IndyCar Series

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de IZOD IndyCar Series)
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Se procura pelo jogo eletrônico, veja IndyCar Series (jogo eletrônico).
IndyCar Series
Logotipo da IndyCar Series.png
Categoria Monoposto
Organização IndyCar
Edições 19
País Internacional
Temporada inaugural 1996


Pilotos 36
Equipes 12
Construtores Dallara
Motores Chevrolet
Honda
Pneus Firestone
Site oficial www.indycar.com
Ultimos campeões
Piloto Estados Unidos Josef Newgarden
Equipe Estados Unidos Team Penske


Motorsport current event.svg Temporada atual

A IndyCar Series, atualmente conhecida como Verizon IndyCar Series por razões de patrocínio,[1][2] (br: Fórmula Indy) é a principal categoria de automobilismo de monopostos sancionada da IndyCar. A categoria foi fundada na temporada de 1996 como Indy Racing League (IRL) pelo empreendedor Tony George (que foi sancionada pela USAC até 1997, a seguir depois disso o corpo de sanção é a IndyCar até os dias atuais), proprietário do Indianapolis Motor Speedway, após a dissidência com a CART por uma série de fatores, em 1996, o último vencedor pré-dissidência nas 500 Milhas de Indianápolis do ano anterior seria Jacques Villeneuve (pela Team Green), que se transferiu para a temporada de 1996 da Fórmula 1, baseada no continente europeu.

A reunificação das duas categorias (a então IRL e a Champ Car) além das categorias anteriores como a AAA e a USAC, ocorreu na temporada de 2008.

A partir da temporada de 2015 o calendário da IndyCar Series tem suas pistas divididas em três estilos: 1/3 das corridas seriam para circuitos ovais (que são tradicionais desde a década de 1910, subdivididas em ovais curtos e ovais longos) somados com 1/3 para os circuitos mistos e com mais 1/3 para os circuitos de rua, aproximadamente.

A corrida mais prestigiosa da IndyCar Series são as 500 Milhas de Indianápolis (realizadas desde 1911 no circuito oval, durante o mês de maio), que possuem regras de classificação distintas e número de inscritos maiores.

Histórico[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: 500 Milhas de Indianápolis
Ver artigo principal: Indianapolis Motor Speedway

No ciclo da categoria de 1996-2004[editar | editar código-fonte]

O anúncio das intenções de criar um novo certame com monopostos ocorreram em 1994 e então se iniciou em 1996 a era da Indy Racing League em 1996, o empreendedor Tony George alegava que estava criando a nova categoria de monopostos e levando a principal prova, as 500 Milhas de Indianápolis, para zelar pela tradição dos monopostos americanos e suas especificações técnicas com o calendário com 100% de circuitos ovais, tendo seu início em 1996 com modelos anteriores da década de 90 da CART (os Reynard e Lola) com as especificações com motor turbo, sendo sancionada pela USAC, todavia teria seu término em 1996-1997 e o corpo de sanção foi mudado, o regulamento foi alterado e com isso as especificações técnicas foram descontinuadas e a partir desta temporada de 1997 teriam motores com preparação aspirada, o que significaria o abandono dos motores turbo (que estavam nos monopostos americanos desde a década de 70). Os motores turbo retornariam numa mudança de regulamento na temporada de 2012.

Neste ciclo que vai de 1996-2004 a Indy Racing League correu pura e simplesmente em circuitos ovais e sua mais prestigiosa corrida era e ainda é nos dias atuais as 500 Milhas de Indianápolis, cuja sua história remonta a década de 1910 nos Estados Unidos. Entre os pilotos brasileiros deste período foram: Marco Greco (com 1 pole position, no oval de New Hampshire, em 1997), Airton Daré (com 1 vitória na IndyCar Series no oval de Kansas em 2002), assim como Felipe Giaffone (com 1 vitória na IndyCar Series no oval de Kentucky em 2002).

