilizou no seu website vídeos explicativos de como interagir corretamente com o sistema.[11]

O multi-touch permite não só executar comandos tocando na tela, mas ir além, rolando listas com o deslizar do dedo e ampliando e reduzindo imagens com o movimento de pinça do polegar e do indicador. A tela é capaz de reconhecer toques simultâneos, permitindo ao telefone reconhecer gestos e oferecer uma interação mais rica, permitindo que o usuário 'manipule' os objetos. Steve Jobs demonstrou na primeira apresentação pública do produto, em janeiro de 2007, o uso do recurso para navegar por capa de álbuns musicais (Cover Flow, recurso que já existia no iTunes), para fazer o zoom de fotos e mapas e para explorar páginas da web no navegador Safari, focalizando pedaços específicos da tela pelo movimento de pinça do polegar e do indicador, e enquadrando trechos, como fotos ou colunas, com um duplo toque do dedo.

Telefone[editar | editar código-fonte]

O iPhone permite conferência, chamada em espera, união de chamadas, identificador de chamadas e integração com outros serviços de operadoras celulares e funções do iPhone. Por exemplo, uma música é interrompida gradativamente quando o usuário recebe uma chamada. Logo que a chamada é terminada a música gradativamente volta a tocar.

O iPhone inclui um recurso de Visual Voicemail ('Correio de voz visual') em parceria com a AT&T Mobility, que permite aos usuários ver a lista atual de mensagens de voz aguardando. Diferentemente dos outros sistemas, as mensagens podem ser escutadas fora da ordem cronológica, apenas escolhendo-se a mensagem desejada na lista. AT&T reformou completamente sua infra-estrutura de Correio de voz para acomodar esse novo recurso desenvolvido pela Apple.

Mensagens SMS são apresentadas cronologicamente em um formato de caixa de mensagens muito parecido com o Apple Mail, que coloca todas as mensagens dos recipientes junto com as respostas. Mensagens de texto são mostradas em balões de quadrinhos (como o iChat) com cada nome dos destinatários, simulando o desenho industrial de diversos softwares de bate-papo. No update 1.1.3 de Janeiro, foi acrescentada o suporte a múltiplos envios de SMS.

Multimídia[editar | editar código-fonte]

O layout da biblioteca de música difere dos modelos anteriores de iPod, com seções divididas de modo alfabético e mais claro, e um tamanho de fonte maior. Similar aos iPods anteriores, o iPhone pode organizar sua biblioteca de mídia por músicas, artistas, álbuns, vídeos, listas de reprodução, gêneros, compositores, podcasts, audiobooks e compilações. O Cover Flow, como no iTunes, mostra diferentes capas de álbuns em um sistema através de scroll. Para usar o scroll é apenas passar o dedo pelo meio da tela, no sentido de comprimento.

Como a quinta geração do iPod introduzida em 2005, O iPhone pode tocar vídeos, permitindo aos usuários assistirem shows de TV e filmes. Diferentemente de qualquer outro conteúdo de imagem, vídeos no iPhone tocam apenas na orientação de paisagem quando o telefone é girado para os lados. Dois toques seguidos na tela servem a trocar entre o modo real Widescreen (com faixas pretas na parte superior e inferior da tela) e o modo de zoom (para preencher toda a tela do iPhone.)

Conectividade com a Internet[editar | editar código-fonte]

O iPhone possui Wi-fi embutido, o que o torna capaz de acessar a Internet (através de uma rede sem fio) por meio de uma versão modificada do web browser Safari. O iPhone também é capaz de conectar-se à internet por meio de uma rede EDGE, porém sua primeira versão não era capaz de se conectar a redes 3G/HSDPA/LTE. Steve Jobs mencionou na sua apresentação na Keynote que o suporte a 3G poderá ser um recurso futuro em uma nova versão.[12] O uso de redes EDGE ao invés de 3G foi criticado por analistas. Tal falha foi sanada na segunda versão do aparelho que dentre muitas novidades teve a capacidade de acessar redes 3G acrescentada. Quando o usuário não está em um hotspot Wi-Fi, a conexão de rede do iPhone usará automáticamente a rede EDGE, que, durante o lançamento, especialistas descobriram ser "assustadoramente lenta" quando o iPhone demorou mais de 100 segundos para fazer o download da webpage do Yahoo! pela primeira vez.[13] Imediatamente depois, entretanto, foi observado que a velocidade da rede aumentou para quase 200kbps, por causa dos upgrades de infraestrutura da rede EDGE que a AT&T estava fazendo por causa do lançamento do aparelho.[14]

O browser da web mostra páginas completas, ao contrário das páginas simplificadas que são mostradas em não-smartphones. Porém o iPhone não suporta as tecnologias Flash e Java.[15][16] Páginas da web podem ser vistas em orientação paisagem ou verticalmente e suportam zoom automático usando o movimento de pinça do polegar e do indicador, ou dando um duplo toque em imagens ou texto. O iPhone também possui Bluetooth 2.x + EDR embutido, funcionando com fones sem fio que usam a tecnologia Bluetooth 2.0.

Um acordo entre Apple e Google permitiu o acesso a uma versão especificamente modificada do Google Maps - Em formato de mapa, lista local ou satélite, que também fornece opcionalmente informações de tráfego em tempo real. Durante o anúncio do produto, Jobs demonstrou esse recurso procurando por uma loja próxima da cafeteria Starbucks e realizando uma chamada para a mesma com um simples toque na tela.[17][18]

Em 2012 chegou o iPhone 5 que dentre as inúmeras novidades que o acompanhavam vinha com a rede LTE/4G, uma grande inovação mas com opções de bandas muito limitadas, restringindo famosas bandas como a 7(2600mhz) e isso consequentemente deixou varias pessoas decepcionadas. Após o lançamento do iPhone 5s qualquer problema com rede LTE referente a frequência foi resolvida, mas outras preocupações ainda existiam, se um iphone for comprado nos Estados Unidos não funcionará o 4G na Itália ou no Brasil, portanto ainda apresentava alguns problemas. Com o lançamento do iPhone 6 e 6 Plus todos os problemas envolvidos foram resolvidos, os três modelos possuem as bandas mais usadas do mundo, o que diminuiu bem mais a preocupação das pessoas em geral.

E-mail[editar | editar código-fonte]

O iPhone também possui um cliente de e-mail HTML que permite ao usuário inserir fotos em uma mensagem de e-mail. Anexos PDF, Microsoft Word e Microsoft Excel podem apenas ser visualizadas no telefone.[19] Yahoo! é o único provedor de e-mail que vai oferecer um serviço grátis de Push-IMAP similar no que existe no BlackBerry. Protocolos padrão de e-mail IMAP e POP3 também são suportados, incluindo Microsoft Exchange. O iPhone sincroniza configurações de conta de e-mail através do aplicativo Apple Mail, Microsoft Outlook e Microsoft Entourage, ou pode ser manualmente configurado usando a ferramenta de configuração do próprio dispositivo. Com os parâmetros corretos, o programa de e-mail pode verificar várias contas baseadas na web e ativadas por IMAP ou POP3 como GMail, MobileMe e AOL[20]

iOS[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: iOS

iOS é o sistema operacional nativo do iPhone e de todos os outros iGadgets. O sistema é completamente baseado nos sistemas operacionais para desktop da Apple, o Mac OS X. A diferença entre os dois sistemas está no fato de que o iOS foi desenvolvido para executar em arquiteturas ARM, enquanto o Mac OS X foi desenvolvido para x86 e x64

O sistema operacional tem aproximadamente 960 MB de arquivos,[21] sendo que uma partição cerca de 1,5 GB é feita do armazenamento do iPhone (16, 32, 64 ou 128 GB disponibilizados pela Apple) para armazenar o iOS. Isto o torna capaz de suportar futuras versões do iOS que ocuparam mais espaço que o atual, de uma maneira similar ao qual o Mac OS X e iPod são atualizados, tornando uma grande vantagem se comparado aos outros telefones celulares.[22]

Algumas funções anunciadas na Macworld 2007 foram excluídas da versão final do primeiro iPhone, entre elas o split mail e o ícone piscante do telefone durante uma ligação.[23]

O iOS também inclui o componente de software Core Animation, que é responsável pelas animações suaves usadas na interface de usuário. Core Animation faz parte do Mac OS X v10.5.