Todavia, a partir da temporada de 2000, a restrição de equipes de outras categorias nas 500 Milhas de Indianápolis foi relaxada e isso permitiu que equipes de outras categorias pudessem correr parcialmente na IRL. Assim, Juan Pablo Montoya foi declarado vencedor das 500 Milhas de Indianápolis de 2000, liderando amplamente a corrida e Hélio Castroneves foi declarado vencedor nas 500 Milhas de Indianápolis de 2001, e a Team Penske, já correndo o calendário completo e com equipe própria na Indy Racing League, Hélio Castroneves foi declarado também vencedor das 500 Milhas de Indianápolis de 2002 e 500 Milhas de Indianápolis de 2009 e se tornaria tricampeão da corrida (com as duas categorias reunificadas) e além disso Gil de Ferran foi declarado vencedor das 500 Milhas de Indianápolis de 2003.

Na temporada de 2004 seria o último ano da IndyCar Series com o calendário 100% em circuito oval foi onde o brasileiro Tony Kanaan foi declarado campeão da Indy com vários recordes superados e se tornaria posteriormente já no regulamento de 2012 com os motores turbo seria declarado vencedor das 500 Milhas de Indianápolis de 2013.

Pós-temporada de 2004[editar | editar código-fonte]

Todavia, a partir do calendário na temporada de 2005 houve algumas mudanças: os circuitos mistos e circuito de rua começam a ser admitidos e pelo menos três circuitos mistos e circuito de rua entraram no calendário: os circuitos de St. Petersburg (circuito de rua), Sonoma (circuito misto) e Watkins Glen (circuito misto).

Na temporada de 2006, os circuitos mistos e um circuito de rua continuam dentro do calendário da então Indy Racing League. E numa corrida de 2006, acontece o Grande Prêmio de Watkins Glen (circuito misto) que conseguiria entrar na história da então Indy Racing League por ser a primeira corrida a ser feita em condições chuvosas, onde Scott Dixon foi o vencedor. Sobre resultados de brasileiros: Vitor Meira em 2º lugar, Felipe Giaffone em 5º lugar e Hélio Castroneves em 7º lugar entre os dez primeiros. E nesta temporada de 2006 o americano Sam Hornish Jr. seria declarado vencedor das 500 Milhas de Indianápolis de 2006 e se tornaria o primeiro tricampeão da categoria.

Reunificação das categorias na temporada de 2008[editar | editar código-fonte]

Na temporada de 2008 ocorreu a reunificação da Champ Car (que era a sucessora da CART) com a Indy Racing League de Tony George, com as duas categorias de monopostos americanos desde 1996. A corrida mais popular da Champ Car, em Edmonton, foi remanejada para o calendário da IRL, enquanto Surfers Paradise na Austrália foi confirmada, mas não valerá pontos para categoria, e seriam parte da reunificação das categorias as provas do Grande Prêmio de Long Beach seriam feitas com as equipes da Champ Car, marcou o encerramento da categoria (onde o piloto australiano Will Power venceu e se tornaria o futuro campeão da IndyCar Series em 2014 e o 1º campeão da Team Penske desde Sam Hornish Jr. em 2006) no mesmo final de semana com a corrida no circuito oval no Japão de Twin Ring Motegi marcou o encerramento de uma cisão das categorias (onde a primeira pilota da história da Indy venceria, com a pilota Danica Patrick, todavia a primeira pole position de uma pilota foi de Sarah Fisher na corrida de 2002 no oval no Kentucky e terminaria a corrida em 8º lugar - o brasileiro Felipe Giaffone venceu esta corrida) e Sarah Fisher posteriormente seria uma das primeiras dona de equipe da história centenária da Indy). Com isso, a categoria teoricamente ficaria com 19 datas, neste ano de 2008 foi feita a fusão que unificaria. Um dos fatores foi o fato de a Champ Car se unificarem foi devido por várias problemas financeiras da Champ Car. Isto ocasionou uma certa urgência nas negociações entre esta categoria e a IRL, para que as equipes pudessem, o mais rápido possível, ingressar em outra competição e não serem prejudicados os patrocínios.

Desde o início na década de 1960, considerando a unificação de todas as categorias (AAA, USAC, CART, IRL e a atual IndyCar Series) quando o Indianapolis Motor Speedway (circuito oval), ficou completamente pavimentado e conservando uma faixa de tijolos na linha de chegada onde acontece a Indy 500, que é a corrida mais prestigiosa que ocorre geralmente em maio dias antes do Memorial Day americano, a categoria tem tido a presença de inúmeros ícones do automobilismo mundial, inclusive nas 500 Milhas de Indianápolis iniciando com Teo Fabi, Roberto Guerrero, o veterano em outras categorias e que classificou-se na Indy 500 como Michele Alboreto, Michael Andretti (vencendo como dono de equipe, mas que teve bons resultados como piloto na Indy 500), Bobby Rahal, Mario Andretti, Jim Clark (o próximo escocês a vencer a Indy 500 seria Dario Franchitti), , o piloto Nigel Mansell, o brasileiro Emerson Fittipaldi (vencedor das Indy 500 em 1989 e 1993), assim como Nigel Mansell e Nelson Piquet, além de Al Unser, Rick Mears, A. J. Foyt, os únicos pilotos que possuem 4 vitórias na Indy 500 além outros pilotos a serem considerados todas as categorias unificadas - AAA, USAC, CART, IRL e a atual IndyCar Series — como Graham Hill, Jim Clark, Jack Brabham, Alberto Ascari, Dan Gurney — cujo seu melhor resultado como piloto nas 500 Milhas de Indianápolis com alguns 2º lugar, mas entrou na história da tradição da Indianapolis Motor Speedway como dono de equipe vencedor das 500 Milhas de Indianápolis de 1975, vencido pelo piloto Bobby Unser, com Gurney como dono de equipe - assim como pilotos com passagens pelas principais categorias de monopostos, como Eddie Cheever também.

Visão geral[editar | editar código-fonte]

A Indy Racing League foi criada quando o empreendedor Tony George (que é ex-piloto da Indy Lights), proprietário de Indianapolis Motor Speedway, decidido cindir-se com a CART, a categoria que corria nas 500 Milhas de Indianápolis desde a década de 80, devido principalmente a que discordavam da política de introdução de circuitos mistos mais em detrimento das ovais e a crescente participação de pilotos estrangeiros. Discute-se também que, como a Fórmula 1, a CART se tornara também tecnológica e foi dominado pelas equipes mais ricas, em detrimento da competição. A categoria é delineada a fim de atrair os melhores pilotos americanos, com um regulamento de carros que requerem pequenos orçamentos e produzir mais resultado do que outras corridas mais tarde.

Devido a uma disputa legal com o CART, a IRL era incapaz de usar o nome IndyCar (registrada pelo Indianapolis Motor Speedway, em 1992 e licenciada para a CART) até o final de 2002. A partir de 2003 adotou o nome atual, IndyCar Series.

Em 1996 a categoria era conhecida apenas por USAC's Indy Racing League, sem gênero designado. Em 1998 com seu primeiro patrocinador no título, a categoria passou a se chamar Pep Boys Indy Racing League. Com o contrato não renovado após o segundo ano, a categoria fechou um contrato de cinco anos com a Northern Light, passando a se chamar Indy Racing Northern Light Series. Mas com apenas dois anos, o acordo de patrocínio terminou quando a Northern Light, reavaliando seu plano de atividades, terminou com todos os patrocínios.[3]

Depois disso, a categoria passou a se chamar Firestone Indy Racing League em 2002. Em 2003 a categoria passou a utilizar o nome IndyCar Series.

No dia 5 de novembro de 2009 a IZOD anunciou que colocará o patrocínio no título da categoria.[2]

Em Janeiro de 2010, Tony George renunciou ao cargo de chefe do Indianapolis Motor Speedway (esta sendo comandada atualmente pelo grupo Hulman & Co.) e também ao cargo de chefe da Indy Racing League (todavia retornaria ao rol de executivos do grupo), atualmente comandada por Randy Bernard, vindo do Professional Bull Riders, e a partir da temporada de 2012 da IndyCar Series foi relançado também o desafio para a nova geração de carros turbo para 2012, que desde 1997 estavam descontinuados e foram substuídos por motores com preparação aspirada.