Aplicativos[editar | editar código-fonte]

Além de seus nativos (que são instalados juntamente com o sistema), pode-se adquirir aplicativos desenvolvidos por terceiros pela App Store. A loja virtual possui aproximadamente 1,4milhões de aplicativos disponíveis,[24] sendo que desses já foram feitos 84 bilhões de downloads.[25] Analistas criticam que o iPhone tem falta de um software de firewall, que alguns especialistas afirmam ser um risco de segurança.[26]

SDK[editar | editar código-fonte]

Em Março de 2008, foi reailizado um software roadmap do iPhone para desenvolvedores, onde foram anunciadas, além de muitos recursos corporativos e o novo beta 2.0 do iOS, foi ainda lançado o SDK, kit de desenvolvimento de softwares para o iPhone, e foi lançado o update 1.1.5 que prepara o iPhone para as futuras aplicações a serem lançadas em Junho na WWDC 2008 por meio da App Store, uma única loja apenas disponível via interface do iPhone que permitirá o download de aplicativos para o iPhone. Claro que quem quiser pode disponibilizar aplicativos gratuitos usando as Web Apps e há vários de repositórios online para baixar aplicativos em iPhones desbloqueados (não recomendado pela Apple), mas o SDK traz a possibilidade do desenvolvedor disponibilizar aplicativos pagos, como jogos.

Um fundo financeiro por meio de uma parceria entre Apple e uma empresa norte americana está financiando desenvolvedores em um programa de desenvolvimento de aplicações para o iPhone, o qual nós poderemos esperar grandes frutos durante 2008. Empresas como Microsoft e Adobe já analisaram o SDK e também há rumores que essas desenvolvem aplicações para o telefone.

App Store[editar | editar código-fonte]

A Apple lançou junto com o iPhone 3G, a App Store. Loja online de jogos e aplicativos desenvolvidos por terceiros. Os desenvolvedores utilizam as ferramentas do SDK disponibilizado pela empresa para desenvolver aplicativos tanto para o Iphone (em suas duas versões) quanto para iPods Touch. Os aplicativos podem ser baixados através do próprio aparelho (aplicativos de até 10 MB) ou pelo iTunes. Os preços são definidos pelos próprios desenvolvedores, sendo que 70% do valor do aplicativo fica com ele, e 30% vai para a Apple.[27] A App Store está disponível no Brasil desde o lançamento do iPhone 3G, mas apresenta um acervo de aplicativos escasso se comparado com a App Store americana. Um dos fatores que corroboram para esta escassez é o fato de na App Store brasileira, não haver a seção "Jogos". O que causa isso é que o Ministério Público exige que a avaliação e classificação de restrição por idade seja feita por eles, não aceitam a classificação americana.[28] Em pouco mais de seis meses desde a abertura da App Store, a Apple anunciou que foram baixados mais de 500 milhões de aplicativos para iPhones e iPods touch. Hoje, há mais de 50 mil títulos na loja, dividos em 20 categorias — de jogos a aplicativos destinados a negócios.[29]

Comparação de modelos[editar | editar código-fonte]

Esta tabela sinaliza as diferenças entre os modelos.

Venda no Brasil[editar | editar código-fonte]

O iPhone está atualmente disponível no Brasil nos modelos 5S, 6 e 6 Plus e 6s, 6s Plus e SE

Venda em Portugal[editar | editar código-fonte]

O iPhone 4S encontra-se á venda na Vodafone, NOS e Apple Store oficial. O iPhone 5 começou a ser vendido em Portugal a 10 de Novembro de 2012.