Em 11 de janeiro de 2011 a Indy Racing League (corpo de sanção da Fórmula Indy) foi redesignada como IndyCar.

História dos carros e especificações atuais[editar | editar código-fonte]

Um carro da IRL de especificação de 1997 da G-Force. Este carro foi repintado para fins promocionais em 2008

A atual IndyCar Series é uma categoria de monopostos com base nos Estados Unidos e controlada pela IndyCar (antiga Indy Racing League), que controla e especifica os chassis e os fabricantes de motores que as equipes estão autorizadas a utilizar em cada temporada.

Inicialmente, na temporada de 1996 foram utilizados os chassis Lola, Reynard e motor V6 da Cosworth, Buick e Mercedes-Benz de gerações anteriores. O novo regulamento de 1997 trouxe novas especificações técnicas utilizadas em modelos anteriores e introduziram o G-Force, Riley & Scott, Dallara (que fornece chassi atualmente) e o motor com preparação aspirada Oldsmobile (mais tarde Chevrolet, que fornece motores nos dias atuais na Indy) e o Infiniti até 2002 com a vinda da Honda e da Toyota.

O fornecedor único de pneus é a Firestone (que fornece até os dias atuais, possui uma longa história nas 500 Milhas de Indianápolis), mas no passado da IndyCar Series, já houve mais de uma fabricante de pneus competindo. Os motores começaram com motores V8 4.0 litros baseado em produção e limitados a 10.500 rpm e com 700 cavalos de potência. No período de 2000 a 2004 eles foram reduzidos para 3.5 litros, posteriormente na 2005 tiveram uma nova redução para 3.0 litros. Após a chegada do etanol (como combustível), eles voltaram para 3.5 litros.

Motor Honda Indy V8 no carro

Com a mudança de regulamento elaborado a partir da temporada de 2012, os motor turbo retornariam, limitados a 12.000 rpm e posteriormente o push-to-pass entraria (mas sendo utilizado de forma limitada), para aprimorar a pressão aerodinâmica dos monopostos.

A partir da volta dos motores turbo em 2012, a Dallara fornece o chassi para todas as equipes e a Chevrolet e a Honda fornecem os motores, que são V6 (com 2.2 litros) e a Firestone como fornecedores de pneus. A Lotus Cars forneceu motores para as equipes durante a temporada de 2012, mas a mesma se retirou no fim do ano de 2012 e depois vieram os kits aerodinâmicos que eram desenvolvidas pelas duas fabricantes de motores até a a temporada de 2017.

Com o novo regulamento da temporada de 2018, da IndyCar Series, a fornecedora de chassis da categoria desenvolveria os kits aerodinâmicos (com o chamado aerokit universal, para todas as equipes), além disso, teria dois fabricantes de motores turbo com V6 de 2.2 litros, limitados a 12.000 rpm e o fornecedor de pneus seria o mesmo.

Chassis[editar | editar código-fonte]

1996 a 2011[editar | editar código-fonte]

Na primeira temporada da categoria em 1996 foram utilizados antigos chassis da Lola e Reynard, anteriormente utilizados pela CART entre 1992 e 1995. A partir da mudança no regulamento na temporada de 1997 a categoria passou a utilizar sua primeira geração de carros próprios, com motores de preparação aspirada de 4.0 litros, derivados de carros de série (Oldsmobile Aurora e Nissan Infiniti) e chassis com dimensões diferentes dos carros da CART.

Especificações[editar | editar código-fonte]

Especificações até o final da temporada de 2011[editar | editar código-fonte]

Dallara IR5 (2005-2011).

Depois de 2012-2017[editar | editar código-fonte]

Dallara DW12 (2012-2017).