Outros[editar | editar código-fonte]

O iPhone contém uma bateria interna não removível, similar à dos iPods atualmente no mercado. Uma vez que a vida útil da bateria acaba, o telefone necessitará ser retornado para Apple para ter sua bateria trocada por uma taxa.[13] O custo de troca de bateria é $79 e $6.95 para despesas de postagem.[45] A bateria é capaz de fornecer autonomia aproximada de oito horas de conversação, seis horas de uso de internet, sete horas de reprodução de vídeo e mais de 24 horas de reprodução de música, além de aproximadamente 250 horas em standby[7]

Os novos fones de ouvido são similares aos dos atuais iPods, porém incorporam um microfone embutido. As chamadas podem ser atendidas e terminadas apenas pressionando o botão no microfone. O conector TRS de 3,5 mm fica localizado no topo do telefone, do lado direito, (como é visto de frente) onde são conectados os fones. Fones sem fio Bluetooth compatíveis com o iPhone são vendidos separadamente.

O alto-falante é usado duplamente para operações de handsfree e reprodução de conteúdo multimídia.

O chip SIM fica localizado em uma bandeja na lateral direita do dispositivo,[6] e o celular deve ser ativado usando o iTunes antes que se possa realizar qualquer operação.[46] O iPhone é umas das maiores invenções da Apple, responsável por revolucionar o mercado de telefonia.

Disputas judiciais[editar | editar código-fonte]

Caso Cisco

Em dezembro de 2006 a empresa Linksys, uma das divisões da Cisco Systems, havia anunciado o lançamento do telefone iPhone, que faz chamadas usando a internet, já tendo lançado os modelos e patenteado o nome da marca. Após uma tentativa de negociação frustrada, a Cisco System estava processando a Apple[47] pelo uso indevido do nome. Em fevereiro de 2007, as duas empresas chegam a um acordo de uso compartilhado, permitindo ao iPhone continuar com seu nome original.

A fabricante de equipamentos de rede Cisco Systems, detentora da marca iPhone desde 2000 depois de comprar a Infogear, anunciou acordo com a Apple Inc. para a utilização de sua marca iPhone.[48] Em comunicado conjunto, as companhias afirmaram que ambas poderão usar a marca iPhone em seus produtos e cada lado irá cancelar qualquer processo pendente em relação ao uso do nome. Além disso, Cisco e Apple vão explorar oportunidades para trabalharem juntas nas áreas de segurança e comunicações.

Caso iFone

A empresa de telecomunicações 'iFone' nasceu no México em 2003, para passados seis anos, receber uma carta da Apple dizendo que iria ser processada por utilizar um nome com uma fonética muito parecida à da gigante americana. A pequena companhia mexicana processou também a Apple. Agora, o tribunal vem dar razão à empresa nacional.

A companhia de telecomunicações exige agora 40% dos lucros de todos os iPhones vendidos no México até a data. Neste momento ainda é incerto se a Apple poderá vender o novo iPhone 5 no país.[49]

Caso Gradiente

Em 2000, a Gradiente registrou no Brasil uma marca que uniu a letra I (de internet) e phone (de telephone). Nesse ano surgiu o primeiro iphone da Gradiente.

No ano de 2007, a Apple tentou fazer o registro da marca no Brasil, mas não pôde, uma vez que a Gradiente já possuía o direito sobre o mesmo, no país.

No início de 2013, a Apple ingressou no INPI (Instituto Nacional de Propriedade Industrial) solicitando a caducidade do registro da marca pela Gradiente, sob o argumento de que a empresa brasileira não teria comercializado o produto, no período de cinco anos, a partir da concessão da marca em janeiro de 2008[50]. Para não perder o direito sobre o nome, em dezembro de 2012, a empresa Brasileira Gradiente lançou um aparelho chamado iphone.[51], com configurações modestas. Por conta disso, em 13 de fevereiro de 2013, o INPI oficializou a decisão de negar à americana Apple o pedido de registro da marca iPhone no país[52].

Porém, no dia 19 de Setembro, o juiz Eduardo André Brandão de Brito Fernandes do TRF da 2ª Região tomou uma decisão que parece ser a mais justa: tanto a Apple quanto a Gradiente, cada um à sua forma, poderão utilizar o nome iPhone no Brasil.[53] Na prática, isso significa uma derrota para a Gradiente, que já está há quase um ano investindo nesta briga com a Apple. A Gradiente não poderá utilizar somente o nome iphone, mas sim sempre usar a marca "Gradiente iphone" ao comunicar o seu produto. Como resultado disso, o registro da Gradiente no INPI deverá ser cancelado, e um novo registro será feito, deixando clara a situação e as novas regras.

Fabricação no Brasil[editar | editar código-fonte]

Conversas entre a Apple Inc. e a Foxconn, fabricante dos produtos da Apple no Taiwan e que possui uma fábrica em Jundiaí, no interior de São Paulo, indicam que a empresa quer fabricar parte de seus produtos no Brasil. Os planos incluiriam o iPhone, o MacBook, o iPad e o iPod, segundo reportagem de Julio Wiziack no jornal Folha de S.Paulo. As conversas entre a Apple e a Foxconn tiveram início em meados de 2009, interromperam-se no final do ano e intensificaram-se em abril de 2010, afirma o jornalista.

Atualmente a empreitada está nas mãos da prefeitura de Jundiaí. A ideia da empreitada é reduzir custos e impulsionar as vendas desses produtos no Brasil, onde a carga de impostos impede avanço maior num mercado brasileiro, considerado promissor pela Apple. Enquanto no Brasil a Apple comercializou no primeiro trimestre deste ano apenas 80 mil aparelhos iPhone, no mundo foram vendidos nove milhões de unidades no mesmo período.

Segundo a reportagem da Folha, com a produção local do iPhone, a Apple passaria a importar os componentes e com isso reduziria a carga de impostos que hoje incidem sobre o produto. Cálculos iniciais das operadoras indicam que haveria uma redução de 15% nos custos, algo que, teoricamente, deixaria o preço do aparelho produzido no Brasil cerca de 10% mais alto que na China. Hoje ele desembarca custando 70% a mais.[54]