Depois de 2018-2020[editar | editar código-fonte]

Circuitos[editar | editar código-fonte]

Depois da separação com a CART, a IRL começou como uma categoria que corria puramente em circuitos ovais, incluíndo um novo circuito feito pela família Hulman no Walt Disney World. em circuitos que eram mais utilizados pela NASCAR e que não eram divididos pela CART. A partir de 2001 a categoria passou a utilizar circuitos da rival, e a introdução do circuito de Homestead acabou por fechar o circuito da Disney, em 2005 foram adicionados os primeiros circuitos mistos da categoria (St. Petersburg, Watkins Glen e Sonoma).

Pontuação[editar | editar código-fonte]

Semelhante a outras categorias nos Estados Unidos, o sistema de pontuação premia com pontos todos os pilotos que se qualificam para uma prova. Atualmente o primeiro colocado recebe 50 pontos, o segundo 40, o terceiro 35, o quarto 32 e o quinto 30. Depois, entre o quinto e o décimo colocados, mantém-se uma diferença de dois pontos entre cada um. Do décimo ao décimo-oitavo essa diferença é de um ponto. Do décimo-oitavo ao vigésimo-quarto cada piloto recebe 12 pontos, e o restante dos pilotos recebem 10 pontos. Um piloto que não largar recebe 5 pontos, metade dos pontos do último colocado. O regulamento também premia com 2 pontos o piloto que completar mais voltas na liderança e com 1 ponto o pole position.

Posição 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33
Pontos 50 40 35 32 30 28 26 24 22 20 19 18 17 16 15 14 13 12 11 10 9 8 7 6 5 5 5 5 5 5 5 5 5

Tríplice Coroa e Indianapolis 500[editar | editar código-fonte]

A partir de 2014, as corridas que integram a chamada Tríplice Coroa da Fórmula Indy, cujas corridas são: 500 Milhas de Indianápolis, 500 milhas de Pocono e 500 milhas de Fontana, terão pontuação dobrada.

As 500 Milhas de Indianápolis, por se tratar do evento mais badalado da categoria, terá bonificações a mais para os pilotos. No fim de semana que define o grid também dá pontos.

Os 33 classificados para o grid, no sábado, pontuarão – 33 pontos para o pole, 32 para o segundo colocado, 31 para o terceiro, e assim por diante –, e os que conseguirem vaga para o Fast Nine, que definirá a pole e as nove primeiras colocações no domingo, levarão um bônus de nove pontos ao primeiro, oito ao segundo, sete ao terceiro, sucessivamente até o nono colocado, que levará um ponto.

Bandeiras[editar | editar código-fonte]

Bandeira Descrição
Bandeira Amarela (IRL).jpg Bandeira amarela
Perigo logo a frente. Reduza a velocidade. Em ovais, significa a entrada do safety car. Em circuitos mistos o diretor de prova mostra 2 bandeiras sinalizando a entrada do safety car.
Bandeira de Tráfego(IRL).jpg Bandeira azul com lista amarela
Dê passagem (o retardatário) a um carro mais veloz que quer ultrapassar.
Bandeira Verde (IRL).jpg Bandeira verde
Largada ou Relargada. Pista livre.
Bandeira Vermelha (IRL).jpg Bandeira vermelha
Corrida paralisada devido a acidente, chuva (no caso de circuitos ovais) ou má condição da pista.
Bandeira de Pista Escorregadia (IRL).jpg Bandeira listrada em amarelo e vermelho
Cuidado. Óleo na pista ou pista escorregadia.
Bandeira Branca (IRL).jpg Bandeira branca
Última volta.
Bandeira Quadriculada (IRL).jpg Bandeira xadrez (ou quadriculada)
Fim da prova.
Bandeira de Ambulância (IRL).jpg Bandeira branca com cruz vermelha
Ambulância na pista ou ajuda médica se faz necessária.
Bandeira de Desclassificação (IRL).jpg Bandeira preta com cruz branca
Desclassificação do piloto ao qual foi indicada.
Bandeira Pit Fechado (IRL).jpg Bandeira vermelha com "X" amarelo
Área do pit stop fechada.
Bandeira Preta (IRL).jpg Bandeira preta
Piloto obrigado a ir aos pits e seguir orientações dos fiscais de prova. Se for apresentada com bandeira branca, o carro deixa de ter as voltas computadas até ele entrar no pit.