Referências

  1. Lafloufa, Jacqueline (22/03/2016). «Com novo iPhone SE, Apple volta para telas menores». Consultado em 25/04/2016. 
  2. «Blog do Blogspot». 
  3. «Apple vende mais de um milhão de unidades da nova geração do iPhone». G1. 
  4. «iPhone 3G começa a ser vendido no Brasil». Terra. 
  5. [1]
  6. a b «iPhone - A Guided Tour». Apple, Inc. 
  7. a b c «iPhone Delivers Up to Eight Hours of Talk Time». Apple, Inc. 
  8. «iPhone pushes touch-screen gadget growth». Wong, May. 
  9. «11 more reasons NOT to buy an iPhone (and that you haven’t thought of)». Shall, Russell. 
  10. «Ultimate iPhone FAQs list, Part 2». Pogue, David. 
  11. «iPhone - Finger Tips». Apple, Inc. 
  12. «The Ultimate iPhone Frequently Asked Questions». Pogue, David. 
  13. a b «The iPhone Matches Most of Its Hype». Pogue, David. 
  14. gadget.com/2007/06/28/atandt-customers-seeing-sudden-boost-in-edge-speeds/ «AT&T customers seeing sudden boost in EDGE speeds?» Verifique |url= (Ajuda). Murph, Darren. 
  15. «It's official: No Flash support on the iPhone (yet)». Chartier, David. 
  16. «That iPhone Has a Keyboard, but It’s Not Mechanical». Markoff, John. 
  17. «Macworld Expo Keynote Live Update». Cohen, Peter. 
  18. gadget.com/2007/01/09/live-from-macworld-2007-steve-jobs-keynote/ «Live from Macworld 2007: Steve Jobs keynote» Verifique |url= (Ajuda). Block, Ryan. 
  19. «Apple - iPhone - Questions and Answers». Apple, Inc. 
  20. «Apple - iPhone - Get Ready». Apple, Inc. 
  21. «iOS 6 ocupa 10 vezes mais espaço do que o primeiro iPhone OS». Olhar Digital. 20 de setembro de 2012. 
  22. «Macworld Expo: Optimised OS X sits on 'versatile' flash». Haslam, Karen. 
  23. «Funções do iPhone que a Apple desistiu de implementar». Blog do iPhone. 
  24. [2]
  25. [3]
  26. «The Coming War Over the iPhone». Elgan, Mike. 
  27. «Apple - Iphone - Recursos - App Store». 
  28. «Diversos jogos já estão disponíveis na categoria "Entertainment" da App Store brasileira - MacMagazine». 
  29. «- App Store: 500 milhões de aplicativos baixados, 50 mil disponíveis - MacMagazine». 
  30. Patterson, Blake (7 de julho de 2008). «Under the Hood: The iPhone's Gaming Mettle». touchArcade. Consultado em 20 de março de 2009. 
  31. a b Shimpi, Anand (10 de junho de 2009). «The iPhone 3GS Hardware Exposed & Analyzed». AnandTech. Consultado em 10 de junho de 2009. 
  32. a b Sorrel, Charlie (10 de junho de 2009). «Gadget Lab Hardware News and Reviews T-Mobile Accidentally Posts Secret iPhone 3G S Specs». Wired.com. Consultado em 14 de junho de 2009. 
  33. «iPhone 4 : Geekbench Result Browser». Browse.geekbench.ca. 09-03-2011. Consultado em 13-11-2011. 
  34. «iPhone 4 Teardown – Page 2». iFixit. Consultado em 23 de junho de 2010. 
  35. «iPhone 4S Teardown». iFixIt. Consultado em 2 de outubro de 2012. 
  36. «iPhone 5 A6 chip to dynamically up-clock up to 1.3GHz». 9to5Mac. Consultado em 1 de outubro de 2012. 
  37. . iFixIt título= http://www.ifixit.com/Teardown/iPhone-5-Teardown/10525/3 título= Verifique |url= (Ajuda). Consultado em 2 de outubro de 2012.  Texto "iPhone 5 Teardown " ignorado (Ajuda); Falta o |titulo= (Ajuda)
  38. «Apple (Samsung S5L8900) applications processor with eDRAM». UBM TechInsights. Consultado em 12 de mayo de 2009. 
  39. «iPhone 4 Confirmed to Have 4 GB of RAM (Twice the iPad and 3GS)». MacRumors. Consultado em 17 de junho de 2010. 
  40. «iPhone 5 Teardown». iFixIt. Consultado em 2 de outubro de 2012. 
  41. «iPhone 1st Generation Teardown  — Page 2 – iFixit». iFixit. Consultado em 4 de outubro de 2009. 
  42. «iPhone 3G Teardown — Page 4». iFixit. Consultado em 4 de otubre de 2009. 
  43. «iPhone 3GS Teardown  — Page 2». iFixit. Consultado em 4 de outubro de 2009. 
  44. «Apple deixa de vender o iPhone 4s». tribunadabahia.com.br. 13 de abril de 2015. 
  45. «iPhone Out-of-Warranty Battery Replacement FAQ». Apple, Inc. 
  46. «Apple - iPhone - Activation and Sync». Apple, Inc. 
  47. «Cisco, Claiming Ownership of ‘iPhone,’ Sues Apple». Markoff, John. 
  48. «Apple e Cisco fecham acordo e Steve Jobs poderá usar marca iPhone». Folha de S.Paulo. 
  49. «Apple não pode utilizar marca iPhone no México». DN Ciência. 
  50. teletime.com.br/ Apple recorre ao INPI alegando caducidade do direito da Gradiente sobre a marca iPhone
  51. iPhone da Gradiente já está à venda por R$ 699, TecMundo. Acesso em 2 de fevereiro de 2013.
  52. estadao.com.br/ INPI nega à Apple registro da marca ‘iphone’ no Brasil
  53. olhardigital.uol.com.br/ Apple vence Gradiente e pode usar nome iphone no Brasil
  54. «Apple avalia fabricar iPhone no Brasil». INFO Online. 

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre IPhone