Campeões[editar | editar código-fonte]

Ano Campeões Rookie do ano Piloto mais popular
Piloto Equipe Chassis Motor
1996 Estados Unidos Scott Sharp &
Estados Unidos Buzz Calkins
A.J. Foyt Enterprises
Bradley Motorsports
Lola
Reynard
Ford-Cosworth
Ford-Cosworth
não houve premiação não houve premiação
1996-97 Estados Unidos Tony Stewart Team Menard G-Force Oldsmobile Estados Unidos Jim Guthrie Países Baixos Arie Luyendyk
1998 Suécia Kenny Bräck A.J. Foyt Enterprises Dallara Oldsmobile Estados Unidos Robby Unser Países Baixos Arie Luyendyk
1999 Estados Unidos Greg Ray Team Menard Dallara Oldsmobile Estados Unidos Scott Harrington Canadá Scott Goodyear
2000 Estados Unidos Buddy Lazier Hemelgarn Racing Dallara Oldsmobile Brasil Airton Daré Estados Unidos Al Unser, Jr.
2001 Estados Unidos Sam Hornish, Jr. Panther Racing Dallara Oldsmobile Brasil Felipe Giaffone Estados Unidos Sarah Fisher
2002 Estados Unidos Sam Hornish, Jr. Panther Racing Dallara Chevrolet França Laurent Rédon Estados Unidos Sarah Fisher
2003 Nova Zelândia Scott Dixon Chip Ganassi Racing G-Force Toyota Reino Unido Dan Wheldon Estados Unidos Sarah Fisher
2004 Brasil Tony Kanaan Andretti Green Racing Dallara Honda Japão Kosuke Matsuura Estados Unidos Sam Hornish, Jr.
2005 Reino Unido Dan Wheldon Andretti Green Racing Dallara Honda Estados Unidos Danica Patrick Estados Unidos Danica Patrick
2006 Estados Unidos Sam Hornish, Jr. Penske Racing Dallara Honda Estados Unidos Marco Andretti Estados Unidos Danica Patrick
2007 Reino Unido Dario Franchitti Andretti Green Racing Dallara Honda Estados Unidos Ryan Hunter-Reay Estados Unidos Danica Patrick
2008 Nova Zelândia Scott Dixon Chip Ganassi Racing Dallara Honda Japão Hideki Mutoh Estados Unidos Danica Patrick
2009 Reino Unido Dario Franchitti Chip Ganassi Racing Dallara Honda Brasil Raphael Matos Estados Unidos Danica Patrick
2010 Reino Unido Dario Franchitti Chip Ganassi Racing Dallara Honda Reino Unido Alex Lloyd Estados Unidos Danica Patrick
2011 Reino Unido Dario Franchitti Chip Ganassi Racing Dallara Honda Canadá James Hinchcliffe Reino Unido Dan Wheldon
2012 Estados Unidos Ryan Hunter-Reay Andretti Autosport Dallara Chevrolet França Simon Pagenaud Canadá James Hinchcliffe
2013 Nova Zelândia Scott Dixon Chip Ganassi Racing Dallara Honda França Tristan Vautier Brasil Tony Kanaan
2014 Austrália Will Power Team Penske Dallara Chevrolet Colômbia Carlos Muñoz Colômbia Juan Pablo Montoya
2015 Nova Zelândia Scott Dixon Chip Ganassi Racing Dallara Chevrolet Colômbia Gabby Chaves Reino Unido Justin Wilson
2016 França Simon Pagenaud Team Penske Dallara Chevrolet Estados Unidos Alexander Rossi Estados Unidos Bryan Clauson
2017 Estados Unidos Josef Newgarden Team Penske Dallara Chevrolet Emirados Árabes Unidos Ed Jones Estados Unidos Conor Daly

Ver também[editar | editar código-fonte]

Commons
O Commons possui imagens e outras mídias sobre IndyCar Series

Referências[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]